Bem-hajas, Seguro

Seguro

Na tua hora de despedida só tenho a agradecer-te, António. Não é um agradecimento irónico pelos teus três anos de oposição do mais fraco e incompetente que já tenho visto. Sobre isso não faltaram escritos durante esse longo, longo período, não foste o primeiro e não serás com certeza o último líder fraco que o PS terá, embora tenhas elevado de tal maneira a fasquia da incompetência que te calhou a duvidosa honra de teres sido o primeiro a ser corrido do lugar por manifesta inadequação, e de qualquer maneira creio que toda a gente te quer agora esquecer e seguir em frente.  Não é certamente isso que te tenho a agradecer.

O que te agradeço, e acredita que sou sincero, é o pássaro. O teu pássaro fora da gaiola.

Agradeço-te por me mostrares, a mim e ao resto do país, que o meu partido, o partido que com os seus altos e baixos respeitei a minha vida inteira, não está livre de pássaros como tu. Não está livre de pássaros que aproveitam os ataques mais canalhas que a direita se lembra para dizerem que, com eles, a música no PS será outra, sem se importarem grandemente com o que isso lança de descrédito sobre todos os outros, os outros que se bateram para construir o partido de onde durante três anos te empoleiraste, vaidoso. Não está livre do populismo mais básico e rasteiro, daquele que faria corar o próprio Marinho Pinto, porque é despejado do mesmo lugar, da mesma posição onde todos os outros que te precederam nunca na vida sonharam alguma vez fazer tal coisa. Acusar o partido inteiro, os teus camaradas todos excepto o teu cada vez mais reduzido grupo, de serem uns corruptos, uns vendidos, uns canalhas que andam na politica para dela se servir e aos seus. Porque é isso que significa quereres “separar a politica dos negócios”, não é? É isso que significa o “partido invisível”, os “interesses que estão com Costa”, não é?

Agradeço-te também o pássaro das beiras que proclamava a divisão do país em interior e litoral, entre o campo virtuoso e a cidade dos vícios. Cidade essa onde por acaso o pássaro aprendeu a voar, mas isso não vem ao caso. O que vem ao caso, isso sim, foi essa tentativa de nos colocar uns contra os outros, o agricultor de Montalegre contra o Doutor de Lisboa, contra tudo o que o PS sempre foi e representou, contra um partido que é de todos e de todo o território. Para além do mais de uma estupidez sem nome, uma vez que pássaro que se colocasse num poste de iluminação da A1 em qualquer fim de semana facilmente veria que as raízes do interior prosperam na capital, e que o Doutor de Lisboa gosta de ir a Montalegre visitar o seu pai, agricultor. É isto que é o PS, é isto que sempre foi e é isto que, na minha insignificância, me baterei para que sempre seja. A superioridade beirã também a tenho, pássaro, apesar de ter nascido em Carnaxide. Mas lá está, tinhas que nos mostrar a todos que também há, entre nós, alguns pássaros João da espécie Jardim que gostaram da oportunidade de demonstrar a todos que algumas aves, em vez de cantar, zurram. E isso agradeço.

Mas o que te tenho mesmo a agradecer, António, são as pessoas. As pessoas que rejeitaram, por quase 70%, as musiquinhas canalhas do PS dos corruptos, do PS dos interesses, do PS dos gastadores e dos falidores do país, do PS de Lisboa, do PS das carpetes vermelhas e do PS dos traidores. As que perceberam perfeitamente que tipo de pássaro lhes cantava e se mobilizaram para o enxotar. Os militantes e os amigos, os muitos militantes e amigos do PS que este Domingo acorreram em massa à urnas para rejeitar essas tácticas, essas insinuações, esses moralismos de pacotilha e que, não tenhas a menor dúvida disto, salvaram o partido Socialista de cair para um poço negro onde tu o quiseste enfiar, pássaro. E que de caminho mostraram a muitos passarões que mesmo no meio da maior crise, no meio das dificuldades, e da tormenta, no Partido Socialista, no nosso partido Socialista, essas cantigas não pegam.


E isso, António José Seguro, nunca te agradecerei o suficiente.

17 thoughts on “Bem-hajas, Seguro”

  1. Totalmente de acordo Vega. Foi isso que fez ir eu e minha esposa, inscrever-nos como simpatizantes do PS, para votar António Costa e pôr o Seguro no lugar que nunca devia ter saído: sexta fila do Parlamento. Saiu de Secretário-geral, saiu de Conselheiro de Estado mas o que não abandona é o lugar de deputado. De tanto quere mostrar que é sério, coisa que nunca foi e, para o provar ontem ocupou a sede do PS no Rato para lá pôr a sua candidatura. Para mostrar a sua seriedade usava a mesma arma de António Costa que alugou o Fórum Lisboa.

  2. Excelente “agradecimento” pelos três anos de caminho
    das pedras e, a levantar o PS até aos 32% de 28% de vo-
    tantes nas Europeias ( abstenção + brancos+nulos= 72%),
    chamando a isto uma vitória extraordinária !?!
    Bem fez A. Costa em ignorar os “méritos” do ex – S.Geral!!!

  3. Faço minhas estas palavras e acrescento que acabaram de voltar a por no poder o PS das Bancarrotas, o único capaz de levar 3 vezes Portugal ao tapete em 40 anos:

    “Concorde-se ou discorde-se da sua actuação e do seu estilo, Seguro liderou o partido durante mais de três anos muito difíceis, em que mais ninguém se dispôs a fazê-lo. Três anos muito difíceis devido ao estado de emergência financeira em que Portugal se encontrava. Três anos muito difíceis para o PS enquanto partido da oposição num quadro político dominado pelo memorando negociado e assinado pelos próprios socialistas quando ainda eram governo, antes do mandato de Seguro. Três anos em que, apesar disso, o PS registou três vitórias eleitorais — nas regionais açorianas, nas autárquicas e nas europeias.
    Há uma tendência crescente para a perda de memória na política portuguesa. Até por isso convém ir lembrando alguns factos essenciais. Como estes.”
    http://delitodeopiniao.blogs.sapo.pt/penso-rapido-53-6738182

  4. “Seguro liderou o partido durante mais de três anos muito difíceis, em que mais ninguém se dispôs a fazê-lo.”

    “Seguro liderou o partido durante mais de três anos muito difíceis, em que mais ninguém se dispôs a fazê-lo.”

    ainda o sócras não tinha entregue a chave e o partido arrumado da confusão eleitoral, já o tótózero andava em movimentos elevatórios a dizer que o lugar era para ele porque tinha sido o primeiro a falar. no primeiro ano tiveram que o gramar pela antecipação, no segundo puseram-lhe condições e objectivos para continuar a ser secretário-geral e ao terceiro foi de vela com a merda dos resultados obtidos e do acordo furado (de coimbra), que agora evoca depois de ter dito que não existia.

  5. A “manhosice” de Seguro teve uma resposta à altura !!! Foi com um entusiasmo, quase igual às 1ªs eleições livres. que de manhã cedinho fui votar como apoiante !!
    Seguro nunca despiu o casaco de mesquinhez que vestiu , nomeadamente na sua “cátedra de opositor a Sócrates” na AR !!!
    Há bichos que, para sobreviver se escondem, atacando pela calada !!! Ainda bem que o fez e que fosse visível aos olhos dos cidadãos !!! A resposta foi bonita, alegre, motivadora e até o dia sorriu !!!
    Belo artigo este que VEGA 9000 escreveu. Aliviou-me a alma e aconchegou-me na esperança de que, sacudindo o “calimero ” possamos prosseguir com uma determinação sólida e consequente !!!

    Há um novo brilho no PS, não há dúvida. Este complexo de militância envergonhada e sem horizontes passou .
    No entanto Costa não é o “super-homem que num passe de mágica resolve tudo no 1º. dia !!!
    É, de certeza, um homem competente e determinado. Já tem provas dadas e a esperança ai está…inteirinha e à espera de dias melhores !!!

  6. “Seguro liderou o partido durante mais de três anos muito difíceis, em que mais ninguém se dispôs a fazê-lo.”
    Correcção:
    O Seguro foi Secretário Geral do Partido Socialista durante três longos anos e nunca o soube liderar. Duvido mesmo que seja capaz de liderar qualquer outra coisa.
    Os anos foram e são difíceis para o país, mas não foram difíceis para fazer oposição, (que o diga o PC) uma vez que o Coelho ao assumir que ultrapassava as medidas do acordo com a Troika e do PEC IV, o deixou de mãos livres.
    O inseguro é que escolheu colocar-se do lado errado e dar a mão ao ingoverno e ao palhaço de Belém. Como ilustram as tentativas de evitar que alguns deputados do PS recorressem ao TC e ao dar cobertura ao PR na crise do irrevogável. Uma vergonha de colaboracionismo!
    Por último tem razão! Só mesmo por omissão e falta de c comparência dos restantes, ele conseguiu chegar a SG do Partido Socialista.
    Coitado do país que passou e passa por esta provação. Um PR desonesto e incompetente; Um Aldrabão mal formado como 1.º Ministro; Uma presidente da AR sem qualquer estofo moral ou ético e, por fim um “líder” da oposição fraco, inseguro, incompetente e com mau carácter.
    Haja pachorra!!!!!

  7. O texto é excelente, mas gostava de saber quem o escreve.
    Nesta coisa das opiniões, dar a cara também é essencial

  8. Coitado do Josand! Ainda não percebeu que o futuro lhe reserva grandes remorsos por ter idolatrado um “santo de pau carunchoso”, um falso salvador. É mau-perder.

  9. Bravo! Vega.
    Quanto aos que comentam o “espírito de sacrifício” do agora ex-SG Seguro em ocupar o lugar em 2011, estão a esquecer-se do “panache” que é ser Secretário Geral do Partido Socialista. E olhem que há quem não se importe de enterrar ideologia, ética e respeito para ficar na ribalta.

  10. Meu querido, (nao sei nada de si), sei apenas que é uma mente MAIS QUE BRILHANTE, NAO TEM IDADE NEM ROSTO,MAS TEM UMA MENTE VISIONARIA, LIBERTA DE AGRILHOES E EMPANAS QUE LHE PERMITE POR POR PALAVRAS TUDO O QUE ME IA NA ALMA E QUE NAO TENHO CAPACIDADES PARA COLOCAR POR ESCRITO.BEM HAJA POR EXISTIR.
    ABRAÇO.
    TANTI AUGURI.

  11. Do alto de uma janela, de um poder local qualquer,havia um cavaleiro que esperava,esperava e desesperava de tanto esperar, pelo encontro com outros cavaleiros de outros carnavais de governação.A situação agudizou-se de tal forma que em determinada área de si mesma, o prurido era de tal forma que nem o Clotrimazol o conseguia acalmar. Começou a cavalgar, cavalgar, atravessando montes, vales e cidades, disparando em todas as direcções indo contra tudo e todos,caminhos tortuosos, tendo vencido, encontrando os seus amigos de sempre.Ficaram todos felizes, mas o País ficou com mais do mesmo.

  12. Do alto de uma janela,havia um cavaleiro que de um qualquer poder local,sofria de tanto esperar…esperar e desesperava por voos mais altos de governação.tem outros mosqueteiros que o esperam por ele, de outros tempos de ministério.Então começa a sentir um prurido avassalador tal, que não havia Clotrimazol que o acalmasse,ex que avança para um combate sem tréguas, por caminhos tortuosos atravessando montes, vales e cidades, levando tudo pela frente…GANHOU…GANHOU…mas ficou tudo mais do mesmo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *