Uma espécie de Quim Barreiros da política

Talvez por falta de outro assunto, por estes dias, aconteceu ouvirem-se algumas críticas ao Presidente a propósito das suas férias. Não se percebe muito bem porquê, afinal não fez nada que não seja comum fazer durante o ano inteiro: andar com jornalistas e câmaras atrás para todo o lado, falar acerca de tudo e de nada, ser filmado em calções a mergulhar ali e acolá, nomeadamente, em visitas de Estado. Tudo normal. Só se a estranheza foi vê-lo ao volante, mas mesmo isso não foi inédito.

Seja como for, levou a que alguns comentadores se pronunciassem. Destaco o Pedro Adão e Silva que chama a atenção para os riscos que o sucessor de Marcelo poderá correr, graças a este novo estilo presidencial, mas não sem antes elogiar “a sua capacidade de aproximar as pessoas da coisa pública”. Parece que é este o grande legado de Marcelo. E são com certeza muitos os que concordam.

Mas, na prática, no que se traduz essa alegada aproximação? Será que as pessoas passaram a interessar-se mais por política? Num tempo em que tudo deve ser sustentado por números e factos, há dados que revelem, por exemplo, que o número de leitores de jornais aumentou? Subiram as audiências das entrevistas e debates políticos? Será que, graças a Marcelo, a abstenção vai diminuir nos próximos actos eleitorais?

Se calhar, para que tal acontecesse seria preciso mais do que a febre das selfies e os de milhões beijos e abraços. Assim, o que se vê é uma espécie de artista (de gosto duvidoso, diga-se) que nem nas férias deixa de tudo fazer para aumentar o seu número de fãs.

7 thoughts on “Uma espécie de Quim Barreiros da política”

  1. O mediatismo é a sua ferramenta, há muito que o é. E quem dispõe de uma ferramenta destas ia deitá-la fora?

  2. sou de esquerda,não votei em marcelo e nunca o farei,mas tenho que reconheçer que no pais há menos turbulência politica. em primeiro lugar ,graças à geringonça e depois ao comportamento pacificador de marcelo.é estrate´gia para o segundo mandato,pode ser mas a realidade é esta. o pais está mais calmo. depois se verá!

  3. a altura em que mais se discutia politica,estavamos na merda.com tudo à pancada o emprego a baixar e as empresas a falir. o pais sem dinheiro. estava tudo preparado para com um pec 4, recebermos apoio da europa,mas como a luta pelo pelo poder era enorme, a direita e esquerda à ” esquerda” do ps preferiram o resgate, com consequências mais gravosas para o pais. nota: josé socrates vai ser julgado pela sua suposta falta de seriedade,mas que lutou pelo pais e deixou um portugal mais moderno é inquestionavel. desde estradas com o desejado tunel do maraõ incluido à valorização do parque escolar, ele deixou como legado aos portugueses.

  4. Pois. Desprezem ou ignorem a capacidade de se aproximar das pessoas e depois queixem-se. Isto já está no ponto do grosso da população ir votar em quem ele pedir. Esse é o objetivo!

  5. – ó linda, para isso versar tens que dizer onde é que o presidente quer os beijos.
    – se os fãs do “love on top” e “secret story” tinham alguma dúvida em relação à sua maneira de estar na vida após era célito tem toda a certeza e confiança no futuro que estão na dimensão certa da sociedade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.