Amnésia selectiva, modo de usar

Já se esqueceram do que aconteceu ao aumento salarial de 2,9% decretado pelo governo de José Sócrates em 2009? Resultou em cortes salariais de 3,5 a 10% dois anos depois. Quem tudo quer tudo perde. Seria de esperar que as diferentes corporações e as pessoas que delas fazem parte tivessem memória, mesmo que a memória seja curta, não há como ter esquecido o que aconteceu no início desta década.

Paulo Baldaia – 26 DE NOVEMBRO DE 2017

Questionado se no curto prazo não são necessárias mais medidas de austeridade, respondeu: "Eu espero que não sejam. As instituições internacionais sabem que Portugal já vive há muito tempo com um clima de austeridade muito apertado."

"Eu sou professor de economia e tenho uma noção muito clara do que é que o país hoje precisa. O país não precisa de mais promessas de impostos e de mais sacrifícios só porque o Estado não faz aquilo que deve."

Passos Coelho espera que não sejam necessárias mais medidas de austeridade – 1 DE ABRIL DE 2011

Há limites para os sacrifícios que se podem exigir ao comum dos cidadãos.

Cavaco – 9 DE MARÇO DE 2011

"A governação socialista vai parecer-se com a de José Sócrates, dar tudo a todos, sem olhar ao futuro"

Adolfo Mesquita Nunes – 26 DE NOVEMBRO DE 2017

__

Uma das primeiras medidas que o Governo de Sócrates tomou foi a do congelamento das carreiras dos funcionários públicos, em Agosto de 2005. Quando se decidiu o aumento dos 2,9%, em 2008 e com o apoio de Ferreira Leite, a Função Pública estava desde o ano 2000 a perder poder de compra. A inflação prevista para 2009 era de 2,5%, o que significava que o ganho seria de 0,4%, muito longe de conseguirem regressar ao nível de rendimentos anteriores. Essa decisão foi eleitoralista? Só devia ser autorizada a resposta a quem respondesse a estoutra: o congelamento de carreiras, que se prolongou durante 3 anos, foi também eleitoralista? Se não foi, como é que se deve pensar no assunto? E não serão os ciclos eleitorais e a própria democracia um antro de inevitáveis e sistémicos eleitoralismos? Assunto tratado de forma primária, mentirosa e demagógica pelo Baldaia.

Na sua fábula para totós, a ambição, o pecado da gula, terá castigo certo e infernal. Vejam o que aconteceu em 2009, lembra com caracteres cavernículas. Por causa dos 2,9% dados aos malandros da Função Pública tivemos em 2010 uma crise das dívidas soberanas com origem na Grécia e que se espalhou na Europa como um incêndio à portuguesa. Acaso? Coincidência? Não, defeito de carácter. “Quem tudo quer tudo perde”, sem vírgula que é para dar uma lição a esses gastadores malvados. Mas o pináculo do ridículo do seu ridículo texto está no apelo à memória.

O que Sócrates fez, em várias áreas, foi usar a sua maioria absoluta para reduzir os gastos do Estado. Ao mesmo tempo, apostou na requalificação de outras dimensões da estrutura económica, de que o investimento na ciência, a educação de adultos e as políticas de exportação são bandeiras. Na altura que antecede a crise de 2008, e mesmo até à crise de 2010, era impossível antecipar o que iria acontecer na Europa – e a evidência está em que ninguém o adivinhou, onde se inclui toda a oposição. Portugal tinha crédito internacional, seria irresponsável não o aproveitar para fazer o que os Governos devem sempre e sempre tentar fazer: investir e distribuir riqueza. Porém, assim que a conjuntura mudou, assim mudou a política governativa em Portugal de acordo com a Europa – ou seja, investindo mais para evitar a depressão em 2009, e aplicando medidas de austeridade a partir de 2010 por imposição europeia. Estes são os factos. E não há outra memória sobre os mesmos, apenas diferentes graus de distorção se a intenção for a de vender banha da cobra.

A prova de que a governação socialista foi austera logo deste 2005, e sempre se manteve equilibrada, foi dada pelo comportamento e declarações da oposição à direita e à esquerda ao longo dos anos, culminando no derrube do Governo por uma coligação negativa que chumbou o PEC IV. Quem quiser rever o que os deputados responsáveis pelo afundanço do País disseram nesse dia, vai encontrar um Parlamento onde se chicoteou o Governo por querer conter a despesa pública e enfrentar uma situação inédita na História de Portugal, e inédita na História da União Europeia. Mas havia um acordo com as instituições europeias que teria evitado o resgate de emergência e a devastação que se seguiu. Será que o Baldaia se recorda?

As citações não carecem de explicação. A direita tem lançado um discurso dúplice, onde tanto ataca o PS por ser estróina como por ser avaro. É uma técnica que resulta, pois na sociedade cada indivíduo selecciona a parte que for do seu agrado e não penaliza a contradição. Quem assim faz política apenas está interessado no poder pelo poder. Essa, infelizmente, tornou-se uma marca diferenciadora entre a direita e a esquerda. Esqueça-se disso quem quiser ser enganado.

22 thoughts on “Amnésia selectiva, modo de usar”

  1. José Sócrates , um homem para a história ….. da psiquiatria . é ele e o Puigdemente , dois heróis napoleónicos de internamento do sec. xxi.

  2. Oh Io,estavas tão bem quando Hera te raptou e transformou em vaca,para que escapasses aos olhos de Zeus…
    Os deuses da mitologia eram sábios e previdentes: como eles sabiam que, se te tirassem os cornos,a cauda e o coiro,acabarias a dizer inanidades pela Aspirina abaixo…

  3. E ainda por cima trata-se apenas de um cobardolas (ou se calhar não, que é típico da espécie…) que se cala fininho ou, melhor, um super-cobardolas que se imagina a si próprio a ladrar contra as senhoras de si parafraseando e reinventando o MVA, Yo.

  4. A questão dos aumentos dos FP, mas também a ParqueEscolar (Escola Pública, lá está), à falta de outras coisas, foi transformada numa “narrativa para imbecis” no sentido de associar a crise financeira internacional (que veio mesmo a calhar para o Cavaco e para estes direitolas) ao aumento salarial.
    Há quem verdadeiramente acredite nisso, o direitolas honesto, se calhar a maioria deles, que é preciso construir o mito. Talvez o Passos também acredite, tem de fazer as contas, pedir à Maria Luís ou ao Prof. Cavaco para ajudar. Bom, mas para ele tanto faz, que o que gosta é de cortar salários e pensões e vender empresas públicas.
    E depois há o mito da esquerda e da bancarrota: basta lembrar que a 2ª entrada do FMI em Portugal foi em 1983, durante um governo do Bloco Central, meia dúzia de meses depois de um desastroso governo AD que teve entre os seus ministros um tal prof. Cavaco Silva, verdadeiros responsáveis por esse resgate.
    Aliás, como bem sabemos, o 3º resgate só acontece porque se chumbou o PEC IV (mas isso só daqui a uns anos virá nos livros), chumbo esse que, como bem sabemos, contou com o apoio do Cavaco (“há limites para os sacrifícios”), do Passos e dos Deolinda .

  5. Costa também se cansa e os nervos não são de aço…Costa faz «corpo morto» como estratégia.

    Este ADN é raro, pode chegar aos limites, não digo que chegue a ficar momentaneamente inanimado ou chegue a uma «greve de fome».

    Mas daquele ADN é de esperar qualquer surpresa.

    Passos e Seguro, Catarina e PCP que o digam.

    Marcelo e nós todos que nos cuidemos.

  6. O único problema do primeiro-ministro aqui venerado é, simplesmente, a sua (amplamente documentada) cleptomania. A meio do seu primeiro governo (até emergirem as primeiras trapalhadas), eu e muitas pessoas que pensam como eu – que acham que deve existir um Estado Social, mas que este tem ser sustentável e servir as populações e não as corporações – pensava votar nele (em especial porque nada nos opunha às “causas fracturantes” que ele usou para seduzir a esquerda, enquanto, como bem refere o “post”, desenvolvia políticas económicas racionais, ou como se diz aqui “de direita”). Infelizmente (e como está amplamente documentado), a cleptomania levou-o a abraçar projectos e parceiros (geradores das essenciais comissões) que, sob a tensão da crise financeira internacional, nos conduziram à bancarrota. É nesse contexto de cleptomania evidente (e credibilidade nula), que eu percebo (tal como percebi na altura) os falsos fundamentos de Passos Coelho para chumbar o PEC IV (como acho que percebeu a esmagadora maioria das pessoas que votaram nele). A mentira, em certos contextos, é não só moralmente aceitável, como eticamente ajustada. Se o meu carcereiro me deixar ir atrás da moita fazer um xixi, caso eu prometa que volto, é claro que eu prometo. E é claro que eu não volto.

  7. … e só para quem é verme é que os fins justificam os meios.
    Ou seja, fim de civilização, venham de lá outra vez as cavernas e as mocas.

  8. «Há uma diferença abissal entre o que está a acontecer ao país, que vive o seu melhor momento desde 2009, e o que a agenda mediática impõe ao debate público. Essa diferença pode observar-se através do contraste entre as opiniões publicadas e o que nos dizem as sondagens. E isso, mais do que obrigar o Governo a pensar nos seus evidentes problemas de comunicação, deve obrigar a imprensa a pensar no papel que hoje desempenha no debate democrático.»

    Daqui:https://estatuadesal.com/2017/11/28/dois-anos-de-geringonca-o-que-se-esperava-melhor-do-que-tinhamos-aquem-do-possivel/

  9. jpferra , podem insultar-me à vontade , se isso vos faz babar aqui na ala 4 do hospício. e acho que o Eric também se está borrifando. a palavras loucas , orelhas moucas .

  10. QUE MAIS POSSO EU ACRESCENTAR À SUA DESCRIÇÃO FÁCTICA (!) DO QUE ACONTECEU ENTRE 2005 E 2010, VALUPI ? …. NADA, a não ser talvez relembrar que tudo o que o Valupi aqui resume vem escarrapachadinho num livrinho FABULOSO POR EXISTIR – “RESGATADOS – a história da ajuda financeira a Portugal”, de que é co-autor o director actual do “Público” e de quem não se pode dizer que é admirador de Sócrates, o tal do “maquiavélico de mau feitio”… !
    Só espero é que a Esquerda do PS defenda a solução da geringonça contra o assalto mais violento e desonesto que a Direita mais primária está a fazer a tudo o que é acção ou omissão deste governo!!!

  11. Aquele espetáculo verbal da Mortágua, a fingir-se de” virgem ofendida” pela traição do Costa, foi uma caça ao voto no Bloco mais descarado e cínico que se possa imaginar.
    Será que ser de esquerda em Portugal, é preciso chamar de parvo ao “pobinho”?

  12. De acordo M.G.P.MENDES; o livro “Resgatados” de David Dinis e Hugo Filipe Coelho que os autores queriam que fosse a “acusação” lapidar e definitiva de Sócrates ao transcreverem para o livro as próprias palavras e argumentos inabalavelmente fundamentados de defesa do “réu” em suas tomadas de decisão, ao contrário do efeito que os autores pretendiam, tornaram-se e cada vez mais com o desenrolar do tempo político, a apologia e absolvição política de Sócrates perante a História para além dos documentos oficiais que os arquivos ainda revelarão.

    Sobre a questão do aumento de 2,9% colocado no post refiro que tal foi realmente uma promessa de Sócrates em 2018 apoiada pela oposição. E, palavra dada é palavra honrada, tal como Costa diz hoje e cujo modelo de comportamento aprendeu, precisamente, com os princípios honrados de Sócrates.

    são cada vez são as posiçóes políticas de Sócrates ão

  13. «são cada vez são as posiçóes políticas de Sócrates ão», ó Zé Neves ontem estavas a ladrar à lua ou passou-se algo de ainda mais esquisito nessa tua moleirinha?

  14. Adenda, mesmo em tempo (e com estrelinha de campeão).

    Tens alguma coisa a confessar sobre isto, José “abominável homem das” Neves?

    ESTUDO
    Abominável Homem das Neves era um cão ou urso

    Análise genética revelou que um dos Ietis correspondia, afinal, a um cão e os restantes oito a ursos-negros asiáticos, a ursos-pardos dos Himalaias e a ursos-pardos tibetanos.

    LUSA 29 de Novembro de 2017, 0:45

    Aqui: https://www.publico.pt/2017/11/29/ciencia/noticia/abominavel-homem-das-neves-era-um-cao-ou-urso-1794297?page=/&pos=16&b=stories_featured_a

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *