Iniciação

Os pais deixaram Gonçalo à porta de Gina, a caminho do aeroporto, para umas férias de sendeirismo nos Cárpatos.

Gina acolheu encantada o seu ‘menino’, agora de dezasseis anos. Tinha sido ama do pai
e só saíra para casar. O casamento durara um fósforo, mas agora via-se com casa.
Quartos de criada nunca mais.

Os oito dias das férias paternas, passou-os Gonçalo na cama com Gina. Aquilo havia sido fulminante, diria o moço com mais preparação. A novidade, as estatísticas hormonais e um começo de viciação, também ela de foro científico, facilitaram o débito.

Quando os pais vieram buscá-lo, Gina não pôde conter-se: ‘Está um homenzinho’.

A mãe, no lugar do passageiro, sorriu. O pai, ao volante, compreendeu, e sorriu também.

A Gina continuava impecável.

fv
Amsterdão, 3.6.2007

5 thoughts on “Iniciação”

  1. Subscrevo as palavras do primo. Já a narrativa anterior gravitava em torno do conceito de «família». Eu sei que deveria esperar pelos textos seguintes mas não resisto a perguntar: é uma unidade temática ou um mera coincidência?

  2. Sabendo quanto a beleza está nos vossos olhos, direi ao JP que

    1. não há um conjunto, menos ainda uma temática,

    2. não há senão o plano, vaguíssimo, de ir fazendo,

    3. essa da ‘família’ é uma sugestão colossal… de que espero não mandes a conta.

  3. ha! deliciosa história. tal como a diane de poitiers, que foi a favorita de henrique I e depois ainda o foi do filho…

  4. Depois do que já foi dito (e bem dito), que dizer? Para quem já passou por França, não podias ter escolhido melhor nome à criada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.