Acima de nós, só Deus

É daquelas palavras na moda, que acabam por irritar pela profusão desnecessária, eu sei. Mas quem ouviu as declarações do bastonário da Ordem dos Médicos à TSF, a propósito da coima atribuída pela Autoridade da Concorrência, ficou a conhecer o verdadeiro significado de “pesporrência”.
A pesada penalização surgiu a propósito de uma prática aparentemente normal aos olhos do Dr. Pedro Nunes: tabelar preços dos actos médicos. O valente bastonário, julgando talvez que vive na Itália corporativista de Mussolini, “não reconhece qualquer competência para sequer interpelar a Ordem” à AdC, e não lhe “passa pela cabeça” que aquela “tenha o atrevimento” de a multar. Mesmo prometendo recorrer aos tribunais, a Ordem sabe já que “não pagará a multa jamais”. Pior ainda: o homem declara-se “estupefacto pela AdC se ter lembrado de emitir um comunicado público, quando a Ordem tinha requerido expressamente para que não houvesse comunicado público.” Isto apesar de a AdC a tanto ser obrigada por lei… mas essas minudências não se aplicam aos assuntos da classe médica, pois não? Claro que o Sr. Dr. não acabou a sua prédica corporativista sem agitar o álibi do costume: eles andam a “pôr interesses de doentes em causa”.
Em resumo: a Ordem sabe-se totalmente imune a qualquer espécie de fiscalização da sua actividade. Voga centenas de metros acima do atoleiro onde labutam as criaturas comuns e nunca se rebaixará a pagar uma multa. Tem uma legitimidade que a coloca num pedestal fora do alcance dos reles órgãos fiscalizadores que emanam dos poderes eleitos.

14 thoughts on “Acima de nós, só Deus”

  1. Essas palavras a mim não me causam surpresa nem arrepios, especialmente vindas da boca de um bastonto muito importante. A classe médica, com algumas honrosas e bravas excepções, é das classes profissionais mais reaccionárias dos tempos modernos, e os planos da Velhíssima Ordem Internacional dos Duques do Dinheiro seriam pràticamente impossíveis de levar a cabo se não houvesse colaboração (quer directa e militante, quer resultado dum espírito profissional de dobrar a espinha e fechar os olhos à realidade dos factos e da verdadeira ciência) dessa corja de robots ignorantes mascarados de salvadores de batinha e estetoscópio. Ainda digo mais, se eles entrassem de greve amanhã, tenho a certeza que depois de se fazer um balanço morreriam menos vinte pessoas nessas 24 horas. Isso já foi revelado com cristalino à-vontade há dezenas de anos nos Estados Unidos. E tenho a certeza que se hoje se fizesse um levantamento, as conclusões ainda seriam mais assustadoras. Estes marmelos de seringa, pastilha e raio-X não passa de infantria sem vergonha ao serviço da Roche e do Rockfeller.

    A propósito, a qual das 39 editoras perdedoras, porque o negócio vai mal, incluindo a tua, coube a honra de ter traduzido do inglês “A Indústria do Cancro”? Ou vocês aí investem mais nos escritos politicos de poetas assombrados ou de figuras já com nome feito e próstata abalada da Brigada do Reumático?.

  2. Só espero que o sr anónimo morra saudável.
    O limite máximo tem a ver com proteger o utente contra os preços astronómicos. Sabe quanto leva numa primeira consulta o Carlos Amaral Dias?
    E sabe quanto é o mínimo por consulta?

  3. Provavelmente, o Anónimo sabe. Mas eu estou nesta insónia, mortinho por saber. Diga, José. Quanto custa a primeira consulta? E que mínimo leva o doutor?

  4. José,

    Morrer com saúde é que vai ser um problema do caraças, apesar do cuidado que tenho em conservar-me a uma distância razoável de maus médicos, sardinha frita e muitos outros potenciais inimigos. E não faço a menor ideia dos dinheiros que esse Amaral Dias cobra numa primeira consulta. The sky is the limit. Um colhão, o coiro e o cabelo, an arm and a leg? Tudo pode acontecer em astronomia. Mas com um nome tão intimidativo como esse, está posta de parte a hipótese do homem andar a viver do comércio de bogas de viveiro. Por isso, arrisco: 23 euros… por minuto?

    E, por favor, cure-se. Não ponha estas coisas em termos de preço de consultas. Os perigos e riscos provêm de filosofias, programas, dogmas e aldrabices bem cobertas – não de tabelas de preços de consultórios chiques – impostos pelo comité para a propagação dos diabetes e pressões arteriais e seguidos à risca pelos detentores de bastonetes das ordens nacionais. As pílulas prescritas pelo médico comunista são exactamente iguais na cor e no paladar às do seu colega neo-aquilo-que-nos-apeteça-de-direita. Quem nos dera que as nossas dores de cabeça pudessem ser resolvidas com uma visita ao consultório de esculápios e curandeiros finos, mesmo a poder e sacrifício duma semanita de salário mínimo!

    Curiosidade do dia: estou a tentar livrar-me dum úlcera gástrica com malagueta africana feroz e há dias recebi uma carta amigável do meu médico a propor-me vacina contra a gripe das aves. Tá bom, tá.

    TT (abaixo os anonimatos )

  5. B

    As palavras compreendo. Só o que não compreendo são as reticências. Desenvolva-as…senão não cura ninguém.

  6. Titio

    Recebeste o meu email, filho desvairado? Se não, ainda tens o meu? Escreve-me, please, que eu preciso de ouvir das boas.

  7. Valupi,

    Não sei se saberás no que andas a meter-te com esse convite. Terás resposta ao e-mail, seguro. Provavelmente amanhã, pela manhã. Agora não. Na minha agenda de trabalhos escrevi: sexta, pintar a bicicleta.

    TT

  8. TT

    Pois a beleza do convite está nisso mesmo de não se fazer ideia do que possa originar. Consta ter sido também com esse propósito que se promoveu a primeira divisão celular. Olhando para o resultado com calma, até que podia ter sido pior.

    Não te esqueças de forrar o chão com jornais.

  9. Isto está animado, já venho tarde, estive longe.
    Só os médicos de clínica geral pedem os preços mais elevados, para a sua categoria, na Europa.
    Quanto ao Carlos Amaral Dias, se, para além de freudiano, for ainda Lacaniano, a conta pode ser uma barbaridade… conhecendo o modo de funcionamento do Jacques Lacan.
    Nevroses, não obrigado, já me basta um rim em mau estado por incompetência de urologistas da treta…

  10. Adorei os comentários. Apoiadíssimo. O corporativismo num país supostamente democrático é obsceno e apenas serve aos amigalhaços.Com tanto dia nacional disto e daquilo, bem que podia haver o dia do doente mal tratado ou o dia nacional da cabeçada aos incompetentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.