Prós e contras

O programa que ontem à noite animou a RTP 1 proporcionou-me uma das experiências televisivas mais divertidas da minha vida.
O espectáculo foi entregue a meia dúzia de mentes brilhantes que supostamente iam discutir a alma lusa ou coisa que o valha. O professor Adelino Maltez ficou com o papel de dizer umas banalidades isentas de conteúdo com voz ribombante e condizente expressão grave e intensa; acabava uma frase — invariavelmente sem conclusão — e ficava a olhar com ar de mau para as câmaras e para os comparsas, não fosse algum ter a ousadia de lhe perguntar o que queria afinal dizer. Clara Pinto Correia entretinha-se a demonstrar a sua erudição com umas historietas medievais e a falar dos filhos a propósito do estado deplorável do ensino, do bom que é morar no Bairro Alto, local onde as crianças podem brincar à vontade na rua (talvez a ver qual encontra mais seringas), da maravilha que foi ir a pé a Fátima (pobres petizes). Um padre velhinho muito simpático dava ideia de se ter enganado no estúdio: quando lhe perguntavam qual devia ser o perfil do próximo PR, falava de Goa. Um senhor publicitário discorria sobre a falta de gravatas do primeiro-ministro japonês e sobre a miséria que é a “marca” Portugal.
Como guardião da racionalidade ficou, imagine-se, Nandim de Carvalho, que teimava em remar contra a maré e tentar dizer coisas com sentido. Jacinto Lucas Pires, ao longo de todo o programa, não conseguia reprimir um sorriso incrédulo.

13 comentários a “Prós e contras”

  1. Eu que sou contra a pena de morte, abria uma excepção com a Fátima Campos Lima ou Ferreira ou qualquer coisa…a mulher começa com os apartes a despropósito e eu já estou à procura do lança-chamas…

  2. bolas, viva o Jacinto vivo, por momentos pensei tratar-s de mais um momento de espiritismo eleitoral. Qualquer dia temos todos de recorrer aos bons ofícios do padre Mário da Lixa, para desmistificar o ambiente

  3. Tanto quanto sei, a senhora depende fortemente das dicas que, duranre o programa, provêm da ‘regie’, quem lá está é o marido. Que seria dela sem o auscultadorzinho.

  4. Imperdoável a ausência de um fadista e um jogador da bola, já que sempre que se lembravam do que significa ser português lá vinha a Amália e Figo (note-se que a pantera já foi esquecida).

  5. O Sr Ramos de Almeida padece de qq doença! E porque tem demasiados rabos de palha devia recuar ao local de onde partiu!
    Não que deseje mal aos que o receberem, mas porque desinfectava aqui! A ignominia é coisa feia. A falta de chá..é perdoavel! Só que a sua não é a ultima!
    Passar bem!

  6. Esqueci o sr JVC ou JNN ou JCV ou lá o que é, que já esqueci. É do mesmo saco, porem, do sr R.de A.
    E por aqui fico, pois não se deve perder tempo com tão ruins defuntos…
    E andam bem rodeados!!!!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *