62 thoughts on “Portugal tem as centrais nucleares mais seguras do mundo…”

  1. Hello Sqwealer ? How are you ? fine ? are you reading this com ? I hope so.. I’m back..from the old times ..remember ?

    Nuclear ? É um bicho de 7 (sete) cabeças … não queiram ….provoca muito efeito de estufa ..liberta muito Co2 na atmosfera .. rebenta com a facilidade de uma bombinha de carnaval.. é péssima para Quioto..Quioto ? Quioto que se foda …
    Bom mesmo são as centrais limpissimas de queima de combustiveis fósseis , que cada vez são mais baratos , não lançam CO2 na atmosfera , e Portugal tem a rodos …

    Pq será que este blog quase não tem comentadores ?
    Não foi ele que ganhou o prémio de melhor blog de esquerda de 2005 ?

  2. Afonso Henriques:

    Da-se, tu não percebes mesmo nada disto, a parte do cérebro dos ambientalistas que trata da poluição atmosférica só funciona quando é discutida a coincineração. E para que isso aconteça quando a coinceneração é discutida, tem que desligar aquela parte do cérebro que se devia preocupar com as toneladas de resíduos perigosos que se acomulam em Portugal sabe Deus em que condições.

  3. Não, que horror ! Depender de França ou de Espanha no fornecimento de energia ? Que horror, menino ! O melhor é encher já o país de centrais nucleares ! Fica fantasticamente mais agradável, mais bonito, menos poluído, menos perigoso para as populações e trabalhadores das centrais. É bestial é o máximo ! E como a maior parte do países da Europa têm centrais, nós também temos direito ! É assim mesmo ! Nada melhor que copiar os outros. Vamos resolver o problema do país com uma central atómica em cada bairro… Que bom ser assim tão fácil resolver os problemas do país e de forma tão tão agradável…

    Já agora, os senhores “iluminados” que defendem a salvação de Portugal via construção de centrais atómicas podem ir-se entretendo com isto:

    http://www.lutins.org/nukes.html#power
    http://www.cancer.org/docroot/PED/content/PED_1_3x_Cancer_Among_Military_Personnel_Exposed_to_Nuclear_Weapons.asp?sitearea=PED
    http://www.aph.gov.au/house/committee/isr/uranium/subs/sub10.pdf
    http://www.workers.org/ww/2000/radiate0224.php
    http://www.world-nuclear.org/position/wgs/icrp.htm
    http://www.rockymountainnews.com/drmn/local/article/0,1299,DRMN_15_4444434,00.html
    http://www.wsws.org/articles/2000/jan2000/jap-j06.shtml
    http://www.iaea.org/NewsCenter/Features/RadSources/Fact_Figures.html
    http://www.ccnr.org/open_letter.html
    13“>http://www.renewableenergyaccess.com/rea/news/story?id=19012>13 ; http://www.sea-us.org.au/
    http://www.net.org/proactive/newsroom/release.vtml?id=18534
    http://www.facts-on-nuclear-energy.info/index2.php?f=982245988
    http://www.greenpeace.org/international/campaigns/nuclear
    http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_nuclear_accidents

    Se insisirem têm remédio: vão viver para outros país, de preferência ao lado duma central nuclear linda e produtiva…

    Na Europa, a tendência geral vai no sentido da desactivação das centrais nucleares existentes e investimento na fusão nuclear (sem urânio, sem fissão nuclear). Nós agora, armados em patos bravos, vamos tentar ganhar mais uns cobres à custa destes cancros. Claro, assim já podemos dizer que temos centrais nucleares ! Wouw ! Que ideia magnífica, digna de génios…

    Agora a sério: Mais vale continuar pobre e atrasado, já que das dependências de produção nenhum país está hoje livre, bem pelo contrário. Na actual conjuntura económica mundial é um perfeito disparate pensar que independências deste género nos podem ser proveitosas.

  4. Concordo que é uma das fontes mais fidedignas e não contesto o artigo. Porém, algumas fontes referem que se não fosse o aquecimento global estariamos já de novo no início de um periodo de glaciação… É um assunto polémico.

    Mas o mais importante é manter a beleza da paisagem e a saúde e das populações. Este tipo de ganância destroi as riquezas mais preciosas do nosso país, aquelas que atraiem mais turistas.
    Felizmente, perdemos mais do que ganhamos com a construção de uma central.

    Não creio que a fissão nuclear do urânio seja a melhor resposta. Há que continuar a apostar na poupança de energia, e medidas radicais devem ser tomadas nesse sentido. Há muito desperdício. Além disso, hoje em dia existem já inúmeras alternativas que são mal exploradas devido ao negócio chorudo do petróleo.
    A energia nuclear, tal como existe hoje, devia desaparecer definitivamente do planeta, para o bem da humanidade.

  5. JAM, as pessoas precisam ser informadas. O problema é que o negócio é demasiado frutuoso para muita gente que se está a borrifar para o bem estar dos outros.
    Excelente link.

  6. Gostei dessa da glaciação.

    “Mas o mais importante é manter a beleza da paisagem e a saúde e das populações.”

    Olha que o aquecimento global pode por em causa a “beleza da paisagem e a saúde das populações”, os habitantes de Nova Orleães que o digam.

  7. Luis, não é a energia atómica que nos vai salvar dos desastres naturais. Nada nos pode salvar. O ciclo de evolução do planeta está-se a borrifar para isso.
    Mas, entretanto, deixa-nos viver livres dos monstrinhos construídos pelo homem…

  8. bluegift, os combustíveis fósseis são uma construção humana que provoca o aquecimento global, e que por isso podem ter um impacto sobre o ambiente e a população humana.

    O uso da energia nuclear pode contribuir para minorar os efeitos do aquecimento global.

    Acho eu.

  9. Luís, estamos bem tramados se apenas a energia nuclear nos puder salvar do aquecimento global. Sinceramente prefiro investir o dinheiro das centrais nucleares em diversos métodos de produção de energia que seja limpa (também em termos de resíduos) e inesgotável. Além disso, mete de uma vez por todas na cabeça que a maior parte de CO2 libertado para a atmosfera nos países desenvolvidos não advém da produção de electricidade.

    Não há uma silver bullet na questão da energia. Ainda não. Talvez com a fusão nuclear, mas por agora não. A única saída é na integração energética, investir em diversos métodos de produção de energia por métodos renováveis que têm um output menor mas que podem ser combinados entre si. Tudo ao mesmo tempo que se reduzem as necessidades de energia do país.

  10. Já agora Luís, o «mete de uma vez por todas na cabeça» pode soar ofensivo mas não foi escrito com esse intento. É essencialmente uma chamada de atenção que foi feita de forma talvez excessivamente forte :)

  11. Não tem problema :)

    Já agora gostava de te fazer uma pergunta que tu és capaz de saber a resposta e eu confesso não saber. Qual é a quantidade de CO2 que é emitida em portugal para atmosfera para a produção de electricidade? Do meu ponto de vista esse é o número que interessa comparar com a quota de emissão de CO2 que o protocolo de Quioto nos dá.

    Eu sou cabeça dura ;), mas estou disposto a mudar de opinião se me forem apresentados argumentos satisfatórios.

  12. Luis, os incêndios em Portugal são mais nocivos que todo o CO2 produzido por outras fontes, e uma das principais razões por termos ultrapassado a quota estabelecida (já nem falo do uso e abuso dos automóveis).

    Entretanto, se descobrires por aí algum bocado de CO2 que se tenha desprendido de alguma barragem avisa…

  13. Luís, o número não sei, penso ser na casa dos 30%. Pelo menos creio ter sido isso que já li umas quantas vezes como sendo o número apontado em Portugal para a percentagem de CO2 libertada por processos de produção de electricidade. Vou tentar dar uma volta pela net quando puder (em casa, quando o meu computador estiver arranjado) e ver se encontro algum relatório com esse valor de forma mais segura.

    bluegift, as barragens produzem CO2. Parece estranho mas produzem. Sinceramente não sei qual o processo químico que provoca esta produção (que é de baixo teor, seja como for) mas foi já medido. Além disso contribuem apra o desaparecimento de “sumidoros” de CO2 ao provocarem o desaparecimento de extensas áreas florestais.

    Quanto à parcela de produção de CO2 em Portugal, acho que a parte de leão vem da indústria, a partir de caldeiras e fornos a nafta e carvão para produzir energia térmica. Independentemente do combustível, as fábricas de papel são das maiores poluidoras do país.

  14. João André:

    Obrigado!

    bluegift:

    Eu gosto de pensar que o problema da produção de energia é mais fácil de resolver do que o dos incêndios, porque os incendiários são uns tipos um bocado indisciplinados.

    Sou bem capaz de estar enganado, porque ao fim ao cabo há uma coisa em que acho que estamos todos de acordo: quando chegamos a casa quando carregamos no interruptor queremos que se faça luz. E acho que ninguém quando faz esse gesto instintivo se pergunta se a energia vem de uma hidroeléctrica ou de uma central nuclear francesa …

  15. João, o agravamento da nossa emissão de CO2 é devido, em grande parte, às consequências dos incêndios dos últimos anos. Não só pelo CO2 produzido mas pela diminuição do processo de transformação desse CO2.

    CO2 produzido pelas barragens? só se for o dos motores de apoio ;) desprezível, diga-se de passagem, e facilmente substituível. Nem sei se já os começaram a substituir.
    As nossas indústrias são muito poluidoras mas não só em CO2. Vê os outros em:
    http://www.iambiente.pt/portal/page?_pageid=33,32142&_dad=gov_portal_ia&_schema=GOV_PORTAL_IA&id_doc=5380&id_menu=5251

    São os transportes rodoviários, públicos, de carga e individuais os principais responsáveis pelas emissões específicas de CO2 em Portugal, e em muitos outros países.

    Se as energias alternativas forem utlizadas em vez dos derivados do petróleo, se as indústrias forem obrigadas a tratar as emissões, as florestas replantadas, os incêndios contidos: os níveis de emissão CO2 que possuimos serão mínimos.

  16. Luís, quantas coisas produzidas em Portugal te rodeiam neste momento? Pois…
    O que interessa não é que tu produzes, mas o negócio que és capaz de realizar para comprar o que os outros produzem. Não é por acaso que a europa se está a transformar num espaço de serviços e investigação, enquanto a leste e oriente vai predominar a produção.

  17. bluegift, como disse, não sei qual o processo que provoca a libertação de CO2. apenas sei que provoca, já o li umas quantas vezes no passado.

    quanto aos incêndios, não contesto nada. sublinho essencialmente que esse agravamento é mais devido à falta de floresta que aos incêndios em si mesmos, os quais “apenas” provocaram um pico na libertação de CO2.

    claro que as indústrias portuguesas são poluidoras noutras vertentes, mas eu estou apenas a falar do CO2. as da pasta do papel são extremamente poluidoras em muitas vertentes.

    uma das formas de resolver as nossas emissões de CO2 seria uma transferência da nossa força de transporte para os meios ferroviários decentes (não falo de TGV’s) e para sistemas do tipo tram (ou eléctricos, se preferirmos a terminologia portuguesa) nas cidades.

    uma outra forma que é frequentemente esquecida é a aclimatização das casas. provocaria uma queda nas necessidades energéticas para aquecimento no inverno e de arrefecimento no verão. já existe a legislação, mas colocá-la em vigor?…

  18. Bluegift

    Só diz asneiras! Os maiores produtores de CO2 são as florestas e a produção em larga escala de gado.
    Quanto á electricidade que vem de França, compramo-la a Centrais Nucleares, porque é muito mais barata. Vocês deveriam ser contra isso e obrigar o governo a comprar só a hidroeléctricas. Assim, pagariam a electricidade ao dobro e talvez mudassem de ideias.

  19. lol Zé Fotógrafo!

    No fundo o plano ideal é mesmo comprar a energia eléctrica produzida em centrais nucleares em países distantes. Resolvemos o problema do aquecimento global, e o lixo nuclear fica lá longe em França – o melhor de dois mundos! Tem razão o bluegift: “O que interessa não é que tu produzes, mas o negócio que és capaz de realizar para comprar o que os outros produzem.”

  20. Mas é isso. A superfície queimada não poderá fazer a transformação do CO2, a fotossíntese.
    Os eléctricos deviam substituir os autocarros, concordo absolutamente. E os camiões tir deviam ser substituidos, no grosso da viagem, por comboios.
    Quanto às casas, a construção devia ser seriamente fiscalizada. Eu vivo numa região com temperaturas quase sempre negativas durante o inverno, e raramente ligo o aquecimento. Em Portugal gastava uma fortuna em aquecimento e nunca era suficiente.
    Já que finalmente temos um governo corajoso, pode ser que algumas destas medidas venham a ser implementadas.

  21. bluegift:

    Como é que tu podes ter tanta certeza do que eu captei ou não captei? Estava só a ser irónico, entendes?

  22. O Bluegift está a ficar sem argumentos! Começa a disparar em todas as direcções. Coitado!
    E já agora, onde é que tu vives?

  23. Ninguém sabe em Portugal ..qual a quantidade de CO2 emitida pelos incêndios florestais .Ponto final parágrafo … nem o 1º ministro.

    Agora .. sabemos que SÓ para produzir electricidade se queima 1 tonelada de combustíveis fósseis a cada 2 segundos.

    E como nós temos carvão , gáz e petróleo à barda .. até vendemos à Arábia Saudita ( isto é segredo de estado )..não há problema nenhum…
    Entretanto Quioto que se foda…
    Qd formos pagar multas por execesso de emissões ( já que o protocolo de Quioto entrou em vigor o ano passado ) podemos mandar prescrever as multas , ou mandá-las para o Totta..

    Agora… tangas ? Blueshit…Dou-te o dinheiro que quiseres se fores capaz de dizer qual a quantidade de emissões de CO2 provocada pelos incêndios florestais ..
    NINGUÉM SABE….é um país de tristes..ignorantes .

  24. ….
    Os eléctricos deviam substituir os autocarros, concordo absolutamente. E os camiões tir deviam ser substituidos, no grosso da viagem, por comboios….
    Blueshit.

    Então .. e os electricos e os comboios vão buscar a electricidade onde ? Às centrais térmicas …não é ? Que queimam combustiveis fósseis …

    …Já que finalmente temos um governo corajoso,..

    É corajoso pq consegue subir impostos ? kákáká…

  25. lol lol lol

    Cada vez estou a gostar mais deste Afonso Henriques!

    Com um detalhe: eu se tivesse um laboratório de quimica à disposição, estimava a quantidade de Dióxido de Carbono emitida por hectar de pinhal ardido sem grandes dificuldades. A parte laboratorial é que é difícil (para mim), as contas fazem-se nas costas de um envelope.

  26. Realmente Luis .. não é dificil ..principalmente sabendo que perto de 50% da biomassa seca é carbono ..
    No entanto ..para espanto da multidão .. ninguém em Portugal sabe esses valores .. é moca ..não é ?
    Vamos longe .. sim senhor…

  27. Afonso Henriques, o que queres dizer é que 3,67 toneladas de CO2 contêm uma tonelada de carbono. Se queimares uma tonelada de carbono (sob a forma de carvão, por exemplo) não terás nunca 3,67 toneladas de CO2. Mesmo que o faças numa situação em que satures a atmosfera do forno com O2 terás sempre libertação de Co (monóxido de carbono). No caso das nossas situações, especialmente de uma floresta a arder, situação em que está presente uma atmosfera com apenas 21% (aproximadamente, vá) de O2, teremos sempre uma queima incompleta. Por alguma razão temos tanto carvão no fim…

    Quanto a não se poder estimar a quantidade de CO2 libertado, sso é treta. Não custa muito fazer uma queima simulada em laboratório e fazer o scale-up. Claro que é preciso ter uma amostra minimamente decente e representativa do que seria a floresta a queimar, mas é perfeitamente possível estimar o valor de CO2 libertado, dentro de certo erro.

    Seja como for, aquilo que está em causa quanto à floresta queimada não é, como diz o bluegift, a libertação de CO2 nos incêndios. Antes é a quantidade de CO2 na atmosfera que deixará de ser removido por fotossíntese por ausência da vegetação.

    Quanto à existência de eléctricos e comboios, apesar de não ter os números à frente, estou em crer que, mesmoq ue tívessemos de recorrer a centrais termoeléctricas (na ausência de alternativas, fossem elas quais fossem) para abastecer esses meios de transporte públicos, a quantidade de CO2 produzida seria menor. Um scale up provoca sempre uma diminuição da quantidade de energia necessária, pelo que um comboio que transportasse uma média de X passageiros por dia consumiria menos energia que o número equivalente de automóveis, especialmente no caso de eléctricos, que seriam utilizados para substituir o trânsito rodoviário urbano, onde a economia de combustível está no seu nível mínimo.

    Por fim, apesar de toda esta mania com as energias nucleares, continuo sem ver ninguém a falar da energia solar, eólica, das marés ou até do hidrogénio ou do caso de biomassa. Como já disse antes, estas não são soluções que, por si, resolvam os problemas energéticos. Antes são soluções que resolvem, individualmente, parte do problema e, agrupadas, podem realmente resolver o problema. Só que pensar nisto parece que custa muito.

  28. “apesar de toda esta mania com as energias nucleares, continuo sem ver ninguém a falar da energia solar, eólica, das marés ou até do hidrogénio ou do caso de biomassa.”

    O Tony Blair e o José Socrates fartam-se de falar em energia eólica, e com razão na minha opinião.

  29. Fonte de Energia: Custos por kilowatt-hora
    Eficiência energética: 0-5 cêntimos
    Hidroeléctrica: 2-8 cêntimos
    Carvão: 5-6 cêntimos
    Vento: 5-8 cêntimos
    Petróleo: 6-8 cêntimos
    Solar térmica: 9 cêntimos
    Nuclear: 10-12 cêntimos
    Solar fotovoltaico: 15-20 cêntimos

    Fonte – http://www.net.org/proactive/newsroom/release.vtml?id=18534

    aqui estão alguns numeros…

    se os grandes defensores do nuclear que estão tão preocupados com a natureza, virem-se para as energias renovaveis.
    desta forma, seremos autonomos a nivel energetico, não precisamos de uranio e coisas do genero.
    reduz-se as emissões de co2 de maneira mais eficaz, a nivel de manutenção, transporte, mineração, etc.
    e os riscos e as consequencias em caso de acidente são insignificantes.

    e quanto ao G8 andar a publicitar a energia nuclear…. eles que se fodam.

  30. Eu cá também sou pelos moinhos de vento – sempre fui.

    O problema é que no estado a que isto chegou com o protocolo de quioto, vamos ter que plantar 1 moinho de vento por metro quadrado.

    É fácil é barato e não ocupa espaço nenhum.

  31. O bluegift das 3:35 PM não sou eu.

    João André, se leres novamente o que escrevi, notarás que não afirmo nada em contrário. É preciso ler. Se queres ler algo sobre as energias alternativas, idem, segue os links.

  32. bluegift, lamento o erro.

    Luís, eu estava a falar essencialmente dos comentadores nos blogues, que gostam de apontar nucelar como se fosse a única alternativa (e nem é o teu caso). Mesmo assim a eólica não é caso único, há dezenas de novas técnicas a serem desenvolvidas.

    Algumas mais alternativas (ainda mais) são as de produção de energia por via biológica (usando microorganismos que digerem detritos), a electrodiálise inversa (ou seja lá qual for a tradução para reverse electrodialysis) ou a osmose inversa retardada (retarded reverse osmosis). Não resolvem os probelmas por is só, como já disse, mas num acumular de opções (grão a grão…) consegue-se chegar aos objectivos energéticos e ambientais (… enche a galinha o papo).

  33. João, o meu problema é que eu às 3 da tarde sou um positivista e ás nove da manhã sou um pessimista antropológico. Ainda um dia vou descobrir porquê. O positivismo não me preocupa, a mim o que me preocupa mesmo é o pessimismo antropológico.

  34. Parece que ninguém até agora fez estudos de impacto ambiental sobre a energia eólica.
    Mas toda a gente sabe que hoje um bom meteorologista vale tanto como um bom geólogo.
    E toda a gente sabe que existem mapas eólicos .
    E nesses mapas podemos ver que existem , poderia dizer-se pipelines de vento.
    E toda a gente sabe que a atmosfera está farta que brinquem com ela.
    Por outro lado tb toda a gente sabe que os ventos correm das altas pressões para as baixas pressões .
    Assim qt mais resistência for criada , maior vai ser a necessidade de fazer essa correcção.
    Portanto e à parte o desfeiamento da paisagem com ventoinhas gigantescas , ninguém sabe neste momento o impacto que um sem número dessas ventoinhas pode provocar. Mas que provoca alguma coisa é incontornável.

    As energias alternativas produzem quantidades insignificantes de energia comparadas com as necessidades crescentes da população.
    …..
    Se queimares uma tonelada de carbono (sob a forma de carvão, por exemplo) não terás nunca 3,67 toneladas de CO2
    João André…

    Meu caro João André … Se queimares uma tonelada de carbono terás sim 3,67 t de CO2 .
    Faz uma pequena pesquisa no google e vais descobrir isso imediatamente .
    escreve 3.67 t CO2 e vais ver o que aparece ..

    Além do mais existe hoje a tecnologia de reacção rápida (nuclear )http://www.nikiet.ru/eng/publications/innoproj.html que não deixa lixo , todo o combustível é usado.
    Mas ainda mais importante é que o tipo de combustível usado não pode nunca ser utilizado para bombas, ao contrário do que acontece com as centrais nucleares térmicas convencionais , que deixam lixo radioactivo durante milhares de anos ..consomem apenas uma pequena fracção do combustível usado e o seu resíduo pode ser usado para refinação e usado em bombas ..como quer fazer o Irão ….

  35. Parece que ninguém até agora fez estudos de impacto ambiental sobre a energia eólica.
    Mas toda a gente sabe que hoje um bom meteorologista vale tanto como um bom geólogo.
    E toda a gente sabe que existem mapas eólicos .
    E nesses mapas podemos ver que existem , poderia dizer-se pipelines de vento.
    E toda a gente sabe que a atmosfera está farta que brinquem com ela.
    Por outro lado tb toda a gente sabe que os ventos correm das altas pressões para as baixas pressões .
    Assim qt mais resistência for criada , maior vai ser a necessidade de fazer essa correcção.
    Portanto e à parte o desfeiamento da paisagem com ventoinhas gigantescas , ninguém sabe neste momento o impacto que um sem número dessas ventoinhas pode provocar. Mas que provoca alguma coisa é incontornável.

    As energias alternativas produzem quantidades insignificantes de energia comparadas com as necessidades crescentes da população.
    …..
    Se queimares uma tonelada de carbono (sob a forma de carvão, por exemplo) não terás nunca 3,67 toneladas de CO2
    João André…

    Meu caro João André … Se queimares uma tonelada de carbono terás sim 3,67 t de CO2 .
    Faz uma pequena pesquisa no google e vais descobrir isso imediatamente .
    escreve 3.67 t CO2 e vais ver o que aparece ..

    Além do mais existe hoje a tecnologia de reacção rápida (nuclear )http://www.nikiet.ru/eng/publications/innoproj.html que não deixa lixo , todo o combustível é usado.
    Mas ainda mais importante é que o tipo de combustível usado não pode nunca ser utilizado para bombas, ao contrário do que acontece com as centrais nucleares térmicas convencionais , que deixam lixo radioactivo durante milhares de anos ..consomem apenas uma pequena fracção do combustível usado e o seu resíduo pode ser usado para refinação e usado em bombas ..como quer fazer o Irão ….

  36. caro Afonso Henriques, tenhas as boas intenções que tiveres, queima quantas vezes quiseres uma tonelada de carbono na atmosfera e garanto que nunca terás 3,67 toneladas de CO2. É uma impossibilidade química. Por várias razões:

    1. Nenhuma reacção química é completa. Isso é uma impossibilidade. O máximo que se consegue é, perante condições controladas e num determinado ciclo de produção, atingir uma produtividade a roçar os 95 a 99,5% (este valor em casos muito, mas muito raros).

    2. A reacção de queima de carbono na atmosfera é feita com uma presença de um inerte (azoto, N2) que age como um inibidor da reacção por simplesmente negar um excesso permanente de oxigénio à queima.

    3. a queima da carbono implica sempre a libertação de alguma percentagem de monóxido de carbono.

    Deixa lá o google que não é resposta para tudo. Mergulha antes nuns livrinhos de química, dá apra aprender algumas coisas melhor.

    Quanto aos teus reactores de “reacção rápida”, sim, ajudam a evitar a produção de plutónio “weapon grade”. Curiosamente não são necessários mesmo em reactores convencionais, dado que este tipo de plutónio apenas é produzido em determinadas condições, mesmo no caso de reactores termonucleares. Basta veres o que se passa na Índia. Tanto quanto me apercebi, o acordo com os EUA contempla 65% dos reactores para uso civil e o resto mais aberto. Nenhum de fast reaction, penso. No entanto o controlo pode ser feito sem tal tecnologia.

    Quanto aos resíduos, mais uma vez temos uma falácia. O que é possível fazer é reduzir a radioactividade de alguns dos produtos de forma a que possuam uma radioactividade semelhante à de minérios naturais no espaço de 100 a 150 anos (brutal, os nossos tetra-tetra-tetra-tetra-…-tetranetos não terão problemas, apenas os nossos tetranetos).

    Quanto ao resto, o que temos é a possibilidade de reutilizar alguns produtos enriquecidos, o que aumentaria o tempo de vida útil da tecnologia de fissão nuclear. Isso não implica a ausência de resíduos. Aliás, poderia ter um problema acrescido, porque os resíduos passariam a ser, por exemplo, urânio empobrecido, pouco perigoso em termos de radioactividade mas muitíssimo perigoso em termos de toxicidade. Seria livrarmo-nos de um problema para obter outro.

  37. Olha lá ..João André … então achas que fui eu que se lembrou que 1 tonelada de carbono equivale a 3,67 t de CO2 ???
    Eu ..não … são os livros todos que falam isso … vais contestar os livros todos ?
    Quem és tu ? Uau… um novo Einstein … esse é que contestava os livros todos…mas esse fez tantas mas tantas contas que acabou por mostrar que tinha razão…

    Qt ao nuclear … mais uma vez estás a contestar ..não a mim óbviamente … a ultima referência foi a Scientific American de Março de 2006 …. e podes escrever… os novos reactores rápidos ..não deixam práticamente residuos….

    Claro .. não és obrigado a acreditar….assim como não és obrigado a acreditar na teoria da relatividade … ou no Big Bang …ou que os americanos foram à Lua…

    O google não tem informação … encontra informação…

  38. Afonso, há uma grande diferença entre dizer que 3,67 toneladas de CO2 resultaram da queima de 1 tonelada de carbono e dizer que 1 tonelada de carbono dará origem a 3,67 toneladas de CO2.

    No primeiro caso estamos a falar de produto. Obviamente que a tonelada de carbono lá está. Não significa que, para se atingir as tais 3,67 toneladas de CO2 se tenha queimado apenas 1 tonelada de carbono. Se tiveres tido uma eficácia de 90% (já de si improvável) significa que queimaste 1,11 toneladas de carbono. Isso implica que 0,11 toneladas de carbono não seriam convertidas em CO2.

    As tuas contas são bonitas e 100% correctas, mas são de merceeiro. Se queres discutir química, discute, mas tens de partir dos pressupostos correctos.

    O equivalente à tua linha de pensamento seria veres uma folha de papel em cima de uma mesa e dizeres, por a ver, que alguém ali tinha passado com uma única folha de papel, desconsiderando a possibilidade que fosse uma resma delas…

  39. o que é isto eu tenho 14 anos e este site ta memo dah!eu tenho de fazer um tabalho pa geo sobre as energias alternativas de Portugal e voxex aki a blablar.eu tenho de ir pa xkola e ainda na akabei o tabalho. e k tal em vez de se faxerem de intelectuais pussessem em obra ixo td k xabem.eu ka digo ganham dinheiro a vextir fatox caros e a blablar.trabalhem nao?poxa ou entao criem um site a maneira com informaxoes sobre as energias alternativas de Portugal.X criarem digam kualker koixa.olha uma dica deputados e k tal pouparem um pedaço nas festas k fazem ai pa voxex e criasem um mealheiro e no final de 2 anos é capaz de dar pa kualker koisa e podem poupar noutas coisas.este site é pa discutir assuntos é?apax na discutem dem as suas ideias aos politicos mongloides.plis x tiverem algum site k fale sobre o problema das energias alternativas em PORTUGAL DIGAM, mandem pa o meu email taty4ever@hotmail.com!!!!!!!!!!!!!!ASS.a vossa amiga filipa k ta aki pa akabar kom este blabla todo.agora kero ver kem vai dixer koixax xobe este artigo xeus xabixões

  40. explorem este site por algum tempo por favor
    http://cnpgb.inag.pt/gr_barragens/gbportugal/Lista.htm

    agora expliquem-me se puderem como é que vamos ter electricidade no futuro próximo? a energia eolica? essa não chega (é naquilo que ganho o meu pão e portanto sei de que falo, a produção não será suficiente e não é fiavel é sem duvida um bom apoio à rede elétrica nacional)
    ondas e marés teremos amplitude das marés para que seja proveitosa e teremos locais?
    todos temos medo de radioactiidade mas quantos de nós temos em casa alarmes de incendio? vejam os respectivos sensores…
    as centrais nucleares são um mal necessário se quisermos continuar a ligar o nosso pc e vir para a net, ou ver tv, ou ter aquecimento, ou ou ou…. desde que devidamente cuidadas e mantidas são seguras e não poluentes e a energia torna-se mais barata. já agora estas centrais libertam vapor de água limpa e não co2 funcionam como centrais termoelétricas e libertam o vapor de água quente limpa. chernobil acidentou-se devido a erros humanos e de protocolos num teste de segurança mas o erro foi humano! já agora ao longo da fronteira espano/portuguesa existem algumas centrais nucleares espanholas na zona do rio tejo (caso não saibam)

  41. Pessoal sou Português, vivo em Portugal ( Idanha-a-Nova ) e tenho uma CENTRAL NUCLEAR bem perto de mim aqui mesmo ao lado a menos de 100Km – a Central nuclear de Almaraz na zona de Cáceres ! Penso que a opção pelo nuclear não é uma solução de futuro para o nosso país .

  42. ora as coisas seriao bem mais simples se pensasse-mos no ambiente e no futuro da nova geracao em vez de sermos egoistas com os nossos metodos de consumo. sou cada vez mais contra o nuclear e cada vez mais amigo da quercus. a prova é feita, moro em paris mas nasci em setubal, em franca a alguns dias o jornal so falava de uma coisa, uma das dezenas de centrais nucleares francesas teve uma fuga radioactiva, ora apos investigacao ninguem soube explicar o porque do como. as autoridades disseram unicamente que nao havia um perigo “perigo directo“ para a populacao. até me fazem rir. alguns dias depois apos analises outra fuga foi registada e pior ainda foi constatado que ja faz dezenas de anos que fugas acontecem e agora so ouvimos falar disso e dos riscos radioactivos. chegou o momento de pensarmos duas vezes antes de agir, ou gastamos dinheiro agora em importacoes de energia diminuindo as nossas importacoes com energias renovaveis e limpas ou gastamos toneladas de paletes em caixa de dinheiro com cancros e centros para criancas nascidas com mas formacoes de todos os generos e doencas. a seguranca social portuguesa nao tem esse poder, e nos nao queremos ser vitimas dos tubos de ensaio, vitimas d uma degradacao sanitaria que destroi a saude publica. nos somos portugueses e ja fizemos muitas asneiras, ja e tempo de tomar-mos decisoes proprias, com os riscos de sismos em portugal o nuclear nem deveria entrar em conversas deveria ja ser a base de um grande NAO directo e sem historia. nos ate temos sorte de termos empresas pioneiras nas energias renovaveis e outras que o querem ser, é uma nova industria, uma marca de fabrico e pela primeira vez um “made in portugal“ as coisas devem ser assim, por uma vez seremos mais inteligentes que uma franca, que uns estados unidos ou que uma finlandia. ate porque as renovaveis melhoraram a nossa imagem no exterior e ajudaram as empresas nacionais a ganharem novos mercados que podem empregar muita gente no futuro. a imagem de portugal no exterior mudou muito

  43. O CO2 não é poluente, é essencial à vida. e o ser humano apenas é responsável pela emissão de 3% do co2, os restantes 97% são emitidos pela propria natureza, e sem referir que o co2 é um gás raro na atmosfera, e que vai sendo absorvido pelos oceanos e pelas plantinhas, e não está a acumular-se como rezam por aí.

    O único problema dos combustíveis fósseis é que vão acabar, visto que a emissão de enxofres, nitratos e metais pesados é fortemente reduzida actualmente, pelo menos nas centrais mais modernas. E porque estão a acabar é que deve ser urgente a sua substituição.

    Os políticos e os seus lobys sabem disso, assim como as maiores potencias mundiais sabem que os seus monopolios estão em risco. Segundo eles ha que impedir que os paises em vias de desenvolvimento emitam CO2 (usem os combustíveis fósseis baratos para desenvolverem-se rapidamente) e usem as renováveis (que só os países ricos têm dinheiro para investir em massa nelas). O Al Gore é um político, logo ha interesses por trás disto, que julgo ser dinamizar uma nova industria totalmente nova (as renováveis) e coloca-la nas mão de quem tem dinheiro para a concretizar, mantendo os velhos monopólios.

    A eólica e solar têm um defeito. Não dá para armazenar de forma barata. Se pensam que podem manter um sistema eléctrico de energia só com elas…esqueçam, é impossível porque elas não são previsíveis.

    A solução passa pela biomassa, ou no uso da solar e eólica para a produção de hidrogénio (que é armazenável), ou pela nuclear (mas só duraria uns 150 anos)

    E não ligo às paranoias exageradas do perigo da nuclear. Todos os dias o sol e um dito gás Radão presente na nossa atmosfera bombardeiam-nos com radiação, e o urânio usado já existe na natureza, logo, seja na central ou na natureza, alguém acaba por apanhar com a radiação na mesma. Quanto aos acidentes…graves apenas o de chernobil, enquanto que nas outras, temos derrames no alasca, o prestige, etc…

    E uma cental nuclear protege se formos a ver melhor a paisagem, porque não ha riscos de derrames de petróleo nem é preciso enormes minas a céu aberto como as do carvão, e um kg daquilo dá energia que se farta.

    Não quero dizer que os riscos não existem, mas acho que são exageradamente amplificados.
    Todas as energias, mesmo as renováveis têm desvantagens, e as energias eolica e solar têm uma enorme: não se podem meter directamente no depósito de um automóvel, pelo menos de forma barata.
    Sabiam que se os carros passarem a ser todos eléctricos serão precisos investir milhoes no reforço da rede eléctrica, e outros tantos na produção de novas centrais para satisfazer as novas cargas? Que tipo de centrais devem ser feitas de modo a que quando o utilizador ligue o seu carro à tomada, seja possível fazer energia para ele? Fósseis, nuclear, biomassa ou hidrogénio! porque são as únicas que são possíveis armazenar e usar quando é preciso.

    Uma solução seria instalar uma potência suficiente em energias renováveis (falo da eolica, da solar, e de todas as outras limpas, mas imprevisíveis) que permitisse, por electrólise produzir hidrogénio em quantidade superior ao consumido, permitindo criar stocks, e depois usa-lo em células de combustível, onde o hidrogénio seria novamente transformado em água.

    Como diz um provérbio: “Olhos que não vêem, coração que não sente”, ou seja, só se sente o que anda nas bocas dos midia e dos políticos.

    Um bem haja a todos

  44. e se uma central nuclear explode?
    como é que vão ser as nossas vidas daí para a frente.
    nunca pensaram nisso
    é melhor pensarem ´tá

  45. POIS BEM! PORQUE PASSAMOS A VIDA A QUERER MAIS E MAIS KW .

    VAMOS TRATAR É DE GASTAR MENOS E MENOS MAS COM RENDIMENTO.

    COMO EM TUDO O QUE INTERESSA É QUALIDADE DE CONSUMO NÃO QUANTIDADE

    A ENERGIA QUE PRODUZIMOS CHEGA BEM PARA AS NECESSIDADES.

    O QUE NÃO CHEGA SÃO AS COMISSÕES QUE SE VÃO PERDER PARA OS NOSSOS GOVERNANTES.

    POIS!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.