6 thoughts on ““Mais um ensaio para burros: da destruição do valor do trabalho””

  1. parece-me excelente que a avaliação de desempenho seja o critério mais importante para manter um posto de trabalho;
    apesar de perceber a metáfora da morte lenta, Isabel, acho desadequada.

    de resto, fiquei esclarecida nessa matéria. obrigada! :-)

  2. Cara Olinda:

    Essa sua afirmação é bastante insensível e irreflectida. Esta medida poderá causar grande dano aos trabalhadores manuais mais especializados, sujeitos à perda de capacidades sensorio-motrizes pelo envelhecimento. As empresas poderão usar as novas disposições para despedir trabalhadores menos produtivos (que tenham desenvolvido problemas de saúde que prejudicam o seu desempenho, mesmo aqueles devidos ao desgaste da profissão) sem pagar indemnização.

    No entanto, no nosso país — que, até agora, era um país Ocidental, com um nível mínimo de protecção legal dos seus cidadãos — a entidade empregadora podia, se pretendesse, despedir (sem justa causa) aqueles trabalhadores que considera serem menos produtivos, mediante o pagamento da indemnização estipulada por lei. De resto — em todas as estatísticas nacionais e europeias — a indemnização por despedimento é parte dos custos do trabalho; ou seja, é uma parte da remuneração do trabalhador, sendo que as empresas são obrigadas a descontar para um fundo, para fazer face a esse custo.

    Esta medida tem, pois, como único objectivo, a diminuição dos custos do trabalho, à custa do saque de uma das protecções do trabalhador. Eu não compreendo como isto poderá ter um efeito benéfico na produtividade; a perda de remuneração — directa ou indirecta — não vai beneficiar a ética no posto de trabalho.

  3. tadinho do pêfêtê, preocupadíssimo com os trabalhadores manuais mais especializados, sujeitos à perda de capacidades sensorio-motrizes pelo envelhecimento, para disfarçar o incómodo da avaliação de desempenho aos professores de trabalhos manuais, que andam a bater-punhetas há 40 anos em vez de dar aulas.

  4. o primeiro parágrafo arrumou comigo e com os meus argumentos que nem sequer vou expor por se terem tornado tão insignificantes. obrigada pela chamada de atenção, joaopft.

  5. oh meu, o linic só remove o sebo exterior. vai pr’aí uma confusão entre censura e crítica de partir o bico ao lazuli. tens que comer muita broa para entrar na lista dos censurados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.