Balada para a Avenida 24 de Julho

Fica à esquerda a fragata
Desejo de quem cobiça
Trazia conserva em lata
E as galeras de cortiça
Há uma torre à direita
Construída de raiz
Para a central perfeita
Dos tempos do P.B.X.
Eléctricos são um mundo
Gente de ganga fardada
Seja Algés ou Dafundo
Volta na Cruz Quebrada
Comboios da Sociedade
Para Cascais ou Oeiras
Tempo da electricidade
Nas carruagens ronceiras

Nas gravatas que apregoa
E na sombra que procura
Está toda a cor de Lisboa
Nos motivos da cintura
Chega hortaliça de Loures
Vem a água de Caneças
Carroças de lavradores
Com barrete nas cabeças
Na vinte e quatro de Julho
Que foi antes o aterro
Há o soturno barulho
Ferro a bater no ferro
Passa um carro atrelado
À espera da campainha
Na viagem ao passado
A saudade vai sozinha

5 thoughts on “Balada para a Avenida 24 de Julho”

  1. lá te esqueceste outra vez de dizer que a naífada é do eng. durão, mas não faz mal porque são todos repetidos com’á tua conversa

  2. Sei sim meu Caro. Foi grande lapso meu porque não soube transmitir ao Valupi. Trata-se de J.B. Durão e este quadro está numa exposição colectiva na Rua da Misericórdia nº 30 ali ao Chiado. Há 44 anos quando vim trabalhar e viver em Lisboa vi um dia uma coisa espantosa: um carro de bois na rotunda do Marquês de Pombal às duas da manhã. Vinha de Loures com hortaliça e estava ali fora de horas por causa do trânsito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.