Canção breve para «Canção para Carlos Paredes» de Luísa Amaro

Vem a melodia precisa

Em escala de Primavera

Que surpresa de Luísa

Ouvido que não espera

Quando era só companhia

Da guitarra grande a voar

Apenas olhava e ouvia

Na vertical do meu lugar

De «Devaneios flutuantes»

Ao «Jogral» já encantado

Juntando mundos distantes

Num som puro, imaculado

São raízes, são razões

Dum rio que vem dizer

A letra destas canções

Na pronúncia de mulher

Com Luísa de surpresa

Som numa nave central

A guitarra portuguesa

Faz da igreja a catedral

Tal como numa oração

Junta mundos dispersos

Para fazer uma canção

Já não precisa de versos

Basta-lhe ritmo, vertigem

Duma escala musical

Para chegar à origem

Do som que é Portugal

4 thoughts on “Canção breve para «Canção para Carlos Paredes» de Luísa Amaro”

  1. Obrigado «Z» bem lembrado. Muito bem lembrado. Só para ter este comentário valeu a pena o trabalho de ter escrito o poema. Aquela aparente simplicidade tem horas de trabalho oficinal… Obrigado uma vez mais.

  2. imagino que os poemas sejam esculpidos ao decibel, ainda bem que gostaste mas foste tu que me lembraste, portanto quites,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.