8 comentários a “Pois não, as proporções da tragédia do teu Governo foram muito maiores”

  1. Bem que a criatura podia ter acrescentado: “nem nada fiz para prevenir que pudesse acontecer”. Mas como a senhora percebe tanto de agricultura como eu de moda, admito que seja capaz de afirmar, sem perder a pose,
    que os matos e arvoredos agora ardidos não existiam no seu tempo de Ministra e só cresceram na vigência do actual governo.

  2. Por acaso a cristas tem razão. O surto de legionella de 2014 foi o 2º maior do mundo, não foi o 1º e como se pode constatar foi resolvido com a máxima celeridade e a contento das vitimas.
    Um ano depois do incidente as vitimas já tinham recebido as indemnizações devidas, como se pode confirmar pela notícia abaixo.

    “Foi o segundo maior surto de legionella do mundo. Morreram 14 pessoas. A infecção chegou a 403. Houve 209 queixas-crime, mas nenhuma acusação foi ainda deduzida”

    Três anos depois do incidente o professor Marcelo pode garantir aos portugueses que o estado não falhou e a cristas escusa de pedir desculpa. O reconhecimento veio em Março deste ano.

    “Falta de provas indiciárias leva ao arquivamento parcial do inquérito quanto a crime de poluição no caso da legionela em Vila Franca de Xira.”

  3. A tentativa de aproveitamento politico de uma verdadeira tragédia por parte de algumas forças políticas é simplesmente nojenta. Então a prova de vida da Cristas…

  4. Carlos Sousa

    Muito obrigada ! e parabéns.
    Mais uma prova de que a Justiça pisca toda para a direita.

    E o presidente Celinho começou a mostrar o seu lado vichyssoise …

  5. como se as catástrofes naturais, e as outras que nelas desaguam, fossem culpa do governo. acho uma piada encharcada ao facto de a palavra governo ser mentalmente pensada e pronunciada como onomatopeia do monstro dos oceanos. do género goverrrrrrno. um dilúvio.

  6. a cristas é boazona,mas só é líder, porque está num partido de meia-dúzia de totós descontentes com o que têm em casa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *