Vinte Linhas 792

Meditação breve para dois telhados de Lisboa

Uma obra ilegal tapou-me a visão do Rio Tejo em frente à janela de onde foi tirada esta fotografia. Por sua vez a neblina não permite ver a Serra da Arrábida lá no fundo onde às vezes os vidros dos automóveis brilham como faíscas instantâneas perante os raios de sol.

A casa onde vivo desde 1976 e que é minha desde 2005, dá para um pátio antigo com um limoeiro a que ninguém liga e com os restos de uma oficina de tipografia onde outrora se imprimiu «O Mosquito» e outros jornais infanto-juvenis. Salvo erro, «O Senhor Doutor» e «O Grão de Bico», por exemplo.

Há por aqui neste pátio um sossego de cidade de província: talvez pelo peso e volume dos quatro prédios que dão para o espaço, aqui não chegam os ruídos das ambulâncias a saírem do Governo Civil ou dos Bombeiros do Largo do Barão de Quintela. Os sons, quando atingem este pátio, passam por cima dos telhados dos quatro prédios e vão cair mais longe, diluindo o seu timbre e a sua altura, lá para os lados da Rua de O Século, antiga Rua Formosa. Também a Rua da Misericórdia se chamava Rua do Mundo – que era o nome de um jornal muito popular em 1910.Esta janela é para mim um posto e uma guarita nocturna: por ela têm passado amarguras breves e más notícias, operações inesperadas em bloco operatórios distantes, mortes telefonadas ao domingo de manhã quando ainda não havia telemóveis. E lágrimas, muitas lágrimas, silenciosas e salgadas, quentes e impossíveis de travar mesmo quando invisíveis. O Mundo mudou, houve gente que morreu, que disse adeus, que emigrou, que foi para longe estudar, que se casou em manhãs de chuva, tudo mudou desde 1976 – só a janela continua a ser um descanso para um coração que olha para o Mundo cada vez mais inquieto.

26 comentários a “Vinte Linhas 792”

  1. não vejo obra ilegal que possa ter tapado qualquer vista, tem tudo aspecto de velho e embirrante como tu que deves ter sonhado que era porreiro ter vistas para o tejo para poder escrever meditações de duas águas. quanto aos nevoeiros és capaz de ter razão, aconselho-te que exponhas o problema ao instituto de meteorologia, ip ou entres em guerra epistológica com o antimónio de azevedo, com’áquele conflito passional que mantens com a emel do combro.

    durante 30 anos chulaste o senhorio pagando uma renda de merda e em 2005 deste-lhe o golpe de misericórdia comprando o barraco por tuta e 1/2 com direito a usufruto de vistas de pátio com limoeiro e queixaste que havia ali mosquitos, claro os limões atraem mosquistos e drogados, já o grão de bico é mais abaixo no joão do grão.

    acho que o vieira, manuel joão, claro, te devia pagar siza por essa descrição archipoética do enquadramento paisagístic-ó-sonoro do pátio inspirador do pros-ó-poeta. já morei na zona e não suportava o barulho das ambulâncias que transportavam os feridos que tinham ido renovar o passaporte ao governo cívil, quiçá para emigrarem para a síria, enquanto dura a cachaporra.

    o resto é a pros-ó-treta do tadinho abandonado pelos filhos e pela legítima que devem ter esgotado a paciência e o mandaram foder avulso com o sopeiral e cheiro a mijo que inalas à janela enquanto descansas o coração contemplando o mundo a partir do bairro alto.

  2. Este Bairro Alto não tem emenda. É só putas, chulos, vigaristas, corruptos e gays. Em qual destas categorias se enquadrará o Xico? O Bairro é velho comó caraças. Tá tudo a cair porque os sacanas dos senhorios não fazem obras. Sabes porquê oh Xico? Por causa das rendas de merda que vocês pagam que não dá para pagar o imi, o seguro, etc. E quando tem elevador e porteira então não te digo nada. Pela conversa andaste a chular o senhorio durante uma catrefada de anos e no fim o pobre coitada ainda te deu o locado porque já não tinha meios para as despesas. Cabrões dos inquilinos que este e todos os governos desde o salazar andaram a chular e a viver à conta dos desgraçados dos.proprietários. Por isso cada prédio que vem abaixo é para mim uma festa.
    Depois taparam-te as vistas vê lá tu os malandros com obras ilegais. Vai falar com o Costa talvez ele te resolva a situação deitando abaixa quem te tapa a visão. Mas quem te tapa as vistas não é a parede. Vai ao oculista para te resolver esse problema que tens na caixa craniana.
    E por última. Não tens pejo em vir para aqui contar estas alarvidades. Deverias ter vergonha e estar caladinho.

  3. E dizes-te COMUNA não é? mas andaste achular o senhorio, num é? ainda querem que a paisagem arquitetonica tá no estado em que está porque hoube e há quem se abotoe a rendas baixas, toda a vida e ainda querem que os senhorios andem atravalhare pra eles e a arranjar-lhes a budega das casas. Oube, pá consegues dizer que és comuna? Hein? Pois, é BEM FEITO, debias ter um arranha céus á pato brabo à tua frente, pra num ofenderes a NATUREZA com o teu olhar de homem perevresso, mau, que deseja esventrar os outros e a quem chamas fdp e cabrões.
    Quais lágrimas qual carapuça? podes tê-las vertido,mas num aprendestes nada cum elas, pa, cheiram a crodilo, saves, meue, visam devorar, pá, é a impressãoe que dás. Ainda por cima debes ser bipolar, purque ora bens com a conversa agressiva ora bens com esta melice do caraças, quem te topa é o Ignatze, meu e o poeta da treta, Ó POETA pá, manda aí uma das tuas pró gajo ir lê-las à noute lá no cagueiro do sótão.

  4. oh bronco! vives na travessa de s. pedro e queres ver o bugio, sintra, barreiro e talvez guimarães mais a norte, já agora as berlengas sem nevoeiro.

  5. oh bronca! eu estou a ler a ficha de inscrição do cavaco na pide, se quiseres uma cópia o pdf bota aí o mail

  6. “Mas esta não é de crítica, é de apoio.”
    Olha! O edie deu a sua poia ao Xico!
    Atão cá vai a poesia para chatear o Xico pateta. Perdão, o Xico poeta.

    Chica gorda!

    Que gorda está a Chica,
    é um verdadeiro saco!
    Fomos p’ra dar uma pica
    não encontrei o buraco!

    HÁ MUITOS E BONS

    Com duas letras apenas,
    eu o cu sempre escrevi,
    palavra das mais pequenas
    mas há tantos por aí!

    Esta é mesmo dedicada ao Xico
    PRIMEIRO A CULTURA

    Não basta ter muitos cobres,
    a cultura vem primeiro.
    Ele há pessoas tão pobres
    que só possuem dinheiro!

  7. hi ms. edie, just piss off! ouça a musiquinha pra bocê, caqui ninguém precisa de apoios extemporâneos, ok, txica?Apoia aqueles que são chamados d ffp, cabroes, avós tortos e que se passarem em Sto Antão podem ter as tripinhas ao sol, tás a ber, tipo figo seco.

    Não ubi as tuas musicas, pá, eu prefiro as berdades do gajo do «apitócumvoio». apruveita e baie à benedita, cumer umas choriçadas com o bronco, o emplastro, o bardas que só diz e escreve merda. quero lá saver das penas de um gajo que não tem pena dos outros, e lhes chama lixo humano?! PQOP, tás a ber.

  8. Ó edie toma lá pra ti: professor sempre deseja ensinar o aluno, mas tem de ter cultura (quase) perfeita. É o teu caso? Não me parece! Quando falares em boçalidade e outras merdas do género e vieres com ditos pretendentes ao pulitzer do bronco da benedita, começa por refletir que não deves criticar aos outros o que fazes, simpelsmente por …NADA!

    Eh pá eu tamém gosto de ser do contra, tás a bere, minha, mas atenção ! Se o contra for enxertado em corno de capricho, podes crer minha, dou um peido e boue respirar ar puro.

    Músicas, ó minha, podes crer gosto desta velharia que tu postas por aqui, mas oube, boue mais atras, tás a ber, e oubindo a «vintage» na route 66, é mesmo do Catano. Tás a ber, pá?. Pois, os boçais andam, pensam, e até savem alguma coisinha, agora bou lá fora, puxar do maçarico e mijar à beira da estrada, pra ser igual ao normal português. awsome.

  9. poeta da treta,

    quem disse que o apoio do edie era para o Xico? Andas com autoestima muto em baixo. Também não quer dizer que fosse para ti.

  10. voltaren, tens de mudar a dose: primeiro dizes que a musiquinha não é para pôr aqui, , ainda por cima a propósito de nada. Pronto, é um ponto de vista: eu também poderia dizer, se fosse tão aberta de espírito como tu, que devias guardar as tuas “opiniões”, que aqui não são precisas para nada.

    Depois, consideras que no teu caso, o que aqui fazes é ser do contra, enquanto que no meu ser do contra não é bem a mesma coisa, é meramente capricho, uma coisita que lhe deu. Coisa séria é Voltaren, isso é que é assunto.

    É pá, mas – tréguas – folgo em saber que apesar de não ouvires, ouviste e até gostaste das velharias, que tu até és um gajo culto. (Eu não te chamei boçal, mor, disse que me entediava a insistência na boçalidade). Agora bolsa lá à vontade, que eu tenho mais que fazer.

  11. Grão de bico!, pois fui hoje comprar 7 latas de grão de bico para a semana.

    Mas eu vinha cá era dizer isto, poça que ainda se há-de lá chegar. Ainda estou com uma dermatite iridiscente no focinho à conta de ter andado a farejar volfrâmio em vez de lítio, enganei-me nas guerras mundiais.

  12. ó édie, minha, muda lá o registo, queu num estou pra taturar, mas olha que se eu bolsar bai ser pra cime de tie, e num bais gostar.
    as minhas opiniões são tão precisas quanto as tuas , minha, tás a ber e pra falares de assumptos sérios cumigo, minha, tenho que te dar licença, pá.toma lá um calmantezinho, questa porra não tem caquecer contigo, chill out, pal.O meu registo não é do da medicocridade, pá!

  13. ó «cifrão», pois o lítio é que debias ter cheirado carago. parece que a falta dessa gaita no organismo humano tem cunsecuenssias, pá. deixa lá a crise, pá, faz comós gringos, os gajos esquecem a trampa e cumessam a crescer, tás a ber, aqui, a judite sousa e o gajo que escrebe romances e é pibot, só chamam o azar, cumó crespo, eles só falam da porra da crise. come o graozinho de bicu pá, junta-lhe toucinho, salsa e cebola. fogo e já dá pra cagares consistente.´
    a edie das musicas pode dar-te uma musiquinha punk, daquelas de tres cordas, tipo clash e a gaita até passa melhore, tás a bere.

  14. ó meu conta aí, onde é a cisti uone? pá? fogo, conheço la´muitas, caraças, mas essa escapa-me, benha o bob dylan, meu, é sempre benvindo, o mec, pá. culeção «vintage» pá, do melhore meu.

  15. Só me faltav aesta “quizz à bronca”, pronto por seres tu: A miss lonely é a miúda do Bob, aparece na capa do Freewheelin’(vd. abaixo). O Bob expôs publicamente o processo de rompimento (sardónico,triste) com a sua miss lonely, em canções como It ain’t Me, Babe e aquela que que colaste…bitter sweet.

    Mas não, o nome das misses lonelies é sempre escondido e não me apetece ir ao google descobrir a do caso concreto.

    http://www.bobdylan.com/us/music/freewheelin-bob-dylan

  16. §.olá, reparei que voltaste á forma elegante dos cavalos marinhos entrelaçados. Por isso e pelo grão de bico, obrigada. Anjinho da paz ;)

    além do ouro, ainda temos a nossa poção mágica; não esquecer.

  17. é que não se pode abusar do cifrão senão ainda dá para o torto. Poção mágica cá não tem, tem muito café enfim.

  18. edie, era para o camarada comeback e pensava já ter respondido até teres iluminado a questão sem recurso ao google. tks a lot.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *