jrrc dixit

A gravidade da questão, em meu entendimento, prende-se, precisamente com dois pontos aqui já aflorados por Valupi: a honestidade intelectual, profissional, cívica e pessoal dos responsáveis pela extracção das certidões; e, se efectivamente, neste caso, se pretenda como boa a Justiça que capta ilegalmente supostos indícios, não a que faz cumprir a Lei.

Dou como assente que a Lei é eivada de uma certa subjectividade, tem espírito, e como tal, pode ser alvo de diferentes interpretações. Mas nós evoluímos para o estado de “cada cabeça, cada sentença”. A Lei está um estorvo. De acordo com o comunicado da PGR, das seis escutas transcritas onde intervinha o primeiro-ministro, o despacho do Senhor Procurador Coordenador do DIAP de Aveiro e O Senhor Juiz de Instrução Criminal, sustentavam a existência de indícios da prática de um crime de atentado ao Estado de Direito. O PGR, presumo que em relação às seis escutas, concluiu pela não existência de tais indícios. Em seis vezes não se acerta uma? Será por não entenderem vernáculo? E é muito plausível, por aquilo que não tem vindo a público, que as restantes escutas ao 1º ministro levarão o mesmo caminho.

É isto tudo normal? É normal que o Presidente do Supremo não valide uma única, depois de tanto trabalho do Senhor Procurador e do Juiz? Eles não se importam, não coram de vergonha, não têm coluna?

Certo dia de um ano já ido, Rui Teixeira, um herói dos novos tempos, entrou na AR com frémito, e prendeu Paulo Pedroso. Mais tarde, conclui-se que cometeu um erro grosseiro, de que resultou uma indemnização do Estado ao tal deputado, ainda sem transitar em julgado. Sou contra indemnizações: o mesmo juiz deveria voltar à AR, com o mesmo estrilho, lugar onde baixaria a cabeça e, Jaime Gama, na qualidade de Presidente da AR, lhe pespegaria dois pares de estalos. Não está na Lei, mas cada cabeça cada sentença.

__

Oferta do nosso amigo jrrc

4 thoughts on “jrrc dixit”

  1. Será que as novas cassetes são iguais às primeiras? Não me parece, dado o entusiasmo, quase delirante, de pacheco pereira. Desconfio que se vai passar qualquer coisa como aquela que aconteceu com Ferro Rodrigues, quando a gente, em familia e descontraido, porque é a nossa intimidade, damos um peido sonante. Será que, entre amigos, Sócrates chamou cabra à manela? E Portugal vai ouvir ou ler, como ouviu a cagada de Ferro Rodrigues no mais que consporcado segredo «de quê»? Desculpem a dúvida, mas bate tudo tão certinho e do mesmo jeito…

  2. Mário,

    nem há que pedir desculpa pela dúvida. A estratégia parece repetida, de facto.
    E depois, nada como seguir o velho lema de investigação policial. Seguir o rasto de quem aproveita com o resultado do crime. Se há crime de fuga e divulgação de dados em segredo de justiça, a quem aproveita essa fuga e essa divulgação? É do b-a-ba.

    Sendo, no entanto, uma regra tão essencial, não é aplicada… O que nos faz duvidar: se quem pode investigar um crime não o faz, o que tem a ganhar com isso? E assim sucessivamente…

  3. A satisfação do guru da marmeleira,tem a ver com a sua maldade intriseca, e nem merece comentários.A desonestidade do senhores investigadores, já é outra conversa.O que eles querem é acabar mesmo com o engº a bem ou a mal .E a Moura Guedes, não é flor que se cheire.Alem do mais é feia (comemntário machista)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.