29 thoughts on “Exactissimamente”

  1. Ah! Afinal Mr. Trump tem razão…é preciso banir estes muslims do …país…só lhes basta um carrito e uma faquita…Aposto que aqueles que AGORA condenam vementemente o cobarde ataque em Londres, são os mesmos que ESCORRAÇAM the donald, porque ele é contra a presença de terroristas no seu país…hum?

    Ah! Este exercício de demonstração de hipocrisia….

    Portanto, o problema é: os BESTAS, homens do terror, cobardes como os ciganos, que só atacam em matilha, devem ser monitorizados…como se estivessem “doentes”…ou pensam que as epidemias se cingem só a doenças..físicas, uh?

  2. Great video!! Pois nos diz a verdade fáctica, que tem de ser conhecida, porque a bárbarie fanática do terror que se diz de Deus, tem de ser obstada, eliminada não só através de medidas políticas mas também através da sociedade (ocidental) que os alberga. É bom que conste e que os defensores da igualdade percebam que não pode aceitar-se a igualdade de quem traz DIVISÃO, TERROR, MAL. Ditos como ” não temos medo”, de nada valem, porque todos sabem que de há muito a esta parte, andam todos com medo de ser mortos ou num avião, ou num aeroporto ou numa rua.

  3. Exactissimamente e obviamente.

    O unico mistério verdadeiramente mistico nesta historia é haver quem não que não compreenda esta constatação de bom senso e, ainda por cima, procure fazer passar a sua incompreensão por uma forma qualquer de “racionalismo”. Dito de outra forma, o pânico e a razão nunca se deram muito bem…

    Boas

  4. So agora vi o principio do video do Lucas Galuxo. Repara numa coisa, Galuxo, TODOS os criminosos, desde que ha memoria, e especialmente os mais hediondos, pertenciam à espécie homo sapiens. Se calhar devias começar por ai…

    Boas

  5. Valupi, a intenção é a mesma que a tua, ao trazer um texto CNN mainstream, a atribuir equivalencia entre a base religiosa do fundamentalismo islâmico e alguma atribuível ao cristianismo e o nazismo e o Ku Klux Klan: contibuir para a reflexão sobre ameaças ao nosso modo de vida e aos nossos valores essenciais. Cada um escolhe as que lhe parecem ter mais consistencia e factos.

  6. Viegas, verdade. Como é que ainda ninguém pensou nisso. E como raio tantos milhões defendem, entre outras coisas, cortar a cabeça aos que pensam diferente e tratar as mulheres como cães. Será a cultura?

  7. sete séculos para os por andar da península. na minha terra fizeram verdadeiros massacres , os sarracenos . e agora na pós pós moderidade de molengas um Cid campeador ou um Pelayo não creio que se arranjem ( aliás , está à vista com estes a quererem a dar a outra face ( face ???) ) . estamos fritos.
    e parece que é pecado social preferirmos estar rodeados de seres cultural e etnicamente semelhantes a nós . era só o que faltava , de facto. fonix , isto de quererem proibir o mais básico e importante instinto , o de sobrevivência , é o cúmulo da modernidade e prugresssso , né?

  8. Lucas Galuxo, é engraçado como tu aparentas ser alguém preocupado com o Estado de direito (ou assim me pareceste no passado, pelo menos a propósito de Sócrates) e depois andas a defender a escumalha que faz do ódio o seu modo de vida. Mas talvez me tenha enganado completamente, e tu venhas para aqui preocupado com Sócrates porque não passas de um fã que se está a marimbar para a civilização e apenas pretende defender o seu ídolo.

    Este vídeo que trazes é alimento para broncos.

  9. Valupi, este vídeo é alimento para broncos? Talvez. Os iluminados ateístas catolicófobos, tão compreensivos com as barbaridades do islão actual quanto prontos a invocar incidentes vagamente relacionados com o cristianismo de outras eras, certamente terão dados para contrapor essa comida insalubre. Por exemplo, nomear países ou regiões sob regime islâmico onde as outras religiões convivem fraternalmente, onde as mulheres e as minorias são respeitadas, onde a pena de morte foi abolida, onde não se formam células terroristas…

    Defendo Sócrates, como defendo Lula da Silva ou Dilma Russef, como defendo Donald Trump, apesar de não ter grande afinidade política com nenhum deles. Acho que todos são passageiros do barco onde vão as vítimas das maningancias mediático-judiciais que usurpam o voto popular.

  10. Galuxo, onde é que no texto se estabelece a tal equivalência de base religiosa e em que termos?
    Em que é que Socrates, Dilma e Lula tem que ver com Trump?

    Acho q estas a criar falsas equivalências e a amalgamar cenas diferentes. Produto marado.

  11. Pronto, o Lucas Galuxo entrou novamente em cruzada.

    1. Nem o texto na origem do post, nem as varias centenas de apelos idênticos, defendem que deveriamos ser compreensivos com barbaridades, nem tão pouco com barbaridades cometidas em nome do islão, seja “actual” ou não.

    2. Deixa la a cultura em paz, que ela não é para aqui chamada. Fala antes de parvoice, que nesta matéria falaras em conhecimento de causa. Parvoice é defender que se deve cortar a cabeça aos que pensam diferente e tratar as mulheres como cães, e também sustentar que todos os muçulmanos, por serem muçulmanos, pensam desta forma.

    3. A parvoice é lamentavel, sempre. Neste aspecto, concordo contigo, eu e biliões, entre os quais centenas de milhões de muçulmanos…

    Boas

  12. pois claro que a estupidez, a malvadez, o horror e a monstruosidade não tem raça, nem credo nem ideologia: começa e acaba nos mundos individuais que rejeitam um mundo para todos.

  13. francamente, Lucas Galuxo, então, bem visto, os males do mundo são filhos dos muçulmanos. ser muçulmano é, então, o rótulo para tudo o que não presta. os rótulos não prestam e enviesam. dizer que os muçulmanos, apenas por muçulmanos serem, são assassinos é um assassinato à inteligência como outro assassinato qualquer. pensa nisso.

  14. Se neste pequeno mundo de gentes onde livres opiniões circulam cada um não souber ler o outro é :
    – no mínimo preocupante.
    Textos e imagens podem ser caricaturas que levam a pensar direito levando o exagero a filtrar e investigar.
    Há na cultura islâmica muito a aprovar e defender tal como em outras culturas onde a religião é forte factor de comportamento social.
    Desvios em nome do Senhor também nos pesam e continuam nos dias de hoje.
    Abusos sobre inocentes, indefesos e ignorantes.
    Poderosos democratas “libertadores” de espingarda ao ombro já vimos no que dá, está a dar e dará.
    Todos os políticos mencionados por Lucas Galuxo têm sim muito, tudo, em comum.
    Junte-se de imediato Vladimir que a cnn na sua intensa caça às bruxas de ataque/bloqueio a Trump escolheu para próxima vítima.
    Vladimir ocupa agora horas e horas “demonstrativas” de seu “domínio demoníaco”.
    Começaram as “manifs democráticas” com transmissão directa em prime time tal como em Kieve e primaveras árabes.
    Todos os mencionados por L.G. têm em comum campanhas negras em:
    – main stream mídia, tvs estatais, cabo, dirigentes no poder e, os indispensáveis compagnons de route :
    – mps que gostariam de ter as suas repúblicas.

    Só li o cabeçalho mas pareceu-me que Paulo Portas, inteligentemente, quer fazer a diferença.
    Seria interessante percebermos o Presidente Eleito dos Estados Unidos da América do Norte sem ameaçadores rótulos globais.

  15. O proselitismo ateu também tende a enganar as pessoas.
    Os cruzados arrasavam as aldeias de infiéis para roubar, os motivos religiosos eram só a desculpa mais à mão. O aumento demográfico associado a maus anos agrícolas a isso obrigava.

    Idem com o massacre dos índios americanos ou dos pretos africanos.
    Idem com a expulsão dos judeus da Península Ibérica (as riquezas que detinham reverteram a favor da coroa).

    Mais recentemente,como já não há a desculpa da religião, justifica-se a barbárie dizendo que Kadafi estava a dizimar o seu povo, por isso tinha que ser derrubado… em nome da democracia!!!

    Tudo desculpas esfarrapadas para ROUBAR, para justificar o roubo…

  16. De passagem, hoje.

    1. Disse ontem algo como isto ali ao lado, citando-me.

    «Na minha revista de imprensa, e que partilho filantropicamente com vosotros e à borla, lindo menino!, apanhei este artigo de opinião e concordo com quase tudo. É sinal de que muitas das coisas inteligentes, que se foram lendo por aqui no Aspirina B, fizeram e farão o seu caminho. Sai um EXACTISSIMAMENTE alternativo (e este é completamente à borla, repito!), como diz o outro.

    Nota, importante. Alguém deveria copiar este belíssimo artigo para um local mais visível, talvez ele entrasse de uma vez por todas nas caixas neuronais mais empedernidas da troupe do Aspirina B.»

    2. Já aqui escrevi também e não há muito tempo, num breve comentário a mais um brilhante post saído das profundezas onde se encontram as pazadas de areia de Valupi sobre a Operação Marques que, dessa vez, tangueava mais uma vez “Se Sócrates não sei quê, milhares de milhões envolvendo o Governo, se Vara não sei quê etc.”, o seguinte:

    «O Meirelles a fazer de Jasmim, o Joaquim Camacho [Joaquim Ca-Burro, n.d.r.] a fazer de Joe Strummer.
    Valupi, a troupe do Aspirina B está a viver intensamente o (reality) choque.
    Diz-se disto, entre a indiferença e o divertimento.»

    3. É exactamente o mesmo que se verifica agora, sabe-se que há tipos que vivem na mais pura anomia social (sublinhado!) e, entre esses, um exemplo é a troupe do Aspirina B que, há muito tempo, do conceito vem dando mostras vivendo cada dia mais entre a indiferença e o divertimento. É verdade que inebriada pelo proselitismo segundo a gramática pachequiana, ou segundo os sinais de alcoolismo na minha, mas, a que se soma ontem e hoje, a contemplação do horror.

    O infante Lucas Galuxo, esse, está igual a si próprio, senhores. Mais: várias vezes fez por aqui a ponte entre a “Operação Marquês” e a “Operação Lava Jato”, parecendo parvalhadamente surpreendido e evocando a par o caso de José Sócrates e de um dos protagonistas do reality choque (o mesmo?) em exibição no outro lado do Atlântico (cito, hoje de madrugada: «Defendo Sócrates, como defendo Lula da Silva ou Dilma Russef, como defendo Donald Trump, apesar de não ter grande afinidade política com nenhum deles. Acho que todos são passageiros do barco onde vão as vítimas das maningancias mediático-judiciais que usurpam o voto popular». A ele respondeu, e bem, o João Viegas de quem aprecio o estilo.

    Nota, mais uma uma. Não o incluí no copy de ontem porque tudólogo não sou, nem de achismos me alimento publicamente, mas sublinho que o Dinis de Abreu conclui exactamente o seu artigo de opinião exactassimamente por chegar ao… Brasil.

    [Fui.]

    […]

    Das não haja ilusões. Daqui até Junho, no quadro do
    adiamento pedido pelos procuradores para concluírem o inquérito – e feita a revisão da matéria em abril – a ‘barragem de
    fogo’ sobre o Ministério Público
    vai manter-se ativa.
    Sentiu-se, há muito, que a acusação ganhava corpo e abrangia
    novas conexões, num novelo deveras intricado. E a cada novo
    episódio Sócrates tem vindo a
    desdobrar-se em entrevistas e declarações avulsas, repetindo-se
    na auto vitimização, como já
    acontecia com o famoso PEC 4.
    Há quem tenha interpretado o
    último comunicado da PGR
    como um ‘murro na mesa’, por
    estar cansada de adiamentos. E
    estes, pese embora a fundamentação dos procuradores, estão a
    deixar a Justiça numa situação
    desconfortável.
    A atração por um megaprocesso exemplar – ou as contingências que empurraram a investigação para pistas e terrenos
    inesperados – prolonga no tempo um processo que se encontra
    sob permanente escrutínio dos
    media.
    Ao implicar José Sócrates, Ricardo Salgado e outros nomes sonantes da vida portuguesa, o risco maior – como alguns arautos,
    pouco inocentes, procuram cultivar – é «não dar em nada».
    Do outro lado do Atlântico, o
    ‘amigo’ Lula da Silva, também
    ele a contas com a Justiça, segue
    o mesmo modelo de candura impoluta.
    A Operação Marquês tem tudo
    para ser em Portugal o julgamento do século. E do Regime.
    Assim se faça.

    […]

    Dinis de Abreu
    (o senhor foi um grandes directores do DN, que sucedeu ao Mário Mesquita e antecedeu o Mário Bettencourt Resendes acho, antes da chegada dos aprendizes de legionários João Marcelino, André Macedo, Paulo Baldaia e seus derivados).

    Sol, 25.3.2017, p. 43

    _____

    O resto do artigo está copiado filantropicamente por aqui, ao fundo:
    http://aspirinab.com/valupi/pacheco-pereira-a-caminho-de-damasco/#comments

  17. Wow…este descobriu a essência das cruzadas e reais motivos políticos…mais um pouco e enforca o 1.º rei português, mas é capaz de defender Sócrates….

  18. “depois andas a defender a escumalha que faz do ódio o seu modo de vida. ”

    Caramba!!!! Os rebentamentos de bombas devem ser um divertimento de uma elite com gosto sui generis….

  19. E os manuais de interação com os ocidentais infiéis, dever ser um manual da capacidade que aquela boa gente – muçulmana -, tem para se adaptar…a este mundo onde há escumalha que faz do ódio o seu modo de vida. Aliás, as burkas, as mesquitas, permitidas no meio dos odientos, é apenas um exercício de masoquismo; o que está certo é o que acontece lá pelas bandas desta gente, onde cristãos são ceifados à frente de câmaras, as mulheres violadas e usadas para parir especiais jovenzinhos, que nascem de espingarda e detestam a chucha, mas adoram a história do ladenzito…portanto, está tudo bem em receber os filhos de alá, mesmo sabendo que eles trazem entre eles, os que à falta de melhor, preferem usar o passeio para matar,destruír…

  20. “Há quem tenha interpretado o
    último comunicado da PGR
    como um ‘murro na mesa’, por
    estar cansada de adiamentos. E
    estes, pese embora a fundamentação dos procuradores, estão a
    deixar a Justiça numa situação
    desconfortável.
    A atração por um megaprocesso exemplar – ou as contingências que empurraram a investigação para pistas e terrenos
    inesperados – prolonga no tempo um processo que se encontra
    sob permanente escrutínio dos
    media.”

    Certamente, não acompanhará presunções que só vogam entre os que se esgotam a comentar o que chamam a “indústria da calúnia”. É que, saberá, o MP sabe muito bem o que está a fazer, quando aparentemente denota “murro na mesa”! E certamente estará a par do andamento da investigação deste processo que, mais uma vez, tem arguidos em comum com outros processos…Disso, contudo, ninguém se lembra.

    Se houvesse desentendimentos no MP, não haveria prorrogações…e essa é outra história que os “sabichões” não exploram, preferindo a via mais fácil de obter atenção – articular criticando Pachecos e companhias.

  21. Ignocpázio, não vislumbro …piada em “tu”…vê lá se queres que eu faça uns contatos e te “apreendem” o “ip” do teu “gira-discos e toca-nada”…yawn…

  22. Brasil: Ex-deputado Eduardo Cunha condenado a 15 anos e quatro meses de prisão efetiva

    Juiz da Lava Jato condena “arquiteto” da destituição de Dilma Rousseff por corrupção, lavagem de dinheiro e evasão fiscal. Sérgio Moro não permite que Cunha aguarde recurso em liberdade

    Helder C. Martins

    Preso em Curitiba desde outubro, o ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha ouviu esta quinta-feira a sentença pela voz dos juiz Sérgio Moro, responsável pela operação Lava Jato, que investiga os desvios de fundos da Petrobras, a petrolífera estatal brasileira.

    http://expresso.sapo.pt/internacional/2017-03-30-Brasil–Ex-deputado-Eduardo-Cunha-condenado-a-15-anos-e-quatro-meses-de-prisao-efetiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *