Pensamentos para o serão

Escrito a meio de ler «Como se morre, Adolfo?», poema de Jorge de Sena, de 1972, à memória de Casais Monteiro:

Um dia acordarás
dizendo esta coisa
«olha, estás vivo».
Será uma coisa nova
que nunca ninguém te havia dito.
E assim todas as manhãs.
Chuva ou sol.

Até ao dia em que
estupidamente
ninguém houver para
dizer-to.

8 de Março de 2007

2 comentários a “Pensamentos para o serão”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *