«Por dentro tenho 20 anos»

Um dos dois testemunhos de vida que mais me tocaram, e que por isso nunca esquecerei, foi o do prof. Rómulo de Carvalho, o poeta António Gedeão, quando disse, numa entrevista, suponho que na «Visão», que desejava morrer. Assim mesmo. Foi já no fim da vida, que ele carregou até aos 91 anos. Nascera em 1906 e teve o que desejava em 1997.

Pergunta a gente o que pode levar alguém a cansar-se de existir. A acordar de manhã e pensar ‘Que chatice! Ainda estou vivo’. Isto, não porque se ficou doente incurável, entrevado, surdo, ou cego, ou emudecido. Mas pelo simples cansaço de andar por cá.

E o outro testemunho, esse, é tão bonito que enternece. Foi o de Jacinto do Prado Coelho, que escreveu, num prefácio dum dos seus últimos livros (cito de cor, mas suponho textual): «Por dentro tenho 20 anos e ninguém sabe». Tinha nascido em 1920. Teve vinte anos até 1984.

2 thoughts on “«Por dentro tenho 20 anos»”

  1. Suponho que não é bem essa morte.
    A morte de António Gedeão
    Agora é melhor morrer…
    Com estas palavras Rómulo de Carvalho, lúcido como sempre, explica que a morte de Gedeão significava que o autor havia tomado consciência de que já tinha dito tudo. De facto, esta atitude não poderia ser mais característica da concepção pragmática que tinha acerca do objectivo da sua poesia—ser útil: a partir de certa altura, repete-se tudo, então, já não vale a pena.
    Diário de Notícias – Poemas Póstumos significam o fim da sua poesia?
    Rómulo de Carvalho – Significou que o autor já havia tomado consciência (que nem todos os autores têm) de que já tinha dito tudo. Poderia tornar a escrever, mas para repetir. Especialmente na poesia, a partir de dado momento, os poetas passam a dizer as mesmas coisas.
    D.N. – Será de mais repeti-las?
    R.C. – Querendo ouvi-las de novo, torna-se a ler o que já está escrito. O meu conceito é esse: a partir de certa altura, repete-se tudo, então já não vale a pena.
    D.N. – O pensamento e a capacidade esgotam-se?
    R.C. – Se a vida da pessoa foi longe e teve tempo para dizer tudo, não lhe vão surgir sentimentos novos. Poderá variar a maneira de dizer. Isso para mim já não adiantava. De modo que resolvi morrer. Era melhor. Morri e cá estou

    Por dificuldades em entrar na caixa de comentários, insiro resposta aqui.

    Anónimo,

    Desconhecia essa – interessante – conversa no DN.

    Mas aquela que refiro (de novo, suponho que na Visão) é como eu disse. RdeC afirmava aí que desejava ansiosamente morrer.

    Fernando Venâncio

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.