Balada da Costa Nova para C. S.

Há no olhar de Clarinha

A paleta em dimensão

Na Costa Nova vizinha

Todas as cores do Verão

Entre o azul deste lado

E na praia areia trazida

Entre vermelho pintado

Todo o cinzento da vida

Depois verde esperança

Amarelos e castanhos

Numa rua que não cansa

Casas de vários tamanhos

Costa Nova, Arte Nova

Catálogo de cores diversas

Cada casa é uma prova

De várias artes dispersas

Da praia do Furadouro

Até ao Poço da Cruz

As areias são de ouro

E as algas são de luz

Moliço que enche a ria

Como o sal desta salina

Dá trabalho todo o dia

Aos olhos desta menina

8 thoughts on “Balada da Costa Nova para C. S.”

  1. Mas Sinhã – é tudo verdadeiro. Como NOvalis quanto mais poético mais real quanto mais real mais poético. Tudo aconteceu no passado domingo na Costa Nova. Mesmo.

  2. “Costa Nova, Arte Nova

    Catálogo de cores diversas

    Cada casa é uma prova

    De várias artes dispersas

    Da praia do Furadouro

    Até ao Poço da Cruz

    As areias são de ouro

    E as algas são de luz

    Moliço que enche a ria

    Como o sal desta salina

    Dá trabalho todo o dia

    Aos olhos desta menina”

    Bela bosta.

  3. Luz

    Era assim a inocência feita de luz
    nas cores primeiras da nossa infância
    o azul de sempre e o branco total
    em todas as coisas o tempo tardava

    O som do restolhar dos passos na rua
    os barcos pousados na lenta manhã
    uma voz anuncia vento norte
    ao rez do sonho desfeito e breve

    um nó de brisa escorre dos dedos
    nas pedras breves na carne dos dias
    na frescura das águas adormecidas.

    clara

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.