O estado de desgraça da imprensa

Não se consegue ler um único jornal e muito menos artigo de opinião por estes dias. Para além dos já conhecidos “cães raivosos”, como os residentes e passistas ferrenhos do site Observador, o João Miguel Tavares, no Público, os directores, subdirectores e colunistas do Expresso, os directores, subdirectores e afins do Público,  os inqualificáveis do Correio da Manhã e os da dupla siamesa Sol/jornal i, agora até o Baldaia, do DN, virou militante do CDS e o Paulo Tavares e o Anselmo Crespo, do mesmo jornal, para lá caminham e com a bandeira do PSD. No JN não se quer perder o espírito do tempo e acompanha-se o disparate. E não é que até o Pedro Adão e Silva anda a perder o bom senso e o concomitante interesse? (é frustrante ouvi-lo na RTP3). O Daniel Oliveira. sem abdicar do tom hipercategórico que sempre utiliza, anda um pouco à toa.

Caros leitores, sintam-se livres para acrescentar nomes à lista. Deve ser fácil.

Ah, esqueci-me de dizer: tudo porque houve um incêndio particularmente devastador e mortífero e porque, por incúria das forças militares e por incompetência/desleixo/indiferença da PGR, desapareceram armas em Tancos.

18 comentários a “O estado de desgraça da imprensa”

  1. “… tudo porque houve um incêndio particularmente devastador e mortífero e porque, por incúria das forças militares e por incompetência/desleixo/indiferença da PGR, desapareceram armas em Tancos.”

    o golpe de estado das corporações está em marcha há muito tempo, com pedrógão entrou na fase agitprop, brevemente iremos ter manifestações sindicalicaleiras da justiça, forças armadas e da enfermeira cavaca. claro que os lambebotas da comunicação social tinham que surfar a onda reaccionária e contribuir para o peditório da direita. a geringonça já está ser investigada pela vidaleira e o costa vai em breve ser acusado de downburst.

  2. … quanto ao Golpe dos magistrados e juízes … o camarada Jerónimo lava daí as mãos e entrega o rojão ao Costa. Estranho, muito estranho. Que tenham medo de ir dentro compreendo, mas … esta cobardia não era costume entre os comunas.

  3. Ó Penélope, esqueceste-te da merda de artigos que na maioria das vezes vocês linkam aqui no Aspirina B, de repente:

    João Lopes
    Marco Capitão Ferreira
    Isabel Moreira
    Daniel Proença de Carvalho
    Fernanda Câncio, às vezes mas poucas
    Não Sei Quê Paz, da percura à Trump avant la lettre
    Não Sei Quê Mesmo, o anafado que tem olho para as gaijas
    Cábulas vários que arrastam os esqueletos pelo DN

    … o lote dos tipos a quem tu e o Valupi engraxam os sapatos parece não ter fim, como vês.

  4. E não estarão eles muito bem orquestrados, numa central (mais uma) passista (e respectiva tralha), com os óbvios objectivos de levar à queda do Governo e ao desgaste do Presidente “catavento”, para impedir a sua reeleição? Até aposto quem é o coordenador de tal centra, caso exista.

  5. Será que os incênddios e as armas de tancos, foi imaginação dos jornalistas dos direitolas, só para lixar os secretários de estado que foram jogar à bola para Paris?

  6. Ó Eric, é isso que tem para apresentar? Quatro nomes escolhidos a dedo, sendo que pelo menos Proença de Carvalho não é propriamente conhecido pelo seu posicionamento “esquerdista”?… Quatro nomes com pouca ou nenhuma relevância mediática? Face a um panorama de quase total omnipresença dos “da cor”, seja na imprensa escrita, radiofónica ou e sobretudo televisiva? Isto, claro, para não falar do claro alinhamento tendencioso da agenda mediática, facilmente verificável, por exemplo, nas televisões? Nunca se deu ao trabalho de gravar os telejornais, ou pronto, de fazer zapping, ou está a gozar com a malta? De que toca saiu você, Eric?,… Do blog, perdão, jornal “Observador”?…

  7. Pseudo-jornalistas de sarjeta; jornais: esgotos a céu aberto.
    Ainda continuam a chamar a isto comunicação social?
    Há muito que deixei de ler jornais, não obstante há 30 anos atrás ser leitor assíduo de 2 diários e 3 semanários e, quanto a noticiários televisivos, somente en passant. Debates com aquela gente que os frequenta como paineleiros, muito obrigado mas dispenso. Felizmente, existem muitos outros meios de nos mantermos informados com mais imparcialidade.

  8. O melhor comentário político da praça portuguesa é escrito por anónimos, aqui no Aspirina, autores e comentaristas, e no facebook da Truques da Imprensa Portuguesa. Uma série de casos revelaram o mainstream mediático português na condição de lixo.

  9. Tudo só porque ocorreu o mais mortífero incêndio florestal do mundo e o maior roubo de armamento nos países da NATO. Fazem logo um alarido que eu sei lá.

    Isto na Coreia do Norte nem se comentava.

  10. Os cortes, perdão, as cativações incidiram, mais de um terço, em dois ministérios que têm orçamentos pouco significativos: MAI e Defesa. Estes dois ministérios juntos levam 4 mil milhões (o do trabalho leva 20 mil milhões, o das finanças 10 mil milhões, o da saúde 9 mil milhões, o da educação 6 mil milhões, e por aí fora). Desse valor cerca de 80% (percentagem transversal em todo o orçamento) é para ordenados. Facto insólito que um senhor que faleceu esta semana apontava com preocupação. Sobram portanto, para gastos com tudo o resto nestes dois ministérios, cerca de 800 milhões. E é neste bolo que sua alteza vai cortar, perdão, cativar mais de 300 milhões. Coincidentemente foi nestas duas áreas que aconteceram os dois episódios mais tristes, vergonhosos , patéticos e sem precedentes em todo o mundo ocidental.

    Um rapazola (funcionário público, ora pois) dizia-me assim ontem: olhe mas pelo menos não cortaram nos ordenados. Merecia um comentário dez vezes maior que este. Mas nem valeu a pena. Quem responde assim tem a responsabilidade de uma criança de 2 anos e a inteligência de um gafanhoto. É deixar viver e ver o embate. É segurarmo-nos bem para quando o carro bater na mesma parede da Venezuela. É ensinar bem o inglês, o francês e o alemão aos nossos filhos para que possam fugir.

  11. Ó Galuxo, deves ter vários problemas.

    Os postantes anónimos e escrevem merda e que andam política e socialmente perdidos (do mais vê-se pelas referências que eu apresentei ontem: para lá do snobismo andam culturalmente vazios). Não se fazem rogados, portanto, e em noventa e cinco por cento das vezes escrevem merda.

    Como os links que servem às refeições e que são outra merda. Aquilo que deveria ser um lote seleccionado, porque é por aqui nomeadamente que se percebe a sua mundivisão, não passa de produto cortado para os otários que, por dependência, contam os trocos e compram, o fumam e metem nas veias toda a merda porque para eles é indiferente. Aliás, vendo bem, o Aspirina B é mais como uma dose que antecipa ou que substitui a fominha e a necessidade biológica das refeições.

    Mas o que tu escreves é ainda pior, não admira assim que e apresentes nesse estado deplorável.

    Post sem e. Carlos com um apelido à menino do CDS: aprende a ler ou aceita uma ajudinha de quem te quer bem: «Caros leitores, sintam-se livres para acrescentar nomes à lista. Deve ser fácil.», ontem e hoje, limitei-me e limito-me a pisar por cinco minutos a merdice que faz o quotidiano do Aspirina B.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *