Não é burro*

trump-em-1998 15034961_349600105392538_7225545914398539776_n

++++++++++++

De acordo com alguns leitores, tal afirmação nunca foi proferida por Trump. Segui o link aqui deixado e parece-me credível. Tal não impede, porém, e isto é uma maneira de corrigir as coisas bastante trivial, que eu ache que, se não disse, poderia ter dito. Mas, se não disse, não tenho dúvidas de que o pensou. É facílimo imaginá-lo a fazer uma aposta em como vai dizer tudo o que lhe apetece, verdades, mentiras, insultos, ofensas, ameaças, o cardápio completo de incorrecções, e vai ganhar as eleições. Foi o que aconteceu. Assim, mantenho que não é burro, que seguiu um capricho e se divertiu à brava com o resultado. Agora, o mais provável é não fazer nada do que andou a apregoar e faz sentido que tenha já anunciado que a América vai ser um enooorme estaleiro de construção civil. É o seu negócio, afinal.

31 thoughts on “Não é burro*”

  1. tão bom isto acontecer na América , no exemplo do mundo . agora só os mesmo burros cntinuarão a acreditar no belo poema do Valupi acerca da democracia representativa : “A invenção da democracia e o caminho feito na dignificação da condição humana mostram que é a inteligência da união no essencial que nos conduz da animalidade para a civilização.” com a Killary , a mulher do sistema corrupto mas abençoado pelo merdia a coisa continuava no lusco fusco . agora com isto , já não dá para disfarçar que a democracia representativa é uma grande treta defendida com unhas e dentes por quem mama dela.

  2. Para mim, a maior ironia é que continuo convencido que Bernie Sanders nunca perdia para isto. O que não deixava de ser um paradoxo ainda maior na América. Mas sou só eu que continuo convencido. Na verdade factos que apoiem a minha teoria só as primeiras sondagens. E as últimas falharam em toda a linha. Talvez porque o voto em Trump é tão irracional que até envergonha quem votou no porco narcisista. Não por acaso Trump só esmaga nos Estados com menos escola.

    p.s. Não chegava no Sporting. Que Mundo. Dá vontade de pedir desculpa e sair.

  3. “… continuo convencido que Bernie Sanders nunca perdia para isto.”

    se a minha avó não tivesse morrido, ainda hoje era viva e fazia 125 anos.

  4. comparar trump a le pen ahahahahha
    só rir, que alucinação,
    não fazem a mínima ideia do que se passa e sao incapazes de perceber os EUA.
    os EUA não precisam de eleger nazis nem neonazis nem ditadores para resolverem os seus problemas.
    políticos inteligentes e com a categoria de costa saberão ler e aprender com trump.
    vermes tipo schauble, merkel e hollande podem de facto estragar isto tudo, mas não passarão.

  5. first BREXIT, then MAGA, now let’s knock the hell out of isis.
    home of the brave and land of the free.
    globalismo foi uma puta que o pariu.

  6. a adenda ao post é de uma miséria intelectual que tolhe.
    mas é normal que as pessoas tenham estes episódios de paranóia.
    depois sossegam.
    ainda estão na fase da negação.
    aceitar que hillary morreu politicamente não deve ser nada fácil.
    estas pessoas tinham as melhores intençoes com a eleiçao da escroque, eu sei.
    temos pena.
    mas era uma criminosa que ia levar os eua e o mundo ocidental à ruína.
    certo é que nao podia passar.
    e nao passou.
    foi vencida.
    democraticamente.
    estrondosamente.

  7. Bem, a parte mais fácil já tá, a do reality show. vem a parte mais difícil, walk the talk, daí a converseta das obras publicas para tentar cumprir a promessa de novos empregos. So que isso já não funciona neste tipo de economia e a perda de empregos vai continuar, dentro de 4 anos tem 2 problemas: o desemprego e a bolha de cidades casino fantasma.
    E é verdade que não é burro, infelizmente é um elefante.
    O que é curioso é que o momento que vivemos tinha tudo para ser um el dorado para a esquerda, e não o é porquê? Dá-se até o caso de ser a esquerda a que menos contesta o sistema favorecendo a inversão do discurso pela direita, assim, a direita tem na mão o sistema e a narrativa de “contestação” ao sistema. All mixed up.

    https://m.facebook.com/mmflint/posts/10153913074756857

  8. Qual direita Joe Strummer? Chama-lhe antes populismo. A maioria dos republicanos nunca quis nada com Trump. Que até nos negócios nunca passou de um autêntico escroque com não sei quantas falências às costas. E internacionalmente é melhor nem dizer nada. Fizeram foi muito pouco para impedir a nomeação. E às tantas os democratas ainda fizeram pior com o único candidato válido fora do sistema. Batota! A maior parte do mundo ocidental já percebeu onde o actual sistema nos conduziu a todos. Com republicanos e democratas na Casa Branca. A globalização financeira só favorece meia-dúzia de pessoas em todo o mundo e o resto da população já percebeu muito bem que caminho não quer continuar a trilhar. E mesmo nós, ainda agora com o acordo UE/ Canadá?! É só empregos e os diferentes Estados Nação Europeus nem sequer podem levar as multinacionais a tribunal?! O que é isto? O problema é que a história diz-nos que das muitas vezes que chegamos a estas encruzilhadas algumas vezes ainda conseguimos seguir por uma estrada pior. Como foi hoje o caso na América e se calhar amanhã na Europa outra vez. A ignorância é sempre uma coisa tramada.

  9. Achas que os valores de Trump são o que, de esquerda? E os de Marine LePen e por essa Europa fora? Este novo pop nasce da deserção do discurso da esquerda em favor dos excluidos, a direita pegou nos mesmos temas e mudaram os símbolos aproveitando a ira e o ressentimento provocados pela crise e as consequências da globalização e do novo tipo de economia.

    A maioria dos Republicanos apoia agora Trump pois foi ele que os levou à vitória, a direita segue sempre o líder seja ele qual for, desde que ganhe e lhes assegure os lugares. Ainda ha pouco Paul Ryan disse isso mesmo, o partido está unido bla bla.

  10. Agora percebe-se melhor a escolha de Guterres para a ONU . Por outro lado, a quantidade de hostias e vinho que com que vai ter que se precaver de cada vez que falar com o Trump, Putin, Erdogan, Marine e outros fascistas, abre oportunidades de negocio na área da velha economia.

    “The dawn of a new era, It’s all about God’s economics not rigged voodoo economics.”
    (Melicias Inc.)

  11. Pois é meus irmãos, depois do BRexit chega o Trump . É o regresso das nações e o princípio do fim dos queridos ” mercados” .
    A esquerda europeia tem muito a prender com estas eleições se nao quiser ser arrogante e dizer que não passa tudo de populismo . A continuar assim ausente , a esquerda deixará a direita capitalizar o descontentamento dos povos .

  12. Joe Strummer,

    O Trump é a total ausência de valores e se for preciso faz a circunferência em 24h. Como o ódio aos imigrantes, a sua mão-de-obra favorita. Ou a missa com a vaca da Palin. E eu não tenho dúvida nenhuma que só foi eleito porque foi encarado pela maior parte dos seus votantes como alguém completamente fora do sistema. Nem direita nem esquerda. Que foi aliás a grande causa da derrota da Hillary – o establishment em pessoa e em quem as pessoas deixaram simplesmente de acreditar. E sem querer reivindicar nenhuma bola de cristal o que eu julgava impossível em Trump era a nomeação. De uma vedeta da televisão porque é só isso que ele é.

    A Le Pen é extrema-direita. Onde tudo o que o Joe diz faz hoje realmente muito sentido. Tanto como no discurso da extrema-esquerda. Daí a popularidade dos dois extremos e a insurreição contra o sistema ou o centro-esquerda/ centro-direita. O editor do Financial, Wolfgang Münchau, explica isto tudo muito bem ainda esta segunda-feira no DN. Inclusive aponta claramente para a solução do centro-esquerda. Daí também o problema do populismo, que apela sempre ao coração e ao ouvido das pessoas. Daí o papel fundamental de uma boa instrução, que permite sempre separar o trigo do joio.

    Perante este cenário todo ainda se torna mais engraçado tudo quanto se foi dizendo sobre a nossa geringonça. Quando muito provavelmente temos a melhor solução de governo a que podíamos aspirar hoje. Espanha nem isso. E que senão faz mais muito se deve à actual UE. Porque o dinheiro para o investimento público ainda não cresce nas árvores.

  13. Trump sempre foi de direita não era agora que deixava de o ser, o facto de ter sido eleito como anti-sistema não faz esse facto menos evidente. Do que se tratou foi o aproveitar de uma onda, as pessoas estão zangadas e decidiram canalizar a zanga através de alguém sem conotação directa com a sua situação. Provavelmente pelo menos metade deles sabem que ele não vai resolver nada nem cumprir com nada mas fizeram-se ouvir e, muito importante, viram validados os seus preconceitos. Voto de protesto e vingança.
    As pessoas não deixaram de acreditar no establishment senão não votavam e convem realçar que Hillary teve mais votos que Trump mas a sua declinação através do sistema federal americano deu a este mais delegados. A rigged system.

    O que Munchau diz ja foi dito muitas vezes, o problema e que os politicos tem que fazer o possivel e os comentadores e os intelectuais pedem sempre o ideal depois das coisas acontecerem. É fácil demais para terem a minha modesta e singela atenção.

  14. Reacções previsíveis.

    «Se não disse, podia ter dito», «se não fez, foi como se tivesse feito», são fórmulas que representam adequadamente as novas categorias de indigência intelectual considerada politicamente (e judicialmente) correcta.

    Outro exemplo típico, comparável à falsa afirmação sobre «a destruição de Israel» imputada ao iraniano Ahmadinejad é o já famoso (e falso) pronunciamento trumpiano «se fôr eleito, mando-a prender».

    E quanto mais fechadas na miséria das suas caixinhas ideológicas mentais, mais cegas ficam as vítimas a realidades como esta:
    https://www.youtube.com/watch?v=DAZ4DlP7m9A

  15. o gajo cantava lock her up nos comícios e disse num debate que se ele fosse presidente ela estaria presa. mas aqui o gunguzinho diz que é mentira.
    foi alucinação colectiva!

  16. Independentemente da personalidade de Trump, o fenómeno social que está na base da sua eleição deveria ser bem conhecido. Em duas palavras: a classe média, perdendo o orgulho da sua ética de trabalhador (tão frequentemente atacada e destruída pela precariedade, pelo neoliberalismo) mas, ao mesmo tempo, iludida e envaidecida por sentimentos pequeno-burgueses, é confrontada com uma diminuição do seu status social e empobrecimento. Mas falta, a essa classe média, ferramentas teóricas que lhe permitam compreender a sua realidade. Como escreveu José Saramago, em “A Caverna”, ela jaz agrilhoada na caverna de Platão. Por isso revolta-se e dispara em qualquer direcção, por onde vislumbre uma réstia de luz que lhe prometa um fim para os seus calvários.

    Vejo muitas pessoas a falar demais. Vejo também que os marxistas estão calados, e ficaram realmente assustados com estes desenvolvimentos. Têm válidas razões para tal, fundadas na história do século XX.

  17. repito a leitura: é o já famoso (e falso) pronunciamento trumpiano «se fôr eleito, mando-a prender»

    ver o video do debate: “Clinton said it was “awfully good” that someone with the temperament of Trump was not in charge of the law in the country, provoking another Trump jab: “Because you’d be in jail.””

    mandar-te foder: “vai pro caralho, propagandista de merda!”

  18. começou a prometer muro,
    depois foi ao méxico dizer que não havia muro,
    quando voltou garantiu que o muro era pago pelos mexicanos,
    agora eleito diz que vai lançar o maior investimento de sempre em construção civil nos estados unidos.

  19. @Importa-se de repetir

    Convém lembrar que, no nossa país, fizeram aquilo que pensas impensável, nos Estados Unidos: prender José Sócrates durante mais de um ano, sem culpa formada nem acusação que se conheça. O problema deste tipo de propaganda é que às vezes, à força de tanto repetir, as “soluções” simplistas ganham vida própria, independente da intenção inicial do autor.

    Infelizmente, os Clintons foram altamente responsáveis pelo “progresso” do neoliberalismo norte-americano, esse mesmo neoliberalismo que agora provoca uma reacção popular muito adversa. O Partido Democrata arrastou o prestígio da esquerda pela lama, o que abre agora as portas do poder à direita extremista.

    Trump mostrou o mesmo tipo de inteligência política dos ideólogos de Passos Coelho, ao erigir os Clinton como o símbolo de toda a corrupção nos Estados Unidos. É a política do bode expiatório, também aqui tentada com a humilhação pública e prisão de José Sócrates. A eleição do bode expiatório permite ilibar o resto das elites das suas responsabilidades no estado do país.

    No nosso caso, o linchamento político de José Sócrates pretendeu ilibar Cavaco Silva e o sector financeiro, de terem submetido o país a um processo irreflectido e irresponsável de adesão apressada ao euro.

  20. @ele nunca diz, vai sugerindo
    Pois, pois, mas os mexicanos vão ter que ter que se precaver. Em guetos, já vivem confinados. Agora, a ameaça permanente de deportação é o que os espera.

  21. O mais lindo vai ser quando a fractura começar a ficar exposta … !
    Quando a terra se começar a separar entre a Califórnia e a América “profunda” ou entre os Estados do Norte da costa Leste e a mesma América “profunda”.
    E depois nunca se esqueçam que o desporto favorito dos “maricanos” sempre foi o tiro ao alvo aos presidentes. E não foram só os democratas que levaram com uns balázios. Eu lembro-me de o cowboy dos filmes também ter apanhado. Ah, pois é !
    Aquilo por lá não é ir estender roupa à Cova da Moura …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.