3 thoughts on “Os mesmos gestos, a mesma euforia desmedida (24 anos depois)”

  1. É engraçado, pensei exactamente na mesma coisa quando o vi comemorar o golo, mas há algo mais a acrescentar a isso. Se tiver tempo escrevo umas linhas na Klepsýdra

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.