Uma galga “independente”

Não precisamos de aguardar por nenhum estudo, nenhuma avaliação, nenhuma auditoria, para saber que o Estado falhou. E eu quero acrescentar ainda está a falhar. Dez dias depois ainda está a falhar. Eu tenho conhecimento de vítimas indiretas deste processo, de pessoas que puseram termo à vida, pessoas que em desespero se suicidaram e que não receberam em tempo o apoio psicológico que deveria ter existido.

A besta que disse isto – que entretanto foi desmentido – é a mesma que propôs uma averiguação completa da tragédia, “tão depressa quanto possível”, por uma “comissão técnica independente”.

Para dizer a besteira que disse, Passos Coelho baseou-se apressadamente num boato que lhe foi passado pelo candidato do seu partido à câmara de Pedrogão.

Ficamos perfeitamente esclarecidos sobre a independência em que o gajo acredita. E também sobre a boa-fé com que propôs averiguações completas por uma comissão técnica. Para quê, se ele não precisa de saber nada para saber que o Estado falhou?

4 thoughts on “Uma galga “independente””

  1. Pergunto-me:
    Como é que Passos Coelho, que está na política há muitos anos, cometeu este erro crasso?
    Bem sei que a sua mulher passa por situação muito difícil, mas …
    É a solidão de quem está na oposição.

  2. Com tantos anos de pulhítica o doutor Passos Láparo ainda não sabe que o Estado
    somos todos nós e, na coisa pública mexem os políticos que são eleitos para trata-
    rem dos assuntos gerais do país!?!
    Deveria ter sido claro e apontar ao Governo todas as responsabilidades pelo desastre,
    dando como exemplo o que foi a sua des-governação, onde morreram muitos portugue-
    ses nas urgências hospitalares e outros em casa por falta de transporte que o seu minis-
    tro que nos tratou da Saúde com os cortes cegos … para além da troika!
    É preciso ter muita lata para se avançar com boatos e baixa política, com efeito, para lá
    de mais um tiro nas patolas, esta gentalha deve ser banida da política pois, nem mesmo
    com a vinda do inferno sabem ser honestos!!!

  3. mas a calúnia bem espremida dá que pensar a negro e esturricado: antes morrer (como?) do que no churrasco. como se suicidaria alguém com medo de assar? :-)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *