Amanhã – que seja o dia da decência

Amanhã é votado o pl que permite a co-adoção em casais do mesmo sexo. Devia ter sido antes do verão, mas todos conhecem a história.

Amanhã a AR pode decidir que todas as crianças são iguais; amanhã a AR pode decidir que a parentalidade deve ser reconhecida a quem, ao lado do progenitor biológico ou adotante singular, educa, de facto, para a autonomia; amanhã a AR pode decidir que não faz sentido não perseguir famílias homoparentais e ao mesmo tempo não as reconhecer; amanhã a AR pode decidir que chega de vetar pais, mães e crianças ao estatuto de limbo; amanhã a AR pode decidir que todas as mães e todos os pais, biológicos, adotantes ou de facto devem ter os deveres que são os correspondentes direitos das crianças; amanhã a AR pode decidir parar de jogar à bola política à custa de crianças de carne e osso; amanhã a AR pode decidir que não tem o monopólio de uma patente de família onde gay ou lésbica não entra; amanhã a AR pode decidir evitar uma condenação vergonhosa por parte do TEDH que já estabeleceu o paradigma nesta matéria; amanhã a AR pode decidir deixar de pertencer ao grupo miserável de 3 países do conselho da europa que insistem em negar a co-adoção em casais do mesmo sexo; amanhã a AR pode decidir fazer valer o superior interesse da criança sobre o preconceito, como tão bem sustentam o Instituto de Apoio à Criança e a UNICEF; amanhã a AR pode decidir que o preconceito não pode esmagar crianças; amanhã a AR pode decidir que todas, todas as crianças devem ser protegidas durante a sua vida e no momento da morte de um pai ou de uma mãe não biológico ou adotante, mas mãe ou pai de facto; amanhã a AR pode decidir adequar o direito à realidade, aos direitos fundamentais e à ciência, rejeitando leituras, de péssima memória, ultra-positivistas da ordem jurídica; amanhã a AR pode decidir uma mudança pela decência.

Assim será se o pl for aprovado, assim será na intenção de cada voto a favor. Nesse caso, a AR estará a decidir e a dizer a igualdade de direitos das famílias e das suas crianças.

Cabe a quem votar contra o ónus de provar que não está a decidir e a dizer precisamente o contrário.

8 thoughts on “Amanhã – que seja o dia da decência”

  1. Afinal não passou

    Maria de Belem, Paulo Pisco, António Braga PS e Paulo Sá PCP estiveram ausentes.

    Seria interessante saber porquê.

  2. Não passou. Mas atenção a mais esta manobra de diversão. Esta, o face oculta ( seja qual for a decisão) e a reação agressiva ao manifesto não passam de manobras de diversão a algo que será mais grave… o quê não sei, mas que será grave será( que terão prometido à Troika e que não disseram ao povo ????), por exemplo ). Mesmo o veto do Cavaco não foi inocente !
    Parece conspiração ?
    Desta gente espera-se tudo !

  3. jcerca, saiba cobrir-se de vergonha, por este atentado ao bem estar das crianças, que vão ser afectadas por esta decisão…

  4. AH!Ah!….Este jpferra está ferrado de raiva, mostrando assim o seu elevado conceito de democracia. Maldita democracia esta que só é válida quando vai ao encontro das suas ideologias, fazendo dos outros “fascistas” puros!
    Fico altamente comovido com o “bem estar das crianças” que defende no interesse, obviamente dos defensores da sodomia e da pedofilia.
    Quem se devera cobrir de vergonha era o senhor, mas pelos vistos é coisa que já não tem, ou talvez nunca tenha tido. Passe bem, mas não ferre ninguém!

  5. jcerca ainda pensei em dar uma resposta mais séria, mas o teu comentário é tão idiota que era como dar pérolas a porcos…

  6. oh jotabout! explica aí ao maralhal essa associação da sodomia e pedofilia com co-adopção, se quiseres indexar ao brent, tamém vale, desde que justifiques.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.