Um pouco de rigor

Pode ler-se aqui a notícia de que os cigarros eletrónicos vão ser proibidos nos locais públicos, tal como os cigarros tradicionais, invocando a legislação europeia que “determina a proibição”.

Talvez quem produziu a notícia pudesse ler a tal da legislação europeia. Está aqui.

A Diretiva é a 2014/40/ EU e teve uma longa história. Talvez seja cansativo ir consultar todo o processo legislativo. Agora, não ler o artigo 20º (cigarros eletrónicos) ou ler e noticiar que o mesmo determina a proibição de vaporizar em locais públicos é desinformar.

A Diretiva nada diz sobre o uso em locais públicos de cigarros eletrónicos e não os classifica como medicamentos (até 20 mg de nicotina), alegando, e bem, que o controlo da qualidade do produto não o exige. A Diretiva impõe a regulação da coisa, o que é bom. Quando compro um líquido para um cigarro eletrónico, quero saber dos seus componentes. Quero controlo de qualidade.

Quando compro comida enlatada também gosto que me disponibilizem um rótulo com as informações adequadas tendo em conta o produto e os consumidores.

É evidente que começou uma guerra. Se a nossa liberdade de gozar a vida com vapor (não é um cigarro, não é fumo, não é tabaco) for absurdamente restringida, a responsabilidade da estupidez inconstitucional é do decisor político.

Como temos no Governo quem gosta de nos proteger de nós próprios, gente que dá um tiro filosófico à liberdade, “normalizando” os nossos comportamentos, num ideal ditado de virtude coletiva, não me admira que a proibição avance.

Começou com uma boa estratégia, essa de divulgar a mentira de que a legislação europeia impõe a proibição do vapor em locais públicos.

Depois vem o sal, depois vem o álcool, depois teremos um ataque ao que comemos em casa, até nos “libertarem” para, finalmente, sermos livres, como nos querem livres.

Porque Leal da Costa é homem para fazer eco das palavras atentatórias do Estado de direito proferidas pelo presidente da Ordem dos Médicos: “O Estado deve ter um papel positivo em modelar o comportamento dos cidadãos”.

É exatamente o contrário. E a melhor resposta a este horror foi escrita aqui.

 

15 thoughts on “Um pouco de rigor”

  1. eheheh… extraordinário sentido de oportunidade, mas estou mais preocupado com o futuro das beatas electrónicas.

  2. o fascismo em toda a sua clareza. O que é condenável e punível por lei é o que o polícia dos costumes determinar. Vem isto a propósito de uma meditação que tenho vindo a ter sobre o carácter fascista da direita europeia actual. Por isso vou votar PS nas europeias. Não pelo Seguro, pelo anti-fascismo socialista. É a melhor lista a concurso. Contrariem e provem-me o contrário.

    E então agora desde que vejo o melo e o range-dentes a espumar da boca tentando reavivar ódios contra o sócrates como principal trunfo, no way: abstenção é voltar a dar-lhes força. Peço desculpa por contrariar o sentido de campanha vigorante no blog(seguro todos os dias aopequeno-almoço). Neste momento o seguro não deve ser a nossa preocupação. Um problema de cada vez, please.
    https://www.youtube.com/watch?v=Jvb0-Fm98qI

  3. Isabelinha: fica descansada que a saga persecutória fascista e a Jihad sanitária e higienista não englobam Promessas actuais do Passarola e do teu Tozéro – parece que vai trabalhar incansavelmente para que tu e os teus comparsas farsolas da xuxaria caviar um dia possam ter o emprego e a actividade que quiserem, em vez do extenuante e trabalho de perorarem diariamente nulidades como galinhas cacarejantes sobre a vida da nação. Como esta que te azedou na moleirinha … apesar de questões tão cruciais para o futuro do povaréu e da UE e arredores, como o wonderful programa de industrialização 4.0 e as 80 medidas de governança a custo zero que nos vão fazer, finalmente, reganhar a esperança no futuro e limpar o cheiro a mofo dos direitolas. Estou tão excitado com esses dias que já mamei maço e meio de Gauloises sem filtro nestes últimos dias, a ver a campanha do Assis e mais uns selfies estarolas. Mas pronto, a teu pedido e por tua absoluta necessidade, falemos sobre beatas electrónicas e fumaças de fingir …

  4. o tabaco provoca o cancro, cria grupos sociais bode-expiatório( que é bom para a propaganda de entertainment) e dissolve famílias. Só na Nova Zelândia foi uma porrada de divórcios, o que vai claramente contra o bla bla e bla (zzz)…
    Estas campanhas fazem-me mal à saúde, dão-me o incentivo contrário:
    https://www.youtube.com/watch?v=4TV_128Fz2g

  5. O problema Isabelinha é que nenhuma directiva te salva a ti, aos inúmeros compadres balofos e barrigudos cheios de discursos ocos e bafientos sobre os amanhãs socialistas cheios de promessas e dividas; aos magotes da Vaches Sacrés cheias de violentas vacuidades, sem pau sem tusa e sem vergonha, ou, ainda, às desesperadas e chorosas Viúvas do nauseabundo Socratismo de se olharem para o espelho da vossa total INCAPACIDADE e INCOMPETÊNCIA para serem ao menos uma RELES alternativa, sem sentirem nojo e náusea quando se olharem ao espelho e verificarem que … são apenas FUMAÇA a FINGIR.

  6. (gauloises em excesso dá nisto)
    o manel freeporcos não vê compadres balofos no psd, tadito…não percebeu que os decisores políticos actuais não são do ps. Ganda trauma. ganda Sócrates. Ganda fantasma. Não há assunto que não vá lá parar.

  7. edie … zinho, sugiro que continues afanosamente a massagem do teu púbere e naif clitóris enquanto assistes às excitantes declarações de campanha do Seguro e do Assis, e, com sorte, muita sorte, talvez tenhas um arrepio orgásmico.

    Não precisas de agradecer.

  8. mais uma causa facturante, a libertação da pirisca electrónica. à venda na framácia do seguro.

  9. a liberdade individual é intocável. mas percebo a perspectiva da salvaguarda do bem comum pelo exemplo de cima para baixo. o cinto de segurança é um bom exemplo, não é mau nem autoritário. o rigor também é imprescindível – assim como a informação de que o vapor não é inofensivo ao próprio – é apenas menos nocivo.

    mas a questão é outra: é a concorrência que faz à indústria tabaqueira. é isso que está a fazer papos.

  10. manuel freeport,”os amanhas que cantam” continua a ser slogan dos sociaisfascistas do pcp!

  11. manuel freeport,se o teu problema é pelos vistos estarmos “sem pau nem tusa” tens boa solução, vai ter com o zé camarinha,que ele avia-te!

  12. Boa tarde Dra. Isabel Moreira,

    Gostava de trocar algumas impressões consigo acerca dos cigarros eletrónicos.

    Teria disponibilidade?

    Muito obrigado pela atenção que possa dispensar.

    Atentamente,
    Rui Borges
    Tlm. 912345031

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.