Este senhor tem por ofício ofender, sorrindo, o país que “representa”

Como é possível não tomar calmantes quando vemos Passos na televisão, em Londres, a responder assim, a rir, a rir muito, sobre o alegado “ativismo político”do TC:

– “Bom…a questão do ativismo político do TC é uma questão muito complexa…e difícil de ser respondida por um PM…para mais em Londres!” (gargalhadas)

Não lhe reconheço nada. Nada.

35 thoughts on “Este senhor tem por ofício ofender, sorrindo, o país que “representa””

  1. Não reconheces? Eu sim: violência pura à (nossa) porta. Um petardo na cara dos portugueses. Mas sem reacção dos opinadores (à excepção da reunião da aula magna e agora do teu comentário).

  2. Tenho muito orgulho em dizer que tive uma excelente Professora(I.M.) a Direito Constitucional. Pena é, que tal senhor não tenha tido esse privilégio. Posto isto, qualquer coisa que seja proferida por tal individuo não é para ser tida em conta.

  3. Este senhor lembrou-se agora de dizer que tudo é negociável excepto as funções essenciais do Estado, que na sua opinião são a defesa, a segurança e as relações exteriores.

    Porque é que não o disse durante a campanha eleitoral? Não era esta, já nessa altura, a sua opinião? É claro que era: são às centenas os artigos de opinião e textos em blogues a defender exactamente o mesmo, muitos deles escritos por gente que hoje está ligada ao governo.

    Mas não era esta a opinião dos eleitores; esta gente, sabendo que a sua agenda era contrária à vontade do Soberano, apresentou-se com outra a eleições. A isto chama-se fraude.

    As funções básicas do Estado são facílimas de determinar. São exactamente, nem mais milímetro nem menos milímetro, as funções de que o Soberano o incumbe. Um fulano que exerce as funções de primeiro-ministro pode ter as opiniões que tiver, mas um primeiro-ministro não pode orientar por elas as suas políticas se antes não as tiver apresentado ao Soberano para serem sufragadas. E se as orientar em contravenção do seu mandato, isto também tem um nome: desobediência.

  4. Num País com uma justiça a sério o 1º Ministro já deveria ter um processo crime contra ele e alguns Ministros. Motivos: mentiras; Privatizações com corrupção e venda de tudo ao desbarato; nomeações de assessores com ordenados principescos e falta de respeito pelo TC, com pressões constantes.

  5. As três vezes que Portugal pediu apoio externo foi com governos socialistas.

    Isto sim é a realidade da incompetência.

    De resto, reconheço-vos de facto a suprema qualidade: ARROGÂNCIA e ÁGUA BENTA, em doses de PROSELITISMO que FEDEM a SEITA , como se fossem donos de alguma VERDADE MORAL ou ÉTICA SUPERIOR E REDENTORA, incluindo a da IMUTABILIDADE de uma CONSTITUIçÂO ESQUERDELHA, como se precisássemos de voCemessês para reconhecer seja o que for. Sobretudo vindo de Funcionários Públicos.

    Vão-se catar dessa CAGANEIRA de BALOFA e PATOLÓGICA PRESUNÇÃO

  6. Aqui vai uma coisa engraçada… Ontem no debate para aprovação do orçamento para 2014, o PS apresentou uma proposta na Assembleia para acelerar o acesso aos fundos comunitários e para que os mesmos estejam disponíveis o mais rapidamente possível para se gastarem já em 2014 como forma de ajudar a economia.
    Penso que estamos todos de acordo com esta proposta, mas quer saber o irónico? Na semana passada no parlamento europeu foi apresentado uma proposta de regulamento (não só para Portugal, mas para toda a comunidade) com a mesma intenção, ou seja, para que os fundos estejam disponíveis de forma mais rápida e mais célere, e sabe qual foi o voto de toda a esquerda portuguesa (PS, PCP e BE)? Curiosamente foi não! Como diria um jornalista que viveu 100 anos, “e esta heim”? Cá dizem uma coisa que até fica bem na fotografia, lá fora onde realmente se decidem estas coisas dizem não! (faço aqui uma ressalva ao Dr. Vital Moreira que votou a favor) Será que estão a pensar nas eleições de 2015? É que era muito chato a economia começar a mexer…

  7. “Estamos a viver em Portugal um momento particularmente difícil quando responsáveis do Banco Central Europeu, da Comissão Europeia e do FMI estão a negociar com o Governo Português (demissionário) um empréstimo (…). Curiosamente, os representantes do FMI, que foi tão diabolizado, parecem ser os mais compreensivos porque, para além do equilíbrio do défice, público e privado e do endividamento, querem investir, para que Portugal cresça economicamente, possa reduzir o desemprego e manter o Estado Social para que se evite a recessão, em que está a entrar.

    “Conseguido esse acordo – que incontestavelmente será duro – a situação portuguesa fica estabilizada, mas não resolvida. (…) É aqui que se impõe a necessidade crucial que os portugueses se unam – ao redor das grandes reformas necessárias para assegurar um futuro melhor para todos e que os Partidos e os Parceiros Sociais se entendam e dialoguem, independentemente das divergências ideológicas que os separam. Tendo em conta que acima dos interesses partidários e sectoriais se deve pôr sempre o interesse nacional.

    “Para terminar, permitam-me que vos deixe uma palavra de esperança no futuro. O Povo Português é excepcional, como sempre tem demonstrado ao longo de quase nove séculos de história. Tem hoje elites como nunca teve no passado. E milhares e milhares de licenciados e de jovens que passaram pelas nossas excelentes Universidades e têm hoje uma educação superior. Com recursos humanos deste nível, um Estado, para mais com a nossa história gloriosa, pode ter dificuldades sérias mas vai sempre ultrapassá-las. Tenhamos pois confiança no nosso futuro colectivo – não nos deixemos cair em pessimismos doentios – até porque seremos todos nós que teremos de o construir.

    Viva Portugal!”

    passagens do discurso que o ex-Presidente Mário Soares fez no Palácio de Belém no dia 25 de Abril de 2011. Quando ainda aceitava o “convite honroso” do Presidente Cavaco Silva.

    Agora, Soares fala em armas, em ditadura. E em defender a Constituição. Na prática, o que Mário Soares diz é que dispensava o TC de existir, porque nada disto merece discussão. A Constituição é o que ele quiser.

    MAROCAS É FIXE … QUER É QUE O POVO SE LIXE.

    PALHAÇADA

  8. Se o PS fosse um bocadinho mais activo, tinha 90 por cento com certeza”, afirmou o antigo presidente. Ocorrem-me umas perguntas simples: O PS de Tó Zé existe ??? Quererá Soares referir-se ao PS de António Costa ??? E o Chico Assis é do PS ou do PSD ??? Alguém acredita,em boa fé,que “isto” a que chamam PS nos leva a algum lado ??? Que responda quem souber e quiser…

  9. @Noronha Monteiro

    A guiza de trabalho para casa, desafio o amigo Noronha Monteiro a descobrir de onde foi retirado o texto “esquerdelho” que abaixo reproduzo (Sugestão: trata-se de um um tratado internacional assinado por Portugal):

    Artigo 22.º

    Toda a pessoa, como membro da sociedade, tem direito à segurança social; e pode legitimamente exigir a satisfação dos direitos económicos, sociais e culturais indispensáveis, graças ao esforço nacional e à cooperação internacional, de harmonia com a organização e os recursos de cada país.

    Artigo 23.º

    Toda a pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha do trabalho, a condições equitativas e satisfatórias de trabalho e à protecção contra o desemprego.
    Todos têm direito, sem discriminação alguma, a salário igual por trabalho igual.
    Quem trabalha tem direito a uma remuneração equitativa e satisfatória, que lhe permita e à sua família uma existência conforme com a dignidade humana, e completada, se possível, por todos os outros meios de protecção social.
    Toda a pessoa tem o direito de fundar com outras pessoas sindicatos e de se filiar em sindicatos para a defesa dos seus interesses.

    Artigo 24.º

    Toda a pessoa tem direito ao repouso e aos lazeres e, especialmente, a uma limitação razoável da duração do trabalho e a férias periódicas pagas.

    Artigo 25.º

    Toda a pessoa tem direito a um nível de vida suficiente para lhe assegurar e à sua família a saúde e o bem-estar, principalmente quanto à alimentação, ao vestuário, ao alojamento, à assistência médica e ainda quanto aos serviços sociais necessários, e tem direito à segurança no desemprego, na doença, na invalidez, na viuvez, na velhice ou noutros casos de perda de meios de subsistência por circunstâncias independentes da sua vontade.
    A maternidade e a infância têm direito a ajuda e a assistência especiais. Todas as crianças, nascidas dentro ou fora do matrimónio, gozam da mesma protecção social.

    Artigo 26.º

    Toda a pessoa tem direito à educação. A educação deve ser gratuita, pelo menos a correspondente ao ensino elementar fundamental. O ensino elementar é obrigatório. O ensino técnico e profissional deve ser generalizado; o acesso aos estudos superiores deve estar aberto a todos em plena igualdade, em função do seu mérito.
    A educação deve visar à plena expansão da personalidade humana e ao reforço dos direitos do homem e das liberdades fundamentais e deve favorecer a compreensão, a tolerância e a amizade entre todas as nações e todos os grupos raciais ou religiosos, bem como o desenvolvimento das actividades das Nações Unidas para a manutenção da paz.
    Aos pais pertence a prioridade do direito de escolher o género de educação a dar aos filhos.

  10. “Se o PS fosse um bocadinho mais activo, tinha 90 por cento com certeza”

    … e se o antigo presidente não tivesse benzido a cena, tamém. ainda está a tempo de o convidar para almoçar no aviz e de lhe explicar muito lentamente que as galinhas não voam.

  11. @ignatz

    Penso que o próprio PS, quando se decidiu juntar a PSD & CDS na assinatura do memorando, não imaginava a verdadeira extensão do que a direita pretendia fazer com aquele compromisso. Se o PS imaginasse, não teria assinado um memorando que a direita iria usar como um cheque em branco. Verdade seja dita que Sócrates não queria governar com a troika às costas; o próprio Mário Soares avisou, nos meses que antecederam o resgate, que com o FMI seria bem pior. Mas, depois, faltou a coragem ao PS. Deveriam os socialistas ter dado ouvidos a João Ferreira do Amaral, em vez de ficarem de lado, dando uma de virgem ofendida, a dizerem: “Não queriam o PEC-4? Agora, como o resgate, vai ser bem pior…”

    Por outro lado, importa dizer, se o PCP e o BE imaginassem o que a direita planeava; se imaginassem, também, que o PS iria passar um cheque em branco à direita… Então parece-me que o PCP e o BE não teriam sido tão ligeiros, aquando do chumbo do PEC-4.

    Se, se, se… Não vale agora a pena vir chorar, pelo leite derramado.

  12. Uma Besta,será sempre uma besta!O drama maior é que há imensos concidadãos que trajam a mesma albarda;nos comentários acima nota-se num ou noutro caso a existência de dejetos com fortes probabilidades de conterem o mesmo ADN.

  13. “Penso que o próprio PS, quando se decidiu juntar a PSD & CDS na assinatura do memorando”

    o ps não decidiu nada, foi cheque-mate do cavaco, até o palerma do coelho foi apanhado de surpresa. achas que o sócrates táva em posição de dizer vou-só-ali-a-paris-comprar-tabaco e vocês que fodam. claro que não, aguentou patrióticamente até ao fim e tentou minimizar os estragos, com catrogas & moedas a mandarem bitaites e fotografias de blackberry e o sonso de belém olimpicamente a gozar o prato. o sócras e o silva pereira avisaram na altura para o que ia acontecer com o chumbo do pec, todos ouviram, vaiaram e votaram contra, pcp e be incluídos, portanto não tivessem entornado o leite. quem chora és tu, que deves ser professor e tamém ajudaste à festa.

  14. noronha monteiro,o seu discurso cheira a bafio.o fmi entrou em portugal,depois dos desvarios de vasco goncalves e depois de um do governo da direita.quanto à constituiçao a sua seria salazarenta. gosta do passos coelho? se gosta, vá passar ferias com ele para manta rota e verá quem é o “canalha que nos governa!

  15. gostaria que comentassem a entrevista de rui tavares.ouçam o que ele disse.sou socialista e continuarei a ser, mas quero que um governo do ps com ou sem maioria tenha um parceiro disponivel para governarem juntos.foi contudente a sua critica ao pcp e bloco. disse que os actuais partidos nem para as autarquias conseguiram unir-se. no forum da antena 1. os adeptos do pcp entraram logo a matar e a dizer que o pcp e bloco já chegam e que não saõ precisos mais. a realidade diz-nos que já entraram varios anos depois de abril mais partidos no parlamento,só que foram os dois de direita : o prd(eanes) para alegria do pcp para partir o ps a meio,como se viu o outro foi o partido dos reformados liderado pelo “apaixonado” pelo mourinho ,prof. manuel sergio. .só tenho uma duvida,como pode o “livre “impor-se em portugal se o seu lider estiver no parlamento europeu.andré freire subscreveu grande parte dos argumentos de rui tavares na antena 1, dizendo até que podia ser uma especie dos verdes em portugal, dado que o existente nunca foi a votos e ´não tem autonomia dentro da coligaçao. já se ouviram vozes ao alto assustadas com esta provavel realidade.

  16. A Morgadinha da Xuxaria, de Alguidares de Basto, qual púbere deleitado com o seu infante narciso, continua a exibir muito aprumadinho, cioso e escovado, a mui bem talhada pose idiosincrática, bafienta de Gagança, a que lhe atribui miraculosas propriedades de uma qualquer suposta elevação e superioridade Moral. ADN rico de defecada presunção e proselitismo imberbe.

    Este modelo nutricional de transgénicas e albardadas Basófias, que rematam usualmente com postres de fino Snobismo, parece ser a fava rica que mastigam diligentemente todos os dias por aqui e lá por casa, por certo há muitas décadas.

    Um claro Síndroma de SOCRATINICE CRÓNICA.

    Tratamento pra ti e família deste pardieiro de PINOCRÁTICOS ressabiados:

    Vão-se catar dessa CAGANEIRA de BALOFA e PATOLÓGICA PRESUNÇÃO.

  17. @ignatz

    Concordo que a situação não era politicamente fácil para o PS, dada a quantidade de desinformação que circulava em 2011. Quanto a mim, não me podem acusar de ter contribuído, nem com o voto nem com a palavra, para este descalabro. Disse em 2011 a muitas pessoas que se aprestavam a votar em Passos Coelho para não o fazerem. Disse-lhes que ainda se iam arrepender; que, mal por mal, era melhor que votassem no PS. Mas muitos não seguiram o meu conselho. Era difícil, convencê-los. A necessidade de consolidação orçamental ditou certas acções do governo PS contra o Estado Social e a FP. E isso convenceu muitos funcionários públicos, que tradicionalmente votavam PS, a votar no PSD. Eis a causa primordial da derrota eleitoral de Sócrates frente a Passos Coelho.

    Entristece-me, por isso, que o PS aponte baterias a outros à sua esquerda. Outros que estão na oposição desde sempre; que foram, por desconfianças viscerais de 1% da população portuguesa, com origem em receios (irracionais e irrealistas) de reedição do PREC e, quiçá, do bolchevismo, postos de fora do “arco do poder”, de tal forma que nunca foram chamados a exercer funções governativas. Por que é que o PS, sendo o único partido de esquerda do “arco do poder”, não aceita as suas responsabilidades nos problemas actuais do país? O próprio governo Sócrates contribuíu para a atmosfera de desinformação que, em 2011, erigiu José Sócrates em bode expiatório. Pois foram certas políticas de “3ª via” (à Tony Blair) implementadas pelo governo Sócrates, que contribuiram para o descrédito que o centro-esquerda enfrentou, em 2011, junto do seu eleitorado natural.

    É a integração na zona euro, numa zona de moeda forte, que obriga à consolidação orçamental. Por que é que esta questão essencial ao futuro do nosso país nunca foi discutida? Nunca se discutiu seriamente alternativas à integração na zona euro. O discurso vigente relativamente à saída da zona euro é o catastrofista, e rima com o que Cavaco Silva e a direita afirmam dogmaticamente sobre o assunto. Tal como na crise de 1383-85, a direita necessita de “ajuda externa” (ou melhor, de trair o país) para aceder ao poder. E o PS? Será que o PS precisa disso?

  18. Mário Soares é como os grandes desportistas que não percebem, a tempo, que o seu tempo já acabou e que é tempo de terminarem a carreira. Está incontinente (verbal). O seu histerismo é incompatível com uma figura de referência da nossa democracia (será que ainda vivemos em democracia?). Soares, que foi 1º ministro e presidente da república, fala para tudo o que mexa, seja microfone, câmara de televisão, como se não tivesse qualquer responsabilidade no caminho que trouxe Portugal para o buraco em que o país está hoje. Nem os políticos que sabem que nunca hão-de governar falam com tamanha ligeireza. Eu ainda não esqueci os elogios de Soares a Passos quando Sócrates estava prestes a terminar o seu (miseravelmente arrasador) consulado.

    Um dos muitos problemas de Soares, apesar de aparentar estar do “lado bom e solidário” da trincheira, é mudar de opinião como quem muda de cuecas. Ou como um incontinente muda de cuecas, que é, calculo, mais frequentemente. Ou seja, ele só tem este discurso e estas opiniões por acaso. É só mudar o vento e lá vai ele. Por isso não se pode ter esta postura do demente ex-PR como evidência de uma oposição consciente e premeditada aos poderes instalados. No fundo só faz o mesmo que o PS: critica e opõe-se, só porque é o PSD que está no Governo. Se fosse o rato Mickey o Primeiro Ministro e não seguisse a sua Sagrada Cartilha de suposto Papai da Nação Democrática , talhada em iluminada e defenitiva Vidência, seria também alvo da sua ira e Oposição. Para esta gente (e para o PSD também, quando fazem a troca) é ser do contra. Só isso. Não há pachorra.

  19. @Noronha Monteiro

    Isso é tudo inveja do José Sócrates. Não está ao alcance de qualquer mortal, ressuscitar depois de ter sido sacrificado, em 2011, no altar da comunicação social, por certas elites nacionais.

    Além disso — e ao contrário do que fez Álvaro Cunhal — a esquerda não precisa de andar por aí a dizer que é moralmente superior. Pois a direita descreve-se a si própria como eticamente inferior; em alguns casos patológicos — deixo os exemplos a seu cargo — cai mesmo no decrépito estado de falência ética.

  20. “Entristece-me, por isso, que o PS aponte baterias a outros à sua esquerda.”

    o que me entristece, é essa merda, a que tu chamas esquerda, quando se senta à mesa com socialistas, é para contarem mentiras dos governos socialistas. já ouvi o pcp pedir a demissão do sócrates ou mesmo agredir soares na marinha grande, mas nunca os ouvi pedir a demissão de cavaco. alianças com calceteiros da democracia, servem para pôr pedras nos buracos que eles abriram e ficar com as culpas de troco até à próxima traição.

    “Por que é que o PS, sendo o único partido de esquerda do “arco do poder”, não aceita as suas responsabilidades nos problemas actuais do país? ”

    porque por muita merda que tenha feito, não deve ter dado tanto prejuízo como os partidos que insistem nessa tanga. se contabilizares em intervenções do fmi, as duas primeiras foram para pagar desmandos e indemnizações do prec e a terceira por conta do roubos da direita.

    re-escrever a história alivia os problemas de conciência, n’é? oh meu!

  21. “Para esta gente (e para o PSD também, quando fazem a troca) é ser do contra. Só isso. Não há pachorra.”

    já os comunas são sempre oficialmente do contra, porque trocam tudo por baixo da mesa, tirando os mínimos sem fuga, ex. loures & afins.

  22. Inveja desse Mentecapto Incompetente ???? Dessa Merda Arrogante e Pindérica que tu Idolatras como um Bobi? Tem dó Joazinho PDF !

    Parece, no entanto, que não está ao alcance de qualquer vulgar mortal entender as cambalhotas, mentiras e mistificações do Palhaço e quejandos que tu, e demais membros da Seita do Superior Esquerdo Olimpo, são capazes de engulir de uma assentada, sem sequer mastigar, ensalivar ou apenas provar ao de leve.

    Já tentei humanamente compreender, mas … confesso: não consegui !

  23. ^

    Pró dotor da esquerda, aqui mais acima …

    Vocemessê deve ser mais um a dotor da arte da Pressurosa Caganeira, vulgo licenciado na pertinente e substantiva capacidade de rotular e qualificar segundo o manual das boas e superiores maneiras desta “ESQUERDA”. Se enjoa neste barco … fique em terra ou tome uma … aspirina. Não a B, que essa está cheia de alucinogénios. Sintéticos e marados …

    Você sabe lá do que fala ò (ca)Galhão. Não sou de merda nenhuma que me queira rotular tão dotoramente. Deixe lá isso prós seus caniches. Eu sou Eu. Apenas. Tá Fonsequinha?

  24. ^

    Ainda bem que o ajudei … mas, apesar das palmadinhas, a coisa não funcionou consigo e realmente continua com cara de quem tem ainda o(ca)Galhão atravessado algures no tubo digestibo alto. Esófago? Traqueia? Faringe? Córtex Parietal?

    Veja lá se sufoca … não o quero ver mal. As melhoras e talvez umas pastilhas de mentol o aliviem … pelo menos do cheiro.

  25. Tenho que aceitar todas as criticas,claro
    Mas faltas de educação,obscenidades e quejandos,isso não.
    É esta a direita que temos? Bem me parecia.

  26. Para o Noronha que monta…. Ó Noronha, tu de onde és? não digo geograficamente, mas és daqui da terra?… ou extraterrestre?… ATRAZADO MENTAL…

  27. Sou ranhoso e mentiroso, punheteiro e paneleiro.

    E não tenho vergonha nenhuma na tromba!

    Sou filho duma pute e fui filhinho de papai.

    Acredito na merda toda que leio na “net” e propago baboseiras como verdades inquestionáveis, como logo na primeira frase que aqui escrevi: «As três vezes que Portugal pediu apoio externo foi com Governos socialistas».

    Nem sei como é que me continuaram a ler por aqui depois desta prova provada de ignorância e boçalidade.

    Não passo de uma picareta romba avençada pelo relvas e reciclada pelo lomba, vulgo arrastadeira cagada, e agora vou voltar a teclar no esgoto, que aqui já fui desmascarado.

    Sim, confesso: A DIREITA SOCIOLÓGICA BRUTOGUESA NÃO PASSA DISTO.

  28. «As três vezes que Portugal pediu apoio externo foi com Governos socialistas»

    nunca é demais repetir, que a primeira foi para pagar desmandos da comunada, a segunda para pagar indemnizações à direita e a terceira para pagar os roubos da direita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.