A hecatombe da política

Teresa de Sousa é uma das mais reputadas, e condecoradas, especialistas em matérias europeias que temos no jornalismo português. Junta a esse estatuto a imagem de ser uma europeísta convicta e uma voz exemplarmente ponderada. O seu perfil confunde-se com o de um representante da União Europeia, pode-se dizer para efeitos de caricatura.

Ontem publicou um texto – Foi isto que Atenas sempre quis? A pergunta passou a ser legítima – onde acusa Tsipras de ter levado a cabo uma manobra maquiavélica ao serviço de um projecto de radicalismo político insano. Daí a marcação do referendo, a prova provada de que o Governo grego estava a boicotar as negociações desde o início. O registo é psicologista, a matriz é a de associar o Syriza a um comportamento irracional.

Numa curta passagem, a autora refere-se ao erros cometidos pela Europa é às consequências devastadoras das medidas aplicada na Grécia, levando a uma “hecatombe apenas própria de tempos de guerra, ao contrair mais de 25% em quatro anos“. Este momento de lucidez foi de imediato perdido, surpreendentemente, terminando o artigo com o sofisma de que a democracia deve ceder ao Tratado de Roma. Aderir à Comunidade Europeia, assinar o Tratado de Maastricht e entrar na zona euro, concretiza o argumento, implica uma soberania partilhada e suas regras. A soberania e democracia de cada país são balelas para ingénuos ou demagogos, remata imperial.

Há uma racionalidade institucional, e mesmo política e pragmática, na sua posição. Indiscutível. As regras só existem quando são respeitadas, e a alternativa é a lei da selva e o caos. Mas também, e isto é que fica como surpreendente no caso de Teresa de Sousa, há uma antiquíssima lei de ouro que obriga os corajosos a defenderem os seus se eles forem atacados. Há um direito à legítima defesa que se sobrepõe a outras convenções. Quando se admite que a Grécia está a sofrer um empobrecimento só comparável ao que ocorre numa guerra, e se sabe que nenhum dos credores apresentou qualquer solução que permita sequer uma friável esperança de recuperação, isso é o mesmo que reconhecer a bondade daqueles que estão dispostos a quebrar algumas regras para que se cumpra a regra principal de todas as comunidades: ajudarmo-nos uns aos outros, e tão mais quão maiores forem os problemas e os riscos.

Teresa de Sousa não concebe que a partilha da soberania sirva precisamente para acudir ainda melhor à excepcionalidade que escapa às regras. Isto é a negação mesma da essência da política como arte da boa governação. Se largas décadas de assimilação dos princípios fulcrais da União Europeia, e de convívio com os seus agentes, provocam esta alienação, então quão mais cedo deixarmos de estar em tão má companhia melhor.

30 thoughts on “A hecatombe da política”

  1. aceitar tudo o que o syriza pedir para evitar o referendo e ganhar tempo para formar um governo de bananas, é solução possível neste momento. se arriscarem referendo, depois só lá vai com golpe militar ou vão ter de engolir syrizas por todo o lado mais o referendo inglês.

  2. Assim de repente, que eu me lembre, as regras da UE existem para ser cumpridas pelos países mais “indefesos” e para serem violadas as vezes que for necessário pelos “senhores” , e de acordo com os seus interesses, sejam a Alemanha ou a França. O que está acontecer agora é apenas um climax da pseudo construção solidária de uma UE. Quando lhe foi conveniente, a Alemanha violou as mesmas regras (do défict, v.g.) que agora impõe sem dó nem piedade a outros membros. Não será nada de mais afirmar que só os ingénuos ainda acreditam no futuro da UE, caso atirem com a Grécia borda fora. Se isto acontecer, é a máscara de uma “união europeia” que cai de vez. Se houver Grexit, nada será como dantes. Por outro lado, se continuar tudo como dantes, dando-se o caso Grexit como arrumado, então é que eu começo a ter medo do que somos e do que nos espera, por termos chegado aonde chegamos.

  3. Quem me explica? Fala-se do …Tratado de Lisboa, o que foi assinado por Sócrates? É isso? A sério? Ou ainda não se chegou a este patamar de …regras que alegadamente só existem quando são respeitadas (?). Talvez então, a questão «soberania»e outra que lhe está intimamente ligada, possa ser devida e frutuosamente discutida.

  4. Coloca o texto e a seguir põe um comentário para parecer que são muitos.
    A informação do pardieiro diz que tem 10 visitas por dia e vale trezentos e tal euros.
    O mexilhão tinha um texto magníficos e a vitória na mão, depois fizeste-te-lhe um strawman e ele, como pessoa séria que era, descontrolou-se e não quis ou não soube desmontar um a um os parágrafos em que manhosamente ias atribuindo a tí pontos que na realidade não tinhas amealhado, depois foi fácil, foi só partir para a estocada final.
    Mas nada mostraste em termos de rebater o texto dele, e ficou amplamente demonstrada a vitória dele e a tua baixeza, cobardia, e desonestidade intelectual.
    Então não tens tacho.
    Estás aquí por amor a quê ?
    Ao Sócrates ?
    Porquê ?
    És homessexual ?
    Ele passou legislação favorável aos gays e lésbicas.
    Sabes o que és ?
    Um merdas !
    E um triste !
    Sabes que mais te digo ?
    Que culpa tem a lei, que o sujeito seja, no mínimo, suspeito de corrupto ?

  5. Então não tens tacho.
    Estás aquí por amor a quê ?
    Ao Sócrates ?
    Porquê ?
    És homessexual ?
    Ele passou legislação favorável aos gays e lésbicas.
    Sabes o que és ?
    Um merdas !
    E um triste !
    Sabes que mais te digo ?
    Que culpa tem a lei, que o sujeito seja, no mínimo, suspeito de corrupto ?

  6. Ao assentarem arraiais em Bruxelas, sejam jornalistas, eurodeputados ou simplesmente brurocratas, o fausto da “entourage” e a cor do dinheiro fácil, toldam-lhe as ideias e as convicções. Daí a assumirem, sem pingo de vergonha, que essa coisa de democracia é para pobretans e papalvos, vai um salto de pardal.

  7. que excelente reflexão sobre as partes – a isenção, aqui. e o progresso continua a esquecer o bem comum: a humanidade no seu pior. :-(

  8. a teresa de sousa (uma boa mostra dos anos 70, muito cigarro e muita bica) mais uma vez a alinhar-se pelo que sai de bruxelas. é a porta voz em portugal do dictat bruxelense.

  9. mas vamos lá ver, quem é que paga as bicas e os cigarros da teresa? e já agora as excursões ao fmi para lavagem da cabeça com xampús lagaldéria 18em1.

  10. Hoje, através da TSF, a eurodeputada Mª João Rodrigues, figura com responsabilidades acrescidas em Bruxelas, referiu que, há uma semana, as instituições europeias tinham concluído um plano favorável à resolução do problema grego fruto de negociações efetuadas, porém, algo de misterioso aconteceu e, inexplicavelmente, esse plano foi rapidamente deitado ao lixo e substituído por um outro mais gravoso e penoso para o povo grego. Ora, quem eliminou o plano consensual? Schauble, o democrata cristão!

    Que conclusão retirar deste facto?

  11. Esta é a Alemanha defensora de uma Europa em guerra e que na sua propaganda grita “Seja-se o que se é!”; “Porque combatemos: É preciso compreender a verdade”. “A verdade na Europa!”
    Fonte: Revista Sinal, 1944.

  12. Estive a ler o Vital Moreira no “Causa Nossa”. Este homem torce a realidade do “resgate (s) grego(s)” exactamente como Cavaco/Passos/Portas se fartam de torcer, sem pudor (muito menos sem um mínimo de rigor) a realidade de como chegamos ao “resgate português” (ou irlandês, espanhol, cipriota). Um “prof” universitário tinha obrigação de^fazer um esforço para descortinar a verdade para além da espuma das coisas. Vital desceu à reles vulgaridade. Não se admirem de o verem, um dia destes, ao lado da troika lusa Cavaco/Passos/Portas no sermão do crime e castigo dos países e povos resgatados. Como penas o Vital Moreira que a Gr’ecia ou Portugal se vâo safar com a suas dívidas astronómica, depois de a troika lhes ter rebentado com a economia, através da imposição de um programa austeritário de suicídio? Pois é, prof Vital, o senhor não pertence ao grupo medonho dascentenas de milhar que emigraram à força e perderam o emprego. O prof fala assim, refastelado no milionário vencimento de eurodeputado. Emigrou montado numa mula com arreios de ouro. Agora é a vez de lhe dizerem a si: um pouco de rigor, sff. E um pouco de vergonha na cara.

  13. e depois do adeus apresentamos o estado islâmico a que isto chegou.

    “Então não tens tacho.
    Estás aquí por amor a quê ?
    Ao Sócrates ?
    Porquê ?
    És homessexual ?
    Ele passou legislação favorável aos gays e lésbicas.
    Sabes o que és ?
    Um merdas !
    E um triste !
    Sabes que mais te digo ?
    Que culpa tem a lei, que o sujeito seja, no mínimo, suspeito de corrupto ? “

  14. oh abrileira, o vital era comunista e comunista será sempre filho da puta, independentemente do partido que milita.

  15. ó numbejonada, larga o tintol! estulto salazarista de merda!

    Atão, a Alemanha financiou-se hoje nos mercados com juros negativos…
    Isto tá lindo!…

  16. fazer broches à direita:
    . chumbo do pec4
    . coligação loures
    . tio jeropinga cada vez que abre a torneira para dizer mal do ps
    . juízes e magistrados comunas
    . colaboração de panascas comuna na casa pia para tentar envolver o ps
    podia ficar aqui a tarde inteira a desfiar o rosário, mas tenho mais que fazer.

  17. ” e comunista será sempre filho da puta, independentemente do partido que milita. ”

    como é demonstrado, com outros trânsfugas e filhos da puta comunistas, que se transferiram para o albergue espanhol,

    Pina Moura, António Magalhães, Mário Lino

    ue

  18. ó estulto salazarista, estulto és tu, tá beie?

    marreco, democrata marreco, xuxa coxo, comuna desviado, esquerdalho, ignaralho, vai apanhar bolotas e distribuí-las pelos camaradas. É nutritivo e pode ser que se te abra o cérebro, tá beie?.

    Oqueie.

  19. silva marques, zita seabra, patinha antão ou celeste cardona, para não falar dos camaradas que vieram das franjas como o pacheco e durão, tudo coisa fina com provas dadas.

  20. grato pelo esclarecimento.
    devo então concluir que a sugestão para que enfies a torradeira pelo cú acima e empurres com a tosta está fora de questão ?

  21. “… devo então concluir que a sugestão para que enfies a torradeira pelo cú acima e empurres com a tosta está fora de questão ?”

    ganda piada, muito bem esgalhado.

  22. Ai, ai, ai, e o cálculo do GUTERRES em frente à telebisãoe? Hum? Bamos lá completar a gargalhada.Lol. Lol. Lol.

  23. Esclarecimento à navegação – quem é useiro e vezeiro em práticas condenadas pela Bíblia é o IGNATZARALLHO mor. oqueie

  24. bem se podia mudar o nome do tema inicial, para, A HECATOMBE DE IGNATZ

    Então agora é à apanha-cavacos ?

    Começou com chuva dourada, depois mudou para fellatios, saltou para dupla-penetração com comunistas enfiados nos dois lados, agora é à apanha-cavacos .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.