Venham mais 100 mil

O PCP organizou hoje uma manifestação em Lisboa, através da sua marca branca CGTP, que terá reunido 300 mil valentes, número da organização. Isso quer dizer que as manifestações em Portugal passam a seguir um modelo oficial em que apenas se contabilizam unidades correspondentes a 100 mil indivíduos. Foi esse o número publicitado para a manifestação contra a ministra-sinistra, duplicado na manifestação da Primavera rasca e agora triplicado na entronização do Arménio. A próxima manifestação, se quiser cantar de galo, terá de chegar aos 400 mil mamíferos – isto é, terá de o reclamar sem se rir. A luta do povo que se manifesta está reduzida ao consumismo de massas. As causas minoritárias, daquele tipo que apenas conseguiria juntar 99 mil cidadãos, ou mesmo 99 999 mil, são cada vez menos relevantes, num relação inversa com o crescimento demográfico dos últimos sucessos protestavivo-pedonais.

Atentemos no camarada Jerónimo a explicar o materialismo dialéctico destes espectáculos montados com gigantesca e minuciosa logística:

Questionado sobre se acha que o Governo vai prestar atenção a esta manifestação, Jerónimo respondeu: “Também os outros aparentemente não deram ouvidos e acabaram por ser derrotados, se estes não dão ouvidos a esta grande acção, naturalmente, mais tarde ou mais cedo, a vitória será deste povo que ocupa este Terreiro do Paço e não daqueles que querem fazer o país andar para trás”.

Jerónimo defendeu como alternativa à austeridade “um país de progresso, de crescimento económico, sem desemprego, que responda às novas gerações”.

Ou seja, os outros, os fascistas do PS, não se vergaram ao poder da rua, pelo que acabaram a morder o pó da estrada. O povo derrotou-os e meteu uns 100 mil vezes piores no seu lugar. Com o povo não se brinca, fica assim claro até para quem insiste em não querer ver nem ouvir. Isto quer dizer que, caso estes imitem aqueles, o povo voltará a derrotá-los com a facilidade com que passa uma tarde de sábado ao Sol. E, obviamente, colocará no poder uns aqueloutros 100 mil vezes piores do que os actuais.

Entretanto, o PCP tem um projecto político cheio de soluções para fazer de Portugal um país de progresso, de crescimento económico, sem desemprego e com respostas (ainda antes de conhecer as perguntas) para as novas gerações. Logo que arranjem um tempinho livre entre manifestações, farão chegar aos eleitores esses segredos tão bem guardados até hoje.

122 thoughts on “Venham mais 100 mil”

  1. already did ‘t darling e com shampoing anti-sarna. definitivamente a coisa, hoje, correu-te mal hoje, deixa-lá eu tamém tive quase a confessar-me na mesquita porque o padre tinha basado prá manif dos 300*.

    * conceito loja do xinoca

  2. “A luta do povo que se manifesta está reduzida ao consumismo de massas.”

    as massas triunfo chegam a toda a parte, a massa é que não chega

  3. O PCP e a CGTP são, de facto, farinha do mesmo saco. É a eles que assenta como uma luva a imagem farinácea com que costumam atacar e difamar os outros.
    Farinha do mesmo saco e infestada pelo mesmo gorgulho. PCP e CGTP vivem ambos da exploração em monocultura do descontentamento. É exclusivamente com as ferramentas do protesto, da reclamação e da obstrução que mantêm o funcionamento da máquina. Não sabem fazer outra coisa senão explorar politicamente em seu proveito os problemas, carências e misérias dos trabalhadores, se exceptuarmos as lambidelas no cu do Estaline, os beijos na boca do Brejnev e os preparativos de guerra civil em 1974-1975.
    O PCP é um partido sindical, mas no pior sentido do termo: egoísmo sectário, irresponsabilidade social, maquiavelismo político, desprezo pelas necessidades reais daqueles cujo descontentamento explora e chula.
    Um sindicato tem, num país normal, funções e objectivos úteis, como a prestação de diversos serviços aos trabalhadores e a prossecução de uma estratégia de criação de emprego. Quando assim é, a taxa de sindicalização é alta e toda a gente entende para que existe uma organização sindical. No Norte da Europa, os sindicatos sabem o que é negociação construtiva, ajudam eficazmente a resolver os mais diversos problemas individuais e colectivos dos trabalhadores e batem-se todos os dias nos terrenos político e económico pela criação de postos de trabalho. Os sindicatos têm vida própria, força na sociedade e na economia e poder autónomo dentro dos partidos.
    Aqui não. Os sindicatos, que no sector privado raramente atingem os 10% de taxa de sindicalização, são meras agências da seita partidária a que pertencem. O partido, com 7% dos votos, é uma máquina de protesto moldada pela pior filosofia sindical, apenas preocupada em chular os descontentamentos em proveito próprio. São a imagem um do outro.
    Restam-lhes as manifestações e as “greves gerais” para dar a ilusão de que têm força, atraindo para isso tolos de várias procedências que só sabem reclamar, protestar e votar com os pés.
    Há porém duas coisas em que esses tais tolos não são tolos: não lhes dão a quotização sindical nem o voto. É só fazer as contas, como dizia o Guterres.

  4. O meu maior prazer é ver o pânico daqueles, que não querem o povo na rua a lutar pelos seus direitos.

    Então não perco o arraial de comentários os balidos de pavor de uma carneirada, em parte mansa e inculta e outra agarrada á teta da vaca que lampeiramente vão sugando.
    Mas quando vêem o povo que não baixa os braços e luta pelo seu país, contra este bando de vampiros que tomou conta do governo nos últimos 30 anos, é ver as anilhas e bujões destes mamões em brasa porque lhes querem ir ao pito.
    Então é velos pelos blogs do regime, pelas caixas de comentários da imprensa manipulada e arranjista que eles tanto amam, deitando labaredas pelas ventas e encostando o cu às paredes, com medo que um dia lhes peçam as contas.

  5. Detectado comentário duplicado; parece que já disse isso!
    Estes democratas de sarjeta quando não gostam de ouvir as verdades.
    Tornam-se naquilo que são pidescos.

  6. erro de paralaxe? com o altar virado para o cristo rei o terreiro do paço carrega 300 k, mas se estiver de costas só leva 80 k. tamém pode ser da formatação da fé e os comunas estarem com spreads mais baixos, de qualquer forma acho que a igreja deveria rever as taxas de interesse e os custos operacionais destes eventos para concorrer com sindicalismo lá coste.

    http://aeiou.expresso.pt/papaportugal-multidao-no-terreiro-do-paco-ultrapassou-as-80-mil-pessoas-psp=f582142

  7. o Val e quejandos, a inveja é uma coisa fodida, há quem ache até, que se trata da única arma dos incompetentes.

    Nunca votei no PCP nem fui sindicalizado, mas estive a uma unha negra de ir à manif.

    O que vos incomoda?

  8. “…este bando de vampiros que tomou conta do governo nos últimos 30 anos” – disse aí acima o sábio jojoratazana.

    Ora 30 anos coloca-nos em 1982. Deveremos concluir que, segundo jojoratazana, os governos de Pinheiro de Azevedo, Mário Soares, Nobre da Costa, Mota Pinto, Lurdes Pintasilgo e Sá Carneiro, que tomaram conta do país entre 1975 e 1981, não pertenciam a essa espécie de morcegos que se alimentam do sangue do povo?

    Ou será que o camarada jojoratazana, quando falava em 30 anos, se queria referir a todo o período desde o 25 de Abril? Nesse caso seria bom que ele nos elucidasse sobre que espécie de alimárias mitológicas é que tomava conta dos vasos sanguíneos do povo português até 1974, ou seja, nos anos 20, 30, 40, 50, 60 e princípios de 70. Se o camarada jojoratazana concordar com Zeca Afonso, terá que admitir que já nessa época os tais vampiros comiam tudo e não deixavam nada, o que colocará obrigatoriamente em 1926 o início do vampirismo político em Portugal.

    Como não estou a ver o camarada jojoratazana a erigir em modelo de governação popular e benfazeja nem o Estado Novo de Salazar, nem a Primeira República dos burgueses Afonso Costa e António Maria da Silva, nem a ditadura messiânica de Sidónio Pais, resta a hipótese de que, para ele, a Monarquia constitucional ou absolutista é que era o regime ideal para o povo português. É que se assim não for, teremos de ir procurar no remoto Condado Portucalense ou até antes o modelo de governação que corresponda às ânsias de justiça social do camarada jojoratazana.

    Há ainda uma hipótese, que, de tão rebuscada, quase nem me atrevo a formular. Será que para o camarada jojoratazana a história da Lusitânia, desde Viriato até Cavaco Silva, se reduz a dois mil anos de vampirismo sistemático, com a única feliz excepção dos meses de governo do coronel Vasco Gonçalves?

  9. Ibn Erriq, o que me incomoda é a transformação da política em espectáculo. Diz-me lá: assim por alto, quantos manifestantes terá o PCP, BE e CGTP de reunir para passarem eles a mandar nesta merda toda acto contínuo?

  10. “Nunca votei no PCP nem fui sindicalizado, mas estive a uma unha negra de ir à manif” – diz o inefável Erriq.

    Exactamente como eu expliquei lá acima: “Há porém duas coisas em que esses tais tolos não são tolos: não lhes dão a quotização sindical nem o voto.”

    Essa unha negra é coisa grave, Erriq? Veja lá se infecta.

  11. “Nunca votei no PCP nem fui sindicalizado, mas estive a uma unha negra de ir à manif.

    O que vos incomoda?”

    fazeste bem, mas hesitaste e ficaste com problemas de conciência.

    o que incomoda é não perceberes que aquilo foi a festa de posse do arménio e a consagração da chulice dos sindicalões. andas há 37 anos a ouvir a música e ainda não decoraste a letra. quando vires o gerómino a rir e o loução a babar felicidade, mete os putos na barraca que vêm aí borrasca.

  12. Júlio como te compreendo.
    A limitação de pensamento é lixada.
    Soluções existem são muitas, e diferentes daquilo que te ensinaram na escola.
    Já agora se te quiseres dar ao trabalho e pesquisares o que foi a resposta do gonçalvismo ao terrorismo dos vampiros deste país, vais ver que terás opiniões de grandes economistas internacionais, que te vão espantar.
    Pensar custa.

  13. “vais ver que terás opiniões de grandes economistas internacionais”

    e devem ser em verso, que a música já nós conhecemos. bota aí o link, não vale autores norte-coreanos.

  14. Val o que te incomoda, é provavelmente outra coisa, mobilização!

    Ainda não percebi como pretendes mudar o estado de coisas. Com falinhas mansas?

    Não!, acho que temos de dar demonstrações de força, e qual é nossa força? A mobilização!

    Quanto ao Jerónimo e ao Arménio quero que tenham um menino da barriga das pernas!

    Quejandos do val! A vossa opinião é para mim um elogio!

    Não hesitei, infeliz,ente não tive oportunidade ir, senão tinha ido!

    Os preconceitos são uma cena marada não são “camaradas”? Não julgueis que topais os espertalhaços à distância e que a sabeis toda, porque o mais certo e não saberdes NADA!

  15. Ibn Erriq, já ouviste falar em Estado de direito, democracia representativa, regime parlamentarista, eleições livres, liberdade de expressão? Consta que estes são os reais meios para mudar as coisas, e têm séculos e milénios por detrás até serem uma normalidade que os produtores de espectáculos da “mobilização” desprezam e boicotam.

    Preferes ver a malta na rua, cantando e rindo, bebendo canecos com os amigalhaços de ocasião e passeata de fim-de-semana, para depois irem todos a correr para o telejornal e ficarem embevecidos com o “poder da luta”. São opções, mas não foi com essa estirpe de lutadores que se chegou ao presente regime constitucionalista, a fonte de todas as liberdades e garantias e ainda da paz social e da dignidade como País.

  16. Anónimo das 14,41
    Fica aqui registado o teu gosto pelo trabalho.
    Pesquisa trabalha, o teu mal é queres a papa toda feita.
    És o espelho perfeito daqueles a quem dirijo o meu comentário.
    No fundo um falhado.

  17. Val a situação actual do país é bem o espelho das politicas implementadas.
    Por mais estado de direito que tenhas por mais leis que se façam para não ser cumpridas.
    O estado de direito que tu falas não existe.
    É uma fantochada.

  18. Val os revisionista não têm sido bem sucedidos, tu também não serás, não tentes que não consegues reescrever a história.

    Estado de quê ?????????????????????????????

    Democracia quê ???????????????????????????

    Em abstracto concordo contigo, mas em abstracto e só em abstracto!

    Repara, o Estado de direito deveria proteger-nos a todos contra todos! Mas pensa lá será isso que acontece? Como achas que a coisa pode funcionar quando a ultima instância é de “origem” politica? Basta seres sócio de uma qq loja de batatas ou retrosaria onde se vendam aventais e nada de aconteça. Não necessitas exemplos pois não?
    Que dizer de um estado de direito que não condena quem devia? Se fores um pilha galinhas estás lixado! Se puseres o Estado em tribunal estás lixado, a não ser se que te chames ………………

    Há uns meses houve um fulano que foi eleito e posteriormente nomeado PM, ora acontece que ele prometeu um conjunto de coisas que faria e outras que não faria. Logo, foi eleito em representação de um grupo de eleitores que se identificavam como o que defendia, acontece que fez outras coisas, por vezes oposta. pergunto eu: representa quem para além de uns gajos que eu não nomeio mas tu sabes quem são?

    Fui a gente na rua que sempre acabou com as tiranas, custa muito aceitar isso? Claro que essa gente teve quem estivesse à cabeça!

  19. oh ratazana! foste tu que falaste no assunto e depois cada vez que se googla qualquer coisa com a palavra gonçalvismo a máquina encrava e dispara o firewall. bem podias dar uma ajuda para compreender o que querias dizer, pareces o cavacóide a amandar bocas e a dizer ao maralhal para ir ao foicebuque procurar respostas para “opiniões de grandes economistas internacionais”. deves andar a fumar matarratos.

  20. ERRATA:

    Onde se lê: “São o que pretende dizer o JRC, mas seja lá o que for dilo bem ;-)”

    Deve ler-se: “Não sei o que pretende dizer o JRC, mas seja lá o que for dilo bem ;-)”

  21. oh ibn! e tu defendes colaborar na farsa sindical que ajudou a derrubar um governo legítimo em santa aliança com os direitolos que agora contestas. já esqueceste o charme do nogueira sobre a lurdes e a sensualidade da avoilá a seduzir o socrates, para não falar daqueles promocionais da fenprof na madeira no apoio ao jardim ou mesmo ao crato. tens memória curta ou é só selectiva.

  22. Ó anónimo, vai para escola e deixa de ser analfabeto funcional. lê lá o que eu escrevi para ver onde encontras que defendo a fenprof e demais.

    Mas já que falas nisso a Lulu foi bem apeada!

  23. jojoratazana, “grandes economistas internacionais” que elogiam a espantosa política económica soviética do tenente-coronel Vasco Gonçalves?

    Deixa lá ver: deves estar a referir-te aos economistas nobelizáveis Eugénio Rosa e Sérgio Ribeiro, ambos com 50 anos de militância no PCP. Quem mais? Carlos Carvalhazz? Talvez também o João Cravinho, que foi a todas desde o salazarismo, esteve metido até aos olhos nas nacionalizações comunistas de 1975, depois combateu a corrupção por birra e agora goza um belo emprego de nomeação governamental em Inglaterra.

    Será que querias dizer grandes ECOMUNISTAS internacionais?

  24. Val, quando as ideias não agradam nada melhor que uma G3?
    A justiça de um estado de direito não chega?
    Já sei, tens medo do estado de direito.

  25. ó Val tás a ficar velho e resmungão, pá! nem o Seguro chegou a tanto! ouve lá, desde quando é que as manifs legais e ordeiras, nas ruas e praças deste país, perturbam o nosso regime democrático e constitucional? Deves estar a confundir a Constituição de 1933 com a de 1976.
    Ora vê na Constituição/76 a redacção do Artigo 45º (Direito de reunião e de manifestação)
    1. Os cidadãos têm o direito de se reunir, pacificamente e sem armas, mesmo em lugares abertos ao público, sem necessidade de qualquer autorização.
    2. A todos os cidadãos é reconhecido o direito de manifestação.

  26. oh ibn! por mim estás à vontade, percebi à primeira e só falei no assunto pelo paradoxo da errata. deverias preocupar-te menos com os erros ortográficos e mais com os de raciocínio, explico:

    “lê lá o que eu escrevi para ver onde encontras que defendo a fenprof e demais.

    Mas já que falas nisso a Lulu foi bem apeada!”

    não disseste, mas estiveste de acordo. com a manif foi o mesmo, não foste, mas estavas de acordo. assim sendo vê lá se acordas e passas a ir em vez de te chateares com os gajos que não vão porque não estão de acordo. se for complicado de perceber posso mandar traduzir.

  27. val, eu quandxo vi este texto, não sei se estava mesmo no aspirin a b, ou se estava no blog o insurgente, oun num desses blogs do governo.Isto cheira muito a anti comunismo primário e reaccionário.Deu para percfeber qual é na verdade a tal esquerda imbecil, ranhosa e filha da puta que colaboral com a direita.A esquerda valupiana.Largo o vinho sim, depois de largares a tua aguardente rasca

  28. Ibn Erriq, para cada movimento popular que derruba uma tirania, e vamos esquecer a percentagem destes cuja finalidade foi só substituir os ditadores por outros iguais ou piores, tens milhares de acções populares que permitem escolher governantes de forma regular, ordeira, pacífica, legítima, constitucional. Parece é que não tens qualquer crença nos instrumentos que a História e a Lei te colocaram ao dispor, por isso és mais uma vítima da política-espectáculo.

    Pensa lá um bocadinho: achas que Portugal tem tido falta de povo a cirandar de um lado para o outro a toque de pandeiro do PCP ou seja lá de quem for? Que se passa para que as urnas não reflictam a importância que se dão a si mesmos, quais nababos inchados de cagança a ver as tropas a desfilar?
    __

    jojoratazana, tenho medo do que tu dizes a respeito do Estado de direito, isso tenho.
    __

    Branca, confirmo que estou a ficar velho e resmungão, e já há umas décadas. Quanto ao resto, larga o vinho.

  29. anónimo das 17,36
    Deixa lá a tua mãezinha em paz.
    A tua resposta é digna, de um gajo que nem direito a ter mãe tem.
    Não passas de um abandonado.

  30. vamos la a ver val.Os partidos da troika podem ter ganho, mas isso ja sabemos que se deve ás promessas nao cumpridas do pcc.Penso que isso deve ser tido em conta.Sabemos por outro lado que o ps desceu bastante d evotos, ao passo que o pcp ao contrario do ps e be manteve os seus votos
    Mas a questao é a seguinte:a negociacão tem limites, isto é não deve ser convertida numa cedência total a certas politicas, como ficopu demonstrado na ultima negociacao da reforma laboral, em que a ugt vendeu-se toda ao patronato.Isso parece-me pior do que não participarn mas não prejudicar os trabalhadores como fez a cgtp, já a ugt vai ter de carrregar essa cruz.e isso aplica-se quanto ao resto, nem o ps tem que ser como a cdu , nem a cdu tem que ser igual ao resto.Da mesma forma, que o keynesianismo não é o monetarismo.As coisas são diferentes val.
    Ultimo ponto: parece-me que essa historia do pcp e be serem antidemocraticos, uma historia autentica do bicho papão.Mas omo deves saber, a historia tem desmascarado muitos mitos que serviram a muito bom agente para manter os seus interesses

  31. Ó anonimo, de facto, nem sei o que te diga! Se for dificil de perceber, significa uma de duas coisas ou tu és fraquinhooooooo, ou tu és fraquinho, pois, caso contrário conseguirias explicar de forma que eu entendesse. Mas julgo que enquanto tu perceberes os teus próprios raciocínios, será muito dificil que terceiros os compreendam?

    Mas já agora estás enganado, eu não me aborreci com ninguém os que me incomoda são os preconceitos. Eu estou de acordo como todas as manifestações que sejam por motivos que sejam para mim atendíveis, isto é, que não defendam atrocidades, racismo, e cenas afim. Estás a ver? tenho para mim que quem não está de acordo estrabucha da forma que pode e que acha mais eficaz.

  32. Val ainda bem que fazes a ressalva, assim, tentas matar qualquer argumento, mas está bem, dou-te o beneficio da dúvida.

    O teu problema é que te agarras ao formal e esqueces o “de facto” e até parece que vives num país diferente do meu. De que instrumentos falas tu?

    Ou seja, segundo o teu ponto de vista todos devemos comer e calar!, depois esperamos que os mecanismos do Estado de Direito funcionem, é isso? Se funcionassem estávamos todos de acordo, como não funcionam, ficas-te pela retórica, pena a história ter-te a razão muito a frequentemente!

    Queres exemplos?

    Eu compreendo que o status quo te agrade, infelizmente, não agrada a todos. Felizmente que muito gritam “free willy” certo?

  33. rr:
    Embora me agradem a maioria dos textos do Val, não me revejo numa grande parte das suas opiniões de política internacional ( demasiado mainstream) e, principalmente, no seu ( e de muitos socialistas) anti comunismo. Mas, sinceramente, depois da burrada que fizeram, eu quero é que o Bloco e o PCP vão comer um grande cagalhão.

    Erriq:
    A “gente na rua” pode ser um instrumento do Grande Capital ( como lhe chama o camarada Jerónimo) para derrubar um governo legitimado pelo voto, como devias saber.
    Ou achas que os “homens da luta” são de esquerda e estão preocupados com o povão?
    Quando as televisões deram tempo de antena à fartazana ao pessoal das manifs, sem questionar (como fazem agora), tu não desconfiaste?
    ‘Tavam inchadinhos com o Power, não era?
    Aposto que és Prof. Espero que te dês melhor com o Crato.
    ;)

  34. Ó Vieira, espero que tenhas mais sorte com os números do euromilões, os teus dotes de adivinho devem ter sido herdados do saudoso Zandinga, nem sou professor nem do PCP nem do Bloco de Esquerda.

    Não acho nem deixo de achar! Penso pela minha cabeça. Repito, quero é que o Jerónimo e o Arménio vão ter um menino na barriga das pernas! Fui claro?

    “O legitimado pelo voto” era conversa que nos levaria muito longe, mas nem tu nem eu temos, por ora, muito tempo!

  35. ok, Val, bem sei que és defensor dos direitos, liberdades e garantias, mas diz-me uma coisa, conheces alguma iniciativa parlamentar vinda da bancada do PS, ou mesmo do secretariado do rato, algo de encorajador pelo qual valha a pena ficar jesuíticamente obediente, quieto e calado? Vês algum iluminado a distribuir fósforos no PS?

    OK, Val, bem sei que ficaste lixado com o BE e o PCP quando estes alinharam pelo diapasão da direita e votaram contra o pec IV e, com isso, ditaram a derrota do Sócrates, mas caramba, tudo isso não aconteceu como manda a lei, em sede própria, e de forma constitucional? não foi a democracia representativa a funcionar?

    OK, Val, bem sei que, depois do 5 de Junho, passaste a detestar aquela esquerda rançosa que temos no parlamento e que empata que se farta, a cgtp e as suas manifs folclóricas de centenas de milhar, e a populaça ingrata e medrosa que votou em todos os partidos excepto no PS, mas, e agora, queres estancar a corrente de indignação que alastra na sociedade apenas com um penso rápido e a parcimónia de um sacristão como o Seguro?

    OK, Val, é necessário esticar a corda no PS!

  36. fiquei com o meu dedo grande, da mão e do pé direito, em riste desde que me tentaram convencer a manifestar-me, a monte na rua, na altura da PGA. e nunca mais foi ao sítio. as manifestações são pretextos colectivos para soltar adrenalina – tal e qual como irem ao futebol convictos de que por irem em manada a equipa por que torcem ganha. nem que para isso seja preciso partirem os cornos uns aos outros no estádio e mais uns tantos no caminho de ida e volta.

    (e só de pensar em concentração para haver limpeza de ideias só me vem à cabeça o fairy. é isso mesmo, reflectir durante uma lavagem de louça é uma óptima terapia para as adrenalinas da fúria) :-)

  37. pois é oh ibn, o teu problema de euromilões deve estar relacionado com o qi da abóbora que confunde preconceitos com princípios que não validam todos os meios. percebeste ou vai uma batida de côco.

    e tu oh mete nojo, vai grunhindo, pode ser que alguém tenha pena de ti e te dê um tiro de misericórdia.

    isto hoje tá bom, já não os via assim desde a santa aliança.

  38. Ó anonimo continuas sem te fazer compreender, tens que rever isso! Não só não te fazer entender como não consegues ler.

    Estás f%#/$o porque o Crato quer acabar com as novas oportunidades!

  39. um gajo que escreve isto f%#/$o para dizer fodido, nem fairy tem na cabeça, bai dar uma curva mais as tuas frustrações & complexos turísticos em preconceitos-de-cima. imaginei-te melhorzinho que o ratazana, mas ainda vais a tempo de largar a leptospirosice-

  40. Coitado do anonimo, fez tilt!

    Cá para mim deixou de tomar os comprimidos.
    Alguém tem por aí o número da urgência do Júlio de Matos? Dai-o, por favor, aos familiares do tipo, eles que liguem rápido antes que ele faça uma estupidez qualquer!

  41. jojoratazana, ainda não estás a perceber (o que explica muitas, ou todas, das tuas bojardas): o Estado de direito só existe no papel; daí ser tão precioso, pois é nesse papel que se funda o contrato social.
    __

    rr, se há partido que vive de mitos é o PCP. Por isso estranham tanto a passagem do tempo e o que ela obriga a pensar de novo. Enfim, embalsamaram Lenine.
    __

    Ibn Erriq, eu agarro-me ao concreto: os resultados eleitorais. Conheces outra forma democrática de chegar ao poder?
    __

    Branca, larga a vinhaça.

  42. quais mitos val ?neste momento o pcp é um partido keynesiano que defende o papel do estado e isso é crime para ti val? sim val, é um partido que ao contrário de muito não acredita nas suposta vantagens do liberalismo nem nos conrtes e privatizações! em suma não defende os mesmos principios que levaram ao estado a que nós chegamos.Quando vejo aquilo quee escreves,fico a perceber o que se passa aqui, na europa, e o sentido de muitas coisas que nos afectam.Fico a perceber como portugal se tornou um pais mais desigual e pobre,fico a perceber porque e que a alemanha donina a europa.E ainda vens falar no sectarismo dos outros.Falta-te um espelho em casa mazé.Vai para paris

  43. Val, és quase mestre a fugir às questões e puxá-las para onde mais te convém!

    Mas quem falou de chegar ao poder? Estás doido ou quê? Quando o povo, seja lá o que isso quer dizer, se “revolta” achas que pretende chegar ao poder?

    Sei lá, talvez se “revolte” porque não está satisfeito com o rumo das coisas, o que te parece?

  44. o povo tens destas coisas, acorda chateado com o governo e desata a partir mobiliário urbano e montras vuitton, as despesas e comissões do serviço são automáticamente debitadas no próximo aumento de irs e nos prémios de seguro. pareces a minha vizinha a partir pratos quando o marido, desempregado crónico, chega na casa tarde.

  45. Ó anonimo mas porque raio te dou eu conversa? És mesmo patego pá, estás a comparar os olho do cu com a feira de Borba, mas que se podia esperar de mais? já tomaste o comprimido?

    Sim, é verdade,, vê lá tu a maldade! É tudo uma cambada de arruaceiros!

  46. rr, se o PCP defende o papel do Estado, por que razão votou com o PSD e CDS para derrubarem aquele que se propunha defender até ao limite possível esse mesmo papel do Estado? Ou não te lembras que a direita dizia que Sócrates nos estava a levar para o abismo por querer manter o investimento em obras públicas e serviços de qualidade na saúde, educação e investigação? Não te lembras que até o Magalhães, um sucesso passível de ser exportado, e as energias renováveis, que diminuíam as importações de petróleo, eram agitadas pela direita como erros tremendos? Que tipo de defesa do papel do Estado faz o PCP quando vota ao lado destes trafulhas para derrubar aquele que, precisamente, os assustava por não se deixar comprar?

    Abre a pestana.
    __

    Ibn Erriq, tens de largar o vinho, está visto. Foste tu quem disse que os movimentos populares derrubam tiranos, daí a importância das manifestações segundo a tua lógica.

    Andas um bocado baralhado com isto tudo, né?

  47. pois não sei val,talvez porque seria um igual plano da troika sem a troika cá dentro, pazrece-me muito exagerado falar-se numa defesa de estado social.É como a coca cola normal e a light.E escusas de falar da direita porque eu apoiei as polticas de investigação e obras publicas, caso não saibas.Mas vou-te perguntar 3 coisas: caso o pec IV tivesse sido aprovado,como é que imaginas que estariamos agora? teriamos aprovado o pec V e o VI.Porque é que o ps não se esforçou para que a direita aprovasse os pecs , como de costume, sendo que as propostas eram até condizentes com a ideologia de tais partidos?

  48. rr, caso o PEC IV fosse aprovado, uma e só uma coisa seria certa: não nos teriam papado metade do subsídio de Natal. Isto, para começar, porque muitos outros benefícios viriam de se ter conseguido evitar uma crise política que assustou as pessoas e levou-as a congelar a economia, assim diminuindo as receitas e aumentando o défice.

    Quanto a dizeres que o PS não se esforçou para aprovar o PEC IV, revelas bem a tua cegueira. O PS fez tudo o que lhe era possível, incluindo avisar que o Governo cairia e que o PSD iria fazer precisamente aquilo que está a fazer caso vencesse as eleições. Basta recordares que desde Durão Barroso a Merkel, passando pelo BCE e outras figuras, toda a minha gente que era poderosa na Europa estava a dizer que seria completamente estúpido e perigoso recusar o acordo alcançado por Sócrates, dado que isso implicaria necessariamente a ajuda externa em condições de falência para Portugal, seus bancos e empresas.

    Bonito serviço que o PCP e o BE fizeram aos trabalhadores que dizem defender, sim senhor.

  49. Val, és um castiço!

    Claro que falei em derrubar tiranos, mas não em chegar ao poder. Achas que que portanto que os milhares de manifestantes contra a brutais condições de trabalho pretendiam chegar ao poder?

    Achas que os milhares de manifestantes na Síria, Egipto, Iemen, África do Sul, Ucrânia, Polónia, EUA, ….., pretendem ou pretenderam chegar ao poder? Vá lá, sê sério e deixa-te de joguinhos semânticos!

    Pelos visto há uma grande diferença entre nós, eu sou a favor de todas as participações democráticas tu pelos vistos não és. Sabes como é, há gajos assim como tu, gostam do status quo seja ele qual for!

    Acredito que se te esforçares, mesmo com os teus preconceitos, consegues distinguir entre derubar tirados e chegar ao poder, certo?

  50. “Pelos visto há uma grande diferença entre nós, eu sou a favor de todas as participações democráticas tu pelos vistos não és.”

    a diferença está no conceito de representação e participação democrática, caso ainda não tenhas reparado.

  51. “porque muitos outros benefícios viriam de se ter conseguido evitar uma crise política que assustou as pessoas e levou-as a congelar a economia, assim diminuindo as receitas e aumentando o défice.”ahahahahah ou seja, causou problemas psicológicos ne? que psicologia tão zandinga.A verdade é que não respondeste a mais de metade da minha pergunta e não respondeste se as diferenças seriam substanciais.E quanto ao barroso e á merkel, eles dizem sim a qualquer coisa que cheire a austeridade e liberalismo.Tanto lhes dá o socrates ou o passos coelho.Também não os vi a criticarem este governo

  52. “Mas vou-te perguntar 3 coisas: caso o pec IV tivesse sido aprovado,como é que imaginas que estariamos agora? teriamos aprovado o pec V e o VI.”

    oh converrrrrsa da treta! dizes que perguntas 3 coisas, mas só perguntas uma e mal, que é futurologia sobre o que não aconteceu. o que te devia preocupar era o número de pecs que esta maioria aprova todos os dias sem pedir licença a ninguém.

  53. Assim é dificil, ele umas vezes é Val outras é anonimo, oh homem tu decide-te!

    Mas qual representação democrática qual carapuça! O que tem o facto da malta se manifestar e demonstrar o desagrado com o rumo das coisas com a representação democrática? Dassssssssssssss que o gajo é tótó!

    Basicamente o principio seria este: A malta vota de tempos a tempos e nos entretanto comia e calava! Dasssssssssssssss que o gajo é tótó!

  54. Ibn, tu és a favor das manifestações democráticas mas não acreditas que os manifestantes tenham qualquer influência no poder. Sim senhor, creio que te compreendo.
    __

    rr, andas a precisar de umas aulas de economia, mas daquelas assim a atirar para o muito básico, para não te cansares logo ao princípio.

  55. val, nao e uma questão de não saber economia, é uma questão de ideologia.Mas já que sabes tanto de economia e que és um génio partilha lá comigo os teus vastos conhecimentos. Ah e quanto á questão democracia paqrlamentar/rua, talvez isso das manifestacoes de rua não aconteceria se os senhores parlamentares preocupassem mais com o que afecta as populações em geral

  56. oh ibn! tás no bom caminho, dentro de semanas talvez venças o preconceito do foda-se e depois de libertares a franga vais ver que a vida é muito mais interessante que as manifs da inter

  57. Ó Val! Como te disse antes, és um quase mestre na leitura das estrelas e da prestidigitação. Vai reler o que escrevi e deixa-te de merdas!

    És um pandego pá!

    anonimo, tinhas alguma coisa para dizer? Não? Então faz um favor a ti próprio, mantém-te “calado”!

  58. rr, com todo o gosto. Presta então atenção à tua primeira lição de economia: entre um PEC IV imposto pelas circunstâncias internacionais, mas assumido por um Governo que tinha no seu programa a defesa do Estado social, e a queda desse Governo para colocar no poder aqueles que tinham no seu programa acabar com esse Estado social, só mesmo um imbecil para não ver a diferença, e só mesmo um comuna para alinhar com os direitolas.
    __

    Ibn Erriq, combinado. Vou já a correr ler o que tu escreveste.

  59. Val, se não fosse a tua “arrogânciazita” terias momentos em que serias um gajo à maneira, assim, não passas dum arrogantezito!

  60. 1ºpergunta ao professor val: como é que se pode defender um estado social, com recortes de prestações sociais e aumento de impostos? diferença existe sim,uns eram envergonhados e os outros assumiam, só isso

  61. ENA! Já são quase tantos comentários quantos os participantes da hedionda manif.
    Pois eu estive lá. A CGTP teve a ideia, mas o que se viu ali, entre os 99.000 manifestantes (vamos dizer assim, para não ferir susceptibilidades) não foi uma manifestçao de apoio à CGTP, foi muitas organizações civis não partidárias, e muitos,mesmo muitos sem bandeira (a maioria?) mas com vontade de mostrar que não estão pelos ajustes, com vontade de mostrar o seu descontentamento, a sua indignação e raiva contra a aberração de governo que nos calhou em desgraça. Foi um grito lançado na cara de quem está a esticar-se um bocadinho com a falta de respeito por quem lhes permite fazer brilharetes políticos.

    Esta mobilização tem de ter catalizadores. Blogues esclarecidos, como este, ajudam, mas por vezes, não chegam.

    P.S. É uma pena que se tenha gasto toda a troca de impressões sobre a incoerência e aproveitamento do PC/CGTP relativamente à adesão que houve.Isso nem sequer é novo. O fenómeno foi muito mais do que isso e ninguém aqui quis ver isso. Shame.

    (já não bastou a verdadeira censura que se verificou nas tvs: comparar com a cobertura integral directa da manif dos rascas)

  62. ena! se há raras vezes que concordo coma edie, esta é uma delas. Mas oh edie, pelos vistos o valupi gosta mais da central sindical que se reune no 1º de maio junto a torre de belem e que assina acordos assasinos para os trabalhadores

  63. rr,

    …a UGT deu um tiro no pé de muita gente. E a malta não gostou. Ainda por cima, representam menos de 1% do pessoal sindicalizado…

  64. insólito
    a inter e a sindical são estrelas na imprensa internacional. tudo por causa da edihonda da praça do comércio.

    pouco mais de 24 horas depois de armónio carlos ter anunciado, e disponibilizado o vídeo, do seu fantástico feito – surfar uma onda de 300.000 na praça do comércio, lisboa, um recorde mundial – as reacções da imprensa mundial não param de surgir.

    uma breve leitura dos principais jornais do mundo, blogs influentes e até televisões, mostra como o nome de gerómino e do pcp tem chegado a todos os cantos do planeta.

    o norte-americano usa today, o segundo jornal com maior circulação nos estados unidos, a seguir ao avante, diz que a praia do comércio é “o único sítio do mundo onde o canhão gigante da psp chega à manif”. “oi a edihonda mais desafiante e perigosa que já vi”, explicou loução ao jornal.

    http://www.youtube.com/watch?v=Grj7sjQ0_p4&feature=related

  65. pois, com o delay, já não percebo se aquela de hoje não haver leite era por causa de tu não beberes, ou se era por causa dos avaclanços contemporâneos que eu pus. De qualquer modo, pareceu-me muito hermético: ” no milk today…the company was gay…how could they know what this message means”. Hum

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.