Cuidado com as correntes de ar!

O tema em debate no último Expresso da Meia-Noite foi o inevitável coronavírus. Mais precisamente o título catastrófico do Expresso desta semana. Não sei o que é mais absurdo, se termos uma Directora-geral da Saúde, que mais parece uma profeta da doença, que acha boa ideia lançar para o ar cenários apocalípticos, que depois vem afastar. Se o Expresso fazer desse cenário capa e depois fazer um programa para debater os malefícios de tal escolha. Se calhar, deviam ter organizado o debate antes.

Os convidados, dois médicos, a ministra da Saúde e uma economista, concluíram que se o título se referisse, por exemplo, à diabetes ou a doenças cardíacas não causaria tanto alarme na população, e isto porque as pessoas sentem que podem fazer algo para evitar estas doenças, ao contrário dos vírus em relação aos quais se sentem muito impotentes. E mais ainda face a este, uma vez que pouco ou nada se sabe sobre ele.

Ora, não é bem assim. Sabe-se que causa mais danos a quem está mais debilitado, é aliás uma característica comum a muitos vírus e outros agentes patogénicos. E é triste que estando presentes três especialistas em saúde nenhum tenha dito que, para além das famosas medidas de contenção, há algo que podemos fazer: reforçar o nosso sistema imunitário. Que nenhum tenha lembrado que as recomendações para que se faça uma alimentação saudável acompanhada de exercício físico não são teorias abstractas, mas que servem exactamente para nos proteger desta e de outras ameaças. E já que se falou nisso, podiam ter dito que as pessoas em vez de irem a correr para as prateleiras das máscaras e dos desinfectantes, talvez não fosse pior pararem nas secções de frutas e legumes. É que com o sistema imunitário em baixo podemos nem precisar de um vírus para nada, até uma corrente de ar nos pode mandar para o estaleiro.

27 thoughts on “Cuidado com as correntes de ar!”

  1. a directora-geral da saúde está a fazer o que deve ser ser feito, facto que irrita muita gente, especialmente os profissionais de saúde que devem estar para reivindicar subsídio de risco e a oposição que “norteia a vida pela simplicidade da procura do conhecimento permanente”. atão aquela cena no martim moniz com os xinocas foi um máximo de saber fazer. quanto ao espesso das 11 até à 1/2 noite foi um baile que a marta temido & sus muchachos deram à comunicação social alarmista da sci & associados. agora vou ali comprar frutas & legumes para espantar o conavírus.

  2. Parece que que é a Guida, tal como o “Jumento” último, que já não consegue perceber a manipulação dos media contra o SNS e deixa-se levar pelo reaccionarismo extremo do Bernardo do “Expresso” e do Gomes Ferreira, o ratinho (segundo Geoge Steiner do que é um rato) da “Sic” que na véspera, junto do seu habitual painel de ultra- reaccionários, já tinha disparado o 1ºtiro conta a SG da saúde.
    Ainda acredito em Costa para dar a volta ao actual avançado estado de manipulação, tal que, já abrange gente que julgávamos mais serenamente atentos.
    Ainda acredito na capacidade de Costa porque é exímio em deixar a situação atingir um climax de evidência bem perceptível no povo maioritário contra a manipulação politico-informática e, só nesse momento, dar a estocada com apoio maioritário da população.
    Se tal não acontecer o pântano alargar-se-á até ao total domínio dos palhaços e palhaçadas dos do “eixo-do-mal”, dos mal cheirosos fedorentos do “governo-sombra”, dos Pachecos&Lobos-Xavier da circulatura, dos indecentes opinadores serventuários da Rádio&Tv que são os sibilinos pensadores ao serviço dos patrões dos media que lhes pagam chorudamente para tal e terminará na chegada de um qualquer salvador que tentará castrar o cérebro de todos.

  3. Parece que o “Expresso”, a CMTV , e o resto da informação de referência se está,deliberadamente,a esquecer da outra epidemia que ameaça perigosamente a saúde e o bem estar da nação portuguesa,quiçá mundial.
    Trata-se,como circula em surdina, da praga chamada Flor do Congo !
    É uma doença incapacitante, contagiosa, cruenta e dolorosa. Todos os infectados se coçam até à exaustão, entre gemidos e desabafos de eriçar os cabelos. De origem africana, escolhe de preferência as partes pudendas dos atingidos…
    É óbvio que este pequeno texto quer ser uma farsa. Uma farsa igual à que toda a desbragada informação tem feito jorrar sobre nós,que náo somos peritos em medicina, mas que cremos não ser parvos!
    Vergonha, querer fazer do coronavirus algo parecido com a peste negra!
    Onde andará o látego da Justiça ?

  4. jose neves, em que parte do meu texto é que viste que me deixei levar pelo “reaccionarismo extremo” do Bernardo e do Gomes Ferreira? E por que raio de carga de água achas que a Directora-geral da Saúde fez bem em avançar com o tal cenário de um milhão de infectados? Será que não tem lido jornais nem visto televisão? Não lhe ocorreu que esse número, entre outras coisas, iria ser destacado e usado, lá está, para duvidar da capacidade do SNS para dar a resposta adequada?

  5. repito: a graça freitas é a melhor directora-geral da saúde que alguma vez tivemos, fez e disse o que devia ter sido feito e dito. tudo o que disse e não disse pode ser alarmante na boca dos especuladores do costume, mas tem de ser dito para compreensão do que se está a passar. se achas que graça freitas deveria ficar calada para não alimentar a fricção científica dos espessos é por ainda não percebeste o que se está a passar e duvido que lá chegues.

  6. o peligrafo do brunardo, esse tem o “peligrafo” e tu tens o quê? Uma bola de cristal, onde vês o que penso acerca da senhora e da sua actuação? É que até agora só sabes que não concordo com este ponto em particular, não é? Ou, para ti, alguém com quem concordes em geral fica imune a qualquer crítica?

    Já agora, se fez tão bem, talvez me saibas explicar por que razão teve de vir afastar o tal cenário. E pode ser que tenhas razão, e que eu continue sem chegar lá, mas se não testarmos nunca saberemos…

  7. -Eu estava lá !
    -Eu vi tudo!
    -Os vírus eram mais que as mães!
    -Os mortos forravam as ruas!
    -O Marcelo arrancava os cabelos !
    -O cardeal Patriarca maltratava o Latim !
    -O Costa, também ali,não pedia a maioria!
    – O Ventura dizia que preferia ser cão a ser um Integralista Lusitano !
    -A Dra Ana Gomes gritava que Angola talvez pudesse voltar a ser nossa !
    -A Dra Graça Freitas punha o pessoal da DGS a fazer revisões de Logaritmos!
    -A circulatura do quadrado prefere exprimir-se em números exponenciais!
    -Quando de lá saí, nem uma carpideira tinha já aparecido !

  8. «E por que raio de carga de água achas que a Directora-geral da Saúde fez bem em avançar com o tal cenário de um milhão de infectados?»

    E porque raio de charco de merda dos media fez mal a Drtª. GS tomar como cenário um valor por excesso e não ao contrário, aliás como já fizera noutras ocasiões semelhantes e, como mandam as boas regras de prevenção?
    O mal está em, precisamente, sob a pressão da artilharia pesada dos media e de pessoas como a “Guida”, o “Jumento” e outras de quem menos se esperaria, não ser capaz de resistir e manter a sua opinião correcta contra a descarada maldade perpretada pelo Bernardo e comandada pelo mano Costa.
    O mal está em ter voltado atrás com a palavra em vez de desmontar o ataque manhoso que o servil Bernardo lhe montou e não recuar porque nenhuma irracionalidade havia na lógica da senhora Directora.
    Irracionalidade está no pensamento da Guida que acha que ela se devia submeter a calculismos de números por causa da insanidade dos ataques do serviçal Bernardo. Qual imagina seria a “caixa” do serviçal Bernardo se a Senhora dissesse que estava a trabalhar num cenário 40-50 infectados? Ou qualquer nº. que fosse aventado?
    Olhe, vá revisitar o programa do serviçal-mor JGF anterior e veja em que moldes é feito o nojento ataque à Senhora sobre o mesmo assunto. Neste caso é, contrariamente, feito na base de que a senhora tomara como menor e displicentemente o problema.
    Dois dias depois o mesmo grupo de gente, essa sim infecta, a partir de um cenário cauteloso varre a fogo de palavras e títulos falsos a senhora Directora.
    Qualquer que seja o que se responda a tal gente canalha haverá sempre a anti-tese para uma resposta em ataque manhoso.
    E a melhor defesa nunca será actuar por calculismo nem recuar quando trabalhamos sob casos que merecem todas as cautelas e prevenções possíveis.

  9. “Uma bola de cristal, onde vês o que penso acerca da senhora e da sua actuação?”

    não, leio aquilo que escreves e o resto tiro pelo cheiro

    “É que até agora só sabes que não concordo com este ponto em particular, não é?”

    não, não é. tamém discordas da ministra da saúde, 3§ do post.

    “Ou, para ti, alguém com quem concordes em geral fica imune a qualquer crítica?”

    não, mas não vejo motivo para criticar as afirmações da senhora e concordar com o alinhamento dos meia noite: especulação e alarmismo com aura de moderação.

    “por que razão teve de vir afastar o tal cenário.”

    porque cenários são hipóteses que evoluem de acordo com a contenção. hoje são 20.000 mas se contenção correr mal podem ser 1.000.000 daqui a 4 meses. a china conseguiu conter a epidemia com limitação e controlo de circulação com custos económicos muito elevados e a europa não está para aí virada.

  10. Não pareça mal à Guida o meu cepticismo em relação ao reforço do sistema imunitário por uma súbita conversão aos legumes, mas…
    Acontece que já comentei noutro blog, o LdB, sobre as consequências para Portugal desta epidemia, sobretudo incidindo nos aspectos económicos da questão. Entretenham-se a descobrir quais são os meus comentários. O meu estilo é fácilmente reconhecível.
    Não reivindico nenhuma especial sapiência além de ter lido alguns artigos na imprensa internacional e tirado algumas conclusões.
    As minhas fontes, resumindo para não dispersar foram:
    https://www.businessinsider.com/coronavirus-outbreak-seasonality-not-disappear-2020-2
    e
    https://www.bloomberg.com/news/articles/2020-02-22/coronavirus-may-be-the-disease-x-health-agency-warned-about
    A acreditar nas informações que aparecem nestas e noutras fontes um cenário de 50% da população infectada não é de excluir. Se entre esses infectados houver uma taxa de mortalidade de 2 ou 3% estamos perante um cenário de cerca de 100.000 óbitos no nosso país.
    O ponto que quero salientar é que não vamos lá com conversões a regimes dietéticos e reforços do sistema imunitário. Pessoalmente até posso ser adepto de terapias alternativas e comer religiosamente os meus legumes, mas isso não vai resolver o problema de quem está fragilizado ou a quem já pesa a idade mas gostaria de andar por cá mais uns tempos.
    A última semana foi caracterizada pela perda de esperança na contenção por meio de quarentenas e cordões sanitários. E até suspeito que em certos círculos se encara a questão com uma forma de resolver o problema do envelhecimento da população. Não foi um certo economista que falou na chamada “peste grisalha”?

  11. “While washing your hands is always recommended, Jessica Grayson, M.D., assistant professor with the UAB Department of Otolaryngology, says certain foods and supplements can help boost your immune system, potentially protecting your body from germs.

    “Foods that contain indole-3-carbinols have been found to reduce the number of viral infections — while this hasn’t been specifically tested in coronaviruses, the prevention of any viral illnesses that may weaken your immune system is and will be important,” Grayson said. “These foods include leafy greens like kale, spinach, collard greens, turnip greens, mustard greens, etc. They can be cooked or raw.”

    Grayson adds that elderberry has certain compounds that have been approved by the FDA for use in flavoring of food.

    “There are many studies on the antiviral and antimicrobial activity of elderberry,” Grayson said. “It has been shown in some studies to bind to some subtypes of the flu virus to prevent cell entry. However, there are still more studies needed to confirm whether this is true substantial benefit.”

    You can also boost your immune system by maintaining a healthy lifestyle, says Lee. Eat a balanced diet, get plenty of rest, and avoid stress.

    Grayson also says there is no data to support that increased Vitamin C helps prevent or shorten viral illnesses. In fact, studies looking at this have shown no benefit. Utilizing the leafy greens above in a smoothie can be an easy way to increase intake, but strictly drinking orange or pineapple juice does not have proof of benefit. ”

    https://www.newswise.com/articles/how-to-prepare-in-the-event-of-a-pandemic?sc=dwhn

  12. Não se salva ninguém e a história decorre no século XXI e isso devia ter acontecido em 2013 a célebre peste escarlate de Jack London. Desconfiai, primeiramente, dos charlatães, que se intitulam médicos…Foi outrora a mais nobre das profissões…Não passam de mentirosos e só querem exercer domínio sobre vós…

  13. vitamina c (montes de limão) mel e canela ,gengibre, ferver eucalipto e deixar o vapor espalhar pela casa. odiar multidões e ar condicionado também dá jeito. rotinas a ter para sempre , não por causa do escândalo actual.

  14. corona com limão é para parvos que não gostam de cerveja e comem cenas design tipo salmão selvagem pescanova com mel/canela/gengibre. faz mazé umas inalações de cosido à portuguesa com tintol katé ouves o vírus a ganir.

  15. bem , se for tequila com sal e limão, , alinho ; mel e mostarda e um bocado de gengibre , tudo misturado com Corona , dá um belo tempero para lombo de porco, dá sim,
    se precisares de mais receitas , diz.

  16. jose neves, caso não tenhas reparado, também critiquei o Expresso por ter feito a capa que fez. E a razão das minhas críticas prende-se com o facto de pensar que o medo nunca é bom conselheiro. Uma coisa é informar, outra é falar de cenários que previsivelmente vão assustar ainda mais as pessoas, algo que aparentemente vês como vantajoso e ainda não explicaste porquê.

    Já isso de me colocares ao lado da “artilharia pesada dos media” a fazer pressão sobre não sei o quê, espero que tenhas noção da tonteira.

    ____

    anjolas da silva, e foi com o nariz que decidiste deturpar o que eu disse ao escreveres isto:
    “não, não é. tamém discordas da ministra da saúde, 3§ do post”? É que, como sabes, estávamos a falar da Graça Freitas e não da ministra.

    E não discordei da ministra, acho até que ela esteve muito bem na resposta aos ataques e provocações do Bernardo Ferrão e da Ângela Silva. O que lamento é não tenha estado melhor ainda na questão que refiro no texto, a do sentimento de impotência da população face à ameaça dos vírus. Se fôssemos assim tão impotentes, estaríamos, nós e as outras espécies, extintos há muito tempo, já que há mais espécies de vírus no planeta do que de bactérias ou de qualquer outro ser vivo conhecido. E não lhes sobrevivemos com magia, mas sim com o sistema imunitário. Os vírus e outros agentes patogénicos são oportunistas, e especialistas em aproveitarem falhas nas nossas defesas, logo é avisado aconselhar as pessoas a reforçarem-nas. Mal não faz, ou faz?

  17. não é preciso sair deste poste e da caixa de comentários para ver os teus aplausos à ministra e à directora-geral, afinal é disso que trata o poste ou será que tenho o nariz entupido?

    não discordaste da ministra, mas lamentas… e eu deturpo.

  18. agarra-te ao pincel que vou tirar a escada, em vez do nariz, de vez em quando, experimenta usar o cérebro. Consta que é um método com provas dadas.

  19. deixem-se de diatribes gratuitas que já temos o que tanto se desejava: um caso confirmado dentro de portas. finalmente já não somos uma excepção e a nossa comunicação social rejubila. nem sei se não terão pago ao cavalheiro para ir a milão buscar o corona, tal a festa que por aí vai.

  20. «algo que aparentemente vês como vantajoso e ainda não explicaste porquê.»

    Explico. Não vejo como vantajoso nem desvantajoso nem sei que números seriam de um ou outro sentido pois, como digo, quaisquer números avançados serviriam para o “expresso” fazer uma capa de sinal tal qual fez com gozo; porque por excesso ou por defeito o que está sob mira é o SNS.
    Quanto à “tonteria” refiro que, se tal é uma tonteria da minha parte, o facto origem dela está na opinião da Guida que fez uma “coligação negativa” com aqueles que deliberadamente se servem de toda a miudeza para atacar o SNS em favor do privado.
    E termino.

  21. devíamos ponderar um processo civil contra a China e pedir uma indemnização por todos os danos causados , psíquicos e materiais. dinheiro eles têm e é a 3 vez que envenenam o mundo , gaita. a massa dava jeito para reparar os custos económicos na UE da deslocalização da produção e perda de empregos. ya ya.

  22. Estou assim um pouco arredado dos fait-divers da senhora ministra e até do “espêsso”. Do meu ponto de vista são perfeitamente irrelevantes.
    O que poderia ser relevante seriam medidas de contenção e retardamento da propagação. O alarme da populaça também não me parece que faça grande diferença. Tudo o que não seja um fatinho azmat parece não resultar.
    Os reforços do sistema imunitário poderiam fazer diferença mas não a curto prazo e com o consumo de produtos pontuais. Mesmo de um ponto de vista individual os resultados não são instantâneos. É necessária educação alimentar, disposição para contrariar hábitos enraízados, etc.. Todo um programa.
    Então quando se passa ao nível de acção colectivo, as dificuldades de estabelecer o que é alimentação saudável e o que não é chocam-se não só com a inércia social mas também com os interesses da indústria alimentar e da distibuição. E as dificuldades multiplicam-se.
    O que me parece mais relevante é que a transmissibilidade do virus ultrapassou até as medidas de contenção mais draconianas de um estado e população altamente disciplinados e com recursos repressivos quase ilimitados.
    Daí a minha frieza em considerar que os números que aparecem na imprensa internacional indicam que se tratará de uma pandemia que fará uma razia entre os cidadãos mais frágeis. Quantos, pode ser motivo de debate e variar consoante os interesses que movam quem analisa.
    Do ponto de vista da opinião pública seguirá o script que já foi aplicado em pandemias que alcançaram uma dimensão global. O exemplo é o HIV. Muita ignorância e inconsciência no início, segue-se uma fase de saturação e banalização e finalmente uma fase em que alguns avanços permitem minorar os efeitos ou fazer um mínimo de prevenção. Da mesma forma que o HIV alterou os habitos sexuais da populaça, também é provável que as características do virus obriguem ou contribuam para mudanças significativas na forma como interagimos socialmente. Um exemplo disso é um ministro do governo alemão recusar um aperto de mão da chancelerina Angela Merkel. Já a peste medieval implicou mudanças profundas na sanidade das cidades e na higiene pessoal dos seus habitantes. As implicações podem estender-se às aglomerações públicas, à forma como nos transportamos e até ao tipo de urbanismo dos locais onde escolhemos viver se temos opção disso.
    Em matéria de trabalho os open-space e coisas tipo WeWork e co-work vão seguir o caminho da extinção.
    O SNS vai sofrer um grande choque, mas muito pior seria se não existisse. Haja juízo para não destruir o que existe ainda que com problemas.
    O processo cível acima proposto é uma ideia interessante, mas qual será a jurisdição competente? :)

  23. na Haya ? a China pertence à ONU . e atenta negligentemente e reiteradamente contra o direito à vida dos outros povos , disso não há dúvida , tanto pela saúde como pela concorrência desleal na área da produção escravizando o próprio povo.

  24. ” a China pertence à ONU . e atenta negligentemente e reiteradamente contra o direito à vida dos outros povos , disso não há dúvida , tanto pela saúde como pela concorrência desleal na área da produção escravizando o próprio povo.”

    deves ter copiado esta merda do pugrama “andré ventura há previdencia”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.