Happyness

Da minha casa também se vê, muito ao longe, recortado na paisagem, o castelo de Palmela. Eu soube, desde a primeira vez que me cheguei à janela, que aquilo é o castelo de Palmela. E isso, como ao Fernando, faz-me feliz (descontados os dias de nevoeiro sobre o Tejo).

6 comentários a “Happyness”

  1. Este post bate o das fraldas aos pontos. Que vício que esta gente tem de andar à boleia. Oh well, pelo menos vai folgando as costas ao Luis.
    No entretanto, chegam-nos notícias de Palmela com atraso que os russos desmantelaram uma rede de espiões a trabalharem para os ingleses. E mais: um general russo, ex-Chefe do Estado Maior das Forças Armadas, afiança-nos que não existe terrorismo internacional e que a história do Osama Bin Laden é uma farsa. Granda bronca. As teorias da conspiração estão a ganhar adeptos em todo o lado.

  2. Minhas amigas e meus amigos,
    Eu moro razoavelmente perto do castelo de Palmela e sei que o é desde piquinino
    Isso faz de mim um dos gajos mais felizes do planeta ou apenas parvo, porque entrei nesta conversa ?

    :D

  3. Ó Alhos Vedros,

    Uma coisa é o Castelo de Palmela ele-mesmo, que você conhece desde piquinino, o que já pode ser circunstância invejável. Outra, bem outra, é o Castelo de Palmela longínquo, perfil do horizonte, inatingível e presente. É… é um cais de Pessoa, de onde nunca se há-de partir, analogia mais ou menos bem esgalhada, você dirá.

    Também eu andei um dia por lá, ainda o Luiz Pacheco povoava, e celebrizava, um lar de idosos lá perto. Mas não é a mesma coisa. Quero dizer, o castelo.

    A felicidade está sempre ao longe. Ponha-se na Reboleira, e veja todos os dias o rude perfil da serra de Sintra. Não é para entrar em transe – e esquecer a Reboleira?

  4. Fernando, não só “a felicidade está sempre ao longe”, como, José Mário, se vê com mais nitidez nos dias de nevoeiro. Palavra de nuvem.

  5. Fernando, não só “a felicidade está sempre ao longe”, como, José Mário, se vê com mais nitidez nos dias de nevoeiro. Palavra de nuvem.

  6. Concordo ali com a nuvem. O castelo de Palmela a surgir ao longe, quando se começa a dissipar o nevoeiro sobre o Tejo, deve ser ainda melhor… :)

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *