Alguém pergunta isto a Cavaco?

Já estou farta de esperar que Cavaco se pronuncie sobre a farsa das escutas. Cavaco não dirá uma palavra sobre o mais torpe ataque ao Governo dirigido por quem deve ser um árbitro, uma referência suprapartidária, um moderador que ajude na busca de soluções para crises.Uma vez que Cavaco tem demonstrado ser o mestre da cooperação estratégica com o PSD, contra o Governo, não espero, não espero mais que o homem confirme o crime cometido. Cavaco foi o agente de uma “publicidade e calúnia”, se quiserem, com a agravante de ter usado meios de comunicação social para o efeito. É caso para se pensar em condenar o homem com pena de prisão até dois anos. Mas enfim, Cavaco não vai confirmar o crime, vai continuar a ser Cavaco.

Tenho visto aqui e ali os candidatos em campanha e, tendo uma opinião sobre cada um, tenho uma certeza sobre Cavaco: estou perante um vazio de pessoa, alguém sem consistência ideológica, sendo enganador o que possa dizer nesse sentido, porque é tudo espuma; estou perante uma pessoa que quando fala espontaneamente, sem um papelito de apoio, revela o pior de si, melhor, revela-se; cai o pano e lá está o deserto, o homem que não entende nada de nada, apenas palavras, falem-lhe de pobreza, com olhar de pobre, e Cavaco faz-se ao pobre dizendo da pensão da “mulher” (vamos esquecer os anos de serviço da senhora), uma quantia tão pequena que “ela depende de mim”, diz, “sou eu que a sustento”, afirma, “mas como ela anda ao meu lado e não atrás de mim, merece que eu a ajude”.

Este horror repete-se quando Cavaco fala no desemprego, no crescimento da economia, na estabilidade política. São palavras, sempre palavras, palavras para um homem que é um ovo.

De que fala Cavaco? De que fala esta sombra que acena de longe às pessoas? Por mais convencida que esteja de que Cavaco se dedicou a minar o Governo PS, por mais que me lembre que Cavaco, ao contrário de Sampaio, que ajudava a resolver crises, tinha o gostinho de intervir publicamente alinhado com as críticas da oposição, tenho perguntas para fazer. Cavaco fazia canalhices como audiências públicas com contestários das leis exactamente quando elas estavam em discussão e aprovação na AR.

Era esse o momento em que Sampaio sabia parar, numa postura imparcial e de magistratura de influência útil.  

A difícil aprovação da lei das finanças locais, por exemplo, convivia com a audiência, nesse momento, da Associação Nacional de Municípios. Venham, venham, dizia cavaco.

Já falei de muita coisa e tendo isso em conta e o vazio que vou vendo e ouvindo em Cavaco, o que o qualifica como perigoso, gostava que alguém, se já desistente das escutas, perguntasse o seguinte a um homem que pode vir a exercer novo mandato:

– o que entende por cooperação estratégica (recordar os vetos absurdos, as mensagens de pavor ao país, etc)?;

– em que situações dissolveria o parlamento? (recordar que esse acto do PR é sancionado por nós, que estamos cá, eventualmente para lhe explicar, pelo voto, que fez mal);

– qual a lição que retira das diferentes dissoluções ocorridas no passado, em que o PR aparece como exercendo o seu poder com adequação e sendo o seu acto validado pelo voto das legislativas seguintes?

– quais entende serem os requisitos constitucionais de demissão do Governo? Sabe que esse poder só foi exercido uma vez, em 1978, antes da revisão constitucional de 1982 (Foi o Eanes que demitiu o Governo de Mário Soares PS/CDS) ? Por que será?

– concretizando melhor a pergunta anterior: para demitir o Governo o requisito é o irregular funcionamento das instituições democráticas?

– o que faria se Sócrates pedisse a demissão para ir ocupar o cargo de Presidente da Comissão Europeia e o PS apresentasse, com maioria parlamentar, uma alternativa de Governo?

– como deve garantir o regular funcionamento das instituições?

–  o que entende por magistratura de influência?

– como acha que exerceu e deve exercer os poderes de veto, de fiscalização de leis, e de auscultação da sociedade?

– não podemos mesmo falar sobre as escutas? E se não gravarmos a resposta?

11 thoughts on “Alguém pergunta isto a Cavaco?”

  1. Eu tenho a ideia, se calhar sem jeito,

    de que o País NÃO pode deixar sem debater esse problemas das escutas…

    Antes de mais, porque é objectivo, real, houve um Presidente que formulou essa queixa,

    não sendo portanto nenhuma maquinação de um qualquer espirito maniqueísta, conspirativo,

    E tambem porque o seu esclarecimento cabe em primeira linha ao PR em exercicio, que o criou…

    Mais ou tanto que o BPN, Coelha, reforma da “esposa”, esta eleição presidencial com o “candidato escutado”

    é a ocasião para todos outros candidatos, jornalistas, cidadãos, obterem as respostas necessarias para saber o que se passou de facto

    ou então isolarem Cavacu na sua obstinação de não as dar…

    Fico alias feliz de ver hoje na blogosfera esta noção de importancia das escutas,

    pois Portugal precisa de arrumar essa questão, sem deixar que ela possa vir a constituir precedente nas relações entre orgãos de Estado.

    abraço

  2. Cavaco não consegue responder a nada. Começo a crer que sofre mesmo da ‘doença do alemão’ . Digo isto porque ele não se lembra de nada de relevante como , por exemplo: onde está a escritura da casa da Coelha e o construtor civil com quem fez o negócio de permuta; a quem comprou ou vendeu as acções do BPN/SLN , etc. Lembra-se apenas de coisas ‘menores’ como , por exemplo, a homilía da missa a que assistiu há 5 anos atrás. A toda e qualquer pergunta que necessita de esclarecimento cabal mas simples, ele remete-nos para a página da Presidência. Acho que é mesmo preocupante o estado mental do homem mais sério de Portugal( quando não se ri, claro)!

  3. Mas é um homem importante, muito importante. Eu, por exemplo, sou um eleitor cheio de fome de urna só pela esperança de poder atrapalhar-lhe o caminho um nadinha.

  4. Não esquecer que ele tem que lutar pelo seu emprego na presidência da república, porque precisa de sustentar a mulher que tem um pensão muito pequena e vive à custa dele.

  5. Muito bem, Isabel. Dizia o Poeta que “a razão, mesmo vencida, não deixa de ser razão”. E essas perguntas, bem como eventualmente ainda outras, mesmo que não sejam respondidas agora, terão forçosamente sê-lo no Futuro. Porque quantos mais votos tiver Cavaco, menos perdão vai obter se decepcionar. Se ele fosse capaz de compreender algo tão simples como isto, até seria capaz de lho escrever directamente, mas é tempo perdido (e eu nunca lhe poderei exigir nada, porque só uma vez votei “nele”, em 79 e inconsciente de tal facto, porque nem sequer conhecia o seu nome; depois disso nunca mais!).

    Mas deixe-me também dizer-lhe o que não pode ficar sem um comentário: se não se fala das “escutas” é precisamente porque nenhuma das Candidaturas, por pura cobardia, quer repescar um golpe sujo contra o anterior Governo e prefere receber, ignóbil discretamente, os votos de quem pretendeu lucrar com esse degradante episódio para atrapalhar, de uma forma torpe, José Sócrates. Pois que lhes façam bom proveito, a quem deles beneficiar, esses votos manchados de ignomínia política…

  6. A esquerda, em particular o PS, mas o resto também, acordaram muito tarde. Pouparam Cavaco quando do escândalo das escutas maradas a Belém, pouparam o honesto Cavaco quando da mentira sobre a aplicação das suas “poupanças”, pouparam Cavaco quando das revelações sobre o escândalo nacional do BPN/SLN, bando de criminosos a que ele está intimamente ligado. Entretanto arranjaram um candidato ideal para perder, alegremente designado por Louçã. Aí está o resultado: Cavaco praticamente eleito à primeira volta, com previsões humilhantes para os outros candidatos, excepto talvez o Tiririca da Madeira. O que espera o país no próximo quinquénio é um regime neo-conservador e intrinsecamente corrupto, de promiscuidade total entre o universo laranja e os grupos económicos, que vai atacar o SNS e o ensino público, diminuir o poder de intervenção do Estado na economia e consolidar a ditadura da direita na comunicação social. Muito obrigado Alegre, muito obrigado Louçã… e muito obrigado PS!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.