As lampreias danificadas

Que pena que o nosso blogue, ou o programa de edição do nosso blogue ou lá o que é, seja versão 3.2.

É que adorava saber como é que estes nos iam “ajudar a minimizar o dano”.

Lamprey.jpg

Imaginei o seguinte e-mail para o bom do Carlos Rodrigues:

“Caro Carlos,

Soube agora do vosso percalço com a cena dos posts perdidos. Sucede que, no período a que aludem, escrevi oito posts sobre a lampreia. Lamentavelmente, escrevi-os directamente no blogue, pelo que não tenho forma de os recuperar. Por isso, como podem imaginar, respirei de alívio quando li o vosso simpático memorando. Assim, e para que me possam reescrever os posts, única forma de o meu dano ser minimizado (a reparação integral implicaria uma sempre intrincada viagem no tempo), envio-vos, com a esperança que vos seja útil, a única coisa que conservei em lembrança: os títulos.

– Lampreia: peixe ou felino?;
– A língua raspadora da lampreia e o artigo 6º do Código Civil;
– Lampreia, quo vadis?;
– Petromyzontida ou Cephalaspidomorphi?;
– A minha lampreia é maior que a tua;
– A importância da lampreia no cinema polaco;
– De olho pineal em ti;
– A câmara branquial das lampreias: feitio ou defeito?;
– Lampreia e o domínio do mundo: do auge do Carbonífero ao declínio do Devoniano;

Antecipadamente grato, aproveito para lhe apresentar os meus cumprimentos que trago a uso (os meus melhores tenho-os guardados para os Domingos de sol, em que depois da missa vou de passeio com a senhora),”

31 thoughts on “As lampreias danificadas”

  1. que eu me lembre: ciclóstomo. Adoro arroz de ciclóstomo em Fevereiro e ainda dá para puxar até Março, embora me faça lembrar os pratos da Madamme Min.

  2. Por uma vez serei sério: detesto lampreia, detesto-a de todas as veras da alma. Comi-a, julgo que três vezes, em pequenino, já lá vai meio século, e ainda a repugnância está alojada aqui, algures, na minha pobre cabeça.

    E vocês adoram, gandulos!

  3. Pois eu, Fernando, nunca comi tal coisa. E, estou certo, jamais o farei. Os olhos também comem e aqueles bichos, olha bem para eles, lembram-me o alien.

    E caracóis.
    Também não como.

  4. (afixe, arranjaste-me um problema: fiquei todo a lamber-me a pensar que está a chegar a época, e é caríssimo! Caro Fernando não leves a mal, em contrapartida não como coelho porque gosto do focinho do bicho, coisas :)

  5. Nuno:

    O mundo está cheio de coisas mais fortes do que eu. Umas enfrento, doutras fujo. Da lampreia fujo.

    py:
    E os javalis, pá, e os javalis?

    Essa da época é outra. Será que a porra do bicho, afinal, é uma fruta?

  6. os javalis é diferente, aí só vou se gosto do focinho!

    Mas aí é a tal coisa que ainda não percebi se é metáfora ou metonímia…

    Quanto à época, tem época sim, assim como tem época para as ovas fritas com arroz de grelos que gosto muito.

  7. (afixe tu é fixe! – deixa estar também fiquei viciado no Aspirina como dá para ver, para além do lexotão, mas agora vou xonar, que estou a ler o Viva o Povo Brasileiro do Ubaldão e vou comer mon chéri’s stricto sensu …:)

  8. Py,

    Acordo, e tenho – lendo-te – logo um problema. Em que ordem se faz: 1. xonar, 2. ler o (de facto, sublime) «Viva o povo…» do Ubaldo, 3. comer um chéri stricto sensu? Comerás o chéri, lendo Ubaldo (tem coisas lúdicas e eróticas) e xonando? Dirás coisas lindas ao chéri, recitando Ubaldo, mas no sonho? Não quero entrar na tua privacidade. Mas dás dela uma imagem ligeiramente caótica.

  9. Sonhei foi com arroz de lampreia!, bem me parecia que isto ia sair-me caro… Dos mon chéri’s acho que abusei que tive de beber logo meio litro de Vitalis. Do Ubaldão fiquei no “… e Dadinha se interrompeu como alguém cujo interesse é despertado por um assunto novo. Cruzou os braços muito composta, fechou os olhos e, com a expressão de quem vai assistir a alguma coisa fascinante, morreu exactamente como havia escolhido.”

    E dormi 10 horas que eu sou um gato dorminhoco e agora vou ficar uma hora a lamber o pelo.

  10. o que eu me rio contigo, lindinho! :D
    já comi arroz de lampreia e era bem bom. depois de ver o bicho fico periclitante, mas, vendo bem, afinal também como camarão e tamboril.

  11. Já viste bem as fuças de um tamboril? Eu depois de muito comer, fiquei desconfiado e aliás enjoei. Em contrapartida gosto muito de raia, frita ou cozida também vai.

    Vi um celacanto no Museu de História Natural de Maputo, é muito engraçado saiem-lhe umas barbatanas das guelras a modos que a fazer de patas.

  12. O tamboril é o mais feio dos inquilinos do oceano que tem o desprazer de aterrar nas nossas mesas. Talvez só o peixe-gato lhe faça sombra.

  13. Tinha que vir hoje aqui a esta chafarica para dar de caras com um pateta que compara uma lampreia com caracóis. Saloio ! Devias passar o resto da vida a comer queijo limiano (de preferência dos que são feitos na indonésia)

  14. Eh pá!, agora é que eu reparei, então o afixe foi embora? não me digam que foi por causa do c*r*lho da lampreia? Olha que eu não gosto de chantagear ninguém, mas o luto ninguém me tira, prefiro um amigo a lampreias.

    E além disso também não gosto de caracóis.

  15. Não foi nada por causa da lampreia, amigo py. Então eu lá me ia embora por causa de tão feio bicho? Ainda para mais fui eu que o cá meti.

    E não me fui embora. Estou aqui não estou? Eu lá poderia passar sem os teus relatos sobre animais?

    Apenas me pus assim a modos que de ladecos. Não te esqueças que este blogue é pirético e um gajo não pode abusar do uso não recomendado.

  16. :)! (não fiques preokupado se eu basar durante uns dias, é que tenho de me lançar no abysmo como o pata-jaguar, vê no Episteme, se vires o Apocalypto – ninguém pode fazer isso por mim: comemos do que semeamos e o gozo que eu tive no México tem uma outra face que tenho agora de pagar)

  17. Ola pessoal!
    Feliz ano novo a todos aqui que sao adeptos!
    Hora bem!
    Estou a procura desde… nao sei quando do meu pai, Carlos Rodrigues Costa de Febres. Posso vos pedir este favor, querem me ajudar? Aqui encontrei muitas coencidencias com ele. O peixe, o mar, o estrangeiro…sao coisas que sei. Pai, se me leres, qual que sejas o que fizeste, sou tua filha Susana, nao te esqueceses de mim, porque vivo com sodades tuas.A Ultima vez que te vi, fui quando tua primeira neta Sydney Claudia (minha filha) nasceu. Eu vi tua imagem tua cara na Sexta feira 17 de dezembro 1999 e tu fizeste ano no dia seguinte. Tens um neto tambem Nils nascido uma sexta feira 22 de fevereiro de 2002 em Paris. Eles nao te conhencem mas falam de ti.Temos fotos, mas as imagems sao frias e sem sentimentos e carinhos. Eles tem esperança de te conhecer e eu de te fazer esta prenda, nos tres. Sou Susana Maria Santos Rodrigues Costa com meus meninos Sydney e Nils

  18. Na verdade e somente pgto legal por servicos(leia-se beneficios) recebidos enquanto ele governava. Agora e legal, com recibo, declara no imposto de renda, etc.etc…tudo muuito simples.ele falou que uma mulher fez candeeiro de umalatinha de refri e qe nao podia dizer a marca. daqi a pouco a marca vai pagar 200 pra ele dizer e defender beber o tal refrigerante. tudo muito obvio

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.