Obrigadinho, ó Crespo

O número dos que denunciam a opressão fascista em que vivemos não pára de aumentar. Eles estão em todo o lado: na comunicação social, na oposição, no PS, na bancada parlamentar socialista, nas escolas, nos blogues e na rua. Mário Crespo acaba de se juntar a esta maioria ruidosa, lançando o seu manifesto. E nele encontramos um elemento inovador. É que o costume estava a ser o da filha-da-putice rasteira. Esta modalidade, tão do agrado do filha-da-puta comum, consiste em fazer denúncias não explicitadas, vagas, apelando ao preenchimento perverso pela imaginação da audiência. Estes filhas-da-puta rasteiros expõem as suas teses conspirativas no curioso pressuposto da inexistência de autoridades: morais, políticas, judiciais ou policiais. Ao lê-los ficamos com a impressão de que vale tudo, de que se legalizou a infâmia, de que reina a impunidade nacional-porreirista. Mas com o Crespo, não. Veja-se:


Façamos de conta que o ministro da Presidência Pedro Silva Pereira não me telefonou a tentar saber por “onde é que eu ia começar” a entrevista que lhe fiz sobre o Freeport e não me voltou a telefonar pouco antes da entrevista a dizer que queria ser tratado por ministro e sem confianças de natureza pessoal.

Que temos aqui de anómalo? Não faço ideia. Pelo que está relatado, o Ministro interroga um jornalista quanto a uma interacção futura, o qual é livre de lhe responder como lhe der na gana. Para além disso, o Ministro pede profissionalismo no trato; o que se recomenda, aliás. Do que eu faço ideia, clara e distintamente, é da absoluta vantagem em saber o que foi dito, por contraste com a denúncia usual dos filhas-da-puta comuns quanto a esconsos, crípticos e tenebrosos telefonemas de ministros e autoridades variegadas…

Portantos, ó Crespo, obrigados pá. Também alinhaste na filha-da-putice reinante, apanágio dos pulhas, mas tiveste estilo. E o estilo faz o homem, ó Crespo.

41 thoughts on “Obrigadinho, ó Crespo”

  1. O boca-em-bico ainda não curou o ressentimento de ser despedido por calaceiro de jornalista residente nos USA, onde gastava um balúrdio mensal contra fraco trabalho.
    O tio Balsemão, depois que o foi buscar para director do “Diário Popular” onde foi um fracasso total e eram risíveis os seu editoriais, de consciência pesada, vendo-o sem emprego e desprezado no meio, deu-lhe a mão na SIC.
    No seu feitiozinho pulha de sorriso malandro de boca-em-bico, foi ganhando espaço “fazendo-se” a todos os campos políticos para grangear alguma unanimidade. Contudo o seu fim último será sempre ajustar contas com o PS que correu com ele. Deve ter achado que chegou a altura certa.

  2. Patética, esta saída a público com a mão na braguilha, bradando aos quatro ventos “vejam como ela é grande e os tenho no sítio!!”. É sempre conversa de impotente.

  3. Em lado nenhum, Cláudia. Isto foi só uma metáfora inspirada na “Crespa Figura”. A pulhice tem destas coisas: entradas de leão e saídas de chacal

  4. bom… sou obrigado a confessar que me telefonaram do aspirina b a perguntar o que havia de comentar aqui, que não admitiriam filhas-da-putice do género de tratar o crespo por tu, e agora deparo-me com isto… pôrra valupi, que valupice vem a ser esta?
    ó crespo, ó pá? sinceramente, não há respeito.

  5. esse moço vai ficar muito caro à SIC, o balsemão que se cuide quando apertarem a excelência de conteúdos (wiki e cópia pasta)

  6. são mesmo cabr*es no psd:

    “O ex-presidente do PSD declarou-se «preocupado», defendendo que «o que está a puxar o PSD para baixo, mostram as sondagens, é a imagem da líder e não vale a pena negar a evidência e dizer que o mal é das sondagens».

    Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, Manuela Ferreira Leite «tem vindo a degradar a imagem brutalmente», na sua opinião «por culpa dos conselheiros».”

  7. Valupi parece “E tudo o vento levou” já era. O Crespo está-se nas tintas para o que escreves. P.S: dedica-te à vinha já que gostas tanto da pinga que repetes a mesma frase centenas de vezes.

    Obituário de Valupi

    RIP

    Aqui jaz um garrafão de cinco litros

  8. 1, Eu vi 2 vezes a “entrevista “,

    e,

    admitindo que aquilo é uma entrevista e Crespo, um entrevistador,

    a sua formula de “entrevistar” um Ministro do Estado, é clara, definitiva,

    e óbviamente só podia estar ao serviço de um objectivo pessoal claro,

    2. ou doutro modo, teríamos que catalogar o senhor Crespo como um “tontinho”, o que eu não perfilho…

    3. Não me parece que a “entrevista” precise agora de “desculpas e factos”, com que Crespo a pretende justificar…

    e para mim, isso só vem demonstrar definitivamente o seu mau carácter e os seus objectivos naquela entrevista a Ministro PSP.

  9. Este exsocialista que, como as rolhas do amorim, vaga ao sabor das filhas-de-putices das ondas que apanha, devia era inscrever-se na associação dos referidos e passar a beneficiar dos estatutos daqueles que aliás, me escreveram indignados com a comparação que o Valupi anda a promover entre a filha de putice que alguns, poucos, atribuem ao miserável crespo e a sua, deles, própria corporação.
    Quer dizer, os verdadeiros filhos da puta nada querem ter a ver com o tal crespo.
    Parece impossível Valupi, vc andar por aí a confundir o arbusto com a floresta.
    Homem!, há por aí muito filho da puta com mais qualidades!
    MFerrer

  10. Lá perdi a compustura e escrevi de forma emocional, assim aqui fica o reparo, há que ter pena desta gente que não tem ideias próprias e se limita a papaguear o que outros dizem. Esta figurinha de Mferrer que circula por vários Blogues muito gosta de ajavardar, espécie de prato mal confeccionado e digerido. Mais valia destilar o seu veneno no seu próprio Blogue é que nem para reciclagem o homem dá

  11. Sério , falo a sério. Ninguém minimamente honesto comenta política de hoje a favor ou contra alguém. Não se comentam fossas ( já não é pantâno , é fossa ) sépticas , evita-se cheirá-las .Todo o cuidado é pouco para não cair nela. E não sou pessimista , sou mesmo optimista , acho que a politica dos fins do sec. XX , divisora para reinar , está por um fio. Venha qualquer coisa nova , novinha , porque isto fede tanto que já enjoa.

  12. Valupi, larga o vinho.

    Nik não podíamos estar mais de acordo, eu falo pela minha experiência, de facto, ser ex- socialista deixa-nos um “amargo” de boca de enorme, leva-nos a questionar-mo-nos acerca do que aconteceu aos PS e aos socialistas do PS, de como pudemos nós ser traídos desta forma.

    Não percebo tanta indignação relativamente ao Mário Crespo que até admitiu poder votar no PS nas próximas legislativas! Parece que, infelizmente, no PS há cada vez mais gente a conviver mal com o diferença de opinião. Será por isso mesmo que eu sou ex-PS?

    valupi, façamos de conta que o caso charrua nunca existiu, que visita a policia ao sindicato também não, que o cartão de Sec. de Estado a acompanhar um exame feito à distância faz parte do nosso imaginário.

    Valupi, verifica-se uma inversão de opinião: “Mário Crespo acaba de se juntar a esta maioria ruidosa”. Maioria? Oh homem tu cuida-te qualquer quer dia não tens em quem malhar. Ao que perece o Crespo passou a só conseguir dormir sob o feito de sedativos depois de ler este teu post. Devias ter remorsos pá!

    Valupi, larga o vinho

  13. Estamos numa época onde os filhas-da-puta são protegidos e acarinhados. Eis a superioridade da democracia e do Estado de direito. Mas não se fiem na Virgem.

  14. Ando uns dias por fora, e tenho logo destas surpresas…

    Que o Crespo não presta, é assunto há muito conhecido, desde o tempo em que andava pelas américas a debitar uns tristes e medíocres apontamentos noticiosos pagos a peso de ouro. As suas afinidades com o apartheid sul-africano ou a sua relação com a direita militar no tempo da outra senhora, é por muitos conhecida, e lembrada, bem como o seu servilismo perante figuras do nosso burlesco quotidiano.

    A sua ética jornalística, ficou definitivamente evidenciada com este arrazoado escrito no JN, que de opinião tem muito pouco, mas que de insídia tem q.b..

    De tanto fazer de conta, o Mário faz-de-conta que é jornalista, infelismente eu não posso fazer de conta que acredito…

  15. Olha o exsocialista não se acolhe à sombra da santa madre igreja. Não dá a outra face. Prefere o coice. Está no seu direito, se o houver na terra das bestas. Desconheço tais pormenores. O que sei, é que ele vaga, como as rolhas do Amorim, na argumentação do crespo. Aquele que é conhecido de estar para o pai, como a Heidi, para a mãe. Busca-a.
    Os seus assomos de arrufos , os seus arrotos a corno duro são expressão da sua natureza. Não o levem a sério. Não o é.
    MFerrer

  16. Ao anedótico Mferrer

    Que em lábia de cigano arrependido diz e cito
    Os seus assomos de arrufos , os seus arrotos a corno duro são expressão da sua natureza. Não o levem a sério. Não o é.
    MFerrer

    O que o meu caro amigo faz é arrotar postas de pescada e vê-se que foi mal parido, para lamento da sua mãezinha com todo o respeito, penso que entrei na linguagem tão apreciada do Blogue.
    Quanto às bestas, há que dão coices e há as que os levam, o meu caro amigo pertence às segundas.

    Quanto ao corno, cada um fala daquilo que conhece bem, que lhe faça bom proveito.

    Bem pode responder que levará com o lema do Blogue

    Mferrer larga o vinho (até simpatizo com este Valupi e mais escorreito o mferrer é mkais para o besuntoso)

  17. O que vos rebenta com a paciência e vos arrasa a alma é o Mário Crespo não escrever um artigo de opinião, mas sim o facto de ele apenas referir factos.

    Ora vós infelizes almas não rebateis um único facto que seja, limitais-vos a argumentos ad hominem e fazeis isso porque de facto não tendes a mínima hipótese de contrariar um único argumento que seja. Esse é o vosso drama. Refugiais-vos na insidia de que acusais o Mário Crespo.
    Imaginemos que o Mário Crespo é tudo aquilo de que o acusais de ele ser e fazer. Mas que moral tendes vós para o criticar dos vosso pecados? Como diz o ditado popular “vemos os argueiros nos olhos dos outros mas não vemos as trancas dos nossos”. Em suma, pobreza de espírito.

    O Mário Crespo não fez nada de extraordinário reuniu num só artigo alguns dos episódios que vieram a lume nos últimos anos? Qual é a insídia?

  18. teofilo m., muito me contas.
    __

    olho, simpatizas comigo? Toma cuidado, qualquer dia dás por ti a pensar.
    __

    Ibn, ninguém quer perder tempo a rebater caluniadores. Isso fica para pessoal como tu, com muito tempo livre.
    __

    amarguras, muito obrigado por teres trazido essa sempre grata recordação de uma extraordinária campanha publicitária.
    __

    de Marte, já lá estive, no teu poiso. De facto, vitalidade não te falta…

  19. Faz de conta… que alguns politicos conseguem controlar todos os Jornalista em Portugal, pelos vistos ainda vão havendo alguns..(poucos) sérios, nesta merda e vergonha de País, que não se vendem por dá cá aquela palha…
    Claro que jornalismo de excelência nem sempre é o jornalismo bom para sua excelência. “Especie de Engenheiro”.

  20. Valupi, larga o vinho.

    Infelizmente não tenho muito tempo livre, mas gostaria de poder ter!

    Estás a ficar nervosa pá! Tem calma ainda faltam 7 meses, vê lá não te vás a baixo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.