Democracia celular

As eleições nos Estados Unidos estão a animar os que estão cansados da democracia. O director do Público, por exemplo, está tão cansado que não está para procurar outras causas para o que se passou e está a passar naquele país, para ele a culpa é da falta de saúde da democracia. Mas quando aponta como causas para a doença da democracia “a desigualdade extrema” e “o empobrecimento das classes trabalhadoras”, aposto que não está a pensar apenas na democracia americana. Parece-me que está a querer dizer que a democracia não serve para resolver os problemas da Humanidade.

O que ele talvez não saiba é que as suas próprias células se calhar discordam. Como toda a gente sabe, as células nascem, vivem e morrem. Provavelmente, se fôssemos nós a decidir o que fazer a uma célula que deixou de cumprir as suas funções, a sua eliminação seria automática. Contudo, no complexo e altamente sofisticado mundo das células a coisa nem sempre se passa assim. Em determinadas circunstâncias, a célula em causa emite sinais químicos à vizinhança a dar conta do seu estado, ainda assim a sua eliminação só ocorre quando a maioria das células vizinhas “vota” nesse sentido. A democracia em todo o seu esplendor! Mas também aqui o sistema não é perfeito. De vez em quando surgem células que se cansam das regras da comunidade. Comportam-se de forma totalmente egoísta, esquecem o bem comum e trabalham exclusivamente para si próprias. Chama-se tumor e todos sabemos como é que pode acabar. Há cientistas que dizem que são sistemas extremamente inteligentes. Não concordo. Quão mais eficientes mais depressa se aproximam do seu próprio fim, não me parece lá muito inteligente. E podemos questionar porque é que os organismos não adoptam outro sistema. Um que não permita o surgimento de agrupamentos celulares hostis? Porque o processo que permite que surjam – mutações que ocorrem aquando da divisão celular – é o mesmo que permite que as espécies evoluam e se adaptem a novos ambientes. É o que nos trouxe a todos até aqui.

Portanto, quem pensa que a democracia é chão que já deu uvas, um sistema passageiro e ineficaz inventado por quem não tinha mais o que fazer, talvez possa sugerir um sistema alternativo à velhinha Natureza. Força nisso!

One thought on “Democracia celular”

  1. é isso mesmo. só falta acrescentar que para que o tumor não metastize , contaminando o organismo todo de forma letal , é extirpá-lo aos primeiros sinais de que algo está mal e não deixar andar , dizendo , como alguns que eu conheço….que os diagnósticos e prognósticos são exagerados.
    já está tudo minado , vens tarde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.