17 thoughts on “Denunciar uma proposta moralmente selvagem”

  1. Então não houve um referendo sobre o ivg? Creio que o sim ganhou, o que quer este bando de psicopatas? Façam novo referendo pulhas.

  2. Não aguentei mais! Como é que tal figura se ARROGA falar em nome das MULHERES! Que MULHERES?
    A declarante que se arroga toda a SERIEDADE, e espeta com a CRP como se esta plasmasse o que SÓ ELA diz, e destrinça entre proteção objetiva e subjetiva, esqueceu-se de mencionar muita coisa.
    SELVAGEM é interromper a gravidez. SELVAGEM é matar! SELVAGEM é aquela que usa e abusa da PATARECA e depois se descarta do que concebeu, como se nada fosse, NADA esse que a lei fundamental e a ordinária PROTEGEM .SELVAGEM é esquecer os princípios cristãos do MUNDO, e fazer a apologia da morte premeditada, VIOLANDO leis de DEUS.

    NUNCA votarei nesta mulher. O PS – devia considerar a imagem de quem o representa, ficando-lhe muito mal o ar de proletária zangada que quer ser aceite pelos colegas de partido, o que já não se usa. E, pior ainda, a leitura sem norte de decisões constitucionais. Um destes dias temos alguém a fumar o charrito da liberdade do fumo…linda sociedade, esta, numa terra de aparições divinas, cujas revelações se têm verificado…a começar pelos males do comunismo/socialismo.

  3. ÍGNORANTEZES, vais ter a oportunidade de conhecer o buraco que faz transformações em quem no mesmo cai e garanto-te que naquele não há mudanças de temperatura.

  4. Não gosto de utilizar a palavra ivg para definir um acto de interromper a gravidez, prefiro mesmo a palavra abortar.
    Não concordo com o aborto (salvo raras excepções, claro está), porque acho que temos de ser responsáveis pelos nossos actos. Estamos em 2015, temos a pílula, preservativo, pílula do dia seguinte, etc, etc.
    Não concordo com a isenção de taxa moderadora nos hospitais, para proceder a um aborto.
    O cerne da questão é a educação sexual por parte dos pais e nas escolas também.
    Gosto das intervenções da Dra. Isabel Moreira quando esta fala sobre a desigualdade de género. Adorei a sua participação na “coadopção”, senti como ela frustração quando esta não foi para a frente. Agora neste assunto não “estamos de acordo”, mas respeito a sua opinião, claro.

  5. “Não gosto de utilizar a palavra ivg (INTERRUPÇÃO VOLUNTÁRIA DA GRAVIDEZ) para definir um acto de interromper a gravidez.” ROFL

    Ah e já agora “ivg” não é uma palavra! São 3!

  6. Se o aborto fosse legal há mais tempo, não tinhamos hoje que aturar a verborreia do numbejumcu.

  7. o numbejonada é um estúpido e direitola que numbemesmonada! comcertezausapalas ! E tem a mania do joaocesardasneves… só ele é que tem razão….safa! E como é «anónimo» insultainsultainsulta…….

  8. Oh Numbejonada, afinal você tem mais palas que um burro. Está-lhe cada vez mais pesada a carroça não é?
    Diga-me uma coisa; Que é isso de leis de deus? Qual deus?
    Já agora, princípios cristãos? Os da queima das bruxas? Para isso já temos o “correio da merda” e outros tais.
    Quando se referiu “aquela que usa e abusa da PATARECA”, será que quis dizer que quem é violada o faz por ser selvagem? provavelmente até merece???
    Continue a contar anedotas com pronuncia do norte para a gente se rir e deixe assuntos sérios para quem merece respeito.

  9. ó TODOS EM UM, ainda bem que a cabeça falante é só uma, senão, as despesas com a farmácia eram tramadas, num é?
    «IVG» … ó ignaralho, queres dizer que são três letras que indicam uma palavra, num é? isso tem um nome, tás a bere? pois, podes chamar-lhe abreviatura….bá, tameie podes chamar-lhe sigla…

    Quanto ao demais, a matéria é, de facto, de suprema importância para ser discutida com menoridades espirituais que se condenam a si próprias. Não se esqueçam que o ar condicionado dá jeito em sítios quentes, mas nem sempre é permitida a sua utilização.

    Hum…Biriato, continua a plantar coubes, se bem que nada cresça contigo, num é? Óbe, não se planta em pedra, pá, nem tens de te preocupar com espantalhos. Ninguém se te abeira….tás a bere? oqueie.

  10. Ó Antero do Quintal/ Ignoratz, eu sei que IVG é a abreviatura de Interrupção Voluntária da Gravidez, O que eu queria dizer é que prefiro a palavra “aborto”, mesmo que esta “doa” mais. Como também não gosto que se chave “lar de 3ª idade” a asilos. As coisas têm de ser chamadas, cruamente, pela palavra certa. Não concordo que se altere a nomenclatura de uma coisa, para a tornar mais “soft”.
    Its my opinion

  11. Cara anónima, o personagem não percebe. Ele até chama palavra a «IVG», hum, diz que «não é uma palavra, são três».

  12. https://www.youtube.com/watch?v=OqnQaWMZFWs&feature=youtu.be

    Senhor Deputada Isabel Moreira,

    aqui está o video completo da audição.

    A partir da 1h17m pode ver a respostas às suas questões, já que no dia saiu sem as ouvir. Percebo que tenha saido, só não percebo é porque é que, se não ia ficar para a resposta, decidiu intervir, ainda por cima no tom tão ordinário em que o fez.

    Já agora, em lado nenhum a ILC Pelo Direito a Nascer equipara juridicamente o nascituro aquele que já nasceu.

    A sra. Deputada continua a fazer essa afirmação, mas não o devia porque é mentira.

  13. há algo que não entendo. Como se interpreta, este artigo?
    «Artigo 24.º (Direito à vida).
    1. A vida humana é inviolável.
    2. Em caso algum haverá pena de morte.»

    atenciosamente,
    Paulo

  14. Eh bien, já não me lembrava disto…hum.

    Caro José Duque, mas sabe, a deputada em causa que V. Ex.ª tão bem carateriza, esquece-se é que a LEI é algo público, de tal forma o é, que ninguém pode alegar o seu desconhecimento.

    É evidente que a questão está descrita na lei, qual seja, os NASCITUROS TÊM DIREITOS! Todavia, a concretização dos mesmos DEPENDEM do nascimento completo e com vida.

    A LEI é feita pelo homem, e este de quando em vez, é vozeado por vozes INADEQUADAS, pelo que é natural que hajam leis com conteúdos aberrantes. A VIDA é dada por OUTRO que não pode ser desrespeitado por modernismos escorados na INCONSCIÊNCIA e LEVIANDADE.

    A forma como a alegada deputada coloca os assuntos tem sempre um detour, daqueles que leva muito tempo a percorrer mas que podem ser evitados.

  15. Artigo 24.º (Direito à vida).
    1. A vida humana é inviolável.
    2. Em caso algum haverá pena de morte.»

    Eu penso que os XUXAS podem explicar. Há alguns anos atrás, eles que agora se preocupam com a prisão preventiva do mártir Sócrates, e portanto, só agora deram pelo cod. proc. penal, deixaram prescrever MORTES de doentes. Prescreveu a primeira, prescreveram as cem seguintes! Nada fizeram, nem comentaram.

    Portanto, pode dar tiros a torto e a direito e matar. Como a distração em Portugal faz abortos em televisão, e a culpa morre solteira, também você, com um pouco de sorte, tendo morto alguém, quando for apanhado, estará descansado. Se a comida for boa, não tiver que se desnudar perante os guardas prisionais, vai desejar ficar em prisão preventiva, onde poderá gazer jogging, receber quem entender e até dar entrevistas. Se for político, será tido como um tipo com eles de chumbo, etc, etc.
    Ou seja, a interpretação do preceito deve ser feita a contrario sensu. Qualquer dúvida a deputada explica ( ela lê-lhe o acórdão do TC).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.