“Os Homossexuais já podem dar sangue” – Perdão?

Volto ao tema. Hoje, assisti incrédula a uma “revista de imprensa” na SIC, durante a qual o comentador celebrava o facto de “finalmente” os homossexuais já poderem dar sangue.

Assim. Parece que hoje foi uma data histórica, inédita. Desde sempre, aparentemente, que os homossexuais tinham sido excluídos da possibilidade de serem dadores de sangue.

Não é assim.

Em 2009, na sequência de uma recomendação da Assembleia da República, foi determinada a proibição de qualquer discriminação no que toca à doação de sangue. Parecia evidente que o importante nas questões de cautela prévia é só e apenas o que respeita a comportamentos de risco, seja de quem for, e não à orientação sexual das pessoas.

Ora, sob a tutela deste inovador Governo, a discriminação voltou a existir sem qualquer fundamento ou estudo, como bem explicou Paulo Côrte-Real hoje de manhã na RTPI .

O que agora está a ser proposto sem consulta de quem interessa é mascarar a exclusão: elimina-se automaticamente qualquer homem que tenha tido relações com um homem no período de um ano. Não vejo como isto não seja a exclusão de todos, ou praticamente todos, os homossexuais ou bissexuais.

Continua a lógica de caça ao grupo e não de averiguação de comportamentos de risco.

Isto é uma vergonha.

O Grupo de Trabalho é uma vergonha.

Tiveste relações com um homem no último ano? – este é o critério espetacular a que chegou um grupo de sábios, rejeitando as questões essenciais: comportamentos de risco independentemente de quem seja o dador.

Naturalmente um homem com uma relação estável com outro homem com o qual tenha uma vida sexual nunca poderá ser dador. Genial.

Como escrevi num artigo no expresso (“Sangue Gay”) (http://expresso.sapo.pt/blogues/blogue_contrasemantica/sangue-gay=f922692)

“As perguntas devem, evidentemente, centrar-se em comportamentos de risco, e não em questões identitárias. Perguntar a alguém, seja essa pessoa quem for, se praticou, por exemplo, sexo anal desprotegido, prática comum a todas as identidades sexuais, é pertinente”.

Perguntar a alguém se é gay ou bissexual e se praticou sexo com homens nos últimos x anos tem apenas mais um efeito para além dos referidos: afasta do SNS os dadores que representam menos risco e chama ao SNS os dadores que representam maior risco.

E por quê? Porque não mente quem está bem com a sua identidade sexual, quem tem consciência dos seus comportamentos, quem vive bem consigo mesmo. Mas é afastado. Mais facilmente mente quem ainda esteja em processo de aceitação de si mesmo, com medo da discriminação exterior, pouco consciente da sua dignidade inteira e igual a de qualquer outra pessoa e menos informado sexualmente. Mas não é afastado.

Esta tomada de posição envergonha, estigmatiza e não salva ninguém”.

Estas palavras continuam a fazer sentido. Não, a discriminação não acabou.

 

 

 

88 thoughts on ““Os Homossexuais já podem dar sangue” – Perdão?”

  1. Olhe Isabelinha

    Eu nesta matéria das “dádivas de sangue” não me meto a defender os direitos de quem quer dar sangue.
    Estou mais preocupada com os direitos de quem recebe o sangue.
    E assim sendo, do que eu gostaria mesmo era que se investisse na produção de sangue artificial. Já viu a vantagem ? Risco ZERO. E com isso já nem aquelas insuportáveis testemunhas de Jeová apareceriam com aqueles dilemas religiosos para os quais não tenho a menor paciência.
    Tem toda a razão em dizer que nesta matéria o mais importante a avaliar são os “comportamentos de risco” e não a orientação sexual de cada um. Porém, e isto não implica qualquer juízo de valor, o facto é que os homosexuais masculinos têm sido mais promíscuos que os outros grupos, e isso acarreta um risco aumentado para quem recebe o sangue. No entanto, também é verdade que do modo como as sociedades têm vindo a evoluir (para a promiscuidade total) essa diferença estará cada vez mais esbatida, infelizmente no pior dos sentidos … por isso é que eu digo que para mim quereria o sangue artificial.

  2. Os homossexuais distinguem-se das pessoas normais em quê? Ou sentem-se obrigados a ser distintos das outras pessoas? Superiores e mais bonitos?
    Quando alguém vai dar sangue, é-lhe perguntado quais são as variações preferidas?
    Isto é que está a ficar uma salgalhada!
    E os ciganos, e os pretos, e outras minorias europeias como os gays, têm obrigatóriamente de se sentirem distintos das outras pessoas?

  3. Como diz alguém – CIENTISTAS, não BURRAS -, o designado sangue «artificial»não terá nada de artificial, porque será desenvolvido a partir de «células estaminais embrionárias».
    É artificial porque é fabricado em laboratório. E assim sendo NÃO ESTÁ LIVRE de manipulações e consequências no corpo humano. Suscetível de oferecer risco.
    Percebeste BURRA?

  4. «Continua a lógica de caça ao grupo e não de averiguação de comportamentos de risco.»

    E a caça ao grupo não será determinada pelas conclusões obtidas da análise de comportamentos de risco?

    A estatística tem algo a dizer, não é? Que diz a OMS? Ora publique aí esses dados todos, para podermos orientá-la numa posição apartidária…..

  5. Ó sendeiro

    Vai lá espirrar canivetes para a Jurisprudência e deixa a Saúde para quem de direito.
    Não é certamente uma das tuas licenciaturas.

  6. Cala-te BURRA. Sendeira és tu, BURRA. Que sabes tu de mim, pá?!Ora INFIRMA o que eu disse, ó cara de melenas.

  7. Foste ler uns disparates à Wikipédia, meu bronco ?
    Quando se fala de “riscos” sabes ao menos do que é que se está a falar ?
    E tens fanicos quando alguém opina sobre um processo judicial ?

  8. BURRA. És mesmo BURRA. Risco? Mas tu falas COMIGO sobre «riscos», BURRA?

    DESAFIO-TE: infirma o que eu disse. Qual wikipedia, qual carapuça, sua BURRA!

  9. Sendeiro
    Se tivesses dois neurónios, conectados um no outro, e ambos a funcionar devidamente, já terias percebido qual é a minha licenciatura.
    Mas como és um imbecil armado em chico-esperto fazes esta triste figura.
    Adeus, pá !

  10. «E tens fanicos quando alguém opina sobre um processo judicial ?» BURRA, dixit.

    Tu podes espirrar sobre tudo o que quiseres, porém, não OFENDAS os meus olhos, que de quando em vez, poisam aqui e não podem, evidentemente, ser INCOMODADOS com os teus espirros armados em tosse de gaja com voz grossa. Vá, puxa o penico e alivia-te.

  11. Ó sendeira, pois pisas o mesmo solo que o «Eu sou o manuel de castro nunes». Quando toca a DEMONSTRAR, toca a fugir para o reposteiro. A tua licenciatura deve ser a da licenciosidade feita em casa com a supervisão de gente com mão na anca.
    Já foste, ó BURRA. Arquivo!

  12. Tu simplesmente não estás habilitado a discutir este tema comigo, imbecil.
    E neste caso quem o decide sou eu !
    Não vale a pena perder tempo a discutir um assunto com uma pessoa que além de ser completamente desprovida de conhecimentos técnicos na matéria, é um grandessíssimo e alternadíssimo malcriadão.

  13. Eu demonstro.
    O cegueta foi ao Diário de Notícias.
    http://www.dn.pt/inicio/ciencia/interior.aspx?content_id=1179593&seccao=Biosfera

    ”Na realidade, este sangue não terá nada de artificial – será desenvolvido a partir de células estaminais embrionárias – e a designação artificial refere-se apenas ao facto de ser fabricado em laboratório, um sonho da comunidade médica mundial com mais de 50 anos.”

    É simples. Basta digitar no motor de busca ”sangue artificial”.

    O cegueta é um sábio!

  14. Pois é, é um “sábio”, mas como não mete a mão nesta “massa” não faz a mínima ideia de quais são os “riscos” que tanto afligem a comunidade médica em matéria transfusional.
    Mete-se para aí a ficcionar sei lá o quê. Manhas processuais, talvez !
    Se ao menos não tivesse lido a notícia em diagonal, ou se não fosse cegueta, … a resposta até está lá.
    Mas a culpa deve ter sido de quem fez a tradução para Braille.

  15. Mas, na realidade, a polémica acerca dos riscos da transferência de sangue iniciou-se na Idade Média, acerca do risco que constituía para os vampiros o sangue dos ”ingenuii” que batiam à porta das suas mansões para lhes ofertarem o seu sangue.
    Foi então que se delineou a tabela demográfica do sangue bom e do sangue mau. Tendo em vista o paladar, claro.

    Não digo mais, cegueta… Ainda me processas!

  16. Ultrapassadas as dificuldades técnicas ainda existentes teremos o problema dos custos. Enquanto não se conseguir uma produção em grande escala, o “sangue artificial” será muito mais oneroso.
    Mas esta questão vai colocar-se, talvez em menos de 10 anos … mais uma dor de cabeça para um qualquer ministro da Saúde direitolas a dizer que não pode porque senão estoira o orçamento … eheheheh !
    Uma dica para o cegueta: se formos competentes e os laboratórios obedecerem às mais estritas normas de segurança na produção, nunca mais teremos uma epidemia igual á da SIDA.

  17. Foram os laboratórios que disseminaram a SIDA, Jasmim, através da manipulação. Isso parece matéria provada. Ou, como diz o cegueta, uma evidência, que para ele é o mesmo.
    Esta questão é de muito maior complexidade do que a operação marques.
    Porque, em minha opinião, que não tenho qualquer preconceito relativamente à homossexualidade, a questão mais óbvia é política e social.
    E eu interrogo-me veementemente, há muito, sobre a forma como as questões relativas à exclusão da homosexualidade se antecipam a outras na agenda política.
    No mundo actual, há gravíssimos problemas de exclusão, tanto de maiorias como de minorias.
    Enfim… Estou mesmo a pedi-las. :)

  18. numbejonada,não havia necessidade de entrar no insulto sem motivo que o justificasse.esta medida é mais eleitoralista.os homossexuias não andam com carimbo na testa.

  19. Manuel Castro Nunes
    Não foram os laboratórios que disseminaram o VIH.
    O VIH teve origem em África com a passagem de um vírus dos macacos/chimpanzés para a espécie humana.
    Foi-se propagando inicialmente por via sexual e depois através de alguma práticas não protegidas e que implicavam risco de contaminação via sanguínea, como campanhas de vacinação em massa não usando material descartável. Passou fronteiras e nos países ocidentais as vias de transmissão foram as mesmas: a via sexual, a partilha de agulhas e seringas entre toxicodependentes, e fatalmente as transfusões de sangue e derivados (destaque para os hemofílicos).
    Não foram os laboratórios que “inventaram” este vírus, nem foram os laboratórios que o propagaram.
    Repito: se conseguirmos uma produção industrial do sangue a partir de células estaminais, em condições de estritas normas de segurança, teremos conseguido um feito extraordinário. Teremos anulado os riscos das doenças transmissíveis por esta via, e teremos anulado as carências que sempre existem. O problema serão os custos, mas a partir do momento em que se entre na produção em larga escala os custos também serão um problema ultrapassavel.

  20. Provavelmente vamos é continuar a ter aquelas melgas das Testemunhas de Jeová a chatear na mesma.
    Confesso que não tenho grande pachorra para os ouvir, mas já estou a imaginar que vão dizer que se tem origem em células embrionárias é na mesma qualquer coisa divina que não sei porque razão não se pode doar a outra pessoa.
    Confesso que não consigo perceber o argumento dessa gente. Se acreditam que os homens são todos irmãos em Jesus Cristo não consigo perceber qual é a razão para se oporem a um acto de solidariedade entre irmãos: dar sangue é dar vida ! não percebo em que é que isto vai contra as convicções cristãs ! antes as reforça.

  21. Disse a JASMERDIM de LA TOURETTE

    «Pois é, é um “sábio”, mas como não mete a mão nesta “massa” não faz a mínima ideia de quais são os “riscos” que tanto afligem a comunidade médica em matéria transfusional.»

    A SÉRIO? Não faço, então, a mínima ideia sobre os riscos em causa, e matéria transfusional?!
    BURRA! Queres falar de crioprecipitados, derivados plasmáticos, fatores recombinantes, inibidores, inativações e não sei o quê mais? Mas tu pensas que estás a falar com quem? BURRA! Matéria transfusional, hum? BURRA, tira as pálas, e deixa de andar à nora.

  22. Em minha opinião, partilhada de muitas fontes credenciadas na área do estudo específico do HIV é a de que, para lá da narrativa enciclopédica estatuída, se sabe muito pouco acerca da origem do HIV.
    Contudo, tudo leva a crer em que, se a tese dos chimpanzés for aceite, é difícil admitir outra hipótese que não seja a da manipulação contígua de sangue humano e sangue de chimpanzé. Excluindo, por prudência, a hipótese de experimentação bioquímica em ambiente da indústria farmacêutica.
    Ora, excluindo a origem laboratorial, teríamos que procurar o primeiro humano que teve relações com um chimpanzé?

  23. O cegueta já foi procurar as palavras chave.
    Mas ainda não chegou a PRUNES. :)

  24. Vejam-me a burra, a falar do percurso histórico da contaminação com o HIV. Então, conta lá, ó BURRA, fala aí das pools e da sua inativação…como sabes tanto. Já agora, BURRA, a terminologia de «hemofílicos» não existe, agora fala-se em pessoas com hemofilia…tás a ver? E, já agora, esqueceste-te da doença de von willebrand e outros distúrbios hemorrágicos que pedem a administração de fator…BURRA, queres continuar a discutir a matéria? É que tu falaste em LICENCIATURAS e …fanicos.

  25. Conheces aquela do mastoideu do Vasco Santana, cegueta?
    Ele até sabia o que é o mastoideu!

  26. ATENÇÂO À NAVEGAÇÃO

    O «Eu sou o Manuel castro nunes» diz que,
    «Em minha opinião, partilhada de muitas fontes credenciadas na área do estudo específico do HIV é a de que, para lá da narrativa enciclopédica estatuída, se sabe muito pouco acerca da origem do HIV.»

    Ó pa ele, ó pa a importância do animal. O gajo mata melgas à noite, digo noute, e pimba, já se licenciou em matéria transfusional de…risco. E todos partilham da opinião do bicho…

  27. Pronto, já sei.
    Se alguma vez for parar a um Hospital e levar uma transfusão de sangue e depois ficar com gostos apanascados, já sei porque é que foi…

  28. Cházinho com mel, BURRA? Afónica? Mastiga um supositório…mata-te o hálito a bode velho em dois segundos, sendeira.

  29. Porra!
    Estou aqui a redigir um parecer e tenho um alerta ligado ao aspirina.
    Se o cegueta não se vai deitar eu não acabo o parecer.

    Teodoro!
    Não vás ao hospital, por amor de deus!

  30. Este post parece ter tido como propósito ficar a ver quem se viria confessar ao aspirina.
    Quem se confessasse perderia o anonimato.
    O cegueta caíu logo como mosca no mel.

  31. «Este post parece ter tido como propósito ficar a ver quem se viria confessar ao aspirina.
    Quem se confessasse perderia o anonimato.
    O cegueta caíu logo como mosca no mel.»

    Tu deves pensar que todos gostam de pegar por trás e de andar como os pinguins….teu caso.

  32. Perfil anónimo do Manuel de Castro Nunes,

    “Teodoro!
    Não vás ao hospital, por amor de deus!”

    Às vezes vou, mas por motivos que passam ao lado de Médicos e Enfermeiros…, no problem.

    E para que conste, maldita a hora em que deixaram os panilas saírem do armário…, estavam lá tão bem…

  33. TEODORO,

    Sem dúvida! Mas os gajos gostam de dizer que sairam do closet e falam muito do orgulho gay. Orgulho no quê? Porquê?

  34. PRUNES, pá, tens de te governar noutro poiso, talvez o IGNARANTALHO do IGNARATZ, te ajude, o tipo só fala de bolículos etce e coiso, porém, desde que a OLINDA notificou à entidade correta que o tipo escaldou o pendente e ficou com as peles descaídas, o tipo retirou-se…aguardando transplantes…

  35. Teodoro

    Podes ir ao hospital à vontade (desde ja desejando-te que não precises) pois o cegueta não encontrarás lá de certeza!
    O tipo da-se aqui ares de ser magistrado ou doutor de leis mas eu estou desconfiada que ele e o tipo a quem o Rosario Teixeira incumbe a tarefa de carregar os montes de folhas do processo do Sócrates para os arquivar na garagem. Seria o principal suspeito de violar o segredo de justiça se não fosse cegueta, estas a ver ?

  36. PRUNES, pois tu tens de te dar com gays anónimos…com a bocarra que tens,ninguém quer ficar associado a ti, pá.

  37. Por falar em artefícios, que dizem os senhores da inteligência arteficial?
    Será que nos poderia precaver do risco de contaminação com a propaganda? Usando células estaminais recolhidas no cegueta.

  38. A BURRA voltou. Foi pontapeada com SABER e não entende. SUA BURRA. Pense o que entender, que não vou esclarecer-te, seu fúrunculo.

  39. Papas de Sarrabulho

    Não pá, para isso vais ter de continuar a estrafegar o pescoço às galinhas.
    O “sangue artificial” vai ser artigo de luxo, não é para comezainas.

  40. Quanto a transfusões de sangue para mim, se fôr de senhora de orientação lesbiânica, em princípio nada tenho a opôr, já se fôr o caso de veado, veadinho, ou boiola, tenho as maiores reservas.

    Fazer fineza de consultar o livrinho e vêr a conversa do Metistófeles, que insiste que Fausto assine o contrato com o próprio sangue.
    Diz ele, o sangue, é uma essência muito especial.

  41. PAPAS de SERRABULHO,
    Podes esfregar o pescoço à BURRA, que também imita bem as galinhas. Dá-lhe milho e ela faz um cacarejo diferente…

  42. Células estaminais do cegueta ????
    O senhor arqueólogo, o senhor quer exterminar a Humanidade ?
    Não faça isso.

    Mas isso da Inteligência Artificial ser imune à propaganda é que nickles.
    A IA será usada para disseminar a Propaganda !

  43. BURRA. COMUNA. Vai pró Rato vender bisnagas retais pá. Devias estar num reserva, exposta como EXEMPLO A NÃO SEGUIR pela HUMANIDADE. Furunculo.

  44. VIVA SALAZAR, cambada. Precisais de um SALAZAR. Ai se houvesse um SALAZAR, era só armários a abarrotar e fechadinhos. Prunes, olha a tua sorte.

  45. O sendeiro
    Mas tu julgas que aqui alguem te vai dar lições grátis de Medicina ?
    Tu não preenches os critérios para seres admitido.
    Não sabes que é o curso que exige a melhor nota de admissão no ensino superior?
    Vai para a fila que lá para o ano 3000 pode ser que consigas.

  46. Porra!
    Já gatei o parecer.
    No meio de um parágrafo vi agora: ”(…) cegueta! Vai-te f… (…)”.
    Vou dormir.

  47. Durma bem senhor arqueólogo, que o seu “filho” cegueta já foi devidamente aviado com uma bisnaga de diazepam rectal 10 mg.

  48. Do meu ponto de vista e após ter mirado os vários comentários aí expostos, dou como a mais credível, aquela tese que, após longo, laborioso, intensivo, exaustivo, e profícuo trabalho histórico-científico, sustenta e dá como ponto de origem da disseminação da doença chamada SIDA, a região norte do antigo Congo Francês, confinante a norte com o Gabão e os Camarões, e a leste com o Congo Belga.
    Daí, por tráfego humano, disseminou-se para sul e norte dos dois Congos, tendo as vias fluviais facilitado a disseminação.
    Muito em especial, o rio Congo.

    O virus hiv, sempre esteve presente numa raça de macacos de que me esquece o nome, símios, chimpanzés e gorilas.
    Portanto a doença tem origem na macacada.
    As horríveis condições de trabalho e a concentração humana forçada, imposta pela intensiva exploração colonial, facilitou e muito a dispersão. As pessoas sempre se alimentaram de carne de alguns macacos mas enquanto os grupos populacionais se mantiveram mais ou menos estáveis, a doença manteve-se contida.
    A concentração humana e as deslocações populacionais espalharam a doença.
    Embora se aceitasse que a região em que a exploração colonial foi a mais brutal, se situava no Congo Belga, estudos históricos, demonstraram que no chamado Congo Francês, ou Congo Brazzaville, as condições eram idênticas.
    A pedido do Ministére des Affairs Etrangéres Francês, foi feita uma inspecção e elaborado um relatório, que a conselho do próprio monsieur Brazza, não foi tornado público.
    Manteve-se na gaveta por mais de 80 anos.

  49. É uma boa tese.
    Mas esbarra num impedimento.
    O HIV não se propaga por antropofagia.

  50. Quais eram os temas hoje ?
    Olha, o Poder da Assinatura.
    Eu a falar no Fausto e vem a assinatura.
    Vou ver que contrato foi assinado.

  51. Perfil anónimo do Manuel de Castro Nunes
    “O HIV não se propaga por antropofagia”. Pois!

    “Mas, é provável que a transmissão dos macacos para seres humanos se deu nas tribos da região do Congo, onde é comum a caça e domesticação de chimpanzés e macacos-verdes. Acredita-se que humanos mantiveram relações de zoofilia com estes animais, o que desencadeou uma mutação do vírus”

  52. numbejonada,
    “E, fica a saber: se eu mandasse NUNCA haveria legalização de uniões gay. ENTENDES?!”

    Já eu não sou tão radical…
    Não sou contra que um panasca se possa casar com uma lésbica…

  53. Chiguei agora ó blogui
    Levei logo ku cegueta
    ka ganda sorte kera
    Sele tamém fosse maneta

    Kada um kome u ke gosta
    Até se fôri um xórisso
    Não tamofines ó zarolho
    Ku froidi explica isso

    Quadra para serem acompanhadas à viola por Tó Salazar e à guitarra por Emérito Tomás, Música do “Oh tempo volta para trás”

  54. Pseudo-intelectuais da treta, quanta e quão vergonhosa verborréia sai dessas cabecinhas quadradas …
    Sou gay, cego, pai de um seropositivo, comunista, filho de testemunhas de jeová e orgulhosamente doador de sangue.
    Essa educação superior que vaidosamente esgrimis como se de um medieval título de nobreza se tratasse, de nada vos servirá jamais com essa merda de mentalidade.
    Sugestão: saiam dessa aldeia à beira mar plantada e vão ver o mundo.

  55. Eu não sou gay, não tenho filhos seropositivos, sou comunista dependendo do sentido, sou filho de pais católicos, humildemente dador de sangue, tendo humildemente assistido em combate a algumas transfusões directas.
    Para a minha mente limitada, o problema está virado ao contrário. O drama não está do lado de quem dá ou possa ser impedido de dar, mas de quem necessita de receber, que, em última instância pode já não ter tempo para interpelar quem impediu outrem de dar e porquê.
    O resto são os comentários bacocos a que já estamos habituados, daqueles que, na incerteza, se contorcem de pavor todas as noites, interrogando-se sobre quem são e quem escondem.
    E terão sempre que gritar aos quatro ventos: Eu não sou gay!
    Para nós nos rirmos e respondermos: Mas alguém te perguntou alguma coisa?

  56. O gay cego e comunista, etc., não é preto nem cigano, falta-lhe portanto ainda muita coisa para ter direito a ficar sozinho nesta aldeia.

  57. JASMERDIM PIMBA BURRA, és CEGA, nada vez. Não intuis, não concluis, pois então?! ÉS BURRA.

    Se tu te expressas dessa forma, diz-me: que queres que se pense de ti?

    PRUNES,

    Tens razão. O problema é que tu passas a vida a falar de paneleiragem e a associá-la aos outros. Ora que NOS DIZ isso de ti? Hum?

  58. Ó alfredo marceneiro
    Rimas à enfezado
    Toma lá pra te entreteres
    Um verso personalizado

    Come tu à tua vontade
    Bolinhas, morcelas e chouriço,
    Toma cuidado com o que dizes
    Deixa o Freud fora disso

    Tu lá sabes o que és
    Ninguém te pediu ensino
    Que me importa pois
    Que tu vejas ao invés

    Sugestão: ouve umas kizombas, aprende o sotaque e canta em rap.

  59. numbejonada,por não gostar de palas é que não sou militante de nenhum partido. se há pessoas que votam num partido por oportunismo,eu nunca o fiz,mas para votar tenho que ter alguma afinidade (palas para si)

  60. Ai ka susto, kaflição.
    Ai ka falta de ciência.
    Interpelei o zarolho.
    Levo ka jurisprudência

    Oh plícia dus kustumes.
    Oh guarda repunblicana.
    Helpem aki o cegueta.
    K perdeu a tramontana.

    Kuninkingus e filatios
    Viva a heterosexualidade.
    Oh Salazar! Oh Tomás!
    Salvem a hómanidade.

    No meu tempo não havia.
    Sexualidade malsã.
    Era tudo às escuras.
    Estilo papá mãmã.

    Jesus! Maria Santíssima!
    Desculpem o silogismo.
    Mas ká p’ra mim o cegueta.
    Veio à luz por onanismo.

    Acompanhado à viola e à guitarra pelos mesmos progressistas. Desta interpretando “Je t’aime, moi non plus”
    Dita missa est

  61. Após pedido do FIFI, eis que procedo à correção do meu último verso supra publicado com mais uns originais tipo sumo de laranja fresquinho .

    Tu lá sabes o que és
    Ninguém te pediu ensino
    Que me importa pois
    Que tu pegues ao invés

    Toma lá ó caramelo
    Mas tu pensas que és quem
    Quando te meteres comigo,
    Pensa, pensa muito bem

    Tás armado ao pingarelho
    E desejas-me maneta
    Agora apanhas comigo
    Ó poeta da treta

    JASMERDIM de LA TOURETTE, tu não te livras de uma rima também…

  62. Olhó safado respondeu
    Armado em manganão
    Toma lá ó tarado
    Mais um safanão

    Bai chatear o Camões,
    Ó Xuxa trapalhão
    Safado duma figa
    Não vales um tostão

    Badalhoco, badalhoco
    Lava a boca com sabão
    Olha-me este rato do Rato
    A pedir um abanão

    Quero lá saber do teu tempo
    Ó herege confesso
    Cuscas mal educado
    Deves apanhar no rabo

    Cegueta és tu
    Ó cara de rabo à paisana
    Vai dar uma curva
    E comer uma banana

    Rap, as usual.

  63. Caro Adelino45 explica aí essa coisa da zoofilia .

    Então ela transmite-se a partir da observação de símios enjaulados ?

    Se assim fôr, os amigos dos jardins zoolóogicos que se cuidem.

  64. “Então ela transmite-se a partir da observação de símios enjaulados ?”

    sim, quando os símios observam o teu olho do cu. já agora se aprendesses o significado de zoofilia tamém ajudava a não fazer figuras tristes.

  65. “Se assim fôr, os amigos dos jardins zoolóogicos que se cuidem.”

    a enrabadela foi incluída no preço do bilhete desde que a vice-bichona foi morar para lá.

  66. ATENÇÃO À NAVEGAÇÃO: a JASMERDIM PIMBA de la TOURETTE , veterinária de melgas e percevejos, foi ao jardim Zoológico no encalce do IGNARALHATZ, encontrou-o, deu-lhe com uma bisnaga retal, pô-lo a falar, e o gajo assim que abriu a bocarra logo falou da enrabadela que lhe deram quando fugiu para aquele concreto local, e de tal modo, que se calou. Por isso, ele sabe o preço do bilhete de entrada e o que este inclui.

  67. Eh pá, pensava k já tinha “óvisto” tudo. Aqui a Phamácia tá o máximo. As arrastadeiras tão a levar isto por mares nunca navegados.
    Aqui vai uma quadra pó zarolho. Com muitos ósculos, keu sei kele gosta.

    Eh pá Ó Adelino 45.
    Essa dos macacos só tu
    Manda um pó zarolho
    Para ele lhe ir ó cu

  68. Olha, olhó gajo outra vez a meter-se comigo. Toma aí, pá

    De macacos e bananas
    Percebe o marceneiro
    Tudo tem que ver
    Com seu jeito de paneleiro

  69. O GPS do dispensário diz que o IGNARALHAZ anda junta da jaula dos gorilas – o gajo sempre gostou do King Kong. Na lista de preferências, segue-se -lhe o bigfoot.

  70. A malta entretida com estas merdas, e os europeus a ser enrabados ATRAVEZ DA GRÉCIA-CEUTA-MELILA-TURKIA-MACEDONIA, ESTÁ TUDO ROTO..

  71. I really like your blog.. very nice colors & theme. Did you create this website yourself or did you hire someone to do it for you? Plz answer back as I’m looking to create my own blog and would like to know where u got this from. thanks a lot|

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.