Vasco em Elvas – 1946

Faltavam poucos minutos; a perder por um a zero
Percebi ser preciso tomar uma atitude de imediato
Ser campeão nacional hoje é aquilo que eu quero
Mas só ganhando o jogo ganharei o campeonato

Havia à volta do campo uma onda de tristeza
No rosto dos adeptos que chegaram de Lisboa
Quando fazia lançamento sentia uma certeza
Não os podia decepcionar a jogar a bola à toa

Foi por isso que peguei na bola junto à lateral
E avancei pelo meio campo do meu adversário
Ninguém esperava este meu arranque triunfal
Porque dos defesas só esperamos o contrário

Do livre a castigar o meu derrube perto da área
Veio o golo do empate; renasceram as ilusões
O Rafael fez depois uma jogada extraordinária
E saímos de Elvas com o título de campeões

3 thoughts on “Vasco em Elvas – 1946”

  1. Deixa o Vasco em paz e puxa pelas meninges para o poema obrigatório em louvor de Paulo Sérgio. Tu e o Valupi deviam ir a Fátima de joelhos, de castigo por terem tratado tão mal o treinador da vossa equipa.

  2. Zeca Diabo caríssimo olha o Belenenses aliás Os Belenenses merecem um poema a recordar o campeonato de 1945-46. Como poeta sou ecléctico. Também escrevi um poema para Pavão (FCP) que morreu em 1973.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.