7 thoughts on “ontem: debate sobre o chumbo de algumas normas do Código dos despedimentos arbitrários”

  1. Os operários da função pública já estavam a rasquinha.

    Mais uma vez, salvos pelo gong.

    Será que os fmis acreditam nos joguinhos constitucionais ou estamos-nos a enganar a nós, tugas espertos?

  2. o pcp,há tempos não pediu a fiscalizaçao sucessiva de uma lei que não recordo,ao contrario do ps e do bloco e ninguem le cobrou nada por isso.agora vem jeronimo de sousa armado em p.ofendida,desancar no ps,por causa do codigo do trabalho.não se pode chumbar propostas na generalidade quando se está de acordo com muitos artigos.o despedimento por incapacidade para o desempenho o ps não o defendia por exp.esta cambada,vai à china e bem de la a tecer elogios à construçao do socialismo,num pais altamente capitalista e de uma exploraçao de mão de obra sem paralelo! que os pariu.

  3. O sr. que representou o PSD mais parecia um merceeiro a tentar pôr a brasa na
    sua sardinha, dado que, como dizia, havia um consenso alargado, deviam ter al-
    rado a Constituição, se não o fizeram só devem apresentar a demissão por es-
    tar a tentar enganar o bom Povo!!!

  4. dizes bem, um merceeiro a discutir com uma peixeira. o rodrigues, mal ou bem, defende o projecto do partido que representa, a isabel, nem mal, nem bem, não se entende o que defende e quem representa, além de si própria e da enorme vontade de se promover com conversa cuneiforme em alto volume.

  5. isabel, porque é que não te juntaste ao be, como noutras circunstâncias, ao pedido de revisão destas leis que vão contra os direitos humanos (não só contra a constituição)?

    (ps: estas perguntas já sei que não têm resposta, que a deputada não tem, para poder justificar a sua hipocrisia, são só para expor a dita hipocrisia.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.