Paulo Teixeira

Nos juniores tu eras sempre o capitão

Depois na equipa B tinhas a braçadeira

Hoje sei que jogas futebol em Portimão

Porque leio A BOLA de segunda-feira

Corri o país para escrever no meu jornal

Fazia as crónicas e a notícia pequenina

Eras tu que me falavas sempre no final

Mas em nome de toda a equipa leonina

Foste o melhor em campo várias vezes

Tal como já tinhas sido vestido de leão

Em Santarém nos Sub-21 portugueses

Fazias toda a ala direita dessa selecção

Ainda hoje não percebo este mistério

Que te afastou para longe de Alvalade

Tu continuas a jogar e sempre a sério

A encher os teus domingos de verdade

12 thoughts on “Paulo Teixeira”

  1. Coitada da Cláudia, não percebe nada disto mas julga-se presidente de um júri literário. Safa… ainda bem que os meus jurados foram Pedro Tamen, Armando Silva Carvalho e Fernando J. B. Martinho. Se fosse ela, nada feito. A SPA e a APE não sabem o que perdem.

  2. Cláudia,
    O “poeta” é um fingidor (já dizia o outro) e finge tão bem, tão bem, que chega a fingir que é desdém… a parvoíce que tem.

  3. PoemaZINHO, regado a cerveja, dedicado à Cláudia que acabou de ser maltratada, injustamente, por quem foi julgado por tão eminentes jurados. Safa!

    Oremos Senhor
    Pelo pobre poeta Anacleto
    Que faz poemas em ângulo recto

    Oremos Senhor
    Pelo poeta fraco de bestunto
    Que faz obra e serra presunto

    Oremos Senhor
    Pela penosa sensação d’azia
    Que nos fornece certa poesia

    Oremos Senhor
    Lançando vigoroso amplexo
    P’ra quem sofre os poemas sem nexo

    E se ainda vos restar rancor
    Oremos Senhor…fiquemos assim
    Oremos Senhor…também por mim.

  4. não desanime, jcfrancisco, já vi (li) poetastros bem piores. Anime-se, que o Pessoa também ficou em segundo com a «Mensagem».

  5. Os jurados deste senhor deviam estar com os copos, ou são vesgos. Mal parecia que não viesse logo escudar-se com nomes que lhe servem de bengala. Quem pode acreditar que estes textos são poesia?! É do pior que tenho lido. Palavras a esmo, sem métrica, sem nexo. Um amontoado de palavras inúteis escritas em cima do joelho. Talvez para fazer concorrência ao Valupi em termos de número de posts, tudo vale, na desenfreada vaidade desta criatura. Safa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.