A austeridade matou o Rato Mickey

mickey

A Euro Disney, a empresa que gere a Disneyland Paris, vai ser recapitalizada no montante de mil milhões de euros, com o apoio da casa-mãe americana, a The Walt Disney Company, avançou esta segunda-feira o Financial Times.

O anúncio de recapitalização da Euro Disney surge na sequência dos graves problemas financeiros acumulados praticamente desde a sua criação, mas que se agravaram nos últimos cinco anos, por força da crise económica e financeira, e que estão na base de uma forte redução dos visitantes.

Fonte

Bom, matar ainda não matou. Mas apenas porque os americanos vieram salvar o seu investimento europeu das consequências da estupidez austeritária do velho continente, como é aliás hábito. Obrigado tio, er, Walt.

10 thoughts on “A austeridade matou o Rato Mickey”

  1. Na América, desde o Pluto, o Mikey, o tio Patinhas e o Zorro foram expulsos da Disney por pedofilia.

    Isso sim, foi crise.

  2. Mas, mas… então não era lá na France que o tio Hollande ia bater o pé a essas coisas das austeridades e trazer os amanhãs que cantam e sei lá mais o quê?

    Mais, a “forte redução dos visitantes” nos últimos cinco anos refere-se a 15.4M em 2009, 15M em 2010, 15.7M em 2011, 16M em 2012 e 14.9 em 2013? Uma redução de 7% no ano passado – preocupante por qualquer padrão, é certo – passou a ser uma “forte redução” nos últimos 5 anos (em que até cresceu)?

    O spin é forte nesta gente…

  3. O catastrofismo e a lamecha piegas, fortemente condimentadas de messianismo ressabiado, não estão em crise por aqui nesta tasca de viúvas desconsoladas e histéricas !
    Agora até o imperialista e capitalista rato Mickey é arrolado para testemunha directa do austeritarismo europeu … mãe e unica responsável por todas as nossas misérias.
    Mais indigência e analfabetismo intelectual deve ser difícil. Um must e espelho elucidativo desta macacada ideológica.

  4. A desgraceira da Euro disney não é falta de dólares, é falta de irmãos para o filho único.

    Os velhos não são clientes e os rapazes e as raparigas, muitos esqueceram-se que para fazer clientes para a Eurodisney é preciso ser mesmo só entre rapaz e rapariga.

  5. Alcoólico (e Analfabeto), aprende a ler o próprio artigo que linkaste:

    “The company, which employs 15,000 people, said attendance had fallen to between 14.1m and 14.2m in the 2014 fiscal year from 14.9m last year – figures had been well above 15m before the financial crisis.”

    Ao contrário dos spinners do costume, eu nunca – nunca – invento dados.

    Não houve nenhum problema “nos últimos cinco anos”; há um problema na EuroDisney praticamente desde que foi aberta, e algo se terá passado de inusitado de 2013 para 2014, mas não é “nos últimos cinco anos”. Isso é só spin para encaixar na narrativa.

  6. pois é, oh marco! a freguesia vai baixando até deixar de ter clientes, nesse momento deixa de baixar e apresenta os tais sintomas positivos de retoma, aquela estória que os incompetentes que nos governam usam para resumir os sucessos do país, quando não existir é que está bom e é governável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *