A INSTRUMENTALIZAÇÃO DA (PSEUDO) CIÊNCIA – JORGE GATO, HOJE, NO “I”

Obrigada, Ana.

É um texto imprescindível, escrito por quem sabe, por quem fez um doutoramento na matéria, por quem é, assim, Doutorado em Psicologia.

Graças à Ana Matos Pires, consegui colocar, também aqui, o texto, para quem não o tenha lido no jornal.

4 thoughts on “A INSTRUMENTALIZAÇÃO DA (PSEUDO) CIÊNCIA – JORGE GATO, HOJE, NO “I””

  1. obrigada, Isabel. :-) é, de facto, um óptimo texto para reflectir no seguinte: o mesmo assunto explorado por uma doutorada em psicologia teria, com toda a certeza, uma marca d’água diferente, uma abordagem mais esmiuçada aqui do que acolá: assim são as diferenças, além das físicas, nas inteligências de homens e mulheres. nunca, na minha opinião, esteve – ou estará – em causa a orientação sexual, o afecto, o conceito de família mas antes as reais diferenças que fazem com que homens e mulheres sejam efectivamente diferentes. e nem sequer é coisa de doença ou saúde, disparates, mas de equilíbrio, de distinção, de emoção, de lágrimas, de abraço, de hormonas até. a verdade é que tudo muda nos tempos, tudo se ajusta e tudo se adapta – até a menopausa, dizem, apareceu por causa dos homens e da preferência por mulheres mais jovens, vê lá tu, e daqui a nada os jantares não passarão de pastilhas nutritivas. se tenho de aceitar? tenho. se concordo? não. se quero? não. se tenho de me amanhar por remar contra a maré? sim, tenho.

  2. O que a leva a dizer isto, Olinda: “o mesmo assunto explorado por uma doutorada em psicologia teria, com toda a certeza, uma marca d’água diferente, uma abordagem mais esmiuçada aqui do que acolá”?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.