«Primeira pessoa» de Pedro Mexia

Todo o cronista aspira a ultrapassar o efémero do jornal ou da revista e juntar as suas crónicas em livro. Antes publicadas na «Grande Reportagem», há neste conjunto de tudo um pouco. A começar pela crónica em si: «Os textos de quem escreve vêm do mesmo sítio das conversas dos conversadores ou das recordações dos anciãos: desse sótão no qual se empilham murmúrios, recortes, quinquilharia.» E passando pelo autor, ele mesmo, o próprio: «Um gordo não é exactamente um homem: é um bom amigo. Um bom tipo. Horrorizado, chego à conclusão de que quase todas as pessoas que me conhecem me acham confiável, compreensivo e relativamente inofensivo.» Entre a crónica e o autor surge o Mundo: «O nosso mundo compõe-se de três categorias: aqueles de quem gostamos, aqueles de quem não gostamos e aqueles de quem gostamos porque gostam de nós.» Nem tudo é bom; às vezes aparecem inimigos: «O inimigo, na sua cabeça, vê a outra pessoa como uma caricatura demoníaca, desprovida de méritos, de atenuantes, mesmo de humanidade. O inimigo espreita cada passo. Constrói em negativo, uma relação quase amorosa.» E, se estamos no Mundo, há nele lugares: «Há quem deteste o ‘Snob’. Sei de duas ou três pessoas que dizem, enojadas: ‘Nem pensar, não quero ir a um lugar frequentado por jornalistas’. Não anuncio grande novidade se disser que são os jornalistas que dizem frases assim. Compreendo que as manchetes devem ser lidas de manhã, quando compramos os jornais na banca da esquina e não espiolhadas de véspera na maré das redacções que desaguam para um bife tardio e um copo reparador.»

Editora: Casa das Letras

4 thoughts on “«Primeira pessoa» de Pedro Mexia”

  1. «O inimigo, na sua cabeça, vê a outra pessoa como uma caricatura demoníaca, desprovida de méritos, de atenuantes, mesmo de humanidade. O inimigo espreita cada passo. Constrói em negativo, uma relação quase amorosa.»

    Realista e bem expresso, o raciocínio. Sábias palavras. Eu próprio não lhes Mexia.

  2. Os jornalistas, tal como os escritores, são quem mais escreve acerca de si mesmos. Nem sempre bem, mas às vezes com grande talento. O Pedro Mexia até se porta com estilo e boa linguagem. O problema das crónicas é que, normalmente, estão demasiado datadas. Mas o livro vale a pena, com certeza.

  3. no mexia acho muita graça a pose do costume. do homem que não é bem homem. teve uma frase muito engraçada num encontro de blogs, há uns anos, onde se encontrava na audiência. o tema era os blogs no masculino e no feminino. ele disse que nunca o tinham classificado tantas vezes como masculino até ter um blog. nem na cama.

    teve graça, jcf, que só agora li este post, ainda não tinha tido tempo. e constato que usámos o mesmo verbo, «espiolhar». coincidência engraçada.

  4. fodafodafodafodafodafodafoda

    ffffffffffffffffffffoooooooooooooooooooooooooooodddddddddddddddddddddddddddddaaaaaaaaaaaaaaa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.