Que caralho de dicionário é este?

Não, caralho. Não queria dizer baralho, caralho. Queria era dizer caralho, por isso o disse. Mas porque caralho haveria de querer dizer baralho quando o que havia a dizer era caralho? Oh, cum caralho… Baralho, caralho?!

Este dicionário, não contente com a exclusão do vernáculo, ainda tem o topete de pôr em causa a literacia do utilizador, insinuando que há algum engano da nossa parte (já agora, faz o teste com punheta para descobrir mais uma genial associação). Desde a crise do Pato com Laranja que não via uma acção tão frontal contra a obscenidade, essa força maligna que nos reduz a seres com liberdade de expressão.

__

Como sequela, ou prequela, do acima exposto, lê um texto do caralho.

24 thoughts on “Que caralho de dicionário é este?”

  1. Obscenidade é o estado social Português…
    Se mandássemos um murro na mesa, acompanhado dum valente: “…Mas que caralho de merda vem a ser esta!?”, talvez tivéssemos outro País…
    Uma boa “caralhada” no momento certo faz milagres…

  2. É o caralho!!!
    Lembro-me de ter ouvido, uma vez, já há bastante tempo, a falecida atriz Beatriz Costa dizer que “palavrão, no Porto, é vírgula…” o que corresponde à realidade e dizer-se que é obscenidade, como certa “alminhas puras” o pretendem dizer é que é uma obscenidade. O melhor será mandá-las “para o mastro mais alto do navio, como castigo…”.

  3. Na tasca da Arminda raro era o cliente que por algum motivo não levasse uma “caralhada” da boca dela. Se não fosse assim a aguardente, o vinho e os petiscos não sabiam a nada. Comparava esta situação – a tasqueira já morreu e a tasca fechou – à de que se usa com o regateio do negócio com Marroquinos que por aí andam a vender artigos de porta em porta. Se ao fazer se negócio não houver o “regateio” para eles, esse negócio pouco valor tem. Na tasca da Arminda se um cliente não levasse uma caralhada o dia para ele tinha pouco valor.

    Envio uns versos do Rodela a descrever essas passagens.

    “Na tasca da Arminda”

    Dois “trigos” e dois bagaços
    Duas mentiras p’lo meio
    Três “caralhos” p’rós de Paços.
    Vale mais um copo cheio.

    Com ar de quem desafia,
    Esta tasqueira zangada
    Consola quem a arrelia
    Com mais uma “caralhada.”

    Sete horas, e lá vem ela
    P’ra atender a clientela
    Como “bichinho” a morrer.

    Mas quando alguém a arrelia,
    É uma manhã de alegria
    Que não se pode perder.

  4. O “texto do caralho” é de ir às lágrimas a RIR!!!!!!!!! :):):)

    Obrigada Valupi…pela liberdade da obscenidade….hiihihihihihihihihihii

    Viva a AMORALIDADE!:)……….amorosamente, claro ;)

  5. Bem, enfim, um óptimo post. Estava a ver que só usavam a política e a religião como palavrões…Quando eu era miúdo era o mais educado dos meus amigos, ali à Rua Da Praia do Bom Sucesso a Pedrouços, onde nasci, normalmente pés-descalços, depois formados nas escolas técnicas salazaristas – eu tive sorte(???) fui para o D. João de Castro, no Alto de Santo Amaro… Agora uso e abuso desses meios de expressão(mesmo entre as amigas) que ajudam a libertar a “alma” das merdas que nos apoquentam a cabeça.
    Não sei se conhecem este texto do Millôr Fernandes, que para mim é a filosofia do foda-se:
    http://www.ime.usp.br/~salles/home/textos/palavroes.htm

  6. Esse textpo do Millôr é muito bom, sim. Seguindo a inspiração geral, lá fui testar o dicionário para o termo “foder”. Olha o que deu:

    poder
    Significado de Poder
    v. t.
    1. ter a capacidade, a possibilidade de: Não posso comer mais. Posso ajudá-la? Não posso mais!

  7. Cona. Será que quis dizer dona

    Mas mais grave é a ausência de caralho, porque afecta o orgulho de toda uma região e uma área de mercado constituida maioritariamente por PME’s. Vivam pois os caralhos das Caldas.

  8. Depois de assistir a esta caralhada de discussão sobre o orçamento, agências de rating e o caralho que os foda, falar de caralhices é uma espécie de libertação do caralho…Foda-se, fiquei mesmo aliviado…

  9. Dicionário da Língua Portuguesa
    caralho
    nome masculino
    vulgarismo pénis;
    caralho! exclamação que exprime espanto, admiração, impaciência ou indignação
    (Do lat. *caraculu-, «pequena estaca»)

  10. Se não se pode dizer caralho e cona,e ainda por riba disso não se pode focer então o galego , ja tão deturpado, e o português ja não se parecem em nada.
    Dizer caralho ou cona é ja o único sino de identificaçao como galegos da Galiza.
    !Resistência pelo caralho, !, viva o caralho, e que vaia pro caralho o que fez o diccionario sem caralho.

  11. um galego pode usar o dia esa palavra trinta ou quarenta vezes, tanto homens como mulheres. como significados moi diversos. Uma canção moi importante foi : fai um sol de caralho galicia canival…..
    que caralho tes, vai pro caralho, está caralhudo, está de caralho, no me toques o caralho etc. e ainda os que se passam o castelan não a podem deijar e dizem , vete para el carallo, no me toques el carallo. E muito nosso.

  12. A Anabela tem razão, cheira a Porto e à liberdade de expressão que todos deveríamos ter. Que melhor forma de libertarmos as pressões do dia a dia ,que a de largar-mos umas valentes caralhadas em vez de reprimir-mos os sentimentos com consequencias cardiais( ou cardiacas) futuras.

  13. Ainda bem que o tal de acordo ***** não mexeu um ‘caralho’ nas palavras mais importantes da nossa conhecida ‘giria’ linguistica…
    Se tivesse alterado; como acham que se passava a manusear a palavra ‘caralho’?????

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.