PMA – da vergonha alheia

Do nojo.

Ser coautora de um projeto de lei do GPPS que corrige a inconstitucionalidade do quadro legal em matéria de procriação medicamente assistida, tornando-a complementar e acessível a todas as mulheres. Sim, todas: solteiras, viúvas, unidas de facto ou casadas com outra mulher.

Um projeto de lei em linha com os pareceres emitidos por quem de direito na matéria e ouvir, na discussão do mesmo, uma ofensiva vil, moralista, uma alegada pretensão “personalista” das coisas, onde só cabem mulheres inférteis, devidamente casadas ou unidas a um macho. As outras, como eu, que sou solteira e com problemas de fertilidade, terão uma “agenda”.

E quem o diz do alto do moralismo CDS, PSD e PCP?

Mulheres. Deputadas jovens.

Poucas vezes me senti tão enojada.

(No entretanto, quem tem dinheiro, vai a Espanha concretizar o direito de ser mãe)

11 thoughts on “PMA – da vergonha alheia”

  1. vergonha sinto eu de constatar que há mulheres que julgam ser os seus direitos maiores dos que os de uma criança. mas que é isto de acharem que querem ser mãe e que isso basta? tomar a decisão, mesmo antes da criança nascer, de que não tem direito a um pai – um filho da ciência e do egoísmo onde não cabem os supremos interesses das crianças. ora aí está uma excelente oportunidade de adopção se a questão reside, de facto, no querer ser mãe.

  2. Olinda, se fosse possível “engravidar” neurónios e sensatez você estaria numa lista prioritária. Porque você é burra! Muito burra!
    Esse seu argumento (que nem é da sua cabecinha despida) é um sofisma primário, que inverte e confunde os respectivos termos.
    O seu comentário já não era intelectual e civilizacionalmente admissível nos anos 1960, quanto mais agora.
    Vá dar banho a patareca!!!

  3. Luís Filipe Miranda, o teu “comentário” é “intelectual e civilizacionalmente inadmissível”. Pior que chamar burro a alguém é escrever de modo a não deixar dúvidas de que o é.

    Olinda, tens razão, em parte. A procriação medicamente assistida deve ser reconhecida como um direito para todas as mulheres com dificuldade em engravidar desde que defendidos todos os direitos da criança, incluindo o de terem um pai.

  4. presume-se, Zeca Diabo, que uma mulher que não viva com um macho e que não pretenda fazer um filho por amor, com um macho portanto, não está preocupada em dar um pai e o mundo a um filho – está preocupada em encher a vida dela através da instrumentalização da procriação.

  5. A HIPOCRISIA do Estado norteia o interesse da criança e o EGOÍSMO norteia o interesse do deputado – o legislador.
    A adoção será assim tão repugnante? É difícil? A institucionalização da criança cresce como a erva daninha. Uma lei para obviar ao que se conhece, é benvinda. Só que os deputados preferem tocar no microfone em jeito de compasso, treinar a dança das mãos no púlpito e lutar por algo que, em boa verdade, deveria ficar em fila, quando há tanta criança abandonada. Se aplicar o qualificativo a tal postura, nojo não chega.

  6. Luís Filipe Miranda, não me deixas alternativa senão mandar-te – de forma intelectualmente crua e despida e em consonância com a minha patareca vaidosa de orgulho por pensar como pensa – para o caralho. até porque te deve ser bastante querido, esse lugar, na tua vivência civilizacional. e nem precisas de agradecer caso tenhas adorado.

    vivam, e nasçam e cresçam, as crianças com pai e com mãe! fruto de um amor desde que é desejada a dois até ser concebida e parida e crescida! viva! :-)

  7. pois, numbejonada, pelos vistas o cliché da adopção só serve para abanar minorias – porque a verdade é que as crianças abandonadas e a precisarem de um pai e de uma mãe é que são uma maioria. estou farta de tanto armanço progressista e de tanta vaidade e exibicionismo em um país com tanto por onde lutar.

  8. oh bimba! diz que era o caralho do salazar que o gajo concorda e ainda acabam a noite no teu blogue a rezar uns avé-caralhos à alma do santa comba.

  9. Ora beie, num é beie açim, porque essa palabra tão profuzamente uzada era o castigu do marrinheiro.

    IGNORATEZE, hereje, és uma alma que pede muita orassãoe. baie labare a lingua, badio, num ofendas queie pode intercedere por tie, hereje, farizeue. precizas dum ezorssismu, seu danadu. baie lá pra vaicho e recolhe-te ao lodo, seue imundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.