A chave pode estar no Chavismo

Chávez vem aí e eis o que pode acontecer: compra-nos o segundo submarino e paga-o com petróleo. Como se prevê que o crude suba em 2011, acresce ao valor da venda a futura poupança. Isto resolveria o problema das contas para 2011. Em 2012, havendo necessidade de receitas extraordinárias, podemos propor-lhe um pacote que inclua os estádios do Euro que estão ao abandono, o jornal SOL, o Parque Mayer, o PCP e o Crespo.

16 thoughts on “A chave pode estar no Chavismo”

  1. A compra do segundo submarino seria uma excelente ideia, não fora a muito alta probabilidade de, em questões militares, o homem ter um contrato exclusivo com a Rússia… Quanto à compra do PCP, o preço seria tão baixo que seria irrelevante. Pior, seríamos nós a implorar que no-lo comprasse.

  2. Eu também venderia tudo isso menos o PCP. Não só pelo pouco valor que lhe atribuiriam mas por outra razão: como é que a gente depois se divertia com as anedotas do Jerónimo que até faz rir as pedras da calçada. Então o homem agora não é contra a privatização de algumas empresas públicas? Diz ele que o que é público é nosso. Mas para que é que nós queremos a RTP que só dá prejuízo? Se eu não viajo de combóio porque raio tenho que pagar os prejuízos da CP? E por aí fora!!! O homem só engana os tolos.

  3. Penélope é avaliadora?
    Se por acaso é a sua profissão, errou porque ser avaliador significa ser independente e não fantasista.

  4. jojoratazana: Somos todos avaliadores uns dos outros, você também. Acabou de me avaliar, concluindo que não sou independente.

  5. E não podemos juntar ao pacote algumas centenas de pavilhões espalhados por todo o país que só servem para dar o baile anual do lugar. Ou outro tanto de rotundas devidamente alindadas que temos aí espalhadas por todo o lado e que tão úteis foram para desenvolver o nosso hobby empresarial da jardinage e bricolage mas hoje são um fardo pesado no orçamento. Se o Chávez alguma vez sentir uma ponta que seja de falta de popularidade pode ter a certeza que tudo isto é produto certificado: não faltam neste país autarcas eleitos à pala destas brincadeiras.
    Se formos bem a ver, quais cá renováveis, o que não nos falta é material capaz de nos garantir décadas de auto-suficiência energética. O Medina, a Fleite e os Xicos, o Balsemão e o Lopes, não. Esses ficam cá para nos atrair o turismo histórico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.