16 perguntas a um Ministro em fuga

  1. Como é possível o Ministro da Solidariedade, Emprego e Segurança Social não espetar os pés no Parlamento num debate sobre pobreza e desigualdade na distribuição de rendimentos?
  2. Como é possível o Governo responder constitucionalmente perante o Parlamento e Mota Soares fugir a explicar aos deputados (e assim ao povo) o despedimento mascarado de setecentos trabalhadores da Segurança Social?
  3. Como é possível a maioria chumbar o requerimento de 17 de Novembro do PS para ouvir Mota Soares e ser necessário recorrer ao requerimento potestativo para forçar a sua vinda à Assembleia da República?
  4. Mota Soares pensa que engana alguém quando se disponibiliza para ir ao Parlamento apenas em Janeiro, ou seja após a conclusão do vergonhoso despedimento?
  5. Como é possível preencher o vazio da fuga com uma propaganda simplista de culpabilização do passado e de afirmação de alegria sentida dos portugueses?
  6. Até onde vai o insulto atrás das palmas da direita ululante que ignora a realidade dos portugueses concretos que sentem o agravamento das desigualdades a cada minuto das suas vidas?
  7. Como é possível cuspir a expressão “dever cumprido”?
  8. Como é possível rir perante isto: o diferencial de rendimentos entre os 10% mais ricos e os 10% mais pobres aumentou; o indicador de risco de pobreza subiu para o valor mais alto desde 2005; e as desigualdades agravaram-se?
  9. Como é possível ter um olhar formalista sobre a taxa de desemprego e fingir que não se entende que o desemprego é uma chaga, é precário, é escravo, é apagado das estatísticas, é estagiário?
  10. Como é possível cuspir a frase “a direita salvaguardou o Estado social” perante cortes na educação que nos colocam ao nível de 1995?
  11. Como é possível o fugido Mota Soares ser um dos promotores do atual debate parlamentar sobre natalidade quando nos últimos 3 anos emigraram 8% dos jovens portugueses?
  12. O Governo não tem arrepios ao pronunciar “coesão social” perante dois milhares de emigrantes com mais de 80 anos e depois de ter desvalorizado o fator trabalho e de ter induzido rivalidade entre classes de trabalhadores?
  13. O que teria o Ministro Mota Soares a dizer às cerca de 115 mil pessoas, das quais 40% são crianças, que perderam o RSI desde a entrada em funções do Governo?
  14. O que teria Mota Soares a dizer aos cerca de 1 milhão, cento e quarenta e cinco mil portugueses que não conseguem fazer face, em simultâneo, às despesas mais elementares para ser um sobrevivente?
  15. O que teria Mota Soares a dizer sobre um aumento expressivo da taxa de risco de pobreza: mais 6,8% que em 2009?
  16. Que estranha democracia é esta?

 

15 thoughts on “16 perguntas a um Ministro em fuga”

  1. Fuga possível se for de…lambreta, porque é mais fácil fugir.
    Obg pelo “exame” que propõe MS. O (enorme) problema é que vai chumbar, dado não acertar em qualquer resposta.

  2. Ex-primeiro-ministro e amigo assumiram entregas de dinheiro. Justificaram que se tratava de empréstimos pessoais, mas não souberam quantificar o valor em causa.

    também lhe vou pedir dinheiro para ver se este generoso e amnesico amigo me disponibiliza uns trocados prós croissants …

  3. Confrontado com entregas regulares em numerário e com pagamentos de viagens e outras despesas, o ex-primeiro-ministro justificou que se tratou de empréstimos pessoais.

  4. Mais de metade das receitas das empresas de Santos Silva vêm de câmaras PS e da Parque Escolar Maioria dos contratos foi feita por ajuste direto, sobretudo no Interior. Nenhum com a Câmara de Lisboa Quatro empresas do amigo de José Sócrates arguido no âmbito da Operação Marquês encaixaram 12,8 milhões de euros em 127 contratos celebrados por ajuste direto, 52 por concurso público e dois por concursos limitados. A maioria das autarquias que fizeram negócio com as empresas de Santos Silva é do Interior. Parque Escolar e câmaras socialistas foram responsáveis por 52,6% do valor dos contratos (7,87 milhões de euros), autarquias PSD somam 8,62% e as do PCP 5,84%. Os dados são do portal Base – plataforma criada em 2008 que publicita a contratação pública.”

  5. Justiça investiga os dois milhões de euros que Carlos Santos Silva deu para o negócio.

    O negócio de aquisição dos direitos da transmissão dos jogos da Liga espanhola e da Taça do Rei para três épocas, de 2012 a 2015, valia 13,5 milhões de euros. Neste investimento entraram Rui Pedro Soares e Carlos Santos Silva, dois grandes amigos de José Sócrates.

    Segundo o contrato, a que o CM teve acesso, a empresa WorldCom, que pertencia a Rui Pedro Soares, presidente da SAD do Belenenses, ao irmão Carlos Soares e a Carlos Santos Silva – o empresário que está detido desde 21 de novembro –, pagou em três vezes um sinal de três milhões de euros à Sociedad General de Producción y Exploración de Contenidos SL. Deste dinheiro, cerca de dois milhões eram de Carlos Santos Silva. Um investimento avultado e que está sob investigação do Ministério Público, que suspeita que a verba seja na realidade do ex-primeiro-ministro José Sócrates. O facto é que a compra dos direitos à empresa espanhola teve lugar a 22 de dezembro de 2010. Rui Pedro Soares e Carlos Santos Silva acabaram por ceder as quotas e os créditos da empresa que tinha os direitos de transmissão a uma outra empresa, a 23 de maio de 2011, que foi adquirida por seis milhões, três dias depois (26 de maio), por uma sociedade que pertencia a Pais do Amaral, patrão da TVI. Nesta altura, Sócrates assegurava um governo de gestão. Tinha-se demitido em março e preparava-se para ir a eleições antecipadas em junho.

  6. eu sei como é possível. havendo lá deputados como a senhora que se senta ao lado deles como se nada fosse. alias é a senhora deputada que tem a desfaçatez de discutir assuntos de igual para igual na mesma mesa num canal de tv com a monstra moura guedes perante os argumentos da maior baixaria intelectual que esta lhe apresenta sem um pingo de vergonha. em vez de andar a participar em programas desses e a contribuir ainda que indiretamente para as audiências da monstra, faça algo de útil.

  7. Ena pá, enapa!
    A manuela monstra guedes quando quer dizer 100 tem que fechar metade da boca senão diz 200. E a Isabel faz muito bem em lá estar. Ha que contradizer as barbaridades que a sofia resvala na rocha também diz. Força Isabel!!

  8. “Ha que contradizer as barbaridades que a sofia resvala na rocha também diz.”

    mas quem é que consegue contradizer barbaridades num pugrama com o nilton, a manela, a sofia e a raquel? aposto que até os cameras estão lá por requisição civil.

  9. O “Socialismo em Liberdade” foi um embuste para fazer crer às pessoas de bem que era possível construir uma sociedade igualitária sem ter que exercer primeiro uma ditadura férrea sobre a cambada chupista, conspiradora, desonesta, egoista, dos grandes detentores dos meios de produção; banqueiros, grandes industriais, grandes especuladores, e seus lacaios, que defendem ideias de direita.
    Depois da queda do muro de Berlim esse embuste está ficar com careca à mostra. Voltamos paulatinamente aos tempos do absolutismo…

  10. As arrastadeiras andam cheias de serviço, nada dizem ,
    são meras transcritoras dos pasquinadores do CM !
    E se o dinheiro fosse emprestadado? Qual é o problema?
    O que se pode dizer da troca de acções fora da bolsa?
    Está na moda a troca de imobiliário anda a ser analisada
    a Quinta do Norte quando chegarem à Quinta do Sul como
    vai ser ? Quanto custa duas semanas em Angra dos Reis
    com tudo pago ? Quem recebeu os outros 15 milhões que
    o Clã deixou passar, isto do negócio dos submarinos?
    As obras foram feitas ou não ? Quem decidiu a adjudicação?
    Porque será que ninguém resolve pensar que sou eu o
    dono da massa que o Carlos Silva movimenta ? Fazia-me jeito!!!

  11. Despedem 600 e a seguir entregam a gestão da Segurança Social a privados?! E para enganar o pagode, o CM continua com a telenovela do preso nº 44. O grande escândalo é o assalto a que o país tem sido submetido, desde 2011. É o roubo de milhares de milhões de euros pelos amigalhaços, nacionais e estrangeiros, do partido laranja. Mas o regabofe há-de acabar. Já há-de faltar pouco.

    E as telenovelas do CM, de nada hão-de servir ao laranjal danado. Mais ainda, os amigalhaços de New York, London e Washington abandonarão o laranjal quando, na ruína, Portugal cair, tal como já fazem com o “pior CEO do ano”, Ricardo Salgado.

  12. A comédia — negra comédia — nisto tudo é que o laranjal que atira pedras a Ricardo Salgado, julgando que o “pior CEO de 2014” (que fora “life time achiver”, ainda em 2012) já pode ser atirado da rocha de Tarpeia sem que os céus desabem em cima do laranjal.

    Que se cuide, porém, a coelheira: um destes dias a fria rocha, sempre sedenta de mais sangue, pode vir a chamar o coelho e o da coelha, de uma assentada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.