Fernando Ferreira

Desenhas devagar um quadro no relvado
Com toda a geometria que te fôr precisa
Para levar o som da tua voz a todo o lado
E a bola a entrar tão veloz na outra baliza

No corpo da equipa tu és um forte pulmão
Não tens anidrido mas sim oxigénio puro
Nos teus pés nasce um projecto de canção
Escrita na pauta para ser cantada no futuro

Chamar canção à festa não é nada exagerado
Nos abraços de cada golo nasce uma melodia
Que chega ao meu ouvido onde estou sentado
Que toca quem ouve o resultado na telefonia

Se esta equipa fôr um comboio de passageiros
Tu só podes ser o seu mais activo maquinista
Que não quer ver comboios lentos e ronceiros
Nesta planície onde os sonhos estão ali à vista

13 thoughts on “Fernando Ferreira”

  1. O Zé do Carmo faz esta coisa rara e apreciável que é cantar as proezas dos Fernandos Ferreiras mais ignotos comno se fossem Eusébios ou Cristianos Ronaldos. Parece que está sempre contra as estrelas maiores do firmamento, por isso ataca o Saramago. Ó pá, até podias tecer loas aos teus amigos sem menosprezar os grandes. Boa?

  2. Fumando a farinheira

    Contemplas devagar a erva ali ao lado
    Limpas a boca com a ponta da camisa
    Para manteres o charro bem enrolado
    E com toda a saliva de que a mortalha precisa

    O fumo vai entrando até ao pulmão
    Não é caldo knorr mas sim chamon do puro
    E o charro já passa de mão em mão
    Já vês a luz já saíste do escuro

    Chamar a isto festa não é nada exagerado
    Começam os abraços e começa a fantasia
    Os corpos tocam-se e está tudo entesoado
    Sem darmos por isso já começou a orgia

    É uma alegria! Todos muito ligeiros
    Tu és de certeza o mais activo maquinista
    Quero lá saber que nos chamem paneleiros
    Depois de tudo só te posso chamar artista

  3. Intolerante, este Francisco. Um tipo que quer a toda a força vomitar sozinho acabará afogado no seu próprio vómito.

  4. Ó José do Carmo Francisco, olhe que eu acho que o poema do Bernardino está muito melhor do que o seu. E até lhe dou razões para a minha opinião:

    a) Mantém uma estrutura métrica mais consistente.
    b) Flui muito melhor, tanto em termos narrativos como em termos fonéticos (o seu está cheio de cacofonias dispensáveis).
    c) Usa o non-sense de modo admirável.
    d) Conta uma história de modo mais claro e sucinto.
    e) Provoca uma reacção imediata no leitor. No caso, o riso.
    f) Não pretende ser aquilo que não é. É simples.

    É certo que se trata de um pastiche, de uma paródia a um texto seu, mas até nisso lhe ganha aos pontos, pois é daqueles casos em que o sucedâneo ultrapassa o original. Repare lá bem em como o Bernardino decalca a sua métrica e realça bem os seus tiques de dicção poética.

    Independentemente disto, faço questão deixar aqui bem claro que considero o José do Carmo Francisco um poeta (e cronista!) consistente e sólido e não ponho, de modo algum, em causa a sua Obra. Reconheço sobretudo os seus dois primeiros livros, “Iniciais” e “Universário”, como contributos marcantes da História recente da poesia portuguesa (posteriormente tornou-se irregular, com registos medianos a par de textos significantes e exemplares).
    Mas isso não impede o Poeta de momentos maus, como é o caso de alguns dos poemas que tem dado a lume aqui, mas a partir dos quais, reforço, seria injusto avaliar uma obra de assinalável grandeza.

    Alda Sousa

  5. AS, pareces uma arguente de tese de mestrado, serás a Clara Rocha?

    a) por mim estou a cagar pra estrutura métrica
    b) fluir bem flui o cagalhão e é cagalhão
    c) o nonsense não é admirável, é nonsense
    d) gostas é de pastiches (isso fuma-se?)
    e) muito riso pouco siso
    f) simplesmente maria

  6. Maior intolerância é só responder às patacoadas dos boçais que vêm aqui defecar, a quem é mais fácil de responder. Mas o Sr. José Francisco finge que não vê quem lhe endereçou uma análise crítica fundamentada, cordial e de uma enorme correcção, inclusivé dando o próprio nome. Será discutível, certamente, mas até por ser discutível mereceria uma palavra do destinatário.
    Passando ao largo de um comentário sensato ao mesmo tempo que vai dando atenção ao vómito de outros, o Sr. José Francisco só demonstra que está mais próximo do vomitado do que da sensatez.

  7. O texto de Alda Sousa é como um bom vinho ou um prato bom, abundante e bem confeccionado – não precisa de «cantigas». Agora o outro (rabo escondido com o gato de fora) merece todo o repúdio. Não perceber isto é não perceber nada.

  8. Em homenagem ao jcfrancisco, aqui vai:

    De abalada neste dia
    Pobre do Rui bem merecia
    Um final glorioso
    Mas a águia rapineira
    É galinha com pieira
    Tiritando no seu pouso

    Do outro lado, o leão
    Fez das tripas coração
    E despediu-se a urrar!
    Mas bem leal como gosta
    Cumprimenta o Rui Costa
    Que ele vê a abalar…

  9. Foi muito bom terem ficado em 4º lugar pois fazem cem anos em Setembro e é uma excelente maneira de comemorar o centenário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.