2 thoughts on “Da coerência dos princípios”

  1. Claro: é-se pelos princípios desde que eles não protejam os sacanas com quem não se pode nem com molho de tomate.
    Os sacanas de quem não se gosta nem com molho de tomate não são cidadãos. Já os outros sacanas, enfim…

  2. Pois olha, a mim parece-me os dois muito graves a a ti?

    Um desculpa os outro? Pelos vistos tu convives bem com um e mal com o outro, enfim, é a gente que temos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.