Sócrates – uma sugestão ousada, proveitosa para todos e boa para a indústria cinematográfica

Depois de ler mais um (longo) artigo do Observador em que se explana mais uma tese do Ministério Público sobre grandes crimes cometidos pelo ex-primeiro-ministro (as teses saem agora regularmente na imprensa), apetece-me dizer como o autor do blogue “Ouriquense” – o «Eremita», que li há dias – “O homem que fuja e o Estado que o deixe fugir” (formulação livre, minha).

Eis o original:

Com o povo e a imprensa de referência convencidos da culpa de Sócrates, se no fim não houver condenação não será apenas a reputação da Justiça a ficar comprometida, mas também a da imprensa e de toda a sociedade. Se Sócrates se safa e for o último a rir, a vergonha colectiva paralisará o país como nem no sonho mais húmido de Arménio Carlos. Como nos podemos precaver deste desfecho? Não podemos. Mas Sócrates pode ajudar-nos. Como? Fugindo do país. A fuga de Sócrates é o cenário que minimiza as perdas. A Justiça seria reabilitada, pela confissão implícita de culpa, e a aparente falta de competência do foro policial para impedir a fuga de Sócrates seria muito mais tolerada do que a eventual incapacidade do Ministério Público em fazer prova. Os jornais seriam poupados à humilhação que seria Sócrates sair em liberdade, depois de tudo o que se andou a escrever. E o povo veria engrandecida a dimensão romanesca de Sócrates, logo imortalizada num biopic popular e esquemático realizado por Leonel Vieira, sem um final ambíguo – para grande frustração dos indefectíveis de Sócrates – em que a hipótese de perseguição política não seria definitivamente descartada. Sócrates deve fugir e o Estado, sem nunca o admitir, deve facilitar a sua fuga. Não há desfecho mais vantajoso para Portugal e os portugueses.

Fim de citação.

De facto, se são os argumentos que tenho lido os que dão corpo às diversas acusações, para o MP não passar pela vergonha de os ver ridicularizados, mais valia ter a boa sorte de não julgar o acusado. A tese da “obsessão pelo controlo da comunicação social”, tema da peça do Observador, obsessão que alegadamente começa a manifestar-se na “Gazeta do Interior”, é ocasião para boas gargalhadas. Pela inépcia do “criminoso” e dos seus desajeitados cúmplices face a tão gigantesco objectivo e pela seriedade com que a dita tese se leva a si mesma. São fascículos cómicos, que leio com prazer.

10 comentários a “Sócrates – uma sugestão ousada, proveitosa para todos e boa para a indústria cinematográfica”

  1. O MP não tem necessidade de apresentar grandes provas, basta-lhes um enredo mal parido e os juízes certos no julgamento.
    Aprendi há pouco que a primeira preocupação de muitos advogados é saber QUEM vai julgar os eu cliente e isso diz tudo sobre a nossa justiça, não diz?

  2. Ó “eremita” essa da fuga já foi tentada na hora da prisão de Sócrates, precisamente, pensada mediatizada para ser atribuída uma culpa de tentativa de fuga,
    Só que os Teixeira & Cia são tão cheios de ódio de vingança, e que lhes apaga a inteligência, que nem se aperceberam do paradoxo lógico que é alguém querer fugir quando entra no país fazendo constar que embarcou para se defender de acusações.
    Portanto, desse lado, os Teixeiras todos desde os da imprensa a começar pelo “cm” até aos magistrados, bem podem esperar que o homem não só não tem medo nem foge como agora faz questão de honra ser julgado e defender-se no tribunal.
    Podem, contudo, à boa maneira de pistoleiros, simular uma fuga para obter uma “prova” como antigamente os ditos pistoleiros se ilibavam perante o disparo pelas costas.

  3. acho que sim , tem futuro . uma espécie de Jean-Claude Romand da política , em lugar de pessoas assassina países. e , aliás , pode ganhar uma pipa de massa legal a vender os direitos ou isso.

  4. Cheguei a temê-lo e escrevi-o aqui: abatido,quando tentava evadir-se! Já o fizeram com a Rosa Luxemburgo,nem coravam se o repetissem! Mas o maligno José Estaline foi a Berlim, em 1945, dar-lhes um recadinho ao ouvido! Ainda hoje a direita se arrepia,quando lhe relembram esse lance.

  5. O tal Eremita escreveu o seguinte, em resposta a um seu leitor:
    “A minha convicção sobre o caso, tendo em conta os factos já dados como provados e até admitidos por José Sócrates, bem como as suas mentiras e explicações muito pouco verosímeis, creio que o mais provável é ele ser culpado, sim.”
    É isto que a generalidade das pessoas pensa, e não apenas os leitores do CM. Tivemos um primeiro ministro que é um mentiroso e mais umas coisas que os psiquiatras explicarão.

  6. Sim, tivemos um primeiro ministro sinistramente vergonhoso e corrupto que mentiu com Bush, Blair e Asnar para promover uma impostura universal como fundamento de uma declaração de guerra miserável e obter uma presidência da UE a troco do abandono do país e dos portugueses.
    O mesmo voltou a mentir miseravelmente quando até à última hora garantia o apoio à candidatura de Vitorino para UE e nas costas deste já andava a negociar com os amigos da reunião dos Açores, citados acima, a retribuição do apoio por si dado na referida reunião de guerra.
    Sim, também tivemos um PR que até inventou umas inacreditáveis idiotas mentiras de “escutas” de Belém por S. Bento para promover um golpe político de derrube de um governo legítimo. E outras, muitas.
    E sim, tivemos um primeiro ministro que fez toda uma carreira política e depois uma campanha eleitoral totalmente com base em mentiras. A maior das quais foi dizer ao povão que não sabia de nada acerca do PEC IV horas depois de estar reunido durante 4 horas 4 a tratar do assunto e de ser pressionado pelo maquito António. Nesta mentira que obrigou à vinda da troika como protectorado (Portas dixit) também o mentiroso Cavavo colaborou à grande e este, por sua vez, teve a colaboração do corrupto e mentiroso Durão, que em Bruxelas acordara tudo a mando da Merkel e falava e punha Cavaco ao corrente de tudo, ficou-se em copas e deixou passar as mentiras de “eu não sei de nada” que a imprensa vendida logo fez eco.
    Nesta mentira, a mais gravosa para o país de que há memória, colaboraram contra Portugal três portugueses: um PR, um Presidente da UE e um futuro PM. Este, depois como PM, continuaria a dirigir o país sempre omitindo e mentindo como se fosse essa a sua natureza.
    Foi obra,

  7. Já agora lembrar que a corja de mentirosos teve a preciosa ajuda das bancadas da “esquerda ignorante e anti-Sócrates” a mesma que agora apoia o socialista mais brando Dr. Costa.
    Até lhes ser conveniente.
    Quanto ao kitsh, kitsh, kish, das beijocas e das cenas neo-realistas com lágrimas de crocodilo em directo já recuperou o seu verdadeiro papel porque :
    – convém ao seu partido de incapazes-para-política-com-verdade.
    Este país não é para gente inteligente.

  8. O Sr. Sócrates depositou, depois de ter sido preso, cento e tal mil euros na conta da ex.
    Então ninguém tem nada a dizer acerca destas declarações injustas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *