Sábado na Calçada

Passa o eléctrico leva GRAÇA na bandeira

Mas já vem outro para MARTIM MONIZ

O teu olhar fica suspenso até segunda-feira

Multiplicado por quatro na luz destes carris

Quando o sol de sábado dispara tão devagar

Feixes de luz e calor até ao fim da calçada

Onde o eléctrico parece vai entrar no mar

As ruas em ângulo parecem porta do nada

Como se o pano de cena agora se fechasse

Os eléctricos e passageiros fossem levados

No lugar sem nome, sem espaço ou classe

Entre o real e o imaginário, nos dois lados

Aqui passam eléctricos, passa uma pressa

De chegar lá onde proclamam os roteiros

A verdade não existe assim e não é essa

A hora do meu mostrador e dos ponteiros

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.