Nasceu uma estrela no firmamento laranja

Os débeis da carola gostam de se promover uns aos outros, porque se acham brilhantes, geniais e até engraçados. É só natural, quando a fasquia é tão rasteira.

Vai daí, o inconcebível Duarte Marques citou umas patacoadas do blogue do Cosme, um “professor universitário”, com aspas dos dedos dos pés do Bruno Nogueira. Com isso o Cosme conquistou celebridade imediata, graças também ao Louçã, que exibiu o animal na praça pública. O nome do pintas veio na capa do jornal i (A história do professor universitário mais odiado de Portugal) e até já passa na rádio. Ele está radiante! Ninguém o cala lá na Rua da Bainharia.

No post citado pelo Marques – que este depois pretendeu não ter lido, apesar de o ter citado – o Cosme expunha as suas “hipóteses” nazis para acabar com os seropositivos e com a pretalhada que atravessa o Mediterrâneo. Mediante abate sanitário, no primeiro caso, e a tiro, no segundo (três vezes sic).

Acusado de racista, fascista, nazi, imbecil, etc., este inacreditável ornamento da Faculdade de Economia do Porto respondeu com outro post, intitulado “Eu sou racista“, para que não restem dúvidas. Podia pensar-se que o Cosme tinha estado só a fazer graçolas indecorosas. Mas não. Ele defende e justifica mesmo o racismo com argumentos históricos e sociológicos, que certamente aprendeu quando se formou em Engenharia de Minas. E ainda declara que somos todos racistas como ele, só que não confessamos.

Explicou razoavelmente por que é racista, embora não tenha explicado a razão por que é imbecil. Mas isso seria impossível, dado que ele é mesmo imbecil.

Irá longe, este Cosme. E quanto mais longe da Faculdade de Economia do Porto, melhor. Como é engenheiro de Minas, talvez vingue na economia subterrânea.

Numa universidade americana, ele teria sido despedido no mesmo dia em que publicou os seus dejectos abomináveis. Aqui, a FEP “demarca-se do professor racista” e espera que a PGR talvez se lembre de fazer qualquer coisa, em consequência dos insultos racistas do Cosme.

69 thoughts on “Nasceu uma estrela no firmamento laranja”

  1. a porra é que o gajo é professor agregado daquela coisa e pagam-lhe para dar aulas, cuja qualidade não deve andar muito longe daquilo que pensa e escreve. foi preciso esta bronca para a faculdade dizer que ia averiguar o que se passa.

  2. Hum…é racista de cores ou de créditos políticos? Por aqui há uns quantos marrecos que não admitem a …diferença política ou social ou económica ou um outra, qual seja, a educação, a inteligência. p.e. o marreco aí de cima…

  3. Hmmm… «quanto mais longe da Faculdade de Economia do Porto, melhor»…?

    Interessantes estes conceitos de liberdade de expressão que despedem, multam ou prendem por «ofensas a comunidades». Obrigado por lembrarem de vez em quando o ponto de encontro do estatismo islâmico e do tolerantismo correcto (entre muitos outros ismos anti-isto e anti-aquilo).

  4. Aliás, para aqueles que acham que «afundar os barcos da pretalhada» foi uma ideia original do dito Cosme (que não conheço de parte nenhuma e ainda não tive oportunidade de ler), não posso deixar de sublinhar que é precisamente essa, sem tirar nem pôr, a resposta à invasão em curso que vários governos e a própria União Europeia estão publicamente a planear. Ou será que o tal Cosme sugeriu mesmo que os barcos deviam ser afundados com a pretalhada lá dentro? Convém sabermos de que é que estamos a falar.

  5. Fui procurar o que penso ser o post que tanto agitou os vigilantes anti-racistas e encontrei-o aqui:
    http://economicofinanceiro.blogspot.pt/2015/04/vamos-resolver-os-afogamentos-no.html

    E fiquei abismado — ainda não consegui perder essa capacidade! — com a desonestidade intelectual, ou às tantas simples histeria condicionada, de tantos queixosos e queixinhas.

    Como é possível não perceber que as duas primeiras estratégias consideradas pelo autor (Estratégia 1 – Mandar aviões para trazer as pessoas em segurança; e Estratégia 2 – Afundar os barcos e matar toda a gente) são ambas, como dizem os ingleses, tongue-in- cheek?!

    Por acaso ocorreu a alguém que a solução recomendada pelo autor seria a primeira? Então porquê a segunda?

    E por acaso não ocorreu a ninguém ler até ao fim? Citação: «Ainda há uma terceira estratégia mas é preciso deixar essa hipocrisia esquerdista de que quem chegar ao lado de cá é um cidadão de pleno direito, com igualdade de direitos face a nós que cá nascemos, mas quem não chegar ficando do lado de lá é um bicho».

    A cegueira é de facto alucinante, mas não é do autor do texto.

  6. numbejonada,ser racista em portugal,é renegar o passado. pelos vistos se os pretos falassem chines e fossem ricos, não havia racismo no nosso pais, e tinham direito ao cartão gould.

  7. oh nhanha, o que gostaste mesmo foi do contributo para a negação do holocausto, pouco tímido,dadas as circunstâncias, mas promissor.

    “Se consultarem as estatísticas sobre os judeus assassinados pelo Hitler no período 1932-1945, verão que, estranhamente, poucos judeus alemães morreram. Em 1946 viviam mesmo mais judeus na Alemanha do que viviam em 1930.
    É que, conhecendo os Judeus a sociedade alemã dos anos 1930, puseram-se em segurança (fugiram).”

    http://economicofinanceiro.blogspot.pt/2015/05/o-jogo-dos-afogados.html

  8. oh nhanha,

    1) o homem pode dizer e escrever o que quiser. mas a UP também tem o direito a escolher o que quer que esteja alojado nos seus servidores e no deu domain name

    2) portanto, achas estas frases normais vindas de um professor universitário:

    “o racismo e a inteligência são duas faces da mesma moeda”
    “A densidade será tal que toda a população de Lisboa caberá em 4 edifícios em volta da Avenida da Liberdade”
    “Então, se, tal como fazemos com os animais, se fizesse o abate sanitário de todos os infectados (0.5% da população mundial), a doença desapareceria da face da Terra recuperando-se em apenas 15 anos os 35 milhões de pessoas abatidas”

    imagino o que dirias se este gajo fosse professor dos teus filhos no secundário…

    PS – não consigo fazer melhor deixo aqui a melhor descrição do homem que já li :

    “Contudo, Cosme é importante. A sua relevância, no plano cosmológico mas também antropológico, e até filosófico, desvenda-se num livro de Giorgio Agamben recentemente traduzido entre nós, O Aberto. O Homem e o Animal. O ponto a reter para a compreensão cósmica prende-se com a leitura de Hegel feita por Kojève, em divergência com Georges Bataille. Neste debate, o Professor Cosme desempenha um papel essencial, ainda que involuntário, na demonstração inequívoca da tese de Kojève sobre a transição para um mundo pós-histórico em que «o Homem continua vivo como animal que se encontra de acordo com a Natureza e com o Ser dado. O que desaparece é o Homem propriamente dito, ou seja, a Acção que nega o dado e o Erro ou, em geral, o Sujeito oposto ao objecto». Quando estaciona o seu automóvel frente ao nº 80 da Rua Dr. Roberto Frias, indo perpetrar mais uma aulita na Faculdade de Economia da capital do trabalho, o Professor Cosme Vieira manifesta-se como encarnação ambulante do aniquilamento do Homem propriamente dito, sendo um sintoma, em carne e osso, do desvanecimento contemporâneo da oposição entre Sujeito e Objecto. Neste «epílogo» dos tempos, Cosme exprime a «negatividade humana», ou seja, o momento em que os homens voltam a ser animais. O docente portuense devolve-nos à animalidade grotesca, primordial. E a Faculdade de Economia do Porto, por sua vez, é o espaço em que se desenrola este fim hegeliano da História, razão pela qual bem merece ser ampliada em 6000 metros quadrados a nascente (na modalidade olímpica «metade para salas, metade para gabinetes»). Em O Aberto, Agamben refere-se também à distinção, introduzida por Bichat, entre a «vida animal» e a «vida orgânica». Cosme Vieira é um exemplo doutorado e agregado da hegemonia da vida orgânica. Ainda que escreva palavras (e com erros ortográficos), não produz argumentos, apenas segrega excreções. Apesar de habitar num andar mobilado na cidade do Porto, a sua vivência resume-se à de l’animal existant au-dedans, para usar os termos de Bichat. Mais do que um académico e professor de meninos, Pedro Cosme Vieira limita a sua existência à «repetição de uma série de funções, por assim dizer, cegas e desprovidas de consciência», como observa Agamben. O sangue circula nas veias, o oxigénio atravessa as narinas, assimila alimentos pela boca e, após a absorção da carga nutritiva, alivia os resíduos. Para além desses movimentos, nada existe, nada há. Mesmo que, sob a capa de um simulacro braudillardiano, Cosme Vieira se comporte razoavelmente em sociedade e até consiga interagir com os outros, aparentando ser um Homo sapiens nascido em 1965. Pedro Cosme, l’animal existant au-dedans. Em vez de lhe mover um processo disciplinar, a Universidade do Porto deveria preservá-lo para sempre. Conserve-se o Cosme. Agora, que foi descoberto e logo esmagado, como uma barata fétida, a sua massa inerte merece repouso. Em formol.

    António Araújo, in Malomil”

  9. poizé, oh trifasico! os liberalóides comem-se uns aos outros e depois chamam-lhe saudável concorrência.

  10. A ignorancia do Ignoratnz nao para de me espantar. Para ele tudo o que nao e comuna ou pos-comuna (vulgo, ladrao socialista) tem de ser liberal ou neo-liberal.

    Se a burrice fosse carimbada Ignorantz, ainda acabavas pretinho como os amigos do Cosme.

  11. os direitolos apanharam boleia do cosme para criticar o programa dos socialistas, a coisa correu mal e já pensam em entregá-lo à vidaleira para arquivamento do assumpto. depois alegam que não há meios para investigar o lóreiro porque andam preocupados com um conas que resolveu tornar-se famoso a desenvolver modelos para acabar com pretalhada & sidosos.

    “Pedro Cosme Vieira – avança o jornal – poderá ter cometido os crimes de discriminação racial e instigação ao crime.”
    http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=826387&tm=8&layout=121&visual=49

  12. Es mesmo burro Ignorantz, e tentas reduzir a tua estupidez os outros.

    A opiniao do Cosme e a opiniao do Cosme. Se queres criticas ao plano para a Decada do PS (que so cobre 3 anos, fica um bocadinho curto…) vai ler o que o Governo e aqueles que falam pelos partidos do governo dizem.

    O PS ja submeteu as projeccoes a UTAO?

    Parece que o Chamucas diz que vai aceitar 95% das propostas dos “Sabios” (hihihi). Como e que ele chegou aquele numero? Dedo no ar como de resto gere tudo em que toca?

  13. Para o que fala extensivamente da invasão que a União Europeia está a preparar e fala da cegueira alucinante, posso recomendar também a leitura do Tratado de Lisboa? não custa nada lê-lo, aliás, para quem gosta tanto de links, quer-nos parecer que a fome pelo saber é algo sempre constante….
    Talvez, também, um pouco sobre a origem das Comunidades Europeias, etc, e tal. Depois disso, está preparado para aquilatar da expressão «invasão». As aspas são minhas.

  14. FRANGO KONATRA, tenz razão pá, a corda faltou para ti. Andavas lá misturado no meio dos comunas, xuxas tresmalhados a cantar o Zeca Afonso, pá, em vez de trabalhar e os fascistas não deram por ti….

  15. o pm é na minha opinião um verdadeiro pulha! ontem na aula magna disse cito de memoria:” antonio costa faz estas promessas e sem se rir”. depois acrescenta que ele criou 170 mil postos de trabalho. quanto às promessas de antonio costa,se não fosse um “doente mental”,tinha mais cuidado com o que diz, pois ainda temos memoria para não esquecer a sua vergonhosa campanha eleitoral de há quatro anos.quanto aos 170 mil postos de trabalho criados com salarios mais baixos do que no passado não desconhecemos os 400 mil destruidos, com a politica do ir alem da troika.há gente que não gosta de pretos,mas gosta deste tipo de politicas levado a cabo por brancos!

  16. Ó numbejonada, você que conhece o funcionamento dos tribunais por dentro e por fora, ilumine a nossa ignorancia; explique lá esse milagre da ubiquidade que permite aos juízes acumular o salário dos vários locais de trabalho onde prestam serviço simultaneamente. Não estará por aí a solução para o aumento de produtividade de todos os trabalhadores portugueses?

  17. O menino da mamã, o Tó Chamuça está ofendido porque alguém disse claramente que ele não tem um pensamento estruturado. Pelos vistos não foi só o director adjunto que disse isso dele. O responsável pela sua campanha à CML disse pior:
    “É uma pessoa irascível, que berrava com os outros e que parecia não saber muito bem o que fazer. Não vi brilho. Não vi ali um político com um edifício programático e ideológico”. João Tocha

    Já tivémos o Sócrates que se ofendia com tudo e todos. Agora é o seu nº2. A coisa contagia. E agora ele é que dita se é ou não assunto.Que grande lata

    Num país a sério este Costa era um não-candidato a PM.

    Se já não bastasse o seu papel como número 2 dum governo que arruinou Portugal, nem o seu comportamento na CML, temos os tiques de ditador irascível, prepotência e autoritarismo como amostra do que é na realidade este sr.

    Imaginem que tinha sido o Passos ou o Portas ou qualquer outro direitolo. Teria sido a indignação nacional com as televisões a patrocinarem mesas redondas sobre o assunto

    É uma tristeza. Já para não falar do mano… esse mandou claramente calar o ‘Expresso’

    “Quem se mete com o PS , leva”

  18. Vasco Lourenço, presidente da Associação 25 de Abril, defende que António Costa deve “acabar com as ligações a indivíduos que praticaram corrupção no país”.

    “De uma maneira geral, é evidente que a prática do PS nos últimos tempos, enquanto esteve no Governo, ajudou a que a corrupção estivesse na origem da crise em que nós caímos. É suposto que ele mostre claramente que não se deixa rodear de pessoas com telhados de vidro muito grandes em relação ao passado”, afirmou.

    O Vasquinho às vezes, quando acorda das suas longas e tenebrosas crises maniacas e delirantes, até é capaz de dizer umas coisas com tino …

  19. Hum, ó Costa, pá, que se passa contigo…escondias-te lá pelas catacumbas, pá, e agora andas armado em cóbói, hum? ( ainda beie que tó na internéte, cósnão já taba tramado. quem se mete cum o PS leba).

  20. sai mais 1.200 convites para a pré-queima.

    “40 anos do PSD: Balsemão anuncia 6 mil novos militantes e 12 desafios”

    Eu não disse, já começam a aparecer por aqui mais papagaios, e até ás eleições, aparecerão muitos mais.

  21. Exmo. numbejonada, dê-lhe a vestimenta que você quiser. Agradeço apenas uma explicação convincente.

  22. JPFerra, o novo nostradamus.

    “Eu não disse, já começam a aparecer por aqui mais papagaios, e até ás eleições, aparecerão muitos mais.”

    Era tao mais giro quando as caixas de comentarios estavam de yes men, tambem conhecidos por acefalos esquerdistas, prontos a encher de loas os comentaristas.

    Agora esta tudo estragado, gente que vem para aqui chatear, apontar contradicoes, mentiras e vacuidades no discurso dos Camaradas. Esta mal, muito mal.

    Toda a gente sabe que este governo so estragou e que e preciso meter os olhos na Grecia, que mostrou ao mundo que HA UMA ALTERNATIVA A AUSTERIDADE. O Sendero Luminoso ja nos foi revelado e agora e so seguir em marcha apressada (em direccao ao abismo Socialista)>

    Punho em Riste Camaradas!

  23. Ignatz: «o que gostaste mesmo foi do contributo para a negação do holocausto, pouco tímido, dadas as circunstâncias, mas promissor».

    Não tinha reparado nisso, mas ofereço-te o melhor e mais rigoroso resumo da holochachada com que já deparei: dos quatro milhões de judeus sob o domínio nazi na 2ªGM, seis milhões morreram e, infelizmente, apenas cinco milhões sobreviveram.
    ___________________

    Trifasico: «portanto, achas estas frases normais vindas de um professor universitário: (…)»

    Não acho, nem deixo de achar, porque não indicas contextos e não tenho tempo para os procurar.

    imagino o que dirias se este gajo fosse professor dos teus filhos no secundário…

    Diria (e digo) que os melhores professores são os que pensam e fazem pensar. Os papagaios deviam ser mais para o canto coral.
    ___________________

    Numbejonada: «Para o que fala extensivamente da invasão que a União Europeia está a preparar e fala da cegueira alucinante»

    A invasão de que falei não é nenhuma que a Europa esteja a preparar. A Europa é a invadida, não é a invasora. E a cegueira alucinante que referi, e não era do autor do texto, era a dos leitores que não percebem que o que ele está a dizer é que a dita invasão só se pode parar — a menos de ponte aérea para meter a pretalhada toda cá dentro sem risco de afogamento (1ª solução oferecida com língua firmemente implantada na bochecha), ou de afundamento para a afogar em massa (2ª solução, com língua firmemente implantada na outra bochecha) — se se eliminarem, não os imigrantes, mas as causas da imigração, tanto ao nível dos benefícios que lhes são concedidos nos países de acolhimento, como do seu próprio desenvolvimento, nas suas terras de origem.

    Que ninguém pareça capaz de perceber isto é uma medida do poder dos curto-circuitos a que as massas mentalmente lavadas estão reduzidas.

  24. “telhados de vidro”, grande vasco lourenço.só disse isso numa entrevista de uma hora?e disse nomes dos corruptos’? é que os que corrompem o psd todos os portugueses conhecem.caro amigo,não te esqueças que o psd surgiu na cena politica para defender determinadas classes sociais.tu se calhar não tens onde cair de morto e alinhas com essa gangada!

  25. o ps,ja existia antes de abril.e já agora se não tivesse sido suspensa a sua actividade em portugal,tinha mais de 200 anos de vida,idade identica à do psoe em espanha. isto para dizer que o ps não surgiu para defender classes que não tinham quem as defendesse. já agora a ala liberal do qual sá carneiro fazia parte concorreu integrado nas listas da união nacional.ou seja o partido fascista.

  26. ó ó ó Gungunhana Meirelles a SÉRIO? SÉRIO? SÉRIO? Massas mentalmente lavadas? Inclui-me nessas, I would ask? Please, be so kind to explain that to me? Tks.

  27. Sinais de demencia em estado avancado.

    “jpferra
    7 DE MAIO DE 2015 ÀS 16:47
    ainda não parei de rir papagaio, obrigado por me alegrares a tarde.”

  28. nahnha,

    o contexto? hahahahahaha
    eu digo-te qual é o contexto:

    a primeira é um titulo de um dos capitulos do post “eu sou racista” -> http://economicofinanceiro.blogspot.pt/2015/04/eu-sou-racista.html

    a segunda acontece quando ele tenta explicar que a ideia de que o interior esta desertificado e o litoral sobrepopulado está errada. segundo ele, não só não está como devia estar muito mais povoado porque assim tudo era economicamente mais eficiente. no futuro, segundo o brilhante professor, a densidade populacional nas grandes cidades será de 250 mil pessoas por quilometro quadrado. e assim chegámos à brilhante conclusão que é a segunda frase que citei. -> http://economicofinanceiro.blogspot.pt/2015/05/as-macro-cidades-dos-paises-pobres.html

    a terceira acho que não precisa de contexto para ser uma imbecilidade deplorável em qualquer professor mas creio que é ele a explicar que a SIDA é contraída “com um certo grau de culpa” (mais uma citação) e a perguntar-nos a nós leitores se a solução que ele preconiza seria assim tão imoral? (incrivelmente o post é sobre o PEC4) -> http://economicofinanceiro.blogspot.pt/2013/10/a-verdade-sobre-o-pec4.html

    agora que já tens o contexto e não tiveste que o ir procurar já podes dar a tua opinião à vontade

  29. Numbêsmemonada, a «lavagem mental» não é nenhuma barrela literal! É uma referência poética que remete para Henry W. Shortfellow: “Give me your tired, your poor, your unwashed masses yearning to be washed, dry-cleaned and pressed”. Não tem nada a ver com o «empanturramento de crânio» francófono.

  30. e quanto à tirada dos professores que fazem pensar, digo-te que este faz os alunos pensar que ser racista é que é ser inteligente. diz-me lá se gostas?

  31. [Trifasico em pretalhado]: eu digo-te qual é o contexto:

    Como não tenho tempo para tudo, limito-me a dois dos pecados que apontas (os outros parecem menos interessantes).

    a primeira é um titulo de um dos capitulos do post “eu sou racista” -> http://economicofinanceiro.blogspot.pt/2015/04/eu-sou-racista.html

    Se leres cuidadosamente esse post, hás-de reparar que o que ele está a fazer é a reduzir o conceito de «raça» ao âmbito da sociologia e da etnologia, quando muito da etologia, ou seja, a afastá-lo a todo o custo do puramente biológico, quando é nesse sentido, e apenas nesse, que o seu exame se torna incómodo, senão mesmo pecaminoso, aos olhos dos «todos iguais» bem-pensantes.

    E o extraordinário, para mim, é que os reflexos condicionados sejam de tal ordem que a simples menção da palavra num contexto que não seja inteiramente condenatório não permite sequer que o leitor se aperceba de que o que ele está a enunciar em pouco ou nada difere dos dogmas «negacionistas» vigentes («não existem raças» é o primeiro credo simbólico que os modernos investigadores se vêem obrigados a recitar para em seguida lhes ser permitido estudar aquilo que não existe: vide as cambalhotas de Cavalli-Sforza para poder publicar resultados científicos fazendo-os acompanhar de constantes disclaimers que não enganam ninguém, a não ser o leitor superficial da Wikipedia quer não lê mais nada).

    acho que não precisa de contexto para ser uma imbecilidade deplorável em qualquer professor mas creio que é ele a explicar que a SIDA é contraída “com um certo grau de culpa” (mais uma citação) e a perguntar-nos a nós leitores se a solução que ele preconiza seria assim tão imoral? (incrivelmente o post é sobre o PEC4) ->
    http://economicofinanceiro.blogspot.pt/2013/10/a-verdade-sobre-o-pec4.html

    Pois. Acho realmente extraordinário que as pessoas não percebam, ou achem que não é preciso perceber, o contexto. Vou citar chamando a atenção em itálico para algumas partes do contexto que tu talvez aches que não interessam:
    ________________________
    «Se eu orientasse uma tese em A Tortura em Democracia mandaria o aluno escrever uma introdução em que referiria a pertinência do tema, depois passaria para a literatura definindo o conceito, o seu objectivo estratégico, os argumentos contra e a favor. Por fim, talvez construísse um conjunto de situações e, para avaliar como os portugueses aceitam a tortura, fazia uns inquéritos que enviaria por e-mail a uma amostra de alunos (seria o mais fácil) para eles dizerem se eram a favor ou contra aquelas situações.
    […]
    «Pergunta 2 – A SIDA é uma doença sem cura e mortal que apenas se transmite de umas pessoas para outras de forma, em certa percentagem, culposa. Actualmente há cerca de 35 milhões de infectados e morrem cerca de 2 milhões de pessoas por ano. Então, se, tal como fazemos com os animais, se fizesse o abate sanitário de todos os infectados (0.5% da população mundial), a doença desapareceria da face da Terra recuperando-se em apenas 15 anos os 35 milhões de pessoas abatidas. Agora imaginemos que a SIDA se propagava de forma inexorável e que ia levar à extinção da raça humana. Será que votaria a favor do abate sanitário dos infectados?
    ________________________

    agora que já tens o contexto e não tiveste que o ir procurar já podes dar a tua opinião à vontade

    Não posso dizer muito mais, a não ser que o exercício me pareceria invulgarmente inteligente e estimulante do interesse dos alunos, bem como de quaisquer outros seres pensantes. Chama-se a isto uma conjectura — não é uma profecia, nem um desejo, nem uma proposta — para lançar os motores de arranque mentais, fazer examinar a verosimilhança das premissas, a sua coerência e consequências daquilo que se poderia admitir ou rejeitar a priori etc..

    A meu ver, nota 10 para o professor e nota 0 para quem ache que o contexto é irrelevante à compreensão das citações, e que o que o professor quer é abater de facto os atingidos pela SIDA…

    O Bertrand Russell, numa das suas colecções de ensaios dos anos 50 ou 60 — não me lembro de qual delas — propõe ao leitor, numa época em que o terrorismo privado em grande escala ainda não existia, uma série de dilemas praticamente idênticos aos imaginados pelo nosso bloguista culpado de crimideia.

  32. não sou racista nem xenófoba nem imbecil e fartei-me de rir com o blogue do senhor. imediatamente veio à minha ideia as resoluções da UE face ao surto de emigrantes: não haver preocupação com a segurança e a vida das pessoas mas sim com o evitar que entrem neste espaço.

    porquê ligar o que um cidadão qualquer escreve à profissão e ao local de trabalho? se um blogue é um espaço de liberdade – individual antes de mais – para quê valorizar um indivíduo pelas suas ideias que apelam ao racismo e ao genocídio em género de caricatura escrita?

    e se os textos estivessem assinados por um super-homem sem rosto digital , seriam importantes?

    não ao racismo e à xenofobia e à homofobia. mas sim à liberdade de quem o quer ser que seja ou finja que o é ou provoque impacto altamente negativo – não vamos é dar importância ao que não a tem de todo.

  33. apetece-me dizer outra coisa. se tivéssemos conhecimento, por exemplo, da intimidade sexual de alguns dos professores da FEUP – ou de qualquer outra profissão e organização sem esquecer os desempregados e os pensionistas – estou certa que nem os pais queriam lá matricular os filhos e nem os vizinhos desses professores lhes estendiam a mão… :-)

  34. Ó MAIRELES, yeah right. ainda beie que pretugal conta com ilustres comme toi. talbez se me lesses de quando em bez, te apercebesses que chegastes depois…( hum, calma, queue sei cu verbo tá errado, mas num faço parte das maças, tás a bere?) Ora pratica lá um pócu daquilo quescrebestes, fachabor. oqueie.

  35. nhanha,

    não sei sinceramente que “redução do conceito de raça” é que ele faz nem quem é que diz que não há raças, por isso deixo isso pra tu explicares melhor.
    e também não sei quem são os todos iguais bem pensantes, mas se forem aqueles que afirmam que a discriminação entre seres humanos baseada na raça é estúpida, deixo-te incluir-me nesse grupo. poderás tu incluir nele o cosme? não me parece.
    entretanto, podes-me dizer qual é a percentagem culposa da transmissão da SIDA e de quem é a culpa – do transmissor ou do receptor ou dos dois? pode ser em percentagens.
    não te incomoda que numa tese sobre a tortura no mundo se perguntasse a um grupo de pessoas se seria admissivel o abate sanitário de pessoas doentes? achas relacionado? achas uma opção estimulante e inteligente, dizes? é que eu sei o que é uma conjectura mas também sei o que é uma conjectura imbecil.
    o que nos traz ao segundo link que te enviei, mas que infelizmente não comentaste. quando tiveres tempo gostava que nos agraciasses com a tua opinião acerca dele. é que, como disse alguém a propósito deste caso, este é o tipico gajo que pretende ser cientista sem fazer a minima ideia o que é a ciência. <- contexto
    isto tudo é importante? se calhar não, o gajo andava lá na vida dele escrevia o que lhe apetecia e o mundo não parava de girar. mas a verdade é que a historia nos ensina que estas ideias quando aparecem em público a coberto de uma capa de autoridade, nomeadamente académica, podem acabar por se tornar extremamente perigosas e devem portanto ser esmagadas "como uma barata fétida".
    tu pelos vistos é que ainda não o aprendeste, mas isso…

    reparei que saltaste uma das citações, se pudesses explicar porquê. quando tiveres tempo, claro.

  36. “… se me lesses de quando em bez, te apercebesses que chegastes depois…”

    eheheh… tu é que chegastes atrasado e ainda não conseguistens entrar malgré os encontrões e gritos na portaria. decididamente o cona de merda não se enxerga e não se poupa a esforços para bimbo residente. a bécula que se cuide.

  37. acho que já percebi. portanto, se eu reduzir o conceito de fraude posso dizer confiante que o passos coelho teve toda a razão em congratular dias loureiro e apresentá-lo como exemplo de empreendedorismo em Portugal.
    mas olha que pra mim só funciona se o reduzir, não à etnologia ou à etologia mas sim, à enologia.

  38. Em plena forma e a celebrar mais uma derrota historica do socialismo na Europa, desta vez, em Inglaterra.

    So num pais atrasado, pobre, com baixo nivel de escolaridade e de educacao e que um partido socialista, que por sinal mandou o pais para a falencia ha cerca de 4 anos, consegue ainda reunir 35% das intencoes de voto.

    Ele ha muito burro de duas patas a espalhar estrume nesse cantinho da europa.

  39. “O facto de ter sido prestado o referido apoio, via telefone, somente ocorreu porque o contribuinte Pedro Passos Coelho é uma pessoa das minhas relações pessoais e de amizade” – ivone torrão

    “o primeiro-ministro não procurou obter qualquer tratamento de favor por parte da Autoridade Tributária e Aduaneira, nem solicitou informação privilegiada ou sigilosa acerca da sua situação fiscal a qualquer funcionário daquela instituição” – gabinete de crise do farsola

    “os funcionário públicos cometem ilícitos por devoção ao primeiro ministro” – futura conclusão das investigações que levarão ao arquivamento do processo.

    http://expresso.sapo.pt/politica/2015-05-08-Funcionaria-do-Fisco-diz-ter-acedido-a-dados-de-Passos-Coelho-a-pedido-do-proprio

  40. basico,es um primario a argumentar.os” socialistas” que tu atacas,saõ os mesmos que defenderam a liberdade quando ainda estavas nos colhoes do teu avô. o ps é e sempre será um partido socialdemocrata e por isso sempre defendeu o socialismo em liberdade.na tua narrativa da bancarrota,mete o socialista joao jardim,filipe meneses e todos os outros que agravaram a divida privada e publica destes pais! lembro que poucos dias antes do chumbo do pec 4,foram mais 50 milhoes para a madeira,votados no parlamento com o voto contra do governo socrates.

  41. Mais um pequeno nao-caso para tentarem distrair o pessoal. E essa a estrategia dos merdia portugueses e do PS, pegar em mxrdas sem interesse ou relevancia e expreme-las ao maximo para que nao se discutam coisas realmente importantes.

    Pessoalmente, e se eu fosse o Costa, tambem usaria a mesma tatica, afinal, nao queremos que o eleitorado tenha muito tempo para pensar no PS, no que o PS fez pelo pais, e no facto do mesmo partido estar a concorrer as eleicoes liderado pelo ex-numero do 2 do governo que levou o pais a bancarrota.

    Mais, nao queremos mesmo que o pessoal se lembre que o ex-PM esta preso preventivamente por suspeitas de corrupcao (44), que um ex-ministro do PS e ex-administrador bancario condenado por corrupcao (VARA), uma outra ex-ministra do PS tenha sido condenada por prevaricacao (Lurdinhas), que um ex-director geral do Mai apontado pelo PS esteja preso preventivamente por corrupcao, que o actual secretario geral mande SMS intimidatorios a jornalistas.

    De facto, convem mesmo que a chuva de pequenos casos sem importancia continue a ritmo elevado.

  42. mais outra do mentiroso passos coelho.pediu por telomovela uma amiga funcionaria do fisco,que visse a sua situaçao.a alguem responsavel detetou a sua entrada no “cadastro” de passos coelho e chamou-a à ordem.passos coelho agora nega que tenha feito tal pedido.só que a chamada esta registada no telemovel dela. vamos ver o que vai acontecer.

  43. oh básico, mas continuamos na bancarrota… a dívida aumentou e, para além disso, continuamos a pagar impostos impossíveis e permitir o saque aos nossos salários. não somos ingleses, somos covardes. temos medo de perder o pouco que conseguimos arrecadar.

  44. basico ,mais um contributo para a tua narrativa da bancarrota: do jornal de negocios cito :a banca sofreu crises ao sabor da economia,mas tambem as causou. A FALTA DE FORÇA PARA AS ENFRENTAR OBRIGOU À INJEÇAO DE DINHEIRO PUBLICO. percebido ou faço desenho?

  45. E melhor fazeres um desenho Fifi. A citacao nao diz o seguinte:

    1 – de que banca estas a falar? E da banca portuguesa?
    2 – de que crises estas a falar?
    3 – qual a magnitude e importancia e impacto das crises criadas pela banca
    4 – qua crises afectaram a banca
    5 – que tipo de forca estava em falta na banca
    6 – o que a banca deveria ter feito diferente para evitar as crises de que sofreu e ou que provocou

    e so para nao me alongar muito :
    7 – que a bancarrota portuguesa tenha sido fruto de uma crise financeira
    8 – que a banca portuguesa tenha sido a causa da bancarrota portuguesa

  46. O FERRACOLHO continua com problemas de visão e não o admite. Façamos uma força e expliquemos-lhe que a ver cromos estava o pai dele quando a mãe, apanhando-o enfocado em ver o tamanho da pata de um qualquer, lhe saltou prá cueca e saíu o emplastro consabido – lui – même.

  47. ó Galucho, escrebeste-me pá. Se queres explicações, paga-as, ó galucho. Oube lá, já não há sinaleiros neste país, portanto se queres desbiar as atenções, bai fazè-lo pra nenhures, pá. Atãoe, tu respondes com uma pergunta? Ó macaco, sabias que se quem tu queres atingir fosse de facto corrupto, o teu ídolo de Ébora já andaba cá fora, tás a bere? Hum? ganda macaco, fazes jus ao teu nique, olha-meste a meter-se cumigo, ganda maluka, tás-te apor a jeito práapanhares uma injeção, tás, tás.
    bà, reduz-te às trevas e nelas permanece, gajos como tue, só atacam a democracia Fogo, fogo, imaginem cinquenta marrecos numa sala e córenta são burros como as lagartas da coube, é ebidente que o resultado da botação só pode ser o que temos em purtugale, pá, e tu és um dos córenta pá. Ma stua cahas que boue gastar o meu excelente português contingu, hum? aposto que nem tens a iscólaridade obrigatória, pá. Tens mestrado, tens? hum? isso é iscólaridade obrigatória pra mie, tás a bere? Hum? oqueie.

  48. O idiota JPFerra, os jornais tem uma seccao “Direito de Resposta”.

    Se o Chamucas se sentia tocado por um artigo no qual ele nao e mencionado UMA UNICA VEZ, poderia e deveria ter escrito uma carta ao jornal. O que nao e admissivel e que ande a mandar SMSs a socapa, estilo mafioso com iliteracia funcional.

    Achas que se ele deixasse uma cabeca de peixe na cama do jornalista tambem estava no seu direito de resposta (a um artigo que NAO LHE FOI ENDERECADO)?

  49. basico, quem emprestava dinheiro aos empreiteiros construirem? quem financiava com bnos juros empresas que faliram.sabes que mais vai te lixar mais o teu questionario de mau perdedor.

  50. Ó básico, a expressão “bancarrota” é mesmo tua. Fica com ela.
    Vejamos, se a crise internacional levou Portugal (e outros países) à falência durante o último governo de Sócrates, agora, está mais que visto que este governo dos peões P&P (Passos & Portas) está a levar o nosso país novamente à falência com a austeridade severa que impossibilita a produção de riqueza que nos permita pagar os juros gananciosos da dívida e reembolsar os credores com razoabilidade. Basta reparar na diferença entre as receitas e as despesas públicas atuais para verificarmos que o fim deste país está por um fio.
    Este país esteve a ser enganado por um governo incapaz de levar a cabo as suas promessas eleitorais, até mesmo aquelas que dizem respeito às ditas reformas estruturais do memorando que assinou. Veja-se, por exemplo, a reforma estrutural da transparência do Estado que nem sequer foi iniciada e o resultado disso está à vista de todos: burocracia, desinformação e corrupção por todo o lado.
    Mas haverá alguém com juízo que queira manter este estado de coisas?!…

  51. Em primeiro lugar, nao foi a crise internacional que levou o pais a bancarrota, mas sim os gastos imprudentes do governo socrates e, tambem, mas em menor escalado, os gastos excessivos dos governos que o precederam.

    Se a crise internacional tivesse sido a exclusiva causa da falencia de portugal entao, com certeza, teriamos tido catadupas de falencias e bancarrotas pelo mundo fora, o que nao e o caso.

    A austeridade nao e nada severa em Portugal, continuamos a ter deficits orcamentais enormes. Tivessemos recusado a Troica e ido a falencia, e ai sim, teriamos tido orcamentos equilibrados e austeridade severa. E essa a receita recomendada pelo BE/PCP e por sectores do PS.

    Este governo pegou num pais que tinha deficits de gigantescos e reduziu-os significativamente. Nao resolveu o problema mas mitigou-o bastante. Enquanto existir gente em Portugal que acha que o problema se resolve por magia, palavras, “solidariedade”, e nao por trabalho e poupanca, ou, de acordo com as formulas PS, mais despesa….o destino do pais e so um, empobrecer.

    Obrigado!

  52. Tritri [em negrito]: «não sei sinceramente que “redução do conceito de raça” é que ele faz nem quem é que diz que não há raças, por isso deixo isso pra tu explicares melhor. e também não sei quem são os todos iguais bem pensantes, mas se forem aqueles que afirmam que a discriminação entre seres humanos baseada na raça é estúpida, deixo-te incluir-me nesse grupo. poderás tu incluir nele o cosme? não me parece.»

    Tritri, a discussão que queres introduzir tem pouco a ver com o que o professor bloguista acusado de crimideia diz ou não diz nas citações que são apresentadas (fora do seu contexto) pelos seus detractores, e muito com questões mais amplas que nos levariam a discussões mais genéricas.

    Quanto a essas outras discussões, não me vou alargar, e limito-me a chamar a tua atenção para elas não se deverem limitar a estabelecer se as «discriminações entre seres humanos» baseadas nisto ou naquilo (raça, género, religião, saúde, sexualidade etc.) são «estúpidas» ou «inteligentes», para empregar a tua expressão.

    E claro que não existe uma resposta única, válida e inclusiva de tudo. Nomeadamente, só para a questão racial, a discussão completa deve dizer respeito à licitude (ou abuso) de um tipo de discriminação ser tido como bom (a dita «positiva») e outro mau (a dita «negativa»), se a sua imposição (apartheid) ou proibição (integração forçada de estabelecimentos comerciais privados) legais devem ser consideradas legítimas ou abusivas etc..

    Tudo isso é muito interessante, mas a discussão presente é outra. Trata-se de saber se, na ausência de adivinhos especializados na leitura de entranhas psicológicas, os excerptos do professor bloguista estão a ser citados completamente fora do seu contexto, com vista a transformar exercícios de inteligência em alegados apelos ao massacre de pretos e doentes, ou não.

    Na tua opinião, como na do ilustre deputado do PSD ribatejano Duarte Marques, que desde logo se auto-promoveu a rabejador da besta imunda racista e nazifáxista em cujos cornos o reputado professor Louçã, talvez um tanto irrefletidamente, se tinha dependurado, a resposta é «sim, ele quer afogar os pretos e abater como animais os doentes de SIDA».

    E esta é que é a presente discussão: verdade e incitamento ao massacre por parte de um fanático irresponsável, ou mentira e deturpação malévola (ou talvez superficial) por parte de fanáticos irresponsáveis (ou talvez infantis)?

    Convém acabar uma discussão antes de começar outras.

    entretanto, podes-me dizer qual é a percentagem culposa da transmissão da SIDA e de quem é a culpa – do transmissor ou do receptor ou dos dois? pode ser em percentagens.

    Não são precisas percentagens exactas para perceber o conceito do autor no seu exercício de reflexão, proposto para fazer pensar e não para provocar linchamentos nas enfermarias dos hospitais. E a culpa será, em geral, não de um ou de outro, mas dos dois (ou mais, se tudo ao monte). Se te ajudar a perceber o óbvio, imagina, por exemplo, o conceito de «cancro dos pulmões culposo» por parte dos fumadores, dos fumadores sem filtro (mais culpa), etc..

    Se não estás a perceber — e antes de me quereres prender a mim por delito de lesa-preferência ou qualquer coisa desse género — nota que não estou a invocar a noção de pecados contra a divindade ou a Natureza do género «a boca não foi feita para aspirar fumo». Basta invocar dispositivos de protecção para se perceber a ideia.

    não te incomoda que numa tese sobre a tortura no mundo se perguntasse a um grupo de pessoas se seria admissivel o abate sanitário de pessoas doentes?

    Porque é que a colocação de uma inadmissibilidade ao lado de outra deve incomodar?

    Não percebo a tua lógica, se alguma. Não serão antes pulsões subconscientes (culposas ou não, não faço ideia) a vir ao de cima?

    achas relacionado?

    Sim, claro que acho: não se deve torturar, não se deve matar. Onde é que está o mistério?

    (?)~~ :^(

    achas uma opção estimulante e inteligente, dizes?

    Sem dúvida. Como já expliquei.

    é que eu sei o que é uma conjectura mas também sei o que é uma conjectura imbecil.

    Então talvez seja uma boa ocasião para explicares os teus critérios. Sou todo ouvidos. «Imbecil» é o que faz pensar?

    o que nos traz ao segundo link que te enviei, mas que infelizmente não comentaste. quando tiveres tempo gostava que nos agraciasses com a tua opinião acerca dele.

    O teu segundo link era o das «Macro-cidades dos países pobres» onde o nosso alegado culpado de crimideia pergunta (e responde na primeira pessoa, sem interposta conjectura destinada aos alunos) o seguinte:

    «Querem saber a melhor maneira de solucionar o problema da pretalhada? Não é mandar aviões da TAP buscá-los, torpedear as suas barcaças precárias e matar a tiro os que souberem nadar, nem dar subsídios. É acabar com as barreiras ao comércio. Deixar que a pretalhada possa exportar para a Europa o que sabe produzir sem taxas alfandegárias nem entraves quantitativos. Deixar importar os bens agrícolas e manufacturados que são produzidos em África. Foi a abertura ao comércio com os USA que levou ao desenvolvimento do Japão e da Coreia do Sul e a nossa abertura dos mercados da EFTA que induziram o nosso rápido desenvolvimento dos anos 1960.»

    Não comentei porque não encontrei nada de especial para comentar no que respeita à presente discussão, que não consiste exactamente em investigar as opiniões, conselhos ou receitas pessoais do autor (com que, aliás, não concordo), e sim se as citações do que ele escreveu estão a ser feitas fora do contexto do que ele escreveu nos sítios de onde foram extraídas, ou não.

    Vamos lá ver se nos entendemos.

    Não estou, pelo menos de momento, particulamente interessado nas opiniões do professor Cosme. Estou interessado nas técnicas da propaganda e nos mecanismos de paralisia cerebral não só dos alvos que ela visa, como muitas vezes, e cada vez mais, dos seus próprios praticantes.

    Isso é que me parece interessante, muito mais do que investigar se fulano ou sicrano gosta mais de pretalhada, ou de branquêlas, ou amarelóides, ou rabetas, ou marialvas, ou outros quaisquer.

    (…) mas a verdade é que a historia nos ensina que estas ideias quando aparecem em público a coberto de uma capa de autoridade, nomeadamente académica, podem acabar por se tornar extremamente perigosas e devem portanto ser esmagadas “como uma barata fétida”.

    Concordo contigo em parte — na primeira parte — na medida em que, por exemplo, discordo do professor Cosme quanto à redução à irrelevância a que ele, aparentemente, reduz o conceito biológico de raça.

    E discordo radicalmente da tua segunda parte, da pouco simpática ideia de se «esmagar como baratas fétidas» as opiniões alheias que se consideram perigosas.

    Aliás repara que a inteligência é sempre perigosa para a estupidez instalada, mas acaba por triunfar sobre as vassouradas que pretendem impedir o seu progresso. Para mim, é este um dos grandes mistérios da história.

  53. nhazinho,

    a conversa já vai longa e daí que comecem a aparecer alguns equívocos. não, eu e o louçã enquanto plataforma politica não achamos que sim, que ele quer matar pretos a tiro ou abater os doentes com sida, o que nós achamos é que sim, ele põe essas hipóteses como viáveis. ele reflecte sobre elas como soluções possíveis para aqueles problemas. Soluções! Possíveis!
    ora isto não remete para a discussão da redução do conceito de raça, da qual até tu acabaste por fugir, mas sim para o velho adágio “só sabe de economia, nem de economia sabe”. e essa é que é a discussão que estamos e vale a pena ter. como pode tal energumeno ter chegado a professor universitário? o que é que isso diz da qualidade do nosso ensino superior? o que é que isso diz do ensino?
    Quando alguém imagina seriamente que um hipotético país a criar no alentejo para acolher 50 milhões de refugiados espalhados pelo mundo é uma opção viável e se põe a fazer contas acerca de como poderiam eles lá caber e ser alojados e alimentados, sempre a referir que as condições eram más mas que não podiam pedir mais que assim já era bem bom porque donde vinham era pior, terminando a pedir ao estado português que o deixe avançar com a iniciativa, tu achas que isto é fazer os alunos pensar? portanto, a tele escola no que te diz respeito era um conjunto de pessoas na tv a dizer o maior numero de barbaridades possiveis consecutivas para que as pessoas em casa aprendessem a pensar?
    eu acho que percebo o que tu queres dizer mas também acho que aqui não se aplica. e não se aplica aqui como não se aplica por exemplo ao ensino do criacionismo lado a lado com a teoria da evolução por muito que queiras pôr os alunos a pensar no tema. e não se aplica porque o criacionismo, tal como as variadas teorias do cosme (incluso sobre reactores nucleares), não são cientificas, são a antítese da ciência.
    tu ficas muito incomodado quando eu digo esmagado como uma barata fétida, mas olha que não me refiro a nenhum tipo de violência fisica. apenas à descredibilização total e absoluta destes charlatães. com factos, com dados e com o embaraço publico necessário para que a maioria das pessoas fique avisada da Weltanschauung que está por detrás das teorias e opiniões do excelentissimo senhor economista licenciado em engenharia de minas.
    por fim, parece-me que defender a liberdade de expressão da farsa de tentar aparecer em publico como algo sério, é tudo menos defender a liberdade de expressão.
    se ficou alguma coisa por responder desculpa la, mas a conversa já vai longa e quando li que me pedias para te explicar pq é que abater todos os doentes com SIDA como forma de acabar com a doença ou abater os refugiados para acabar com a tragédia que é a travessia do mediterrâneo são conjecturas imbecis fiquei tão banzado que nem consegui responder que era porque ambas não resolviam OBVIAMENTE problema nenhum, ao que acresciam serem especialmente cruéis e desumanas.

  54. Trifasico: [em negrito]: «a conversa já vai longa e daí que comecem a aparecer alguns equívocos. não, eu e o louçã enquanto plataforma politica não achamos que sim, que ele quer matar pretos a tiro ou abater os doentes com sida, o que nós achamos é que sim, ele põe essas hipóteses como viáveis. ele reflecte sobre elas como soluções possíveis para aqueles problemas. Soluções! Possíveis!

    Não te ocorre que o problema possa residir na tua falta de imaginação, e não nos desejos secretos do professor Cosme, apontado à execração pública, para já nem falar nas sugestões de despedimento por crimideia?

    ora isto não remete para a discussão da redução do conceito de raça, da qual até tu acabaste por fugir

    Como é que fugi de alguma coisa que não estava sequer a ser discutida e que eu próprio é que lancei, ao chamar a atenção para os pontos de vista aparentemente anti-raciais-biológicos do réprobo?

    eu acho que percebo o que tu queres dizer mas também acho que aqui não se aplica. e não se aplica aqui como não se aplica por exemplo ao ensino do criacionismo lado a lado com a teoria da evolução por muito que queiras pôr os alunos a pensar no tema.

    Continuas a não perceber a ideia básica. O teu acusado de crimideia não é acusado, por exemplo, de querer nomear um painel com mafiosos sicilianos e peritos em assassinatos em pé de igualdade com peritos em problemas migratórios. Nada disso. É acusado de sugerir um exercício destinado a alunos (e até explica porquê e para quê) semelhante, por exemplo, a este, de minha autoria: «Exercício nº 3: Jeová criou o mundo há 4 mil anos e inseriu no mundo a ilusão de fósseis aparentemente mais antigos do que isso. Porquê?». Uma conjectura como esta não significa que o proponente esteja a defender que o mundo tem 4 mil anos de idade. Significa que está a cumprir a sua missão pondo os alunos a pensar. Alguns alunos responderão «para testar a nossa fé na Bíblia»; outros examinarão a pertinência da premissa; outros ainda irão fazer queixinhas aos pais que exigirão a demissão e castigo do malvado herege. Julgo que a tua posição seria esta última. Correcto?

    e não se aplica porque o criacionismo, tal como as variadas teorias do cosme (incluso sobre reactores nucleares), não são cientificas, são a antítese da ciência.

    Interessante, esse pormenor dos reactores nucleares. Não tenho tempo para ir procurar, mas talvez me possas informar se são análogas às informações que eu próprio e o meu primo Odysseus (somos três como aquelas irmãs que cantavam) procurámos transmitir em prolongadas discussões aqui e aqui.

    tu ficas muito incomodado quando eu digo esmagado como uma barata fétida, mas olha que não me refiro a nenhum tipo de violência fisica.

    Ah bom, tratava-se portanto de um simples exercício imaginativo que não deve ser tomado à letra. Fico mais descansado, mas não sei se não poderá constituir motivo de execração universal, seguida de despedimento.

    apenas à descredibilização total e absoluta destes charlatães.

    ?

    com factos,

    ?

    com dados

    ?

    e com o embaraço publico necessário

    Aqui já não coloco ponto de interrogação. Essa informação já tenho. O resto é que ainda não.

    para que a maioria das pessoas fique avisada da Weltanschauung que está por detrás das teorias e opiniões do excelentissimo senhor economista licenciado em engenharia de minas.

    E por trás da tua visão do mundo à base de insecticida, não será necessário investigar? Não terás andado a ler demasiados exercícios imaginativos da exterminadora Mucznik & Pimentel sobre o Zyklon B e a praga nazi racista debaixo de cada cama?

  55. Eu sou burro, como tal não vou entrar em grandes conversas com argumentos filosóficos. Deixo só um pensamento antes de dizer ao que vim. O que sei é que somos todos parciais e muitas vezes enganamo-nos nos sacos em que metemos as pessoas (e isso acontece no primeiro contacto que temos com a pessoa baseado em preconceitos).

    Quero só fazer referência a um erro grosseiro de forma a apoiar a sua ideia antropologica da origem do racismo. A de que o elefante e leões matam os seus… Enquanto dissertam sobre as intenções do sr. prof. eu só consigo pensar como é que um prof universitario diz isto … Agora sim, posso julgar baseado num preconceito bem identificado…

  56. Deixem-me só dizer também que a solução apresentada pelo prof (abrir a torneira comercial ou acabar com as barreiras) é para mim ainda mais bárbaro. A solução não é humanitária, é económica, isto para um problema humanitário, deixa-me de boca aberta. Para mim paises que n respeitam direitos humanos era embargo total e apoio total para os que os respeitam, mas assim as nikes e nestles e monsantos nunca poderiam prosperar como prosperam, não sem países assim. Para mim, a entrada comercial de países como a china e ìndia com mão de obra gratuita (escrava) é que destroem economias, é impossivel competir. Mas não, o mal, o diabo, é a esquerda, ou a direita, ou os comunas (como de forma depreciativa alguns chamam) que nem sequer governam… Lá está defende-se ou ataca-se consoante os sacos. Já Daniel Kahneman o explicou e bem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.