Diabólico

Em entrevista à SIC, no dia em que apresentou a moção de estratégia com que se recandidata à liderança do PSD, Pedro Passos Coelho foi questionado se tiraria ilações caso a estratégia orçamental do Governo resultasse, depois de lhe ter feito duras críticas.

"Ah, com certeza passaria a defender o voto no PS, BE e PCP, se pudéssemos todos devolver salários, pensões, impostos e no fim as contas batessem todas certo, seria fantástico", afirmou Passos Coelho, questionando porque é que o ex-primeiro-ministro José Sócrates não se lembrou desta estratégia em 2011 em vez de pedir ajuda externa.

Passos, Março de 2016

"Precisamos de políticos corajosos que digam a verdade", prosseguiu.

Sobre o Governo do PS - apoiado por "dois partidos da extrema-esquerda [BE e PCP]", Maria Luís sublinhou que a reversão de reformas estruturais tem vindo a fazer cair a "confiança e credibilidade" de Portugal, nomeadamente na "imprensa internacional, agências de 'rating' ou fazedores de opinião".

Maria Luís, Setembro de 2016

7 thoughts on “Diabólico”

  1. Eu pr’a mim istu é uma grande chourissada pois eles dizem mal e depois nem savem o que debem dizer pesso aos amigus du gubernu que fassam as coizas de modos um bucadinhu pior pois assim eles nunca podem assertar, assim tipu o saláriu minimu bai ser 700 eurus e depois ficar pelus 600 eurus já fiva melhor pr’a eles dizer mal e a gente fica satisfeita à mesma pois o dinheirinhu já cá canta e mais não digu.

  2. 5 DEZEMBRO 2017 ÀS 15:54 POR JÚLIO 1 COMENTÁRIO

    5 DEZEMBRO 2017 ÀS 13:13 POR VALUPI 1 COMENTÁRIO

    Conclusão: o Aspirina B sem o brilhantismo dos posts da Penélope não é a mesma coisa, pelo contrário é o fim do mundo tal como o conhecemos que se aproxima!

    Artur Albarran O drama, a tragédia, o horror – YouTube
    https://www.youtube.com/watch?v=hWUNekWprsU

  3. É feio bater em “mortos”. Daí, o escasso número de comentários. Não fica bem, causa desconforto.
    E quando os “mortos” são pequeninos, a modos que “amorfos”, sem grandes rasgos, euzebiozinhos , “lá se há-de arranjar qualquer coisinha”, a coisa parece menos bem, pouco decente. “Só bates em franganotes”. É por aí.

    Vamos lá a ver: são pessoas traumatizadas. Com um passado. Percebe-se o ranger de dentes. A vontade de”passar por cima”, de “fazer estrago”. Tantos e tantos, menores que eles, que nasceram bem, a tirarem doutoramentos, a irem para fora ganhar bem, serem reconhecidos, graças aos xuxinhas, e eles, dizia, a ficarem por cá, só com a família e os mais próximos a darem-lhes a mão (sorte que os papás conhecem gente boa, que amealhou, que venceu na vida). Marca-nos. Já nada é como era. Antigamente é que era. Agora…até comunas, até mete impressão.

  4. agora o gapingvoid diz assim: então, autoconsciência, onde está a consciência da consciência?

    e eu: será esse um quesito para um bom político.

  5. «E quando os “mortos” são pequeninos, a modos que “amorfos”, sem grandes rasgos, euzebiozinhos , “lá se há-de arranjar qualquer coisinha”, a coisa parece menos bem, pouco decente.», sublinho Valupi,

  6. Luís Aguiar-Conraria agora em estéreo, ali ao lado:
    … «um taco de beisebol», eu diria mais, um taco de belzebu!

    [E abaixo os bandidos da AT, vivó José Sócrates!]

  7. Por falar nas coisas do Diabo, ó Valupi, onde é que anda um dos tais posts do caraças que costumas escrever sobre o Proença de Carvalho? Nem que seja um exactissimamente, sei lá?

    https://capas.newsplex.pt/capas/capa_jornal_i_06_12_2017.jpg

    http://cdn.sabado.pt/images/2017-12/img_797x448$2017_12_05_14_13_08_271241.jpg

    http://cdn.cmjornal.pt/images/2017-12/img_400x516$2017_12_07_01_34_48_690922.jpg

    Nota. Sabes, …? É que os jornais insistem e insistem, e eu ainda não percebi porque é que é!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *